Plutão retrógrado nas Casas - uma visão cármica

23 de novembro de 2007 ·

Cerca de uma pessoa em cada duas tem Plutão retrógrado, já que este último só progride (aparentemente) durante seis meses do ano. Plutão tem, por sua natureza, uma significação essencialmente cármica: dá sempre   informações   sobre as   vidas passadas   e indica para  a vida actual, quando está   retrógrado, perturbações, mudanças dolorosas e radicais, cujo objectivo e  um reajustamento da entidade a novas exigências espirituais.

Nos carmas individuais, Plutão é sempre a ligação entre as vidas sucessivas; simboliza o retorno de certas pessoas, ou circunstâncias, de uma vida para a seguinte, com vistas a um crescimento da alma.

A pessoa de Plutão retrógrado será pressionado pelos acontecimentos a se transformar: a morte (real ou simbólica) das coisas e das pessoas que ele ama o levará ao despojamento que lhe permitirá renascer no estágio superior. 0 plutoniano retrógrado vive então uma série de experiências dolorosas; sua vida é entrecortada de desertos, de quase mortes, das quais a cada vez ele sai um pouco mais consciente. Ele sabe e sente muitas coisas; adivinha a verdade, sem que nem sempre possa exprimi-la. Goza de poderes excepcionais para mudar o seu carma, para se libertar das velhas dívidas. Aos períodos de eclipse, de solidão, de obscuridade, correspondem para ele outras tantas regenerações, das quais ressurge para a luz - para surpresa dos que o acreditavam morto!

Plutão retrógrado na casa 1
Quanto mais próximo está o planeta do Ascendente, mais a pessoa terá que ultrapassar os traços negativos de Escorpião, que haviam sido os seus em outras vidas: excesso de segredo, gosto pelas intrigas tortuosas, gosto excessivo do poder, desprezo pelos outros, ou, pelo menos, dificuldade em cooperar com o próximo dentro do respeito.
Se Plutão retrógrado está realmente mal aspectado, as vidas passadas da pessoa revelarão insondáveis horrores. que ele precisará ter uma certa coragem para admitir! Crueldade, sadismo, perversidades sexuais de todo tipo, ditadura paranóica. A pessoa tendia a reduzir os outros à condição de objectos ou de instrumentos sexuais. Em suma, Histoire d' O ou Les chasses du Comte Zaroff, que ilustram os casos menos graves, e os carrascos nazistas como exemplos dos piores.
Apesar de tudo, entretanto, não vão julgar todos os nativos de Plutão retrógrado na casa 1 como uma reencarnação de Nero ou de Eichmann! (Cada um de nós esconde tantos horrores no fundo das gavetas!) É imprescindível a indulgência.
0 nativo enfrenta nesta vida monstros gerados por seus desejos loucos de outrora: cabe a ele identificá-los, analisá-los e exorcizá-los. "Conhece-te a ti mesmo" deverá ser o seu lema; será preciso que empreenda todo um trabalho de investigação psicológica sobre seus próprios esquemas de comportamento. Quando tiver desmascarado as obsessões e compulsões que tornam a vida tão difícil, tanto para ele como para seus parentes, tudo irá melhor. De qualquer modo, esta posição planetária dá aa pessoa uma enorme força, uma coragem excepcional. Ele tem condições de enfrentar o Minotauro, essa besta imunda encolhida no fundo do seu labirinto pessoal; uma vez domesticado, o mostro se transformará num bravo touro de pasto.

Plutão retrógrado na casa 2
Forte posição aqui também, porque Plutão está aí em oposição à sua casa, a VIII. Seria de crer que a pessoa não brilhara por sua honestidade em seu passado anterior. Se não fizer hoje um esforço constante e consciente, recairá na tentação de se apropriar de tudo o que lhe cai nas mãos. Inveja, ciúme, vingança, todo tipo de atitude passional negativa, caracterizada por uma angústia de frustração no mais baixo nível, pode estar latente aqui. Vidas e vidas de materialismo recobrem a alma de uma crosta cinzenta. Mas ei-la na virada em que procura libertar-se. Suas vidas passadas marcadas pela violência e pela criminalidade levaram-na a uma tal repulsa por si mesma, que enfim decidiu libertar-se. O carma, aqui, é uma reflexão sobre a finalidade dos bens materiais, um exercício de despojamento interior. Assim, a pessoa passará por períodos de ruína, de perdas financeiras que são provações escolhidas por ele de antemão, antes do seu nascimento.

Plutão retrógrado na casa 3
Responsabilidades familiares, esquivadas nas vidas passadas, vão reaparecer aqui: irmãos, irmãs e primos, de quem nosso plutoniano deveria ter cuidado outrora. Nesta vida, ele deverá talvez trabalhar para permitir-lhes estudar muitas vezes mesmo sacrificando seus próprios estudos. As provações desta vida presente lhe virão sobretudo dessa carga familiarcármica por vezes também dos seus colegas de escola, quando se exige que responsabilidades anteriores sejam novamente assumidas.
Extremamente autoritário com os seus em suas encarnações anteriores, a pessoa deverá desta vez jogar um pouco de água fria na fervura familiar.
Vem-nos à lembrança o caso de Napoleão, opondo-se ao casamento de seu irmão Lucien com Madame Jouberthon, porque esta era plebeia! Ou ainda impondo ao seu outro irmão Luís um casamento com sua nora Hortênsia, para desespero desta última! Mas o mapa de Napoleão não deixa de apresentar mistérios: o que apresentou André Barbault (Le Lion, coleçãodu Seuil) e o publicado por Jacques Breton (300 themes de notabilités, editado pelo autor) tomam por base o dia 15 de Agosto de 1769 às 11 horas da manhã, em Ajaccio. Nessa versão, Plutão está efectivamenteNa casa 3, não retrógrado, em Capricórnio.
Entretanto, Don Néroman (Grandeur et Pitié de l'astrologie, ed. 
Fr. Sorlot, Paris) dá uma outra data de nascimento: 5 de Fevereiro de 1768 declarada pelo próprio Napoleão, ao desposar Josefina. O local de nascimento é. Paris! Pensa-se que a família do jovem "Napolione" falsificara seu registro para fazê-lo nascer francês e lhe permitir assim entrar na Escola de Brienne (pois, a 5 de Fevereiro de 1768, a Córsega ainda era genovesa). Napoleão teria então escolhido o dia 15 de Agosto, entre 11 horas e meio-dia, para fazer brilhar mais ainda seu nascimento com uma data marcante. Quem se preocuparia, então, numa província subdesenvolvida, agitada pela guerra, em estabelecer exactamente o estado civil de uma família numerosa, honrada, mas pobre? Tem-se muito poucos documentos sobre a infância de Napoleão. Ele próprio estava sempre pronto a fazer um arranjo, quando se tratava dos seus interesses. Se esta é a verdade histórica (e os argumen­tos dados por Néroman são perturbadores!), não se sabe a hora do seu nas­cimento; não se tem certeza nem do dia nem do ano, e por conseguinte não se pode precisar se Plutão está mesmoNa casa 3e retrógrado. Entretanto, o comportamento do Imperador com seus irmãos e irmãs ilustra perfeitamente essa configuração!

Plutão retrógrado na casa 4
Como o garotinho que quer um brinquedo, cuja posse lhe daria maior segurança, e que depois o quebra para provar que não precisa dele, esta pessoa, outrora, fez dos seus parentes joguetes. e os magoou. Em suas vidas passadas, sua atitude para com eles fora destruidora, a ponto de criar um pesado carma familiar. Agarrava-se à família porque tinha uma sede in­saciável de segurança afectiva. Depois, exasperado com essa dependência emocional, tentava libertar-se dela tomando-se o mais odioso possível: agredindo seus parentes, oprimindo-os com exigências extravagantes, atraía para si toda a ternura, a atenção, o tempo e as forças de todos. Um vampiro do coração. De tal maneira que um dia não restava mais à sua família outra alternativa senão a da escravidão ou da revolta. Nos dois casos, a pessoa, sádico, fazia-os pagar caro. Agora, ele deve reconhecerem si essa tendência a abusar dos laços familiares, e esforçar-se para repudiar toda tirania. Quando vir sua família decidir-se, de boa vontade, a ir morar com ele, é que terá ganho: será enfim capaz de dar aos outros ternura e harmonia!

Plutão retrógrado na casa 5
Teve a entidade um filho fora do casamento, numa vida passada? A posição de Plutão parece indicar que ela o abandonou, ou pelo menos deixou de reconhecê-lo. No entanto, essa entidade parece ter gozado de uma posição importante, à frente de uma grande família, ou de uma tribo, sobre a qual reinava.
Mas o carma sugerido aqui pode ser proveniente de um mau uso da autoridade dos pais, de uma falta de consideração para com os filhos que estavam sob sua guarda. Esta posição de Plutão retrógrado na casa 5, assim como também em Leão, aliás, evoca pouco recomendáveis histórias de escândalos: abusos e violências sexuais com crianças menores, escravos etc. Se Sagitário, Peixes, Neptuno e Júpiter estão implicados, tratava-se talvez de prostituição "sagrada", ou de orgias religiosas. De qualquer modo, entidade deverá preocupar-se escrupulosamente com crianças que estejam actualmente sob sua responsabilidade.
No que diz respeito à vida amorosa, é também uma posição planearia dolorosa: tanto orgulho passado, tanta violência, tantas exigências físicas acumuladas de vida em vida serão bem difíceis de civilizar! Esse trabalho só poderá ser feito através de rupturas, de lutos, de traumatismos que levarão a entidade a rever sua escala de valores.

Plutão retrógrado na casa 6
As rupturas dolorosas, aqui, podem afectar, por um lado, a saúde, e por outro o trabalho quotidiano. Plutão retrógrado na casa 6, se estiver mal aspectado, indica uma entidade que tinha dons para a medicina, e se serviu para satisfazer suas pulsões sexuais destruidoras. Um cirurgião sádico, por exemplo. Ou talvez, sem chegar a tanto, um médico desonesto, queaproveitou seus talentos para encher os bolsos, sem aliviar os pacientes., desprezando o juramento de Hipócrates!
Se Marte está implicado, a entidade trabalhava numa organização mili­tar: deve ter imposto a suas próprias tropas uma vida desumana (como diz Guy Sajer, em Le Soldat Oublié' : "O grande erro de Hitler foi tratar seus próprios soldados como prisioneiros." E evidente que acrueldade para com o inimigo vencido ou para com os presos civis é sugerida por esse Plutão.
Se a entidade trabalhava numa organização de serviço público, "serviu-se" deste para destruir seu próximo. Em sua vida actual, está sujeita, quer a penosos problemas de saúde, quer a uma vida quotidiana difícil no sector do trabalho. Pode tornar-se vítima de médicos desumanos ou de funcionários sem piedade. Sugere-se a ela, de maneira geral, que reencontre suas aptidões de outrora para curar os outros.

Plutão retrógrado na casa 7
Parceiro impossível em suas vidas anteriores! Susceptível quando se trata dos seus direitos (mas não muito quando se trata dos dos seus associados!), desonesto, "espírito de porco", violento. Aí está um que "puxava-a brasa para a sua sardinha" com tanta sofreguidão, que acabava sequeimando todo, e deitando tudo a perder!. Como todos os contratos que assinava. Desonesto nas associações de negócios, perverso sexual no casamento -o marido que violava a mulher e lhe batia sem nenhum escrúpulo, porque julgava que isso era um direito seu. Em certos casos, ele (ou ela) envenenou seu cônjuge. Suas exigências sexuais muitas vezes sádicas haviamlevado o (ou a) parceira ao desespero, à fuga, ao suicídio ou ao assassinato, num sobressalto de revolta.0 nativo (ou nativa) emendou-se, nesta vida? Algumas vezes. Mas com frequência apenas no segundo casamento (o primeiro cônjuge ainda sofre as consequências desse Plutão tão carregado).Em todo caso, esta vida será quebrada por rupturas violentas: lutos,divórcios, separações e processos: tantas lições que ensinarão a pessoa a respeitar os direitos elementares dos seus associados! Pode acontecer também que qualquer tentativa de casamento fracasse. A pessoa permanece solitário.

Plutão retrógrado na casa 8
Levado por um fortíssimo instinto vital, a pessoa dispõe de um excepcional poder para o bem e para o mal. Que fez ele, em suas vidas anteriores? Muitas experiências sexuais, não há dúvida! Um bocado de aventuras nos bas fond. alguém que "viveu muito" e que, como tal, conhece os recantos secretos da alma humana. Tendo usado os poderes do dinheiro em seu proveito e tendo manipulado as pes­soas para saciar sua própria sede de poder, foi tanto mais negativo quanto grande era a sua influência. Tendo desvirtuado os mais altos valores espi­rituais em seu benefício, abusou da fé dos outros. Assim, semeou a morte em tomo de si, acarretando o fim violento das suas empresas, e das suas relações afectivas. Mas hoje, Plutão lhe dá podero­sos meios para mudar o eixo de sua evolução.

Plutão retrógrado na casa 9
Sendo a casa 9 a dos ideais espirituais, da Lei (civil ou religiosa), é, portanto, nesse sector que Plutão retrógrado indica um carma. Bem aspectado, o planeta indica apenas a continuação de um trabalho que não pudera ser completado numa vida passada. Era a pessoa sacerdote, missionário ou juiz? Quando morreu, não estava satisfeito com sua tarefa, julgava que algo não fora realizado. Desejava então recomeçar nesta vida. Se Plutão está mal aspectado, a pessoa certamente abusou do poder, quer jurídico, quer reli­gioso (ou os dois, num país e numa época em que estavam misturados). Era ele um missionário limitado que impunha à força suas ideias religiosas estreitas? Tinha ele matado pessoas em nome de sua fé? Tinha ele expor­tado para um país estrangeiro ideias destruidoras. embaladas numa apre­sentação sedutora? A casa IX, em analogia com Sagitário, signo da Espanha, quando contém Plutão retrógrado e mal aspectado, sugere vidas passadas de Inquisitor. De qualquer modo, uma sede de poder e apetites sexuais perversos dissimulados sob uma autoridade religiosa tinham conduzido a pessoa a um comportamento sem piedade. Nesta vida, ele deverá sobretudocultivar a tolerância. e não se espantar por reencontrar suas antigas vítimas ao sabor das circunstâncias. Mas se ele praticar um ecumenismo ge­neroso, sua dívida será eliminada.

Plutão retrógrado na casa 10
É o caso de François Mitterrand, e era também o de Valéry Giscard d'Estaing, e de uma parte de sua equipe (como, por exemplo, Marie-France Geraud). Toda uma geração de mulheres e de homens políticos, nascidos com o Ascendente em Balança, manifestaram-se durante os anos em que a conjunção Júpiter-Saturno (planetas símbolos do poder) transitava no signo. O Ascendente em Balança situa Caranguejo no Meio-do-Céu, e continha Plutão, portanto, para essa geração, na casa 10. Parece que o planeta, retrogradando lá em cima, dá grandes ambições aos nativos. Tiveram eles grandes poderes outrora, é evidente. Sente-se que se habituaram a isso! Mas esse poder, eles o tinham negociado ou usado mal, nas encarnações anteriores. Se lhes escapou, criando uma intensa frustração, reencarnaram-se com o desejo apaixonado de retomá-lo. Nem Giscard nem Mitterrand, entretanto, são ditadores. Seu gosto muito forte pelo poder não chega a tanto.
Muitos desses nativos já reflectiram, de vida em vida, sobre o bom e o mau uso do poder. O primeiro lugar lhes parece, muito naturalmente, o deles! Empregam toda a energia para chegar a ele, e sacrificarão tudo com esse fim. Mas uma vez instalados, uma armadilha os espreita: é a possibilidade de o poder transformar-se num fim em si mesmo. Esquecer o objectivo de serviço que motivara sua reencarnação actual. (Quando chegamos muito idosos aos postos-chave, arriscamo-nos a esquecer nosso programa no caminho!) Esta posição plutoniana dá uma viva intuição, dons parapsicológicos. A pessoa está fortemente ligado aos mundos invisíveis, e por vezes é mais clarividente do que os que o cercam. De qualquer modo, é um carácter muito complexo, bastante secreto, que muitas pessoas, mesmo entre seus parentes, queixam-se de não entender.

Plutão retrógrado na casa 11
No livro de Isola Pisani, Mourir n' est pas mourir, o herói da história conta uma das suas vidas passadas, durante o Renascimento italiano. Sequioso de amizade, elege como companheiro um capitão estrangeiro, de moral duvidosa, que acaba por assassiná-lo. Assim, a entidade fez de tudo para "arranjar um amigo". não importa a que preço! Fechando os olhos para suas próprias motivações, e para a qualidade do "amigo", estabelece uma relação baseada apenas no interesse e na cupidez. É por isso que esse tipo de amizade muitas vezes acaba mal: o ciúme não demora a se infiltrar. Os nativos de Plutão retrógrado na casa 11 que experimentaram anteriormente a amargura dessas decepções devem agora aprender a amizade desinteres­sada. Em suas vidas anteriores estavam, antes de tudo, mais preocupados em receber, do que em dar. Recolhendo o que haviam semeado, pergun­tam-se hoje por que os amigos lhes fogem. Mas caminham em direcção à descoberta da verdadeira amizade: simpatia espontânea baseada numa pesquisa espiritual comum. Esta só pode existir, a longo prazo, entre dois seres suficientemente liberados.

Plutão retrógrado na casa 12

A entidade recebeu uma iniciação, numa vida passada. Foi destinada, por um ritual religioso, a um ofício preciso, que não realizou. Bloqueada por suas inibições, neuroses e obsessões de todotipo, que a encerravam numa prisão mental, não pudera soltar-se, para se tomar útil. Fará bem, hoje, em libertar-se (psicoterapia), escolhendo, quando se sentir melhor, um ofício que preste serviços aos outros. Pessoal de hospital, trabalho social, associações caritativas, lhe serão muito convenientes, e lhe permitirão aliviar os sofrimentos dos outros o que não fizera outrora.


Reproduzido do livro “Astrologia Cármica”de Dorothe Koechlin Bizemont
publicado no Brasil pela Editora Nova Fronteira

Actualizado em Domingo, 08 Abril 2007 14:04

0 comentários:

23 de novembro de 2007

Plutão retrógrado nas Casas - uma visão cármica

Cerca de uma pessoa em cada duas tem Plutão retrógrado, já que este último só progride (aparentemente) durante seis meses do ano. Plutão tem, por sua natureza, uma significação essencialmente cármica: dá sempre   informações   sobre as   vidas passadas   e indica para  a vida actual, quando está   retrógrado, perturbações, mudanças dolorosas e radicais, cujo objectivo e  um reajustamento da entidade a novas exigências espirituais.

Nos carmas individuais, Plutão é sempre a ligação entre as vidas sucessivas; simboliza o retorno de certas pessoas, ou circunstâncias, de uma vida para a seguinte, com vistas a um crescimento da alma.

A pessoa de Plutão retrógrado será pressionado pelos acontecimentos a se transformar: a morte (real ou simbólica) das coisas e das pessoas que ele ama o levará ao despojamento que lhe permitirá renascer no estágio superior. 0 plutoniano retrógrado vive então uma série de experiências dolorosas; sua vida é entrecortada de desertos, de quase mortes, das quais a cada vez ele sai um pouco mais consciente. Ele sabe e sente muitas coisas; adivinha a verdade, sem que nem sempre possa exprimi-la. Goza de poderes excepcionais para mudar o seu carma, para se libertar das velhas dívidas. Aos períodos de eclipse, de solidão, de obscuridade, correspondem para ele outras tantas regenerações, das quais ressurge para a luz - para surpresa dos que o acreditavam morto!

Plutão retrógrado na casa 1
Quanto mais próximo está o planeta do Ascendente, mais a pessoa terá que ultrapassar os traços negativos de Escorpião, que haviam sido os seus em outras vidas: excesso de segredo, gosto pelas intrigas tortuosas, gosto excessivo do poder, desprezo pelos outros, ou, pelo menos, dificuldade em cooperar com o próximo dentro do respeito.
Se Plutão retrógrado está realmente mal aspectado, as vidas passadas da pessoa revelarão insondáveis horrores. que ele precisará ter uma certa coragem para admitir! Crueldade, sadismo, perversidades sexuais de todo tipo, ditadura paranóica. A pessoa tendia a reduzir os outros à condição de objectos ou de instrumentos sexuais. Em suma, Histoire d' O ou Les chasses du Comte Zaroff, que ilustram os casos menos graves, e os carrascos nazistas como exemplos dos piores.
Apesar de tudo, entretanto, não vão julgar todos os nativos de Plutão retrógrado na casa 1 como uma reencarnação de Nero ou de Eichmann! (Cada um de nós esconde tantos horrores no fundo das gavetas!) É imprescindível a indulgência.
0 nativo enfrenta nesta vida monstros gerados por seus desejos loucos de outrora: cabe a ele identificá-los, analisá-los e exorcizá-los. "Conhece-te a ti mesmo" deverá ser o seu lema; será preciso que empreenda todo um trabalho de investigação psicológica sobre seus próprios esquemas de comportamento. Quando tiver desmascarado as obsessões e compulsões que tornam a vida tão difícil, tanto para ele como para seus parentes, tudo irá melhor. De qualquer modo, esta posição planetária dá aa pessoa uma enorme força, uma coragem excepcional. Ele tem condições de enfrentar o Minotauro, essa besta imunda encolhida no fundo do seu labirinto pessoal; uma vez domesticado, o mostro se transformará num bravo touro de pasto.

Plutão retrógrado na casa 2
Forte posição aqui também, porque Plutão está aí em oposição à sua casa, a VIII. Seria de crer que a pessoa não brilhara por sua honestidade em seu passado anterior. Se não fizer hoje um esforço constante e consciente, recairá na tentação de se apropriar de tudo o que lhe cai nas mãos. Inveja, ciúme, vingança, todo tipo de atitude passional negativa, caracterizada por uma angústia de frustração no mais baixo nível, pode estar latente aqui. Vidas e vidas de materialismo recobrem a alma de uma crosta cinzenta. Mas ei-la na virada em que procura libertar-se. Suas vidas passadas marcadas pela violência e pela criminalidade levaram-na a uma tal repulsa por si mesma, que enfim decidiu libertar-se. O carma, aqui, é uma reflexão sobre a finalidade dos bens materiais, um exercício de despojamento interior. Assim, a pessoa passará por períodos de ruína, de perdas financeiras que são provações escolhidas por ele de antemão, antes do seu nascimento.

Plutão retrógrado na casa 3
Responsabilidades familiares, esquivadas nas vidas passadas, vão reaparecer aqui: irmãos, irmãs e primos, de quem nosso plutoniano deveria ter cuidado outrora. Nesta vida, ele deverá talvez trabalhar para permitir-lhes estudar muitas vezes mesmo sacrificando seus próprios estudos. As provações desta vida presente lhe virão sobretudo dessa carga familiarcármica por vezes também dos seus colegas de escola, quando se exige que responsabilidades anteriores sejam novamente assumidas.
Extremamente autoritário com os seus em suas encarnações anteriores, a pessoa deverá desta vez jogar um pouco de água fria na fervura familiar.
Vem-nos à lembrança o caso de Napoleão, opondo-se ao casamento de seu irmão Lucien com Madame Jouberthon, porque esta era plebeia! Ou ainda impondo ao seu outro irmão Luís um casamento com sua nora Hortênsia, para desespero desta última! Mas o mapa de Napoleão não deixa de apresentar mistérios: o que apresentou André Barbault (Le Lion, coleçãodu Seuil) e o publicado por Jacques Breton (300 themes de notabilités, editado pelo autor) tomam por base o dia 15 de Agosto de 1769 às 11 horas da manhã, em Ajaccio. Nessa versão, Plutão está efectivamenteNa casa 3, não retrógrado, em Capricórnio.
Entretanto, Don Néroman (Grandeur et Pitié de l'astrologie, ed. 
Fr. Sorlot, Paris) dá uma outra data de nascimento: 5 de Fevereiro de 1768 declarada pelo próprio Napoleão, ao desposar Josefina. O local de nascimento é. Paris! Pensa-se que a família do jovem "Napolione" falsificara seu registro para fazê-lo nascer francês e lhe permitir assim entrar na Escola de Brienne (pois, a 5 de Fevereiro de 1768, a Córsega ainda era genovesa). Napoleão teria então escolhido o dia 15 de Agosto, entre 11 horas e meio-dia, para fazer brilhar mais ainda seu nascimento com uma data marcante. Quem se preocuparia, então, numa província subdesenvolvida, agitada pela guerra, em estabelecer exactamente o estado civil de uma família numerosa, honrada, mas pobre? Tem-se muito poucos documentos sobre a infância de Napoleão. Ele próprio estava sempre pronto a fazer um arranjo, quando se tratava dos seus interesses. Se esta é a verdade histórica (e os argumen­tos dados por Néroman são perturbadores!), não se sabe a hora do seu nas­cimento; não se tem certeza nem do dia nem do ano, e por conseguinte não se pode precisar se Plutão está mesmoNa casa 3e retrógrado. Entretanto, o comportamento do Imperador com seus irmãos e irmãs ilustra perfeitamente essa configuração!

Plutão retrógrado na casa 4
Como o garotinho que quer um brinquedo, cuja posse lhe daria maior segurança, e que depois o quebra para provar que não precisa dele, esta pessoa, outrora, fez dos seus parentes joguetes. e os magoou. Em suas vidas passadas, sua atitude para com eles fora destruidora, a ponto de criar um pesado carma familiar. Agarrava-se à família porque tinha uma sede in­saciável de segurança afectiva. Depois, exasperado com essa dependência emocional, tentava libertar-se dela tomando-se o mais odioso possível: agredindo seus parentes, oprimindo-os com exigências extravagantes, atraía para si toda a ternura, a atenção, o tempo e as forças de todos. Um vampiro do coração. De tal maneira que um dia não restava mais à sua família outra alternativa senão a da escravidão ou da revolta. Nos dois casos, a pessoa, sádico, fazia-os pagar caro. Agora, ele deve reconhecerem si essa tendência a abusar dos laços familiares, e esforçar-se para repudiar toda tirania. Quando vir sua família decidir-se, de boa vontade, a ir morar com ele, é que terá ganho: será enfim capaz de dar aos outros ternura e harmonia!

Plutão retrógrado na casa 5
Teve a entidade um filho fora do casamento, numa vida passada? A posição de Plutão parece indicar que ela o abandonou, ou pelo menos deixou de reconhecê-lo. No entanto, essa entidade parece ter gozado de uma posição importante, à frente de uma grande família, ou de uma tribo, sobre a qual reinava.
Mas o carma sugerido aqui pode ser proveniente de um mau uso da autoridade dos pais, de uma falta de consideração para com os filhos que estavam sob sua guarda. Esta posição de Plutão retrógrado na casa 5, assim como também em Leão, aliás, evoca pouco recomendáveis histórias de escândalos: abusos e violências sexuais com crianças menores, escravos etc. Se Sagitário, Peixes, Neptuno e Júpiter estão implicados, tratava-se talvez de prostituição "sagrada", ou de orgias religiosas. De qualquer modo, entidade deverá preocupar-se escrupulosamente com crianças que estejam actualmente sob sua responsabilidade.
No que diz respeito à vida amorosa, é também uma posição planearia dolorosa: tanto orgulho passado, tanta violência, tantas exigências físicas acumuladas de vida em vida serão bem difíceis de civilizar! Esse trabalho só poderá ser feito através de rupturas, de lutos, de traumatismos que levarão a entidade a rever sua escala de valores.

Plutão retrógrado na casa 6
As rupturas dolorosas, aqui, podem afectar, por um lado, a saúde, e por outro o trabalho quotidiano. Plutão retrógrado na casa 6, se estiver mal aspectado, indica uma entidade que tinha dons para a medicina, e se serviu para satisfazer suas pulsões sexuais destruidoras. Um cirurgião sádico, por exemplo. Ou talvez, sem chegar a tanto, um médico desonesto, queaproveitou seus talentos para encher os bolsos, sem aliviar os pacientes., desprezando o juramento de Hipócrates!
Se Marte está implicado, a entidade trabalhava numa organização mili­tar: deve ter imposto a suas próprias tropas uma vida desumana (como diz Guy Sajer, em Le Soldat Oublié' : "O grande erro de Hitler foi tratar seus próprios soldados como prisioneiros." E evidente que acrueldade para com o inimigo vencido ou para com os presos civis é sugerida por esse Plutão.
Se a entidade trabalhava numa organização de serviço público, "serviu-se" deste para destruir seu próximo. Em sua vida actual, está sujeita, quer a penosos problemas de saúde, quer a uma vida quotidiana difícil no sector do trabalho. Pode tornar-se vítima de médicos desumanos ou de funcionários sem piedade. Sugere-se a ela, de maneira geral, que reencontre suas aptidões de outrora para curar os outros.

Plutão retrógrado na casa 7
Parceiro impossível em suas vidas anteriores! Susceptível quando se trata dos seus direitos (mas não muito quando se trata dos dos seus associados!), desonesto, "espírito de porco", violento. Aí está um que "puxava-a brasa para a sua sardinha" com tanta sofreguidão, que acabava sequeimando todo, e deitando tudo a perder!. Como todos os contratos que assinava. Desonesto nas associações de negócios, perverso sexual no casamento -o marido que violava a mulher e lhe batia sem nenhum escrúpulo, porque julgava que isso era um direito seu. Em certos casos, ele (ou ela) envenenou seu cônjuge. Suas exigências sexuais muitas vezes sádicas haviamlevado o (ou a) parceira ao desespero, à fuga, ao suicídio ou ao assassinato, num sobressalto de revolta.0 nativo (ou nativa) emendou-se, nesta vida? Algumas vezes. Mas com frequência apenas no segundo casamento (o primeiro cônjuge ainda sofre as consequências desse Plutão tão carregado).Em todo caso, esta vida será quebrada por rupturas violentas: lutos,divórcios, separações e processos: tantas lições que ensinarão a pessoa a respeitar os direitos elementares dos seus associados! Pode acontecer também que qualquer tentativa de casamento fracasse. A pessoa permanece solitário.

Plutão retrógrado na casa 8
Levado por um fortíssimo instinto vital, a pessoa dispõe de um excepcional poder para o bem e para o mal. Que fez ele, em suas vidas anteriores? Muitas experiências sexuais, não há dúvida! Um bocado de aventuras nos bas fond. alguém que "viveu muito" e que, como tal, conhece os recantos secretos da alma humana. Tendo usado os poderes do dinheiro em seu proveito e tendo manipulado as pes­soas para saciar sua própria sede de poder, foi tanto mais negativo quanto grande era a sua influência. Tendo desvirtuado os mais altos valores espi­rituais em seu benefício, abusou da fé dos outros. Assim, semeou a morte em tomo de si, acarretando o fim violento das suas empresas, e das suas relações afectivas. Mas hoje, Plutão lhe dá podero­sos meios para mudar o eixo de sua evolução.

Plutão retrógrado na casa 9
Sendo a casa 9 a dos ideais espirituais, da Lei (civil ou religiosa), é, portanto, nesse sector que Plutão retrógrado indica um carma. Bem aspectado, o planeta indica apenas a continuação de um trabalho que não pudera ser completado numa vida passada. Era a pessoa sacerdote, missionário ou juiz? Quando morreu, não estava satisfeito com sua tarefa, julgava que algo não fora realizado. Desejava então recomeçar nesta vida. Se Plutão está mal aspectado, a pessoa certamente abusou do poder, quer jurídico, quer reli­gioso (ou os dois, num país e numa época em que estavam misturados). Era ele um missionário limitado que impunha à força suas ideias religiosas estreitas? Tinha ele matado pessoas em nome de sua fé? Tinha ele expor­tado para um país estrangeiro ideias destruidoras. embaladas numa apre­sentação sedutora? A casa IX, em analogia com Sagitário, signo da Espanha, quando contém Plutão retrógrado e mal aspectado, sugere vidas passadas de Inquisitor. De qualquer modo, uma sede de poder e apetites sexuais perversos dissimulados sob uma autoridade religiosa tinham conduzido a pessoa a um comportamento sem piedade. Nesta vida, ele deverá sobretudocultivar a tolerância. e não se espantar por reencontrar suas antigas vítimas ao sabor das circunstâncias. Mas se ele praticar um ecumenismo ge­neroso, sua dívida será eliminada.

Plutão retrógrado na casa 10
É o caso de François Mitterrand, e era também o de Valéry Giscard d'Estaing, e de uma parte de sua equipe (como, por exemplo, Marie-France Geraud). Toda uma geração de mulheres e de homens políticos, nascidos com o Ascendente em Balança, manifestaram-se durante os anos em que a conjunção Júpiter-Saturno (planetas símbolos do poder) transitava no signo. O Ascendente em Balança situa Caranguejo no Meio-do-Céu, e continha Plutão, portanto, para essa geração, na casa 10. Parece que o planeta, retrogradando lá em cima, dá grandes ambições aos nativos. Tiveram eles grandes poderes outrora, é evidente. Sente-se que se habituaram a isso! Mas esse poder, eles o tinham negociado ou usado mal, nas encarnações anteriores. Se lhes escapou, criando uma intensa frustração, reencarnaram-se com o desejo apaixonado de retomá-lo. Nem Giscard nem Mitterrand, entretanto, são ditadores. Seu gosto muito forte pelo poder não chega a tanto.
Muitos desses nativos já reflectiram, de vida em vida, sobre o bom e o mau uso do poder. O primeiro lugar lhes parece, muito naturalmente, o deles! Empregam toda a energia para chegar a ele, e sacrificarão tudo com esse fim. Mas uma vez instalados, uma armadilha os espreita: é a possibilidade de o poder transformar-se num fim em si mesmo. Esquecer o objectivo de serviço que motivara sua reencarnação actual. (Quando chegamos muito idosos aos postos-chave, arriscamo-nos a esquecer nosso programa no caminho!) Esta posição plutoniana dá uma viva intuição, dons parapsicológicos. A pessoa está fortemente ligado aos mundos invisíveis, e por vezes é mais clarividente do que os que o cercam. De qualquer modo, é um carácter muito complexo, bastante secreto, que muitas pessoas, mesmo entre seus parentes, queixam-se de não entender.

Plutão retrógrado na casa 11
No livro de Isola Pisani, Mourir n' est pas mourir, o herói da história conta uma das suas vidas passadas, durante o Renascimento italiano. Sequioso de amizade, elege como companheiro um capitão estrangeiro, de moral duvidosa, que acaba por assassiná-lo. Assim, a entidade fez de tudo para "arranjar um amigo". não importa a que preço! Fechando os olhos para suas próprias motivações, e para a qualidade do "amigo", estabelece uma relação baseada apenas no interesse e na cupidez. É por isso que esse tipo de amizade muitas vezes acaba mal: o ciúme não demora a se infiltrar. Os nativos de Plutão retrógrado na casa 11 que experimentaram anteriormente a amargura dessas decepções devem agora aprender a amizade desinteres­sada. Em suas vidas anteriores estavam, antes de tudo, mais preocupados em receber, do que em dar. Recolhendo o que haviam semeado, pergun­tam-se hoje por que os amigos lhes fogem. Mas caminham em direcção à descoberta da verdadeira amizade: simpatia espontânea baseada numa pesquisa espiritual comum. Esta só pode existir, a longo prazo, entre dois seres suficientemente liberados.

Plutão retrógrado na casa 12

A entidade recebeu uma iniciação, numa vida passada. Foi destinada, por um ritual religioso, a um ofício preciso, que não realizou. Bloqueada por suas inibições, neuroses e obsessões de todotipo, que a encerravam numa prisão mental, não pudera soltar-se, para se tomar útil. Fará bem, hoje, em libertar-se (psicoterapia), escolhendo, quando se sentir melhor, um ofício que preste serviços aos outros. Pessoal de hospital, trabalho social, associações caritativas, lhe serão muito convenientes, e lhe permitirão aliviar os sofrimentos dos outros o que não fizera outrora.


Reproduzido do livro “Astrologia Cármica”de Dorothe Koechlin Bizemont
publicado no Brasil pela Editora Nova Fronteira

Actualizado em Domingo, 08 Abril 2007 14:04

Sem comentários:

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates