Relacionar as 12 Casas do mapa astral

22 de novembro de 2007 ·


As casas astrológicas são o factor mais "quotidiano" do mapa natal. Enquanto os signos tratam de arquétipos ou modos de ser e os planetas representam aspectos pessoais e colectivos da individualidade, as casas mostram as áreas de vida humana.
Esta função, aparentemente modesta, é contudo da maior importância. As casas mostram a que área de vida corresponde cada signo e cada planeta. Elas representam os "campos de manifestação" das forças celestes.
É por este motivo que os mapas onde não é possível determinar o ascendente (e, por consequência, também não se determinam as casas) são tão imprecisos e impessoais.
Relacionar as 12 casas
Para uma total compreensão das casas astrológicas precisamos de olhá-las como um todo: nenhuma das áreas de vida ali representadas faz sentido se não tomarmos em conta todas as outras.
Vejamos um exemplo:
A Casa V representa, entre outras coisas, a expressão criativa.
Para melhor a entendermos, devemos lembrar-nos que a Casa V é produto directo da Casa IV (as bases emocionais, o lar e a vivência familiar na infância). Com efeito, sem esta base interior, nada do que cria tem sentido ou "alma".
Podemos ainda considerar que a Casa V dá origem à Casa VI: a auto-expressão criativa pode dar lugar ao trabalho de perfeiçoamento, tendo em vista uma maior eficiência e funcionalidade. E, se quisermos ir mais longe, este apuramento pessoal permite-nos estabelecer relações de igualdade - um assunto da Casa VII.
Voltando à Casa V, podemos também complementá-la com a casa XI, a casa oposta. De facto, a criatividade pessoal alcançará a sua maior expressão quando for enquadrada num contexto grupal (casa XI).
Sabemos que a Casa V é uma casa de Fogo e Sucedente (ou Fixa).
Por ser de Fogo, está ligada à expressão da identidade e pode ser relacionada com as outras casas do mesmo elemento: a I (identidade imediata) e a IX (identidade mais abrangente). Por ser Sucedente, indica uma tendência à estabilidade a à continuidade. Podemos por isso relacioná-la com as outras casas sucedentes: a II (coisas concretas), a VIII (sentimentos e inconsciente) e a XII (pensamentos e relacionamentos grupais).
O mesmo tipo de inter-relação pode ser estabelecido para todas as outras casas.
 Épocas ou áreas de vida?
Para quem começa a estudar Astrologia, pode existir alguma confusão quanto à interpretação das casas.
Devemos interpretá-las como épocas de vida ou como áreas de vida?
Na verdade, ambas as interpretações são válidas e úteis.
As casas podem ser olhadas numa perspectiva temporal, já que mostram etapas da vida: a I indica o nascimento, a IV a infância, a X a maturidade, etc. Não obstante, as casas continuam presentes e actuantes mesmo quando já ultrapassámos essa etapa de vida. Por isso, podemos também considerá-las áreas de vida.
 Vejamos alguns exemplos:
A Casa I representa o nascimento, a época inicial da existência. O que acontece à Casa I na vida adulta? Na fase adulta, esta casa é indicadora de inícios e de "primeiras impressões". Sempre que sempre que tomamos contacto com uma nova situação ou iniciamos um projecto, estamos a funcionar na área representada pela Casa I. Na vida adulta, ela indica a forma como iniciamos as coisas e também a nossa imagem imediata, espontânea.
Numa outra perspectiva, a Casa IX indica a área dos estudos superiores, das viagens e das buscas espirituais. Esta casa reveste-se de especial significado sempre que estivermos a viver uma época de vida em que esses assuntos estejam em grande destaque.
Esta abordagem poderá ser aplicada a todas as outras casas, tornando a interpretação mais abrangente e esclarecedora.

0 comentários:

22 de novembro de 2007

Relacionar as 12 Casas do mapa astral


As casas astrológicas são o factor mais "quotidiano" do mapa natal. Enquanto os signos tratam de arquétipos ou modos de ser e os planetas representam aspectos pessoais e colectivos da individualidade, as casas mostram as áreas de vida humana.
Esta função, aparentemente modesta, é contudo da maior importância. As casas mostram a que área de vida corresponde cada signo e cada planeta. Elas representam os "campos de manifestação" das forças celestes.
É por este motivo que os mapas onde não é possível determinar o ascendente (e, por consequência, também não se determinam as casas) são tão imprecisos e impessoais.
Relacionar as 12 casas
Para uma total compreensão das casas astrológicas precisamos de olhá-las como um todo: nenhuma das áreas de vida ali representadas faz sentido se não tomarmos em conta todas as outras.
Vejamos um exemplo:
A Casa V representa, entre outras coisas, a expressão criativa.
Para melhor a entendermos, devemos lembrar-nos que a Casa V é produto directo da Casa IV (as bases emocionais, o lar e a vivência familiar na infância). Com efeito, sem esta base interior, nada do que cria tem sentido ou "alma".
Podemos ainda considerar que a Casa V dá origem à Casa VI: a auto-expressão criativa pode dar lugar ao trabalho de perfeiçoamento, tendo em vista uma maior eficiência e funcionalidade. E, se quisermos ir mais longe, este apuramento pessoal permite-nos estabelecer relações de igualdade - um assunto da Casa VII.
Voltando à Casa V, podemos também complementá-la com a casa XI, a casa oposta. De facto, a criatividade pessoal alcançará a sua maior expressão quando for enquadrada num contexto grupal (casa XI).
Sabemos que a Casa V é uma casa de Fogo e Sucedente (ou Fixa).
Por ser de Fogo, está ligada à expressão da identidade e pode ser relacionada com as outras casas do mesmo elemento: a I (identidade imediata) e a IX (identidade mais abrangente). Por ser Sucedente, indica uma tendência à estabilidade a à continuidade. Podemos por isso relacioná-la com as outras casas sucedentes: a II (coisas concretas), a VIII (sentimentos e inconsciente) e a XII (pensamentos e relacionamentos grupais).
O mesmo tipo de inter-relação pode ser estabelecido para todas as outras casas.
 Épocas ou áreas de vida?
Para quem começa a estudar Astrologia, pode existir alguma confusão quanto à interpretação das casas.
Devemos interpretá-las como épocas de vida ou como áreas de vida?
Na verdade, ambas as interpretações são válidas e úteis.
As casas podem ser olhadas numa perspectiva temporal, já que mostram etapas da vida: a I indica o nascimento, a IV a infância, a X a maturidade, etc. Não obstante, as casas continuam presentes e actuantes mesmo quando já ultrapassámos essa etapa de vida. Por isso, podemos também considerá-las áreas de vida.
 Vejamos alguns exemplos:
A Casa I representa o nascimento, a época inicial da existência. O que acontece à Casa I na vida adulta? Na fase adulta, esta casa é indicadora de inícios e de "primeiras impressões". Sempre que sempre que tomamos contacto com uma nova situação ou iniciamos um projecto, estamos a funcionar na área representada pela Casa I. Na vida adulta, ela indica a forma como iniciamos as coisas e também a nossa imagem imediata, espontânea.
Numa outra perspectiva, a Casa IX indica a área dos estudos superiores, das viagens e das buscas espirituais. Esta casa reveste-se de especial significado sempre que estivermos a viver uma época de vida em que esses assuntos estejam em grande destaque.
Esta abordagem poderá ser aplicada a todas as outras casas, tornando a interpretação mais abrangente e esclarecedora.

Sem comentários:

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates