O durão do Saturno também ama

23 de novembro de 2007 ·

Por António Rosa

O que habitualmente lemos e ouvimos sobre o simbolismo de Saturno resume-se mais ou menos nisto: o mestre, o velho sábio, o eremita, o monge, as pessoas idosas, os avós, os antepassados, o juiz, o agente governamental, o polícia, o professor, o pai, o chefe, o patrão (em simultâneo com o Sol), os inimigos, os falsos amigos.

Por outro lado, as funções associadas a este planeta, também podem ser consideradas assim: delimitação, fronteira, diferenciação, seletividade, contração, contenção, autocontrolo, realismo, amadurecimento, inserção social (como Júpiter, mas com um sentido mais hierárquico e estrutural, baseado no respeito e na adequação às regras e aos valores instituídos), superego, sombra (sentido junguiano), cristalização e materialização, medo e sentimento de culpa, vergonha.

Tudo isto pode ser reduzido a um conceito muito simples: à expressão paterna do «tu deves» ou pela proibição «tu não deves». Um pai, que faz? Ensina e prepara os filhos a percorrerem o caminho estreito da vida. Com amor. Raramente pensamos ou comentamos que Saturno também ama. Mas sim, ama e muito. Ensinando, cuidando, incitando, caminhando ao lado, velando pela segurança dos filhos. Pais ausentes são um problema sério para a criança ou jovem em formação.

Saturno, num mapa natal, para além de nos ensinar como atravessar os nossos medos e nos redescobrirmos enquanto fazedores da nossa própria vida, também nos diz como somos amados pelo nosso pai e, enquanto muito novos, como podemos chegar até ele, para encontrarmos a serenidade e segurança necessárias para nos sentirmos inteiros, até criamos a nossa própria estrutura interna e consequente identidade.

O meu pai desencarnou quando eu tinha 19 anos. Mas lembro-me bem dele e das muitas formas que senti o seu amor por mim, assim como da sua disciplina. Quando era mais pequeno, estudava comigo e ensinava-me as matérias da escola. Insistia para eu não desistir. Nunca me bateu, ao contrário da minha mãe. Acompanhou-me em numerosas ocasiões difíceis do meu crescimento. Seria fastidioso dar aqui mais exemplos, até porque estou a falar de uma época bem lá atrás, 40, 50 anos. Eram outros tempos e outra educação. Eu sabia que ele estava «ali». Sempre soube. Mesmo hoje em dia, sinto imensas saudades dele.

Talvez o meu quintil Saturno-Sol tenha ajudado a criar uma relação especial com ele. Talvez por Saturno se encontrar em Virgem, na casa 4, fui chamado muito cedo a tomar conta da família. Também vejo a casa 4 (e não apenas a 10), como sendo a casa do pai ou do progenitor predominante. Há mães que não deixam os pais exercerem a sua função. Eu sou do tempo em que ainda não se dava a desculpa do filho ser uma criança índigo. Hoje em dia, sou visto por algumas pessoas muito próximas, como o «patriarca». Outra imagem de Saturno. É uma ideia engraçada.

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince. .

0 comentários:

23 de novembro de 2007

O durão do Saturno também ama

Por António Rosa

O que habitualmente lemos e ouvimos sobre o simbolismo de Saturno resume-se mais ou menos nisto: o mestre, o velho sábio, o eremita, o monge, as pessoas idosas, os avós, os antepassados, o juiz, o agente governamental, o polícia, o professor, o pai, o chefe, o patrão (em simultâneo com o Sol), os inimigos, os falsos amigos.

Por outro lado, as funções associadas a este planeta, também podem ser consideradas assim: delimitação, fronteira, diferenciação, seletividade, contração, contenção, autocontrolo, realismo, amadurecimento, inserção social (como Júpiter, mas com um sentido mais hierárquico e estrutural, baseado no respeito e na adequação às regras e aos valores instituídos), superego, sombra (sentido junguiano), cristalização e materialização, medo e sentimento de culpa, vergonha.

Tudo isto pode ser reduzido a um conceito muito simples: à expressão paterna do «tu deves» ou pela proibição «tu não deves». Um pai, que faz? Ensina e prepara os filhos a percorrerem o caminho estreito da vida. Com amor. Raramente pensamos ou comentamos que Saturno também ama. Mas sim, ama e muito. Ensinando, cuidando, incitando, caminhando ao lado, velando pela segurança dos filhos. Pais ausentes são um problema sério para a criança ou jovem em formação.

Saturno, num mapa natal, para além de nos ensinar como atravessar os nossos medos e nos redescobrirmos enquanto fazedores da nossa própria vida, também nos diz como somos amados pelo nosso pai e, enquanto muito novos, como podemos chegar até ele, para encontrarmos a serenidade e segurança necessárias para nos sentirmos inteiros, até criamos a nossa própria estrutura interna e consequente identidade.

O meu pai desencarnou quando eu tinha 19 anos. Mas lembro-me bem dele e das muitas formas que senti o seu amor por mim, assim como da sua disciplina. Quando era mais pequeno, estudava comigo e ensinava-me as matérias da escola. Insistia para eu não desistir. Nunca me bateu, ao contrário da minha mãe. Acompanhou-me em numerosas ocasiões difíceis do meu crescimento. Seria fastidioso dar aqui mais exemplos, até porque estou a falar de uma época bem lá atrás, 40, 50 anos. Eram outros tempos e outra educação. Eu sabia que ele estava «ali». Sempre soube. Mesmo hoje em dia, sinto imensas saudades dele.

Talvez o meu quintil Saturno-Sol tenha ajudado a criar uma relação especial com ele. Talvez por Saturno se encontrar em Virgem, na casa 4, fui chamado muito cedo a tomar conta da família. Também vejo a casa 4 (e não apenas a 10), como sendo a casa do pai ou do progenitor predominante. Há mães que não deixam os pais exercerem a sua função. Eu sou do tempo em que ainda não se dava a desculpa do filho ser uma criança índigo. Hoje em dia, sou visto por algumas pessoas muito próximas, como o «patriarca». Outra imagem de Saturno. É uma ideia engraçada.

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince. .

Sem comentários:

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates