Selos recebidos - terminando o ano com boas energias. Dedico estes selos aos anjos a quem chamo amigos

29 de dezembro de 2010 · 48 comentários


Recebi estes 3 primeiros selos desse ser humano muito especial,
que nesta reencarnação dá pelo nome de  

Saulo Taveira, do blogue «Partitura»

Esta é a melhor forma de terminar o ano bloguístico de 2010:
recebendo e dando. Partilhando.



Este selo, o 'Sabor da Letra' foi-me oferecido por outro magnífico ser humano,
que se chama

William Garibaldi, do blogue «Versos de Fogo»



O selo «Seu blog é um Amor» foi foi-me oferecido por um jovem muito simpático,
dono do blogue «CocadaG Plus».

Dedico estes selos aos anjos a quem chamo amigos.

Muitos estão na lista de links, na barra da direita.
Todos, no meu coração.

Sirvam-se, por favor.

Obrigado, Saulo. Obrigado, William. Obrigado, Cocada.

DESEJO QUE 2011 SORRIA A TODOS NÓS.

Este ano que termina foi excelente para o 'Cova do Urso'
Devo isso a todos os amigos e leitores. Muito obrigado.

Todos os selos que me oferecem, estão guardados aqui.

.

A Morte

27 de dezembro de 2010 · 63 comentários


Há histórias da nossa vida que conseguimos pôr para trás e só anos mais tarde é que o assunto volta à superfície e a situação fica mais clara. Aconteceu isso comigo, em 2005. Numa tarde de sábado, com dezenas de pessoas presentes nessa aula de astrologia, dei por mim a iniciar a aula - e a despropósito -, falando na 'morte'. Não, na morte do género, ai que pena que morreu, mas sim no exacto processo metafísico em que o espírito se desprende do corpo, com a assistência de uma comitiva de entidades.

Então, lá estava eu embalado a explicar aqueles pormenores todos dos chacras a serem desatarraxados, de baixo para cima e as razões porque a pessoa que está a desencarnar fica com os membros paralisados, sente um peso ou uma dor no peito, antes do respiro final, quando percebi num miléssimo de segundo, que tinha à minha frente aí umas 40 pessoas, que pura e simplesmente tinham deixado de tomar apontamentos (o que era habitual nas minhas aulas) e estavam todas, mas todas mesmo, especadas a olharem para mim fixamente.

Nesse fragmento de segundo, nesse instante cristalizado no tempo, realizei que me tinha posto de pé e além das palavras, estava a usar em mim mesmo, gestos muito enfáticos, nas áreas dos chacras, e lá estava eu a fazer o gesto de ir desatarraxando todos os chacras e que, em simultâneo, perdera a consciência total que tinha pessoas à minha frente.

Ao chegar ao último chacra, o coronário, lá estava eu com o braço levantado, a mão em cima da cabeça, a fazer o gesto de quem abre uma torneira qualquer. Foi nesse momento que tomei consciência do que se estava a passar e fiquei em silêncio. Todos em silêncio. Não sei durante quanto tempo. Pareceu-me uma eternidade.

A aula continuou, mas aquele momento ficou registado para sempre na minha consciência, que o tempo se encarregou de ir diluindo. Se querem que vos diga, nem me lembro sequer em que aula foi.  E, muito menos, porque estou a escrever isto. Devo ter cá por casa, uma gravação desse momento. Tenho que procurar o CD e disponibilizar esse bocado nos podcasts.

Se o tema voltou à baila, na minha memória e nas minhas células, é porque também percebi intensamente que eu próprio já usara os dois prazos anteriores para desencarnar. E que vou a caminho do terceiro e último prazo de validade. Explico melhor: todos os seres humanos ao encarnarem sabem o que escolheram vivenciar e também sabem que dispõem de 3 prazos para desencarnar. Simplesmente, aqui, no planeta Terra, não se lembram dos seus planos. Assim:

1º prazo - O prazo comum, de uma vida, variável de pessoa para pessoa, mas regra geral, é para viverem cerca de 70 a 80 anos. Não julguem que é assim tão maioritário como possa parecer.

2º prazo - É antecipado o momento do desencarne em vários anos terrestres. Por um de dois motivos: por estar a desperdiçar 'demasiado' a sua experiência terrestre (haveria muito a dizer sobre isto) ou, porque a pessoa galgou inúmeras etapas na sua reencarnação e em poucos anos, experimentou pelo menos 90% do que escolhera vivenciar ao reencarnar. Exemplos de ambos os casos? Jesus e os ladrões, crucificados no mesmo dia.

3º prazo - É concedida uma prorrogação do seu tempo limite, também por um de dois motivos: para encerrar ou completar uma experiência, ou porque, devido ao seu livre-arbítrio, esta reencarnação foi a decisiva no último milénio e a pessoa, melhor dito, o seu espírito está mais que preparado para avançar. É um esforço extra para o ser encerrar um ciclo.

Há duas grandes excepções a estas regras gerais dos 3 prazos. Aqueles que desencarnam sendo crianças, adolescentes ou jovens até por volta dos 30 anos. A maioria desses seres que morrem cedo, simplesmente terminaram um ciclo importante na roda de Samsara e, por isso, é necessário que os seus espíritos prossigam caminho em planos muito elevados. Não é de estranhar que neste vasto grupo, seja frequente a morte súbita.

Estes espíritos passam por um certo apuro no momento do desencarne, pois quando alguém morre num acidente, ou de forma súbita, tem sensações diferentes daquele que morre num leito ou de forma mais pacífica. Esses espíritos terão mais dificuldade em compreender o acontecimento no outro plano e, é nesse exacto momento, que no nosso tempo terrestre pode ser considerado como brevíssimos minutos, que os espíritos adquirem a condição exacta da sua grandeza, como seres evoluídos que se libertaram da sua experiência mortal e abraçam a eternidade.

A outra grande excepção a estes prazos são os suicidas. Não desenvolverei este tema, pois requer um tratamento especial separado. Apenas posso acrescentar que o espírito do suicida tem uma experiência completamente diferente daquele que desencarna dentro da programação genético-espiritual. A simples condição de não ter terminado com 'normalidade' a sua vida cármica, fá-lo ficar em débito com todos aqueles seres com quem deveria desenvolver relacionamentos sociais, familiares, profissionais, etc.

O momento de desencarnar é, por incrível que pareça e, ao contrário do que a nossa cultura pretende transmitir, muito menos traumático para a pessoa do que o acto de encarnar, de nascer.

A 'Morte' é entendida pela cultura ocidental como o fim de toda a vida. Já somos muitos os que a aceitamos como mais uma etapa da Grande Viagem. Significa apenas uma mudança que se traduz em deixar para trás o corpo físico e retomar outra vez o nosso lugar no plano de onde viemos. É isso que, afinal, é a morte. Não o fim, a tragédia, o luto… mas o regresso à nossa verdadeira essência, o espírito que todos somos. Por muito que nos custe aceitar e por muito forte que possa ser a nossa dor, a morte, na realidade, não é mais do que uma aprendizagem que o espírito quis realizar.

.

O actual inimigo público dos EUA, Julian Assange - análise astrológica do escândalo sexual

25 de dezembro de 2010 · 18 comentários


Não vou analisar a questão dos 'cables' americanos. Deixo isso, para quem sabe do assunto. Interessa-me mais analisar astrologicamente algumas partes do mapa do actual inimigo público dos EUA, Julian Assange.

A acusação de estupro contra Julian Assange vem da Suécia e ocorreu em Agosto 2010,  quando ele foi convidado para dar umas palestras, inserida num seminário mais vasto. Parece que tudo se resume a isto: não usou preservativos. As consequências são as que sabemos. Entretanto, estão vários países à «bulha» com este homem, por questões políticas, obviamente.


Nessa estadia escandinava, conheceu uma loira sueca, de 31 anos, e foi para cama com ela. A seguir conheceu outra loira, de 26 anos e também fez sexo com ela. No caso da primeira, ele teria usado preservativo, que rebentou. Com a segunda, parece ter-se recusado a usar a 'camisinha'. Acontece que as duas mulheres conheceram-se e conversaram, acabando por desabafarem uma com a outra, sobre as suas desventuras sexuais com Julian Assange e bastante revoltadas com ele, pois aparentemente não lhes ligou nenhuma após ter tido sexo com elas. Ficaram magoadas, pois eram fãs do seu trabalho no «WikiLeaks».

 
Os dados para este mapa foram obtidos no prestigiado 'The Mountain Astrologer'. Clicar.
De qualquer forma, não poso garantir que essa seja a hora exacta de nascimento.
Clicar na imagem para aumentar.

A conversa entre as mulheres resultou na preocupação da possibilidade de contraírem doenças sexualmente transmissíveis. A segunda loira (a mais jovem) foi à policia apresentar queixa e pediu à primeira que a acompanhasse, apesar desta não querer queixar-se, pois o seu caso era diferente, visto o preservativo ter-se rompido durante o sexo. Resumindo, toda esta história resultou em 4 acusações contra Julian Assange, que vão da agressão sexual a estupro. É o que dá não usar camisinha.

Quando rebentou o escândalo dos milhares de 'cables' americanos, a polícia sueca accionou os mecanismos internacionais legais contra Julian Assange. O resto é conhecido.

Esta ilustração já é antiga, pois até o Papa já disse «Yes».

Vamos agora analisar esta situação a nível astrológico:

Vamos começar por falar de Escorpião, o signo que trata de assuntos vários como sexo, coisas ocultas, transformação, morte... Se quiser saber mais sobre este signo, clique aqui.

Julian Assange tem o Ascendente Escorpião, portanto, eu definiria assim a sua personalidade: magnético, intenso, energético, independente, perseverante, corajoso, solitário. Por outro lado, tal como qualquer signo, Escorpião também tem o lado menos luminoso, que neste caso concreto parece ser a arrogância, a obstinação, o seu quê de destruidor, a manipulação e um sugador emocional.


Várias das palavras que usei aqui têm perfeito cabimento em dois aspectos públicos da sua vida. O caso do escândalo sexual com as jovens suecas e, obviamente, o trabalho que desenvolve com o seu famoso site 'WikiLeaks'. Suficientemente magnético para atrair as informações confidenciais que ele divulga no site mas, também, para 'engatar' as duas mulheres.

Não nos equivoquemos, por favor. A cena com as mulheres foi um caso de 'engate' normal. Não é um caso romântico, de 'conhecer e gostar'. Na cabeça dele era apenas uma questão de sexo. Nada de romantismos. Com o consentimento delas. Se as 'coisas' complicaram-se depois, é outro assunto.

Vejamos o estado cósmico no seu mapa natal dos dois co-regentes de Escorpião: Marte e Plutão.


O aguerrido Marte (a energia para tomar iniciativas e que trata das energias sexuais) está em Aquário, dando-lhe aquela personalidade de modernidade, usando a internet com maestria e tendo criado uma rede impressionante de conhecimentos. Marte faz um trígono a Vénus, o planeta dos afectos, e das questões de atracção, fazendo dele um autêntico sedutor. Se todos os casais tivessem um Marte e um Vénus em tão bom estado como o dele, não haveria divórcios, nem separações, nem pulariam a cerca. [Marte = 'Mars Cariocecus' o deus lusitano da guerra.]


Marte também faz uma desajeitada quadratura com Júpiter, o planeta das Leis, dos vastos horizontes, fazendo com que, a qualquer momento, no Olimpo, Zeus (Júpiter) castigue Marte, o seu azougado filho. Olhando para o mapa percebemos que este Marte faz uma conjunção ao eixo nodal, dando largas audiências, quer no seu site, quer com muitas mulheres, que devem ficar completamente passadas por poderem estar com Julian Assange. Mas, perigoso, perigoso mesmo, é aquela quadratura que Marte faz com o seu Ascendente que, como já mencionei, é Escorpião, e sendo Marte seu co-regente... Percebeu-se agora, que sim, que é uma quadratura desafiante e perigosa.

Num homem comum, com este mapa, pular a cerca sempre que pudesse seria uma questão 'normal'. Mas também seria um anjo em casa, conseguindo esconder bastante bem uma vida dupla, até ser apanhado. Com Assange, por ter o site que se sabe, torna-se logo num tema que adquire imensa notoriedade e... muitos inimigos e inimigas.


Agora falemos de Plutão, o outro co-regente de Escorpião. Está em Virgem, dando-lhe a enorme capacidade de montar e manter uma minuciosa rede de informações, como a do seu site, que ao longo dos anos, tem sido tão bem sucedido. Plutão faz um quintil ao Sol, fazendo dele uma pessoa poderosamente criativa, sabendo aplicar-se naquilo que entende dever fazer. Plutão faz um excelente sextil a Mercúrio, o planeta regente de Virgem e senhor da comunicação e de distribuição da mensagem (Gémeos). Confirma-se a sua capacidade como bom comunicador, intenso, credível, poderoso.

Vamos a Vénus e à quadratura com Plutão. É o lado frágil da forma como ele vê os relacionamentos: usa e deita fora. Foi apanhado agora na sua própria arrogância. Plutão faz belíssimos aspectos a Júpiter (trígono) e Saturno (sextil) fazendo dele uma pessoa influente e capaz de desenvolver com bases bem estruturadas, toda uma orgânica funcional. Tendo Plutão um quintil com Neptuno, atrevo-me a dizer que as mulheres o vêm como como um objectivo a atingir, prestando-se elas próprias a serem submetidas à vontade de Julian Assange.

Mais do que analisar os grandes trânsitos gostaria de deixar aqui algumas palavras sobre os actuais momentos de Julien Assange, sobretudo desde Novembro. Para isso, usarei os arcos solares, pois é uma ferramenta muito precisa, com a orbe de apenas 1 grau.


Úrano dos arcos solares está a fazer uma conjunção ao seu Ascendente Escorpião. E vai ficar mais uns meses. Só isto foi o suficiente para provocar esta reviravolta na vida de Assange e, assim, tornou-se o actual inimigo público dos Estados Unidos que, obviamente, sentem-se ameaçados por uma só criatura. Mas não é só os EUA, mas vários países e os seus políticos. Portugal e Brasil também foram contaminados nesta teia infindável.

Ainda por arcos solares, vemos Saturno a fazer uma conjunção ao seu Sol natal e uma quadratura a Úrano natal. É o peso da responsabilidade que caiu em cima de Julian Assange. Cercado, ameaçado, perseguido... Carma a ser limpo e de que maneira.

Continuando com os arcos solares, temos Neptuno a fazer uma oposição ao Sol natal. Ficou tudo enevoado e ele perdeu o controle da situação. Este arco só agora inicia a sua andadura.

Deixo convosco a possibilidade de também analisarem este mapa e tecerem as considerações que entenderem nos comentários.



.

Votos de Festas Felizes e um 'até daqui a uns dias'

18 de dezembro de 2010 · 60 comentários


Votos de Festas Felizes.
Este blogue vai entrar em curtas férias.
Abraços. Até daqui uns dias.

Deixo-vos um vídeo muito engraçado com a
'História do Natal da Era Digital'.


Maria Bethânia - «Boas Festas (Natal)»

Entrevista coletiva a Astrid Annabelle - Anel do Coração

16 de dezembro de 2010 · 334 comentários

Astrid Annabelle (Ma Jivan Prabhuta)

Como minha amiga mais antiga na internet, a Astrid Annabelle, inaugurou no dia 14 Abril 2009,  com a sua entrevista, a secção 'Anel do Coração', criada aqui no 'Cova do Urso', destinada a conhecer melhor  bloguistas que admiro muito. Ver aqui.

A Astrid Annabelle quase que dispensa apresentação pois é um fenómeno de unanimidade no vasto mundo da blogosfera, sobretudo nas áreas da auto-ajuda, espiritualidade e metafísica. Brilhante pensadora, de enorme coração e sensibilidade, tem ajudado imensa gente, em qualquer um dos seus três blogues. É um projecto de vida muito especial e saboroso.

Fiquei muito feliz com este trabalho conjunto, entre todos. O meu papel aqui, nas entrevistas colectivas é fazer a ponte entre os entrevistadores e os entrevistados. O 'Anel do Coração', girou, mais uma vez. Agradou-me muito fazer este trabalho, pois foi uma forma de reconhecermos a missão fantástica que a Astrid Annabelle desenvolve. Esta é a segunda entrevista colectiva que conduzo; a primeira delas foi ao nosso querido amigo Marcelo Dalla, no dia 25 Janeiro 2010 [ver aqui], com um tremendo sucesso, que intuo se vai repetir hoje.

A todos, muito obrigado. Sejam bem-vindos.

«Projeto Navegante do Infinito»
de Astrid Annabelle [Ma Jivan Prhabuta]

                               Navegante do Infinito                       A Dinâmica do Invisível



Informação: As ilustrações ou fotos que vai ver daqui para baixo são os 'avatares' usados no perfil  dos blogues de cada pessoa e aqui colocados ao lado das suas perguntas. Apenas 4 fotos, tive que ir buscar ao Facebook. Servem, também, para cada um localizar mais depressa a sua própria pergunta e respectiva reposta. Só espero que não tenha havido mudanças de avatares, nos últimos dias. :)))

Entrevista colectiva a Astrid Annabelle
(por ordem de chegada dos amigos)

Para quem quiser conferir, as perguntas foram feitas aqui.

Palavras preliminares da Astrid à própria entrevista: 

«Antes de mais nada quero agradecer por esta oportunidade de poder contar para todos um pouco sobre a “minha lenda pessoal”.  Um dia eu li este termo em um texto do Paulo Coelho e gostei tanto que o adotei. Lenda, pois o que podemos repassar sobre as experiências vividas são as impressões guardadas sobre os fatos do nosso passado.

Quero também agradecer ao António por esta iniciativa maravilhosa de fazer girar o Anel do Coração e a todos vocês, meus amigos e leitores, que deixaram suas questões. Vou tentar ser breve nas respostas, apesar de que isso não é uma tarefa fácil para quem é uma comunicadora nata.»

Imaginemos que estamos numa roda e, no centro, uma fogueira.
Conversemos, então... e façamos a festa. (A.R.)


Clicar, para conhecer,  no nome dos 48 blogues mencionados,
pertencentes aos 39 bloguistas presentes nesta entrevista.
Também aqui estão, com a suas perguntas, mais 2 pessoas que não têm blogues.
Será toda uma experiência de alargamento de horizontes.

Vanessa, do «Fio de Ariadne» - Entrar nos seus blogs é como ingressar num ambiente tranquilo depois de sair de um vendaval. Em um mundo dominado pelo consumo e individualismo, como é trabalhar com a proposta do equilíbrio ainda tão distante dos caminhos trilhados pela maioria das pessoas?

Astrid - Vanessa, fico feliz em saber que sente tranqüilidade ao acessar os meus blogs. Perceber e sentir são justamente as chaves que criam nossa realidade. Cada um de nós possui o seu mundo, pois cada um de nós percebe e sente um mundo distinto. Para uma perfeita compreensão disso eu teria que fazer um verdadeiro tratado sobre o que é a realidade, e isso não cabe aqui. Então para ser objetiva, digamos que eu aprendi a escolher aquilo que quero no meu mundo e a sustentar as minhas escolhas. Aprendi a ser do mundo sem estar no mundo.


Eliana, do «Coisas da Boa Vida» - Astrid, o que te levou a estudar a Dinâmica do Invisível, e se tornar uma mestra nesse assunto e em muitos outros.

Astrid - Eliana, eu amo a vida. Isso me fez querer compreender, que é diferente de entender, como ela funciona. Sou uma grande curiosa e observadora da natureza onde se vê claramente que nada acontece por acaso. Sendo assim, a vida tem uma dinâmica invisível. Ao concluir este pensamento fui atrás de saber como é!

Não me considero mestre de nada. Detesto rótulos. Me sinto limitada como se estivesse sendo encapsulada nos títulos que apenas servem para alisar o nosso ego. Sei que são necessários no mundo mundano para classificar as nossas funções. Mas no fundo gosto de ser simplesmente quem sou. Sem enfeites. Conheço muito sim, mas estou muito longe de saber o suficiente. No dia em que eu me considerar mestre em algo estarei decretando minha morte. Enquanto viva sigo sendo uma aprendiz!


Lucília Ramos, do «Portugal _____ em mim» - Sei que és uma estudiosa da simbologia dos números, da astrologia e de outros cursos a que estás habilitada, acreditas que é preciso averiguar alguns passos da vida das pessoas com esses estudos para serem mais felizes, obterem mais sucesso? Em suma, consideras assim tão importante obtermos essas "respostas" para guiarmos as nossas vidas?

Astrid - Lucy, somos energia organizada e cristalizada, materializada aqui na 3D. Ao nascer não nos foi concedido nenhum manual de instrução para um perfeito funcionamento. Vamos crescendo e vivendo ao Deus dará. Se você então pode ter acesso a informações que lhe permitem decodificar toda a energia que você é, que façam você compreender o porque de ser quem você é, então é válido sim.

Só que acredito que deve ser um trabalho de auto-conhecimento. O numerólogo, o tarólogo ou o astrólogo, etc. podem fornecer dados e pistas, porém nunca concluir nada. O consulente deve concluir por si.

Quando um “...ólogo” concede uma consulta está em verdade falando para si mesmo aquilo que de outra forma não quer ouvir. Sempre digo isso nas minhas consultas. Cheguei a esta conclusão, pois invariavelmente os casos que atendia tinham algo a ver com o que eu mesma estava vivendo naquele momento. Aí comecei a usar as consultas como um grande aprendizado e como aprendi!!!!

O Mestre Ascenso Saint Germain disse que o pior mal da humanidade é a ignorância. É dessa ignorância que ele estava falando. Então minha resposta final à sua questão é um sonoro sim! rss


Maria de Fátima, do «O Portal Mágico» - Astrid quando é que decidiste começar a estudar o Reiki e ser uma Mestre?

Astrid - Mimi, vou transcrever parte de um texto que escrevi por email para uma amiga que se iniciou recentemente como Mestre de Reiki comigo:

«Quero lhe passar a minha vivência de como fui iniciada no Reiki. Eu sofri um ataque na região do coração num belo domingo, enquanto brincava com o meu neto mais velho, que na época era um nenê de um aninho. Lembro bem de um raio multicolorido com cores metálicas que me atingiu o peito. Fui arremessada para o chão...estava sentada na beira da minha cama.

Vi tudo virar de perna para o ar e fiquei paralisada embora consciente. Não conseguia falar muito menos responder aos apelos desesperados do meu marido e filho. Fui levada as pressas para um Hospital e lá internada em uma UTI onde permaneci em observação ligada a vários aparelhos.

Para encurtar a conversa... do jeito que entrei no hospital eu sai depois de algumas horas, sem um diagnóstico sobre o que afinal aconteceu. Eu sabia, rss, mas os médicos não.

Minha família em peso fez pressão exigindo que passasse por uma avaliação com um cardiologista. Eu neguei, pois sentia que não era nada grave, e fui me tratar com Reiki num espaço holístico perto da minha residência da época. Eu havia me interessado por esta técnica assim que ela foi trazida dos EUA. Não tinha dinheiro para fazer a iniciação que custava os olhos da cara...

Bem, assim que eu deitei na esteira para a primeira aplicação de Reiki, a Reikiana que estava se preparando para fazer a aplicação, virou de repente e disse... você foi chamada pelo Reiki. Você precisa ser iniciada o mais rápido possível. Hoje de preferência. Imagine você!!!! Naturalmente aleguei a falta de $$$. Isso não fez com que mudasse de idéia... ligou para o seu Mestre e relatou o acontecido (tudo o que lhe contei acima). No dia seguinte fui incluída num grupo e recebi a iniciação do Nível 1 de Reiki.

Não sabia como agradecer ao Mestre pela gentileza de ter me iniciado de maneira graciosa. Quando fui me despedir lhe perguntei... como posso lhe retribuir pelo que fez por mim?

Ele respondeu na hora: "Vá em paz e divulgue o Reiki aos quatro cantos... inicie os necessitados e as crianças do mesmo jeito que eu fiz. Essa é a sua missão!"

E assim foi feito e está sendo feito.

Divulguei o Reiki pela rádio (tive programas em São Paulo (capital) e em Peruíbe).

Divulguei pela TV (tive programa na TV local de Peruíbe)

Em Peruíbe (cidade do litoral sul de São Paulo) também, durante quatro anos mantive um ambulatório de Reiki para todos que precisassem. Iniciei centenas de crianças e pessoas que tinham limitações financeiras.Isso tudo aconteceu entre 1995 e 2003.

Me tornei Mestre de Reiki em 2001. Nesse mesmo ano me tornei Mestre de Karuna Reiki e de Magnified Healing. Em 2002 me tornei Mestre em Seichim-SKHM e fui iniciada na Medicina Sagrada da Serpente Dourada. Curadora Prânica eu já era antes de me tornar uma Reikiana. Tudo isso ganhei de presente...o Reiki sempre indicava quando e com quem...e as coisas aconteciam.

Vivo o Reiki vinte quatro horas por dia... acordo com ele e vou dormir com ele!Tenho minha própria visão sobre o Reiki que é justamente baseada em todos esses anos como Reikiana.

Não aceito a forma enlatada como querem apresentar essa energia que nada mais é do que AMOR. E como você pode pensar em ditar regras para o AMOR?

Reiki flui e você sente...e é isso que importa. Muito mais do que conhecimento é preciso sentir.»


Manuela Freitas, do «Light» - Sou uma leiga e uma céptica nesta matéria e gostava de saber quando surgiu o click que te fez avançar por estes caminhos?

Astrid - Acho que nasci “clikada” Manú!!! rss Digo isso, pois até onde consigo me lembrar tudo que era mágico, encantado, místico me atraia. Já relatei por diversas vezes, em posts distintos, que eu aprendi a ler muito cedo.

Não tenho lembrança de ter ficado sem ler nada um único dia da minha vida inteira. E foi através das leituras que os insights foram acontecendo naturalmente. Não existe um momento determinado. Assim como uma bola de neve que simplesmente vai crescendo ao ir rolando montanha abaixo eu fui avançando por estes caminhos e expandindo minha consciência.


Lúcia Soares, do «De amores e de...» - A Manuela e a Maria de Fátima já fizeram a pergunta que eu faria: quando foi que você (Astrid) se interessou por estudar essas áreas às quais se dedica? (em que idade, em que tempo da vida).

Astrid - Como eu contei acima Lúcia, não posso lhe dizer que em determinada data eu tivesse começado a estudar sobre a espiritualidade.

Eu sou formada professora com especialização para a pré-escola. Sempre gostei da inocência das crianças menores. Quis estudar psicologia, mas isto acabou não acontecendo.

Durante vinte anos mais ou menos após o casamento cuidei de filhos e dei aulas. Porém sempre lendo e pesquisando sobre a espiritualidade. Inclusive as visões aumentavam e fatos incríveis se sucederam.

Em 1989, um ano muito difícil para mim, muitas mudanças significativas ocorreram na minha vida. Uma delas foi, um belo dia, achar um cartão com a imagem do Mago Merlin no chão da minha garagem. Este Mago tinha uma bola de cristal na mão esquerda e com a direita soltava uma pomba da paz. Tenho este cartão até hoje. Como não havia nada escrito fiquei matutando que significado teria. Na semana seguinte a este fato, no mesmo lugar, encontrei um panfleto convite para inauguração de um espaço holístico no bairro por aqueles dias. Os dizeres do panfleto: “Saint Germain convida você, etc...”

E assim mergulhei no imenso mundo da Grande Fraternidade Branca. Dai para frente minha evolução foi a galope.

Para quem não sabe o Mago Merlin foi uma das muitas encarnações do Mestre Saint Germain. Coincidências???


Marcelo Dalla, do «Dalla Blog» e «ManDalla Arte Visual» - Gostaria que a Astrid nos contasse um pouco sobre sua mediunidade. Como foi no começo, quando notou percepções diferentes, achou que estava ficando maluca? E como é hoje?

Astrid - Quando criança, Marcelo, eu vivia dentro de vários mundos e achava isso absolutamente normal. Vez por outra comentava alguma coisa em casa sobre as visões que eu tinha e recebia de volta um sonoro “Cala a boca menina. Pare de falar bobagens!” Eu sentia e sabia coisas que realmente faziam minha mãe surtar!!! Rsss (Minha avó me defendia!)

Ela tanto reprimiu este meu lado espontâneo que eu sinceramente achei que deveriam ser bobagens. Acabei crescendo como uma menina boazinha, que tirava notas altas na escola, ajudava no serviço de casa, não dava trabalho, mas que não podia falar. Não foi por acaso que sofria de crises asmáticas. (Quando uma pessoa sofre crises de asma é sinal de que sua expressão de alma está sendo sufocada)

Para compensar essa repressão toda eu ficava, nos intervalos das aulas, muitas e muitas vezes, sentada sozinha dentro de uma capelinha toda azul que havia no colégio onde estudava, diante de uma imagem linda e grande de Nossa Senhora de Fátima. Ali a conversa era de coração para coração sem nenhuma conotação religiosa. Eu sabia que ela me carregava no colo. Ninguém me sugeriu fazer isso... foi por intuição pura!

Entre muitas e muitas outras coisas eu havia avisado a minha mãe com quem eu iria casar, isso aos oito anos, dando detalhes como o nome e a origem italiana do meu marido. E assim foi, para desespero total dela que sonhava com um outro futuro para mim. Mas estava escrito nas estrelas que eu teria que passar por esta prova. Com o casamento pude dar vazão a este lado mediúnico.

Não vou me alongar, pois são muitos os detalhes dessa caminhada, ora passando por louca, ora por sábia!!!rsss

Hoje sinto quando minha alma está no comando. Quando o meu ego fala é completamente diferente. Não tenho como explicar isso em palavras.

“Each human being must keep alight within him the sacred flame of madness. And must behave like a normal person // Todo ser humano deve manter viva dentro de si a sagrada chama da loucura. E deve comportar-se como uma pessoa normal”. PauloCoelho


Nilce, do «A vida de uma guerreira» - A pergunta que gostaria de saber já foi feita. Mas, vou tentar outra: Astrid, eu gostaria que você me explicasse como uma pessoa sente que tem mediunidade, ela pode ter e não saber? Passar por uma vida aqui ignorando e só se manifestar em outra?

Astrid - Nilce, todos temos a capacidade para usar os nossos sentidos extra físicos. Algumas pessoas percebem isso, outras não.

Veja por exemplo as mães... todas manifestam a intuição em relação aos filhos, pelo menos.

Mais um... existem pessoas no dia-a-dia que comentam: “Ô boca santa!”

E por aí a fora.

Conseguir acessar planos superiores faz parte da nossa anatomia espiritual!

Detalhe: somos nós que desenvolvemos a capacidade para atingir os planos mais sutis e não ao contrário.

É preciso para tanto sutilizar o corpo humano denso, cuidando bem da sua alimentação em todos os sentidos. Aqui alimentação significa mais, muito mais do que somente os alimentos que ingerimos!

Milhares de pessoas morrem sem saber de tudo isso. É uma pena.

Esse é um caminho solitário onde cada um deve ouvir seu coração e nunca jamais se pendurar em mestre, ou guru nenhum. E este é o maior desafio... ter fé no que sente! Ninguém tem a capacidade de sentir o que o outro sente.

Mediunidade, portanto é um vocábulo que se generalizou e acabou deixando de ter o sentido original.


Ana Cristina Corrêa Mendes, do «Astrologicamente» - Astrid,o que hoje valoriza mais na sua vida, aqui neste planeta...e portanto o que gostaria de deixar como legado?

Astrid - Ana, a riqueza de experiências que a vida me ofereceu. As boas e as não tão boas. Sinto hoje que a vida é uma viagem fantástica e que se bem aproveitada nos leva a um estado de paz e alegria cada vez mais permanente.

Acredito que o legado melhor a ser deixado por alguém é ter feito bom uso do seu dom. Assim cumprimos a nossa missão e eternizamos a nossa passagem pela 3D.


João Raimundo Gonçalves, do «Biocrónicas» - Astrid Annabelle...é uma emoção participar numa entrevista colectiva a uma mulher maior que muito admiro e amo...me diga: a alma...sendo o que evidencia para o exterior cada momento de sermos...ela é imutável ou condicionada/formatada, pelos conhecimentos que vamos adquirindo?

Astrid - João, como na natureza nada é estático, tudo evolui, creio que toda a nossa multidimensionalidade evolui igualmente.

Agora, vivemos em um mundo cheio de palavras. São muitas para definir um mesmo assunto. Então é preciso compreender que o que eu entendo como alma pode ser que não seja a mesma coisa que você entende como alma.

Alma para mim significa tudo aquilo que deixo transparecer pelo coração e de maneira espontânea. A personalidade, ou ego, comandado pelo lado racional, é como somos percebidos pelos outros. Nem sempre atuamos pelo coração, sem rascunhos. Normalmente vivemos de acordo com um script previamente organizado pela razão.

A alma detém a claravisão sobre o todo. A personalidade é condicionada ao tempo e ao espaço.

Retornando à sua questão. Acredito que evoluímos sim como um todo. Acrescentamos, ou melhor, podemos aumentar a potência da nossa luz através da superação dos nossos desafios.


Chica, do «Coisinhas da Chica» e outros blogues  - O que sentes ao olhar o mar? Te acalma ou agita? [Pra mim ele é tão lindo e passa uma lição, mas já falei isso e algumas pessoas disseram que eu não estava certa, pois o mar é furioso e agitado e apenas na beira, é calmo... Eu não consigo vê-lo assim.Vejo o num TODO.]

Astrid - Chica, o mar sou eu. Eu sou o mar. Não concebo minha vida distante do mar.

O mar representa o nosso corpo emocional. É maleável, temperamental, agitado, manso, calmo, violento, amoroso, mutável, provedor, etc. Nos faz felizes, mas também sabe machucar.

Ao nascer, da janela do quarto na Maternidade Portuguesa, na cidade de Salvador, Bahia, eu vi o mar de imediato. Assim me foi contado. E tudo aquilo que se enxerga e percebe nos primeiros instante de vida permanece como referência por toda a vida.

Com menos de um mês de idade fui “batizada” pelas águas da Praia de Amaralina, proeza essa realizada por minha avó! Proeza, pois se trata de uma praia de mar aberto e com muito vento. Dizia a minha mãe que eu poderia ter morrido sufocada pelo excesso de vento. Minha avó apenas sorria todas as vezes que se falava nesse assunto!

Então o mar para mim não só é um todo como tudo.


Evelise Salgado, do «A Melhor Alternativa» e «Brincadeira Cósmica» - Astrid, nosso dia-a-dia impõe uma série de desvios e obstáculos a nossa caminhada evolutiva. Como bem coloca o Marcelo, as pessoas que estão se abrindo para a espiritualidade, muitas vezes acham que estão ficando malucas, ou, simplesmente são chamadas assim. Quando iniciaste esta jornada e, mesmo hoje, como te fortaleces diante das ciladas que a vida nos prega e que muitas vezes nos faz enfraquecer?

Astrid - Hoje eu trabalho de imediato o perdão, Evelise. Sinto muito. Estou perdoada. Eu me amo. Sou grata.

Antes de alcançar esta maturidade eu realmente dava dois passos para trás no caminho da minha evolução. Não compreendia, chorava, esperneava e brigava com Deus. É claro que por isso arrumava sempre uma encrenca maior!!!

Deus ficava pacientemente me olhando até que eu finalmente abaixasse a crista e concordasse que ELE fizesse a Sua Vontade e não eu a minha.

Osho define bem este sentido conhecido por loucura. Apenas são as tantas outras possibilidades que fogem ao plano conhecido dos humanos. Nos primeiros capítulos do livro «Semente de Mostarda», vol.1, ele explica isso de maneira muito clara.

Agora, enquanto ser humano, teremos desafios até o fim da jornada pela 3D. Nem os iluminados escampam disso. Estar vivo aqui na Terra é estar em uma constante disputa entre a nossa sombra e a nossa luz. 



Isadora, do «Tantos Caminhos» e «Cantinhos dos Sonhos» - É um prazer saber um pouco mais sobre a Astrid. Minha pergunta é mais ou menos parecida com a da Manuela. - O que a levou, Astrid, a percorrer esse caminho. A estudar essas matérias?

Astrid - Isa, eu tenho a nítida sensação que a vida me dá a mão e me leva por este caminho.

Não foi uma coisa feita de caso pensado. Eu não decidi nada. Os fatos foram acontecendo e por ser geminiana “raça puríssima” fui querendo compreender o por que e o para que.

E fui embora. A minha vida está cheia de situações surpreendentes, algumas até já relatei acima.

Mais um exemplo: um dia recebi um livro escrito em inglês sobre meditação e temas afins.

Na época eu era muito nova ainda, não compreendi nada. Deixei o livro guardado na minha mesinha de cabeceira durante anos. Mudei de casa várias vezes, mas o livro permanecia ao lado da minha cama.

Muitos anos depois fiz um curso longo para me tornar uma terapeuta holística. Durou quase dois anos. Passado um tempo de eu ter me graduado, por acaso eu abro o referido livro... se tratava de uma “apostila” completa de um curso para Terapeutas Holísticos!

Eu ganhei o livro uns quinze anos antes... acaso??? Será???

Outro fato similar aconteceu em relação ao livro «Um Curso em Milagres».

Estava passando por uma crise financeira daquelas brabas. E num determinado dia eu tive que inventar dinheiro para comer. Tive a idéia de reunir uns livros que não me serviam mais e fui vender num sebo. Ao chegar lá deparei com «Um Curso em Milagres» em sua versão espanhola. Fiquei louca para comprar o livro. Mas eu fui vender livros e não podia comprar nada. O dono do sebo deve ter percebido meu dilema pois comprou meus livros e me deu de presente o objeto do meu desejo! Quem conhece este livro sabe como é difícil a sua leitura. Pois eu li em espanhol mesmo (um idioma totalmente estranho para mim) e compreendi tudinho. Somente alguns anos depois é que pude comprar a sua versão portuguesa. E foi aí que eu percebi que de fato havia assimilado tudo de maneira correta.

E assim vou caminhando Isa.


Siala, do «Alfa Eri» e «A Energia Vital» - Querida Astrid, coloco 2 questões: 1) Quais os momentos mais difíceis neste seu caminho e como conseguiu superá-los? 2) Qual seria o momento que vc define como ponto chave do seu caminho? porquê?

Astrid - Através da numerologia, Siala, eu constatei uma das minhas grandes lições de vida... o lidar com valores, em todos os sentidos.

Na realidade nem precisava ter visto isto através da numerologia rssss... sentia na pele!

Primeiramente, como mencionei em outra resposta, eu fui muito provocada por minha mãe quando ela me dizia que eu só falava bobagens. Isso jogava minha auto estima no lixo. Passado um tempinho, eu juntava os caquinhos que sobravam e me punha em pé novamente, para logo em seguida ser derrubada de novo. Isso foi uma constante em minha vida... o maior desafio. Sofri perdas memoráveis em termos de dinheiro igualmente. Fui rica, fui muito pobre, fui mais ou menos, e assim num continuum interminável.

Tenho uma força grande dentro de mim que não desiste fácil. Eu vou para o chão e me ergo logo em seguida.

Com a maturidade, a compreensão e a expansão da consciência praticamente superei este assunto. O António já me deu uma bela explicação sobre esse tema analisando meu mapa astrológico!

Lhe contei tudo isso para que possa compreender a resposta da sua segunda questão.

Um dos pontos chaves mais importantes foi o dia em que fui convidada pela direção da Rádio Mundial em São Paulo para responder questões dos ouvintes ao vivo no ar!

Na época, grandes espiritualistas ocupavam o microfone da Rádio Mundial que disparava em audiência. Pode imaginar o que senti? Alguém me convidando para falar para milhões de ouvintes para todo o Estado de São Paulo, ao vivo?!

Nunca fiquei sabendo como me descobriram!!!

Isso foi um dos grandes presentes que recebi dos meus queridos Mestres Ascensos... acho que ficaram com peninha!!! rsss


Laura, do «Resteas de Sol» - É certo que tudo o que o Universo tem para nós, chega no dia e na hora certa e não quando nós esperamos impacientes? Sou sensitiva e de aproximação, mas, não tenho onde evoluír, logo, vou tentando por mim, Orando para que a Luz se vá fortalecendo.

Astrid - Tudo o que você vive, Laura, foi pensado e sentido por você. Mesmo que de modo inconsciente a escolha sempre é sua. As coisas boas e as não tão boas. Assumir isso nos torna responsáveis e damos um salto quântico ao compreender essa verdade.

Isso para explicar que o que o Universo tem reservado para você é criação sua. O tempo para uma escolha sua se manifestar depende de como se posiciona perante o fato... com medo de que não aconteça ou com certeza absoluta de que irá acontecer.

Por isso, para facilitar o seu caminho, aceite tudo de bom grado e diga Graças à Deus por tudo o que existe em sua vida. O estado de gratidão encurta as distâncias!

Fico feliz em saber que percebe a sua multidimensionalidade... agora não posso concordar que não tem onde evoluir! Só evoluímos ao olhar para dentro de nós mesmos e nunca em algum local externo. Preste atenção à vida. Esteja presente no aqui e agora. Sinta a vida!

Convença-se de que é luz. Acredite nisso!



António Rosa, do «Cova do Urso» - Que percepção é que tem sobre a evolução espiritual desta nossa humanidade?

Astrid -
Ai meu querido amigo do coração! Caprichou na pergunta hein? Rsss

A natureza evoluí como um todo sem parar. O que anda acontecendo e está visível aos nossos sentidos físicos é que houve um “liberou geral”. Deram doces para as crianças e todos se lambuzaram!

Falando a sério agora, como a nossa energia está sutilizada não podemos de maneira nenhuma conduzir a nossa vida dentro dos paradigmas antigos. Tudo o que era uma verdade anteriormente não é mais. O novo é novo. E totalmente novo! Isso precisa ser experimentado, pois as regras não valem mais. E isso para todas as dimensões!

Uma nova história começa a ser escrita. Então a humanidade no geral está tateando no escuro. Conhecendo o que serve e o que não serve mais. Por isso que o seu post sobre não ouvir nada de ninguém a não ser a sua própria voz interna é tão importante. E veja quantos reconheceram a qualidade dos seus conselhos e considerações!

Todos vamos voltar para casa, isto é uma certeza garantida. Creio que se compreendermos que tudo está certo, que tudo é mutável e impermanente, que a vida é movimento como uma grande respiração, que os elementos de que dispomos são o Amor, a Fé, a Alegria podemos ter uma qualidade de vida superior. Como fazer a humanidade perceber isso? Dando o exemplo. Tendo a coragem e a ousadia de ser verdadeiro consigo mesmo.

Agora se quiser uma explanação maior, puxe uma poltrona, se acomode, pois o discurso é longo! rsss




Maria Lúcia Campos, do «Lúcia Campos Visual» - Astrid, vc ainda tem algum sonho a ser realizado na 3D? O que falta fazer?

Astrid - Sabe Lú, eu sou bem criança nesse sentido. Sonho acordada e dormindo porém deixo a vida me levar. A criança quando acorda pela manhã nem imagina por tudo que vai passar durante o dia... vai vivendo, experimentando, chorando, rindo, etc.

E eu vou dizendo Graças a Deus!

Tem sido uma aventura e tanto experimentar a vida sob esta perspectiva.



Rosália ‘Orvalho do Céu’ do «Espiritual-idade» e outros blogues - Astrid querida, como vc vê a questão da 'espiritualidade' nos dias atuais?

Astrid - A sua questão é parecida com a do António, Rosélia. Existem vozes demais falando. Palavras demais sendo escritas. Uma verdadeira batalha por querer ter razão, ser o melhor, o mais correto, etc. E na realidade o momento exige a experiência do UM para somarmos ao TODO.

A área da espiritualidade precisa tirar a fantasia para começar a atuar sem rascunhos. Chegou a hora do silêncio, do praticar para valer o que se aprendeu por toda a caminhada.

De lembrar as palavras sopradas pelo coração. De sentir a religação com a nossa parte divina de fato e não com hora marcada, mas em todos os momentos.

Um simples exemplo... ao falar 'Bom dia'! Lembrar-se que estamos desejando realmente um bom dia para si próprio e para todos.

Este é um tema muito vasto amiga. Dei apenas mais uma pincelada sobre a minha visão pessoal.



Alzira Dinelli, do «Bloguinho da Zizi» - Qual a sua postura mental, nestes momentos conturbados, onde a violência se sobressai?

Astrid -
Já se tornou um reflexo condicionado, Alzira. Eu imediatamente uso a lei do perdão. Pois se eu percebo a violência, algo dentro de mim está de acordo com esta energia. Como nem sempre sei do que se trata já faço um apelo geral... peço perdão por tudo. Sabe que funciona?

Depois que eu adotei isso minha vida teve uma mudança radical. Mas isso só se pode comprovar fazendo. E fazendo com consciência e sentindo. Nunca repetindo as palavras em vão.



Jaya Ananda, do «Alfabetizando o Homem na luz Divina» e outros blogues - Como você lida com o estado: "estar a sós". ...com você mesma...

Astrid - Esse aprendizado eu comecei a experimentar de fato logo ao ficar viúva Jaya!

Até então, eu tinha uma pessoa ao meu lado em tempo integral.

Ao me sentir solta no espaço sem Mãe, irmão, Pai, Avó e sem marido, sem ninguém a quem dar uma satisfação dos meus atos, com liberdade total para tudo, eu fiquei perdida, confesso. É claro que tenho meus filhos e netos, mas é diferente. Não tenho mais testemunhas vivas do meu passado remoto.

Tive que refletir muito sobre isso e entrar em contato mais profundo com os muitos “eus” que eu sou. O tempo que dispunha era de silêncio absoluto. E foi através desse silêncio que comecei a aprender a conviver comigo. A conhecer de maneira mais “palpável” todas as minhas dimensões e todas as minhas personalidades. Hoje lido com mais tranqüilidade com esta nova realidade. Imagine como é passar um dia inteiro sem conversar com alguém, não importando aqui o assunto. Refiro-me à troca de energia. A blogosfera desempenhou um papel importante nesse caso. Encontrei o respaldo necessário para me adaptar a esta nova situação. Mas continuo aprendendo...

Naturalmente aqui respondi com o meu lado humano... a visão espiritualista é completamente outra.




Eliane Gonçalves, do «Corpo, Mente e Espirito» - Astrid, o que fez você se interessar em estudar a espiritualidade? Aconteceu algum episódio na sua vida, que fez com que você tomasse essa decisão?

Astrid - Já respondi a questões parecidas com a sua mais acima, porém o assunto é vasto e não se esgota facilmente, Eliane.

Nada em especial me fez tomar esta decisão. As coisas foram simplesmente acontecendo.

Claro que visto do alto há um “programa estabelecido” que venho cumprindo, muitas vezes totalmente inconsciente. Um dos meios que mais despertou a minha curiosidade a respeito foi sem duvida o gosto que tenho pela leitura. Fui acostumada à boa leitura desde cedo. Conhecer as idéias dos autores, pesquisar suas fontes, e por aí em diante.

Outra razão é meu ser rebelde em relação à regras... você tem que... isso mais aquilo...!!! pronto! Já era um prato cheio para eu querer saber o porque do “tenho que”.

Exemplos:

Por que eu tenho que rezar para um Deus que não sei quem é?

Por que eu tenho que agradar aos outros em detrimento da minha vontade?

Por que eu tenho que andar por linhas tortas se posso andar direto e reto?

Por que para uns a vida é fácil e para outros é difícil?

Por que eu vejo e sinto coisas que os outros nem imaginam?

Por que um autor afirma uma verdade e outro afirma o contrário?

Foram muitas e muitas perguntas que fui investigar. E uma resposta me levava para outra pergunta e assim sucessivamente.

Nasci com os olhos na cor violeta forte... sabia? Depois com um ano de idade ficaram verdes muito forte. Ao crescer foram ficando amarelos esverdeados... hoje combinam com a roupa que eu uso... esses pequenos detalhes sempre ocuparam a minha mente curiosa... preciso de respostas.

Então não posso lhe dizer que algo aconteceu de especial... nasci assim... sou assim.



Cris França, «Canto de Contar Contos» - Eu sei que você já teve grandes perdas na vida, e um dos post mais lindo e emocionantes sobre o tema eu li uma vez no teu blogue, eu queria que vc deixasse uma mensagem para tanta gente que sofre por perder alguém, não se é uma pergunta, porque não gosto de ser invasiva, mas acho que seria de grande valia para todos poder te ler. Deixo aqui registrada minha enorme admiração por vc e pelo seu trabalho.

Astrid - Cris, minha amiga, agradeço por tanto carinho e por suas doces palavras.

Eu realmente não considero que perdemos alguém. Não possuímos alguém, portanto não perdemos.

Deixamos de fazer parte da vida de uma pessoa. Foi cumprida a missão, o aprendizado. Caso encerrado, então precisamos começar uma outra realidade.

Essa consciência é muito importante. Ela nos permite o compartilhar. O verdadeiro relacionamento baseado na livre escolha. Eu escolho estar com você porque gosto. E não pretendo com isso obrigar o outro a gostar. Eu gosto. Isto basta.

Quando a morte interrompe um relacionamento a missão chegou ao fim.

Na vida mundana a morte impõe um sentimento de perda. Isto é egóico. Estamos interferindo na evolução dessa pessoa.

Durante quarenta anos estive ao lado do meu marido todos os dias. Trinta e oito casada.

Desses, trinta e seis eu vivi sendo proprietária dele. Já pedi muito perdão por isso.

Apenas nos últimos dois anos convivemos na maior harmonia possível, pois eu compreendi que estava ao lado dele por escolha própria. E se estava era por gostar de estar. Ele na realidade não era obrigado a gostar de mim. Conversamos muito a respeito e perdoamos um ao outro por tudo que houve de conflito entre nós. Ele também foi muito possessivo.

E assim é a vida. Ela nos reúne para podermos aprender um com o outro. O outro sempre é o espelho daquilo que não enxergamos em nós mesmos. Essa é sem dúvida a lição mais difícil para os humanos. Conviver, compartilhar e amar incondicionalmente... sem nenhuma condição mesmo.

Cris, aqui também respondi como ser humano. Fora da 3D a conversa sobre a morte é outra.



Alexandre Mauj Imamura Gonzalez, do «Lost in Japan» - O que vc faz internamente quando vê algo em si, ou próximo de você não ir bem. Seja uma doença de alguém querido, uma perda, um grave problema. Ou quando vc sente que más energias atuam, ou o mal sentimento. E uma dica: como lidar com uma pessoa extremamente negativa, pesada, que é de nosso convívio diário? 
 

Astrid - A filosofia de vida dos Kahunas me levou a compreender de fato como agir nesses casos, Alê.

Qualquer coisa que não esteja bem significa uma desarmonia no seu campo energético.

Mesmo que seja com uma pessoa próxima. Qualquer assunto no qual você coloca sua atenção lhe pertence. Portanto, você naturalmente se torna responsável por aquilo. Nós não estamos acostumados a viver assim. Aqui, o que é meu é meu, o que é do outro é do outro. Mas se é do outro porque lhe incomoda? Incomoda, pois o outro é reflexo do seu interior, do seu inconsciente.

Então como nem sempre compreendemos ou reconhecemos a desarmonia interna o jeito é aplicar um remédio multifuncional... que é o perdão.

E isso eu sei que funciona. Ah! Se sei!!!

O que é esse perdão ao qual me refiro? É o deixar ir, o largar, o não ter mais necessidade disso em minha vida.

Eu sinto muito (por ter dado importância).

Estou perdoada (estou largando, deixando ir).

Eu me amo (mereço o melhor, tudo de bom).

Sou grata (por ter aprendido mais uma lição).

Isso funciona até nas desarmonias de certos aparelhos eletro-eletrônicos, sabia? Falta de dinheiro também!!! Desde que você tenha a intenção sincera e responsável de curar a desarmonia.

A resposta para a segunda questão está incluída na primeira.

Mas vou acrescentar: Para que você precisa disso?

Se deixar seu coração responder terá uma resposta saltando na sua tela mental de imediato.

Essas são dicas que eu uso constantemente, senão diariamente!!!!



Élys, do «Meu Recanto Poético» e do «Meu Recanto Poético» - Eu,quero dizer que sinto-me muito feliz em participar fazendo uma pergunta a Astrid, pois é uma forma de agradecer a tantas vibrações maravilhosas que recebo quando vou ao seu blog. A pergunta: Astrid, o que você faz para lidar, com as mais diversas vibrações que recebe oriundas das consultas que lhe fazem, creio que algumas não devem ser muito amenas?...

Astrid - Élys, isso é uma realidade. Normalmente as pessoas vêm carregadas. Não porque querem. Pela própria situação de conflito ou desarmonia na qual se encontram. Aprendi a duras penas como lidar com isso.

Vou lhe contar de que maneira aprendi de fato.

Eu morei por um tempo em Perúibe, como já mencionei em outra resposta.

Nessa época eu tive uma agenda lotada. Como tinha um programa de rádio três vezes por semana de grande audiência a procura por consultas era constante. Atendia em minha residência em um escritório montado para essa finalidade. Antes de começar o dia eu energizava todo o ambiente e os meus objetos de poder... cristais, mandalas, gráficos.

Aplicava Reiki de tal forma que ao entrar em meu escritório o consulente já recebia os bons fluídos e entrava em processo de cura.

Um dia, porém fui surpreendida por um pedido especial. Uma moça, que sofrera um acidente de carro, havia ficado tetraplégica. A mãe dela me pediu encarecidamente que eu abrisse uma exceção e fôsse atendê-la em sua residência. Meu coração disse não. Minha razão disse sim! E lá fui eu querendo fazer um bem. Eu fiz um bem e saí com um mal.

Pois muito bem... para resumir. Não me resguardei como deveria ter feito. Quando voltei para casa comecei a sentir fortes dores nas pernas. Em questão de uma hora mais ou menos não conseguia mais me mexer. Fiquei inteira paralisada. Estava com uma grande amiga em casa e mais o meu marido. Ambos começaram imediatamente a rezar e a aplicar Reiki, pois intuíram do que se tratava. No dia seguinte eu estava absolutamente normal de novo.

Como eu me abri e senti pena da moça fiquei vulnerável e absorvi sua condição de paralisia, pois foi isso que me impressionou.

Então a resposta é essa: não podemos nos impressionar com os casos apresentados. E de preferência, sempre se envolver em luz ao atender um consulente.




Adelaide Figueiredo, do «Diálogos Astrais» - Como tanta vivência e enorme espiritualidade, um enorme conhecimento de metafisica e outras ciências, já pensou escrever um livro para ajudar a Humanidade? Seria interessante contar experiências, vivências e porque não dizer, os seus resultados como terapeuta.

Astrid - Pensar eu pensei, Adelaide. Apenas não me sinto escritora. Eu sou muito boa falando e contando minhas experiências. Daí para escrever existe uma grande distância.

Cheguei a pensar em reunir meus textos escritos na net para compor um livro, principalmente do blog «A Dinâmica do Invisível».


Porém ainda nada de concreto eu decidi nesse sentido. No entanto, sempre estou aberta para novas experiências. Quem sabe um dia encontre uma parceria para co-criarmos essa idéia.




William Garibaldi, do «Versos de Fogo» - 1) O que significa este nome que você adotou: Ma Jivan Prabhuta? 2) Quando teve a idéia de criar um Blog?

Astrid -  Esse nome eu recebi ao ser iniciada como uma sannyasi pela “Academy of Initiation” do Osho, em Pune, na Índia, no dia 09/09/2005.

Para que você possa receber o Sannyas a Academia pede um relato sobre as atividades exercidas até então e o porque quer ser iniciada.

Fiz isso. E foi baseado nesse relato que foi então escolhido meu novo nome.

Ma que significa Mãe

Jivan que significa Vida

Prabhuta que significa Fôrça

Juntando tudo significa: A Mãe que irradia a Fôrça da Vida

Por que um novo nome? Porque ao ser iniciada como uma sannyasi o compromisso que assumimos é de renascimento total. Todo o passado deve ser apagado para dar lugar a um novo ser, com uma nova história. Isso eu realmente fiz, tanto que existem assuntos do meu passado que nem me lembro mais. Ficaram os importantes, o resto sumiu. Não sou nem de perto a mesma pessoa anterior à iniciação. O interessante é que recebi a iniciação no segundo aniversário de falecimento da minha mãe! Não é hora de contar agora, mas esta “coincidência” não foi por acaso!

Fiz um post bonito sobre este assunto AQUI.

A idéia de criar um blog foi uma conseqüência desse novo momento em minha vida.

Um dos motivos que me trouxe para Ubatuba foi porque em Peruíbe eu tive um problema sério no coração. O cardiologista me recomendou que parasse com todas as minhas atividades profissionais. Coincidentemente, meu marido acabara de vender o negócio que tinha. Nessa situação resolvemos vir começar uma nova história de vida aqui em Ubatuba.

Sempre foi meu sonho morar nessa cidade. Isso em 2005. (repare na data do meu sannyas!)

No início eu vivi de férias e calada. Imagine eu não tendo com quem falar!!!! Porém isso durou pouco.

Foi então que resolvi conhecer e aprender a mexer na net.Em seguida criei um blog onde colocava textos que encontrava navegando pela rede que me interessavam. Aos poucos fui recebendo comentários. E me animando com as novas amizades. Isso me devolveu a alegria de interagir com pessoas de pensamentos afins.Tive vários blogs antes de criar o Projeto Navegante do Infinito, que aconteceu em abril de 2008, exatamente três anos depois da minha mudança para Ubatuba.

Sabe, William, de nada adianta ter conhecimentos e um dom se você não faz bom uso disso. E o problema “sério” no coração foi totalmente curado! Na realidade os “mestres” que fazem as coisas acontecerem em minha vida escolhem uns atalhos incríveis! Por isso é importante conhecer a dinâmica do invisível!



Ezequiel Coelho, do «Jardinagens» - A minha questão prende-se também com o que o Marcelo e a Evelize perguntaram, mas gostaria de saber o seguinte: Quando você faz uma determinada "previsão" ou tem conhecimento acerca de um assunto (e todas as formas que usa para aferir a resposta lhe dizem o mesmo) e no final não se confirma, como é que você interpreta a situação? (análise precipitada? "muito mudou" ao redor da situação para que não se concretize?) 

Astrid - Ninguém tem o poder de determinar o futuro através de uma previsão uma vez que a vida muda a cada instante. Vivemos e estamos em um campo onde existem infinitas possibilidades. O que os “...ólogos” chamam de previsões, e eu me incluo nisso, são exatamente as possibilidades. Diante de certos posicionamentos dos planetas os astrólogos podem determinar que energias estarão mais presentes. Os numerólogos pelas somas dos números sabem que lhe dizer a mesma coisa. Os tarólogos através dos Arcanos Maiores igualmente.

Por exemplo: se você abre um jogo de tarô agora obterá uma resposta. Se abrir um outro em seguida já não terá o mesmo resultado, pois no intervalo entre um jogo e outro você mudou.

O António Rosa, o Marcelo Dalla e eu fizemos previsões para o ano de 2011. Estes trabalhos estão linkados em nossos blogs, AQUI, AQUI e AQUI. Somos profundos conhecedores das nossas respectivas áreas baseados em muitos anos de estudos e pesquisas. Mostramos através dos nossos estudos as possibilidades para o ano que vem. Com este conhecimento cada pessoa vai escolher e decidir como vai lidar com estas energias. Que escolhas irão fazer em sua vida pessoal diante de tal e tal posicionamento dos astros e das respectivas vibrações numéricas. Nenhum de nós três teve ou tem a intenção de acertar ou errar nada. Assim trabalha um profissional sério. Existem sim os necessitados de glória e de fama que brincam com a crença pública.

Entende porque é preciso o auto-conhecimento? Por que é preciso se tornar responsável por suas escolhas?

Reforçando: ninguém tem o poder de escrever a sua história pessoal, de escolher por você e de determinar nada em sua vida! Você é e sempre será o único responsável. Nós damos as pistas e cada um as usa como bem quiser. Ler, estudar, procurar compreender as situações vigentes em termos de energia vibracional encurta o caminho de volta para casa.

Concluindo: portanto considerar que uma previsão de determinada pessoa deu errado é falso.

Um exemplo prático da minha vida pessoal. Estive com vários Mestres, desde astrólogos, tarólogos e numerólogos muito capacitados consultando o meu relacionamento amoroso.TODOS me disseram que não haveria futuro nesta relação. Que eu deveria me separar, etc, e tal. Nenhum deles contou com a possibilidade que eu escolhi...o perdão!

Nenhum deles acertou? A energia que viram pelas análises que fizeram estava certa diante da situação do momento. Mas eu sempre tinha o poder da escolha. Escolhi o caminho do meu coração e perdoei tudo. Escolhi recomeçar de outro jeito e deu certo.

Foi bom ter consultado os profissionais? Foi excelente. Me forneceram dados importantíssimos nos quais baseei a minha escolha.

É assim que funciona, Ezequiel. Os profissionais sérios não lidam com adivinhação e sim com a sabedoria, o que é muito diferente.



IdoMind, do «O Jardim» - A minha pergunta é simples: quando tem medo, quando tem dúvidas, enfim, quando o peso do mundo fica pesado, o que a Astrid faz? Sem grandes filosofias, como ultrapassa esses momentos?
 
Astrid - E isso acontece mesmo, Idomind!

São os chamados mergulhos na noite escura, os “quarenta dias no deserto”... onde o ego entra em conflito direto com a alma. Onde o medo briga com a fé!

A compreensão da dinâmica da vida ajuda muito, mas não é suficiente para nos livrar das nossas sombras, dos nossos medos mais profundos.

Ao me encontrar nesses momentos eu paro, respiro profundamente e em seguida vou fazer qualquer coisa diferente... sabe aquela frase popular que diz: “Vou dar um tempo!”

Com calma, passado esse um tempo, investigo a respeito da sombra em questão. Se eu puder e tiver condições de resolver ótimo. Caso contrário deixo tudo na Mão de Deus. ELE sempre conhece a melhor escolha.



Ana Karla, do «Misturação» - A minha pergunta é a seguinte: busco o equilíbrio, porém estou acomodada. Comecei pela ioga, que muito me fez bem, mas não consegui levar adiante, nem sei explicar o por quê, então eu pergunto como é que podemos chegar a um certo equilíbrio?

Astrid -  Ana Karla, no dia que você estiver pronta o Mestre aparece. Talvez não tenha chegado o momento certo. Ou, talvez ainda, o caminho do Yoga não seja o seu caminho. Existem muitas opções.

Se você tem dentro de si este desejo de melhorar sua qualidade de vida comece a procurar a solução. Consulte na net, converse com pessoas que também sentem a mesma necessidade, consulte profissionais, etc.

Posso dar uma dica: pergunte a si mesma o que mais gosta de fazer? Qual é a coisa pela qual pularia da cama logo cedo e deixaria você se esquecer de qualquer outra coisa? O fio da meada é por aqui.




Maria Paula Ribeiro, do «BandarrVet» - Antes tenho de ressaltar e enaltecer aquilo que a Astrid melhor sabe fazer: respeitar o livre arbítrio de cada um de nós ao mesmo tempo que nos disponibiliza ferramentas de suma importância à nossa evolução. E quem diz à nossa própria evolução, refere-se a todos os que nos rodeiam e assim por diante... E é nesse sentido que vai a minha pergunta, pois acredito que nem sempre terá sido fácil: 1) como consegues não interferir o livre arbítrio? Se alguma vez o fizeste e qual/quais foram as suas consequências? 2) A segunda pergunta porque ainda é mas difícil de responder mas adequa-se ao momento e impacto da Astrid! ;))) Aceitas o meu convite de vir a Portugal no próximo verão? Terei todo o gosto em ofertar-te a viagem e estadia (creio que terás de ficar em muitos lugares, rs rs rs rs rs).


Astrid -  Maria Paula, aprendi treinando muito! Quando temos dentro de nós a energia de cura falando alto, desejamos melhorar o mundo à nossa maneira. É preciso atenção para perceber o nosso limite. Esperar que nos perguntem.

Que nos procurem. Responder não oferecendo o peixe e sim ensinando a pescar.

Minha mãe, que na realidade foi uma grande Mestra para mim, pois me provocava reações necessárias ao meu crescimento, foi quem me ensinou esta lição.

Me disse que todos temos o DIREITO de errar. Assim as crianças aprendem a andar. Caindo e levantando. Se não deixarmos as criancinhas levarem seus tombos nunca saberão como andar sozinhas.

Quando eu interferi no livre arbítrio de alguém me tornei imediatamente responsável pelo carma daquela pessoa em questão. E paguei por coisas que não eram minhas e que sim, ”comprei” dos outros. Conseguiu compreender?

Em relação à sua segunda questão; você sabe que me ofertou um lindo presente de Natal, e que através da sua generosidade vou realizar um sonho muito antes do que esperava! Claro que aceito!

Fiquei muito emocionada e desde que li a sua questão aqui eu estou navegando nas nuvens, numa alegria imensa!

Como já conversamos em particular, vamos com toda a certeza materializar uma intenção que estava escrita nas estrelas. Nunca será suficiente lhe dizer 'Muito Obrigado'!



Marisa Shiroto, do «Isa Grou» - Astrid, conte-nos como e quando este "Mundo Virtual" (que sabemos muito bem o quanto é REAL) surgiu/entrou em sua vida e o "tamanho" do impacto... da diferença que 'ele' causou na mesma?

Astrid - Na resposta que dei ao William, Isa, eu contei como cheguei à blogosfera.

Com o passar dos dias fui percebendo que um canal de comunicação havia se estabelecido novamente. Estava na rede comunicando minhas idéias, sempre com a intenção de ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas, e a minha também, pois ao ensinar estamos aprendendo o tempo todo. Fui conhecendo amigos valiosos, alguns que já deixaram de ser simplesmente virtuais e já são bem reais mesmo. Como é o nosso caso!

Me sentir viva e útil novamente talvez tenha sido o grande diferencial ao qual se refere.

 


Lolipop, do «Banzai» - Astrid, lembro-me de ler nas suas previsões para 2011 que nesse próximo ano, não ia ficar pedra sobre pedra. Estamos perto de 2012 e fala-se muito das profecias Maias e de Nostradamus. Acha que há sinais que se deixam já perceber?

Astrid - 
Se eu disse isso, e disse mesmo, é porque assim senti! Rss Uma mudança radical não deixa nada no lugar. Eu mesmo ando estudando as profecias Maias. Nostradamus, menos.

Porém, ao ler sua questão, me veio à mente que o ser humano é muito curioso e precisa conhecer o futuro, pois tem medo de lidar com o desconhecido. Todos queremos estar preparados. Já disse muitas e muitas vezes e reafirmo que o nosso futuro depende do aqui e agora que é quando de fato irá acontecer. O que estamos escolhendo agora? O que estamos plasmando agora através dos pensamentos, sentimentos e ações?

O planeta como um todo está ascencionando, e com ele tudo que está nele. Estamos com a nossa energia mais refinada, percebemos outras realidades. A sabedoria dos Maias conhecia este processo. E quando você conhece a dinâmica do invisível você passa a ser rei em terra de cegos. Estamos percebendo sim. Todos estamos. Uns reconhecem, outros não.



Maria Chainho - [Não tem blogue] - Com que idade sentiu que tinha vindo a vida para (abrir caminhos e não seguir rastos)?

Astrid -
Em um belo dia, Maria, lá no meu passado remoto. Eu disse essa frase, que brotou subitamente, em uma conversa com uma amiga. Nunca mais esqueci, pois se tratava de um recado de alma. Esses registros não se apagam!



Irene Alves, do «Sem Magia o que seria a vida?» e «As cores da vida» - A minha pergunta é: no mundo da blogsfera conseguiu interagir com a realidade virtual?

Astrid -  Consigo sim, Irene. Tranqüilamente.

Apenas vamos definir o que compreendemos como realidade. Virtual ou material, a realidade é criação minha. Eu coloco no meu mundo aquilo que escolho.

E eu levo isso muito a sério.



Hanah, do «.....» - Dificil é encontrar uma pergunta, mais vamos lá, logo a primeira que me veio a cabeça... Astrid, se tivesse a Lâmpada do Aladim quais seriam os 3 pedidos que faria para o Planeta terra ?

Astrid - Hanah, minha amiga, isso serve de inspiração para escrever um livro, hein?

Primeiro eu iria trocar uma idéia básica com o gênio dessa lâmpada e contar para ele que os tempos são outros!!! Rsss

Passamos da condição de simples pedintes para a de co-criadores.

Estando isso acordado eu então decreto:

Que eu seja a Paz, a Luz e o Amor que desejo ver no mundo.

Que eu possa viver com + paixão pelo mundo.

Assim como o Sol celebra o dia a cada amanhecer, que eu celebre a vida a cada respiração.

Afinal, Somos todos UM. 



Rosana Cristina [Sem blogue] - Sou uma eterna aprendiz da jóia preciosa chamada Astrid Annabelle. Ela é minha Mestra. Minha pergunta é sobre relação mãe e filha. Porque é tão difícil? Gostaria muito de uma luz sobre isso da minha querida Astrid.

Astrid - Quem classifica se algo é difícil ou não Cris, é a nossa mente racional. Guarda isso. Nem sempre a nossa mente está correta. Sabe por que? Pois o nosso coração não concorda!

Se você leu a minha entrevista inteira percebeu que a relação com a minha mãe não foi nada fácil. Passei anos querendo compreender o porque disso. Até que um dia aconteceu um fato inédito... Minha mãe, pouco tempo antes de falecer me chamou e perguntou como era o meu trabalho e de que se tratava de fato. Expliquei longamente e ela ouviu atentamente. Ao final do meu relato ela chorou. Foi aí que aconteceu o famoso”click” e eu compreendi tudo.  Ela foi uma grande mestra sem ter a consciência disso.

E isso ela própria percebeu nesse dia!

Sabe por que lhe contei isso, não sabe?

[Rosana, espero que goste das flores que arranjei para si, pois como não tem blogue e não sei se tem Facebook, tive que arranjar um avatar para si. Beijo. António]


arKana, do «Locais Sagrados» - A minha pergunta relaciona-se com o facto de ter uma vida tão activa na internet: o que a levou a criar um blogue? qual a melhor satisfação/prazer encontra ao escrever nos seus blogues?

Astrid - Arkana, a sua primeira questão foi respondida ao William e à Isa Grou. Não irei me repetir, pois ficaria cansativo para os leitores. Por favor, dê uma espiadinha lá, OK?

Quanto à sua segunda questão:

Sou uma comunicadora nata, portanto preciso me comunicar com pessoas. Essa é a minha maior satisfação. Naturalmente procuro fazer bom uso desse meu dom. Através dos blogs acabei dando continuidade ao trabalho iniciado nas rádios e TV. E o que era regional acabou sendo de âmbito internacional. Isso me dá um grande prazer.

Vou lhe contar uma coisa boba que me alegra demais:

Tenho, no blog 'A Dinamica do Invisível', postado na lateral, um globinho que mostra todos os lugares do mundo de onde as pessoas leram meus posts. Eu nunca cliquei para verificar a informação completa. Apenas fico olhando para aqueles muitos pontinhos vermelhos imaginando que maravilha que é a comunicação globalizada. Meus olhos brilham e meu coração se aquece...sinal de que estou no caminho certo, não é?


Patrícia Samsara, do «Princesa Esquimó» - As minhas perguntinhas são 2, se me permitem, pois outras já foram feitas :))

1 - Depois de tudo o que percorreste na tua vida, o que gostarias ainda de alcançar e que até hoje ainda não fizeste, quais os teus sonhos?

2 - No uso do teu dom, da tua mediunidade, ele sempre funcionou da mesma forma com os assuntos que te diziam respeito a ti pessoalmente ou aos teus entes queridos em comparação com outras pessoas que procuram a tua ajuda?

Astrid - Minha querida Pat Sam, eu estava com muita vontade de conhecer Portugal e todos os amigos que tenho na terrinha. Como deve ter lido acima, ganhei da Maria Paula essa viagem e, portanto, estarei entre vocês no verão do ano que vem. Você pode imaginar a minha alegria? Um sonho que será realizado, Graças à Deus!

Em relação à segunda questão: A intuição sempre fluiu melhor com as pessoas que me procuram. É impressionante como consigo fazer a leitura energética bastando para isso apenas pensar na pessoa em questão. Digo isso, pois eu mesmo fico espantada.

Em relação aos meus filhos é menos... meu lado racional e de mãe-coruja atrapalha demais.

Quanto à minha pessoa, a primeira vez que “ouvi” claramente a voz da minha intuição falar em alto e bom som comigo foi nas horas que antecederam o falecimento do meu marido. Ouvi claramente o seguinte: “Vai dormir casada e acordar viúva”. Estou escrevendo isso e me arrepiando toda. Pois foi assim mesmo. Cheguei a brigar com este meu sentimento/pensamento porque não havia razão nenhuma palpável de que isso poderia acontecer. E aconteceu!

A partir de então eu escuto com toda a clareza as dicas que o meu coração me dá. E ele não erra uma! Acredito que por estar quase sempre sozinha ficou mais fácil de ouvir! rss


PhotobucketMarion Lemos, do «Flor de Luz» e do «Essência da Alma» - Astrid, sabendo que o Reiki não é uma religião, o que você pensa do Reiki aliado ao mediunismo?

Astrid - Sabe Marion, que a palavra mediunidade me incomoda? Por ela ter perdido durante o tempo o seu real significado. Todas as pessoas são médiuns! Somos seres multidimensionais operando em todas as dimensões simultaneamente, mesmo sem consciência disso. Quem tem um pouco mais de sensibilidade acessa os outros planos com mais facilidade, mas é um assunto que pertence à nossa anatomia espiritual. Afinal nós não somos apenas este corpo físico que conhecemos.

O Reiki é Amor, antes de mais nada. Quando somos iniciados nessa técnica de cura acontece uma grande purificação e com isso vamos nos tornando mais sutis, mais leves, mais iluminados.

Começamos então a perceber as dimensões paralelas, pois desenvolvemos entre outras coisas os nossos sentidos extra físicos. Então não se trata do Reiki ser um aliado da mediunidade. Ele nos conduz ao nosso estado perfeito que inclui a percepção da nossa multidimensionalidade. Eu percebo claramente isso depois de lidar a mais de doze anos com o Reiki. Principalmente quando se dá continuidade aos níveis de iniciação, como eu fiz... me iniciei no Karuna até o mestrado e em seguida no Seichim –SKHM, igualmente até o mestrado. Nesse ponto é absolutamente normal conviver com os seres iluminados de dimensões superiores. Com isso o canal que nos propomos a ser torna-se mais largo e mais forte.

Eu precisaria sentar e conversar com você isso de maneira mais demorada. Não será possível por aqui. Espero, no entanto ter lhe respondido o suficiente para uma compreensão inicial.

Jesus disse entre outras coisas que poderíamos realizar feitos maiores do que Ele e que somos deuses. Nesse ensinamento está o que eu tentei lhe passar em poucas palavras.

“Vós sois Deuses, amados Meus. Vivenciai em vossas vidas essa Divina Verdade. Viestes do Coração do Pai como INDIVIDUALIDADES - Presenças Individualizadas de Deus Eu SOU – Sois Seus amados filhos, criados à Sua imagem e semelhança, perfeitos em sua essência, trazendo como herança todos os dons da Divindade que vos criou e da qual fazeis parte.”

 

Lianara, do «Reticências...» - A minha pergunta, na verdade vem de uma constatação: Vejo que, atualmente, as pessoas falam muito em valores, generosidade, tolerância e espiritualidade, mas só falam, pouco praticam e as atitudes são opostas ao discurso e vemos crescer a intolerância e o preconceito racial, social e sexual. Como a querida Astrid vê esta contradição? O que, cada um de nós, deve fazer para mudar esta realidade?

Astrid - Lia, está assim mesmo. Na realidade o que parece ser uma contradição é um processo.

Estamos nos encaminhando para um novo patamar onde tudo deverá ser novo. E para que isso possa acontecer é preciso jogar fora tudo aquilo que não serve mais.

Vou dar como exemplo a limpeza de uma caixa de água. Todas as impurezas, os lodos e limos ficam acomodados no fundo da caixa. Quando você remexe a água para limpar a caixa o que estava quieto no fundo sobe, se destaca para ser eliminado.

Assim está a vida. Para que a nossa nova consciência possa se manifestar estamos remexendo no baú. Tudo que você mencionou está em destaque por isso.

O que nós temos que fazer é sustentar as nossas escolhas sobre valores, generosidade, tolerância e espiritualidade. Ter consciência que todo o resto passa. Não dar importância ao medo e aos fatos negativos. É assim que funciona. Os que não seguirem esta regra, que só falam, pouco praticam e têm as atitudes opostas ao discurso, vão arcar com as conseqüências da sua escolha.

Cada um é responsável pelo seu mundo. E existe um mundo para cada um de nós.

E sabe um jeito fácil fácil de sustentar uma qualidade de vida melhor?

É estando a maior parte do tempo com o coração alegre! E, claro, não prestando atenção ao negativo.

Experimente!


Fada Moranga, do «Fada Moranga», «Amor e Coentros», «Holy Venus» - Quando alguém lhe apresenta um tema em consulta como costuma proceder? Dá uma resposta na hora e dá o assunto por terminado ou faz um seguimento acompanhando a evolução da pessoa?

Astrid - Fada, a primeira coisa que pergunto em uma consulta presencial é saber o por que da consulta e o para que.

Se o/a consulente tiver a intenção de auto conhecimento (o que a princípio é raro) eu naturalmente dou suporte pós consulta. Tenho clientes amigos/as que andam comigo até hoje... alguns com dez anos de amizade. Hoje mesmo, lendo a entrevista, terei vários desses ex-clientes por aqui... amigos/as do coração.

Agora se o objetivo da consulta é para resolver um caso rapidamente, eu apresento uma interpretação do assunto, dou dicas e sei de antemão que estou cumprindo a minha tarefa. O futuro dessa relação terapeuta/consulente fica a cargo de Deus.

Alguns acabam retornando porque o “remédio” funcionou. Agora acompanhar mesmo só para quem está disposto a seguir o caminho ao meu lado.

Eu nunca ofereço o peixe... eu ensino a pescar!


PALAVRAS FINAIS DA ASTRID

Para os amigos que me escreveram emails:

Fiquei sensibilizada e me senti honrada com o carinho que recebi pelos inúmeros emails. Muitos nem sequer têm blogs. De alguma forma ficaram sabendo dessa entrevista e participaram nos bastidores enchendo meu coração de alegria. Hoje estão aqui, celebrando conosco... eu sei e eu sinto... A todos um beijo especial e muito agradecido.

 Para todos:

Desejo que todos tenham um maravilhoso Natal, agradecendo novamente por todo o carinho que sempre recebo de todos os participantes desse lindo Anel do Coração, em especial do António Rosa, meu querido amigo de muito longa data!!!!




Deixo aqui o meu enorme contentamento e agradecimento,
à Astrid Annabelle e a todas as pessoas
que deixaram as suas perguntas.
Beijo e abraços,
António


Por favor, deixem um olá no «Navegante do Infinito»
da amiga Astrid Annabelle. Clicar aqui.
Mesmo que não o faça aqui, por motivos vários. No problem!


Para quem quiser conferir, as perguntas foram feitas aqui.

.

29 de dezembro de 2010

Selos recebidos - terminando o ano com boas energias. Dedico estes selos aos anjos a quem chamo amigos


Recebi estes 3 primeiros selos desse ser humano muito especial,
que nesta reencarnação dá pelo nome de  

Saulo Taveira, do blogue «Partitura»

Esta é a melhor forma de terminar o ano bloguístico de 2010:
recebendo e dando. Partilhando.



Este selo, o 'Sabor da Letra' foi-me oferecido por outro magnífico ser humano,
que se chama

William Garibaldi, do blogue «Versos de Fogo»



O selo «Seu blog é um Amor» foi foi-me oferecido por um jovem muito simpático,
dono do blogue «CocadaG Plus».

Dedico estes selos aos anjos a quem chamo amigos.

Muitos estão na lista de links, na barra da direita.
Todos, no meu coração.

Sirvam-se, por favor.

Obrigado, Saulo. Obrigado, William. Obrigado, Cocada.

DESEJO QUE 2011 SORRIA A TODOS NÓS.

Este ano que termina foi excelente para o 'Cova do Urso'
Devo isso a todos os amigos e leitores. Muito obrigado.

Todos os selos que me oferecem, estão guardados aqui.

.

27 de dezembro de 2010

A Morte


Há histórias da nossa vida que conseguimos pôr para trás e só anos mais tarde é que o assunto volta à superfície e a situação fica mais clara. Aconteceu isso comigo, em 2005. Numa tarde de sábado, com dezenas de pessoas presentes nessa aula de astrologia, dei por mim a iniciar a aula - e a despropósito -, falando na 'morte'. Não, na morte do género, ai que pena que morreu, mas sim no exacto processo metafísico em que o espírito se desprende do corpo, com a assistência de uma comitiva de entidades.

Então, lá estava eu embalado a explicar aqueles pormenores todos dos chacras a serem desatarraxados, de baixo para cima e as razões porque a pessoa que está a desencarnar fica com os membros paralisados, sente um peso ou uma dor no peito, antes do respiro final, quando percebi num miléssimo de segundo, que tinha à minha frente aí umas 40 pessoas, que pura e simplesmente tinham deixado de tomar apontamentos (o que era habitual nas minhas aulas) e estavam todas, mas todas mesmo, especadas a olharem para mim fixamente.

Nesse fragmento de segundo, nesse instante cristalizado no tempo, realizei que me tinha posto de pé e além das palavras, estava a usar em mim mesmo, gestos muito enfáticos, nas áreas dos chacras, e lá estava eu a fazer o gesto de ir desatarraxando todos os chacras e que, em simultâneo, perdera a consciência total que tinha pessoas à minha frente.

Ao chegar ao último chacra, o coronário, lá estava eu com o braço levantado, a mão em cima da cabeça, a fazer o gesto de quem abre uma torneira qualquer. Foi nesse momento que tomei consciência do que se estava a passar e fiquei em silêncio. Todos em silêncio. Não sei durante quanto tempo. Pareceu-me uma eternidade.

A aula continuou, mas aquele momento ficou registado para sempre na minha consciência, que o tempo se encarregou de ir diluindo. Se querem que vos diga, nem me lembro sequer em que aula foi.  E, muito menos, porque estou a escrever isto. Devo ter cá por casa, uma gravação desse momento. Tenho que procurar o CD e disponibilizar esse bocado nos podcasts.

Se o tema voltou à baila, na minha memória e nas minhas células, é porque também percebi intensamente que eu próprio já usara os dois prazos anteriores para desencarnar. E que vou a caminho do terceiro e último prazo de validade. Explico melhor: todos os seres humanos ao encarnarem sabem o que escolheram vivenciar e também sabem que dispõem de 3 prazos para desencarnar. Simplesmente, aqui, no planeta Terra, não se lembram dos seus planos. Assim:

1º prazo - O prazo comum, de uma vida, variável de pessoa para pessoa, mas regra geral, é para viverem cerca de 70 a 80 anos. Não julguem que é assim tão maioritário como possa parecer.

2º prazo - É antecipado o momento do desencarne em vários anos terrestres. Por um de dois motivos: por estar a desperdiçar 'demasiado' a sua experiência terrestre (haveria muito a dizer sobre isto) ou, porque a pessoa galgou inúmeras etapas na sua reencarnação e em poucos anos, experimentou pelo menos 90% do que escolhera vivenciar ao reencarnar. Exemplos de ambos os casos? Jesus e os ladrões, crucificados no mesmo dia.

3º prazo - É concedida uma prorrogação do seu tempo limite, também por um de dois motivos: para encerrar ou completar uma experiência, ou porque, devido ao seu livre-arbítrio, esta reencarnação foi a decisiva no último milénio e a pessoa, melhor dito, o seu espírito está mais que preparado para avançar. É um esforço extra para o ser encerrar um ciclo.

Há duas grandes excepções a estas regras gerais dos 3 prazos. Aqueles que desencarnam sendo crianças, adolescentes ou jovens até por volta dos 30 anos. A maioria desses seres que morrem cedo, simplesmente terminaram um ciclo importante na roda de Samsara e, por isso, é necessário que os seus espíritos prossigam caminho em planos muito elevados. Não é de estranhar que neste vasto grupo, seja frequente a morte súbita.

Estes espíritos passam por um certo apuro no momento do desencarne, pois quando alguém morre num acidente, ou de forma súbita, tem sensações diferentes daquele que morre num leito ou de forma mais pacífica. Esses espíritos terão mais dificuldade em compreender o acontecimento no outro plano e, é nesse exacto momento, que no nosso tempo terrestre pode ser considerado como brevíssimos minutos, que os espíritos adquirem a condição exacta da sua grandeza, como seres evoluídos que se libertaram da sua experiência mortal e abraçam a eternidade.

A outra grande excepção a estes prazos são os suicidas. Não desenvolverei este tema, pois requer um tratamento especial separado. Apenas posso acrescentar que o espírito do suicida tem uma experiência completamente diferente daquele que desencarna dentro da programação genético-espiritual. A simples condição de não ter terminado com 'normalidade' a sua vida cármica, fá-lo ficar em débito com todos aqueles seres com quem deveria desenvolver relacionamentos sociais, familiares, profissionais, etc.

O momento de desencarnar é, por incrível que pareça e, ao contrário do que a nossa cultura pretende transmitir, muito menos traumático para a pessoa do que o acto de encarnar, de nascer.

A 'Morte' é entendida pela cultura ocidental como o fim de toda a vida. Já somos muitos os que a aceitamos como mais uma etapa da Grande Viagem. Significa apenas uma mudança que se traduz em deixar para trás o corpo físico e retomar outra vez o nosso lugar no plano de onde viemos. É isso que, afinal, é a morte. Não o fim, a tragédia, o luto… mas o regresso à nossa verdadeira essência, o espírito que todos somos. Por muito que nos custe aceitar e por muito forte que possa ser a nossa dor, a morte, na realidade, não é mais do que uma aprendizagem que o espírito quis realizar.

.

25 de dezembro de 2010

O actual inimigo público dos EUA, Julian Assange - análise astrológica do escândalo sexual


Não vou analisar a questão dos 'cables' americanos. Deixo isso, para quem sabe do assunto. Interessa-me mais analisar astrologicamente algumas partes do mapa do actual inimigo público dos EUA, Julian Assange.

A acusação de estupro contra Julian Assange vem da Suécia e ocorreu em Agosto 2010,  quando ele foi convidado para dar umas palestras, inserida num seminário mais vasto. Parece que tudo se resume a isto: não usou preservativos. As consequências são as que sabemos. Entretanto, estão vários países à «bulha» com este homem, por questões políticas, obviamente.


Nessa estadia escandinava, conheceu uma loira sueca, de 31 anos, e foi para cama com ela. A seguir conheceu outra loira, de 26 anos e também fez sexo com ela. No caso da primeira, ele teria usado preservativo, que rebentou. Com a segunda, parece ter-se recusado a usar a 'camisinha'. Acontece que as duas mulheres conheceram-se e conversaram, acabando por desabafarem uma com a outra, sobre as suas desventuras sexuais com Julian Assange e bastante revoltadas com ele, pois aparentemente não lhes ligou nenhuma após ter tido sexo com elas. Ficaram magoadas, pois eram fãs do seu trabalho no «WikiLeaks».

 
Os dados para este mapa foram obtidos no prestigiado 'The Mountain Astrologer'. Clicar.
De qualquer forma, não poso garantir que essa seja a hora exacta de nascimento.
Clicar na imagem para aumentar.

A conversa entre as mulheres resultou na preocupação da possibilidade de contraírem doenças sexualmente transmissíveis. A segunda loira (a mais jovem) foi à policia apresentar queixa e pediu à primeira que a acompanhasse, apesar desta não querer queixar-se, pois o seu caso era diferente, visto o preservativo ter-se rompido durante o sexo. Resumindo, toda esta história resultou em 4 acusações contra Julian Assange, que vão da agressão sexual a estupro. É o que dá não usar camisinha.

Quando rebentou o escândalo dos milhares de 'cables' americanos, a polícia sueca accionou os mecanismos internacionais legais contra Julian Assange. O resto é conhecido.

Esta ilustração já é antiga, pois até o Papa já disse «Yes».

Vamos agora analisar esta situação a nível astrológico:

Vamos começar por falar de Escorpião, o signo que trata de assuntos vários como sexo, coisas ocultas, transformação, morte... Se quiser saber mais sobre este signo, clique aqui.

Julian Assange tem o Ascendente Escorpião, portanto, eu definiria assim a sua personalidade: magnético, intenso, energético, independente, perseverante, corajoso, solitário. Por outro lado, tal como qualquer signo, Escorpião também tem o lado menos luminoso, que neste caso concreto parece ser a arrogância, a obstinação, o seu quê de destruidor, a manipulação e um sugador emocional.


Várias das palavras que usei aqui têm perfeito cabimento em dois aspectos públicos da sua vida. O caso do escândalo sexual com as jovens suecas e, obviamente, o trabalho que desenvolve com o seu famoso site 'WikiLeaks'. Suficientemente magnético para atrair as informações confidenciais que ele divulga no site mas, também, para 'engatar' as duas mulheres.

Não nos equivoquemos, por favor. A cena com as mulheres foi um caso de 'engate' normal. Não é um caso romântico, de 'conhecer e gostar'. Na cabeça dele era apenas uma questão de sexo. Nada de romantismos. Com o consentimento delas. Se as 'coisas' complicaram-se depois, é outro assunto.

Vejamos o estado cósmico no seu mapa natal dos dois co-regentes de Escorpião: Marte e Plutão.


O aguerrido Marte (a energia para tomar iniciativas e que trata das energias sexuais) está em Aquário, dando-lhe aquela personalidade de modernidade, usando a internet com maestria e tendo criado uma rede impressionante de conhecimentos. Marte faz um trígono a Vénus, o planeta dos afectos, e das questões de atracção, fazendo dele um autêntico sedutor. Se todos os casais tivessem um Marte e um Vénus em tão bom estado como o dele, não haveria divórcios, nem separações, nem pulariam a cerca. [Marte = 'Mars Cariocecus' o deus lusitano da guerra.]


Marte também faz uma desajeitada quadratura com Júpiter, o planeta das Leis, dos vastos horizontes, fazendo com que, a qualquer momento, no Olimpo, Zeus (Júpiter) castigue Marte, o seu azougado filho. Olhando para o mapa percebemos que este Marte faz uma conjunção ao eixo nodal, dando largas audiências, quer no seu site, quer com muitas mulheres, que devem ficar completamente passadas por poderem estar com Julian Assange. Mas, perigoso, perigoso mesmo, é aquela quadratura que Marte faz com o seu Ascendente que, como já mencionei, é Escorpião, e sendo Marte seu co-regente... Percebeu-se agora, que sim, que é uma quadratura desafiante e perigosa.

Num homem comum, com este mapa, pular a cerca sempre que pudesse seria uma questão 'normal'. Mas também seria um anjo em casa, conseguindo esconder bastante bem uma vida dupla, até ser apanhado. Com Assange, por ter o site que se sabe, torna-se logo num tema que adquire imensa notoriedade e... muitos inimigos e inimigas.


Agora falemos de Plutão, o outro co-regente de Escorpião. Está em Virgem, dando-lhe a enorme capacidade de montar e manter uma minuciosa rede de informações, como a do seu site, que ao longo dos anos, tem sido tão bem sucedido. Plutão faz um quintil ao Sol, fazendo dele uma pessoa poderosamente criativa, sabendo aplicar-se naquilo que entende dever fazer. Plutão faz um excelente sextil a Mercúrio, o planeta regente de Virgem e senhor da comunicação e de distribuição da mensagem (Gémeos). Confirma-se a sua capacidade como bom comunicador, intenso, credível, poderoso.

Vamos a Vénus e à quadratura com Plutão. É o lado frágil da forma como ele vê os relacionamentos: usa e deita fora. Foi apanhado agora na sua própria arrogância. Plutão faz belíssimos aspectos a Júpiter (trígono) e Saturno (sextil) fazendo dele uma pessoa influente e capaz de desenvolver com bases bem estruturadas, toda uma orgânica funcional. Tendo Plutão um quintil com Neptuno, atrevo-me a dizer que as mulheres o vêm como como um objectivo a atingir, prestando-se elas próprias a serem submetidas à vontade de Julian Assange.

Mais do que analisar os grandes trânsitos gostaria de deixar aqui algumas palavras sobre os actuais momentos de Julien Assange, sobretudo desde Novembro. Para isso, usarei os arcos solares, pois é uma ferramenta muito precisa, com a orbe de apenas 1 grau.


Úrano dos arcos solares está a fazer uma conjunção ao seu Ascendente Escorpião. E vai ficar mais uns meses. Só isto foi o suficiente para provocar esta reviravolta na vida de Assange e, assim, tornou-se o actual inimigo público dos Estados Unidos que, obviamente, sentem-se ameaçados por uma só criatura. Mas não é só os EUA, mas vários países e os seus políticos. Portugal e Brasil também foram contaminados nesta teia infindável.

Ainda por arcos solares, vemos Saturno a fazer uma conjunção ao seu Sol natal e uma quadratura a Úrano natal. É o peso da responsabilidade que caiu em cima de Julian Assange. Cercado, ameaçado, perseguido... Carma a ser limpo e de que maneira.

Continuando com os arcos solares, temos Neptuno a fazer uma oposição ao Sol natal. Ficou tudo enevoado e ele perdeu o controle da situação. Este arco só agora inicia a sua andadura.

Deixo convosco a possibilidade de também analisarem este mapa e tecerem as considerações que entenderem nos comentários.



.

18 de dezembro de 2010

Votos de Festas Felizes e um 'até daqui a uns dias'


Votos de Festas Felizes.
Este blogue vai entrar em curtas férias.
Abraços. Até daqui uns dias.

Deixo-vos um vídeo muito engraçado com a
'História do Natal da Era Digital'.


Maria Bethânia - «Boas Festas (Natal)»

16 de dezembro de 2010

Entrevista coletiva a Astrid Annabelle - Anel do Coração

Astrid Annabelle (Ma Jivan Prabhuta)

Como minha amiga mais antiga na internet, a Astrid Annabelle, inaugurou no dia 14 Abril 2009,  com a sua entrevista, a secção 'Anel do Coração', criada aqui no 'Cova do Urso', destinada a conhecer melhor  bloguistas que admiro muito. Ver aqui.

A Astrid Annabelle quase que dispensa apresentação pois é um fenómeno de unanimidade no vasto mundo da blogosfera, sobretudo nas áreas da auto-ajuda, espiritualidade e metafísica. Brilhante pensadora, de enorme coração e sensibilidade, tem ajudado imensa gente, em qualquer um dos seus três blogues. É um projecto de vida muito especial e saboroso.

Fiquei muito feliz com este trabalho conjunto, entre todos. O meu papel aqui, nas entrevistas colectivas é fazer a ponte entre os entrevistadores e os entrevistados. O 'Anel do Coração', girou, mais uma vez. Agradou-me muito fazer este trabalho, pois foi uma forma de reconhecermos a missão fantástica que a Astrid Annabelle desenvolve. Esta é a segunda entrevista colectiva que conduzo; a primeira delas foi ao nosso querido amigo Marcelo Dalla, no dia 25 Janeiro 2010 [ver aqui], com um tremendo sucesso, que intuo se vai repetir hoje.

A todos, muito obrigado. Sejam bem-vindos.

«Projeto Navegante do Infinito»
de Astrid Annabelle [Ma Jivan Prhabuta]

                               Navegante do Infinito                       A Dinâmica do Invisível



Informação: As ilustrações ou fotos que vai ver daqui para baixo são os 'avatares' usados no perfil  dos blogues de cada pessoa e aqui colocados ao lado das suas perguntas. Apenas 4 fotos, tive que ir buscar ao Facebook. Servem, também, para cada um localizar mais depressa a sua própria pergunta e respectiva reposta. Só espero que não tenha havido mudanças de avatares, nos últimos dias. :)))

Entrevista colectiva a Astrid Annabelle
(por ordem de chegada dos amigos)

Para quem quiser conferir, as perguntas foram feitas aqui.

Palavras preliminares da Astrid à própria entrevista: 

«Antes de mais nada quero agradecer por esta oportunidade de poder contar para todos um pouco sobre a “minha lenda pessoal”.  Um dia eu li este termo em um texto do Paulo Coelho e gostei tanto que o adotei. Lenda, pois o que podemos repassar sobre as experiências vividas são as impressões guardadas sobre os fatos do nosso passado.

Quero também agradecer ao António por esta iniciativa maravilhosa de fazer girar o Anel do Coração e a todos vocês, meus amigos e leitores, que deixaram suas questões. Vou tentar ser breve nas respostas, apesar de que isso não é uma tarefa fácil para quem é uma comunicadora nata.»

Imaginemos que estamos numa roda e, no centro, uma fogueira.
Conversemos, então... e façamos a festa. (A.R.)


Clicar, para conhecer,  no nome dos 48 blogues mencionados,
pertencentes aos 39 bloguistas presentes nesta entrevista.
Também aqui estão, com a suas perguntas, mais 2 pessoas que não têm blogues.
Será toda uma experiência de alargamento de horizontes.

Vanessa, do «Fio de Ariadne» - Entrar nos seus blogs é como ingressar num ambiente tranquilo depois de sair de um vendaval. Em um mundo dominado pelo consumo e individualismo, como é trabalhar com a proposta do equilíbrio ainda tão distante dos caminhos trilhados pela maioria das pessoas?

Astrid - Vanessa, fico feliz em saber que sente tranqüilidade ao acessar os meus blogs. Perceber e sentir são justamente as chaves que criam nossa realidade. Cada um de nós possui o seu mundo, pois cada um de nós percebe e sente um mundo distinto. Para uma perfeita compreensão disso eu teria que fazer um verdadeiro tratado sobre o que é a realidade, e isso não cabe aqui. Então para ser objetiva, digamos que eu aprendi a escolher aquilo que quero no meu mundo e a sustentar as minhas escolhas. Aprendi a ser do mundo sem estar no mundo.


Eliana, do «Coisas da Boa Vida» - Astrid, o que te levou a estudar a Dinâmica do Invisível, e se tornar uma mestra nesse assunto e em muitos outros.

Astrid - Eliana, eu amo a vida. Isso me fez querer compreender, que é diferente de entender, como ela funciona. Sou uma grande curiosa e observadora da natureza onde se vê claramente que nada acontece por acaso. Sendo assim, a vida tem uma dinâmica invisível. Ao concluir este pensamento fui atrás de saber como é!

Não me considero mestre de nada. Detesto rótulos. Me sinto limitada como se estivesse sendo encapsulada nos títulos que apenas servem para alisar o nosso ego. Sei que são necessários no mundo mundano para classificar as nossas funções. Mas no fundo gosto de ser simplesmente quem sou. Sem enfeites. Conheço muito sim, mas estou muito longe de saber o suficiente. No dia em que eu me considerar mestre em algo estarei decretando minha morte. Enquanto viva sigo sendo uma aprendiz!


Lucília Ramos, do «Portugal _____ em mim» - Sei que és uma estudiosa da simbologia dos números, da astrologia e de outros cursos a que estás habilitada, acreditas que é preciso averiguar alguns passos da vida das pessoas com esses estudos para serem mais felizes, obterem mais sucesso? Em suma, consideras assim tão importante obtermos essas "respostas" para guiarmos as nossas vidas?

Astrid - Lucy, somos energia organizada e cristalizada, materializada aqui na 3D. Ao nascer não nos foi concedido nenhum manual de instrução para um perfeito funcionamento. Vamos crescendo e vivendo ao Deus dará. Se você então pode ter acesso a informações que lhe permitem decodificar toda a energia que você é, que façam você compreender o porque de ser quem você é, então é válido sim.

Só que acredito que deve ser um trabalho de auto-conhecimento. O numerólogo, o tarólogo ou o astrólogo, etc. podem fornecer dados e pistas, porém nunca concluir nada. O consulente deve concluir por si.

Quando um “...ólogo” concede uma consulta está em verdade falando para si mesmo aquilo que de outra forma não quer ouvir. Sempre digo isso nas minhas consultas. Cheguei a esta conclusão, pois invariavelmente os casos que atendia tinham algo a ver com o que eu mesma estava vivendo naquele momento. Aí comecei a usar as consultas como um grande aprendizado e como aprendi!!!!

O Mestre Ascenso Saint Germain disse que o pior mal da humanidade é a ignorância. É dessa ignorância que ele estava falando. Então minha resposta final à sua questão é um sonoro sim! rss


Maria de Fátima, do «O Portal Mágico» - Astrid quando é que decidiste começar a estudar o Reiki e ser uma Mestre?

Astrid - Mimi, vou transcrever parte de um texto que escrevi por email para uma amiga que se iniciou recentemente como Mestre de Reiki comigo:

«Quero lhe passar a minha vivência de como fui iniciada no Reiki. Eu sofri um ataque na região do coração num belo domingo, enquanto brincava com o meu neto mais velho, que na época era um nenê de um aninho. Lembro bem de um raio multicolorido com cores metálicas que me atingiu o peito. Fui arremessada para o chão...estava sentada na beira da minha cama.

Vi tudo virar de perna para o ar e fiquei paralisada embora consciente. Não conseguia falar muito menos responder aos apelos desesperados do meu marido e filho. Fui levada as pressas para um Hospital e lá internada em uma UTI onde permaneci em observação ligada a vários aparelhos.

Para encurtar a conversa... do jeito que entrei no hospital eu sai depois de algumas horas, sem um diagnóstico sobre o que afinal aconteceu. Eu sabia, rss, mas os médicos não.

Minha família em peso fez pressão exigindo que passasse por uma avaliação com um cardiologista. Eu neguei, pois sentia que não era nada grave, e fui me tratar com Reiki num espaço holístico perto da minha residência da época. Eu havia me interessado por esta técnica assim que ela foi trazida dos EUA. Não tinha dinheiro para fazer a iniciação que custava os olhos da cara...

Bem, assim que eu deitei na esteira para a primeira aplicação de Reiki, a Reikiana que estava se preparando para fazer a aplicação, virou de repente e disse... você foi chamada pelo Reiki. Você precisa ser iniciada o mais rápido possível. Hoje de preferência. Imagine você!!!! Naturalmente aleguei a falta de $$$. Isso não fez com que mudasse de idéia... ligou para o seu Mestre e relatou o acontecido (tudo o que lhe contei acima). No dia seguinte fui incluída num grupo e recebi a iniciação do Nível 1 de Reiki.

Não sabia como agradecer ao Mestre pela gentileza de ter me iniciado de maneira graciosa. Quando fui me despedir lhe perguntei... como posso lhe retribuir pelo que fez por mim?

Ele respondeu na hora: "Vá em paz e divulgue o Reiki aos quatro cantos... inicie os necessitados e as crianças do mesmo jeito que eu fiz. Essa é a sua missão!"

E assim foi feito e está sendo feito.

Divulguei o Reiki pela rádio (tive programas em São Paulo (capital) e em Peruíbe).

Divulguei pela TV (tive programa na TV local de Peruíbe)

Em Peruíbe (cidade do litoral sul de São Paulo) também, durante quatro anos mantive um ambulatório de Reiki para todos que precisassem. Iniciei centenas de crianças e pessoas que tinham limitações financeiras.Isso tudo aconteceu entre 1995 e 2003.

Me tornei Mestre de Reiki em 2001. Nesse mesmo ano me tornei Mestre de Karuna Reiki e de Magnified Healing. Em 2002 me tornei Mestre em Seichim-SKHM e fui iniciada na Medicina Sagrada da Serpente Dourada. Curadora Prânica eu já era antes de me tornar uma Reikiana. Tudo isso ganhei de presente...o Reiki sempre indicava quando e com quem...e as coisas aconteciam.

Vivo o Reiki vinte quatro horas por dia... acordo com ele e vou dormir com ele!Tenho minha própria visão sobre o Reiki que é justamente baseada em todos esses anos como Reikiana.

Não aceito a forma enlatada como querem apresentar essa energia que nada mais é do que AMOR. E como você pode pensar em ditar regras para o AMOR?

Reiki flui e você sente...e é isso que importa. Muito mais do que conhecimento é preciso sentir.»


Manuela Freitas, do «Light» - Sou uma leiga e uma céptica nesta matéria e gostava de saber quando surgiu o click que te fez avançar por estes caminhos?

Astrid - Acho que nasci “clikada” Manú!!! rss Digo isso, pois até onde consigo me lembrar tudo que era mágico, encantado, místico me atraia. Já relatei por diversas vezes, em posts distintos, que eu aprendi a ler muito cedo.

Não tenho lembrança de ter ficado sem ler nada um único dia da minha vida inteira. E foi através das leituras que os insights foram acontecendo naturalmente. Não existe um momento determinado. Assim como uma bola de neve que simplesmente vai crescendo ao ir rolando montanha abaixo eu fui avançando por estes caminhos e expandindo minha consciência.


Lúcia Soares, do «De amores e de...» - A Manuela e a Maria de Fátima já fizeram a pergunta que eu faria: quando foi que você (Astrid) se interessou por estudar essas áreas às quais se dedica? (em que idade, em que tempo da vida).

Astrid - Como eu contei acima Lúcia, não posso lhe dizer que em determinada data eu tivesse começado a estudar sobre a espiritualidade.

Eu sou formada professora com especialização para a pré-escola. Sempre gostei da inocência das crianças menores. Quis estudar psicologia, mas isto acabou não acontecendo.

Durante vinte anos mais ou menos após o casamento cuidei de filhos e dei aulas. Porém sempre lendo e pesquisando sobre a espiritualidade. Inclusive as visões aumentavam e fatos incríveis se sucederam.

Em 1989, um ano muito difícil para mim, muitas mudanças significativas ocorreram na minha vida. Uma delas foi, um belo dia, achar um cartão com a imagem do Mago Merlin no chão da minha garagem. Este Mago tinha uma bola de cristal na mão esquerda e com a direita soltava uma pomba da paz. Tenho este cartão até hoje. Como não havia nada escrito fiquei matutando que significado teria. Na semana seguinte a este fato, no mesmo lugar, encontrei um panfleto convite para inauguração de um espaço holístico no bairro por aqueles dias. Os dizeres do panfleto: “Saint Germain convida você, etc...”

E assim mergulhei no imenso mundo da Grande Fraternidade Branca. Dai para frente minha evolução foi a galope.

Para quem não sabe o Mago Merlin foi uma das muitas encarnações do Mestre Saint Germain. Coincidências???


Marcelo Dalla, do «Dalla Blog» e «ManDalla Arte Visual» - Gostaria que a Astrid nos contasse um pouco sobre sua mediunidade. Como foi no começo, quando notou percepções diferentes, achou que estava ficando maluca? E como é hoje?

Astrid - Quando criança, Marcelo, eu vivia dentro de vários mundos e achava isso absolutamente normal. Vez por outra comentava alguma coisa em casa sobre as visões que eu tinha e recebia de volta um sonoro “Cala a boca menina. Pare de falar bobagens!” Eu sentia e sabia coisas que realmente faziam minha mãe surtar!!! Rsss (Minha avó me defendia!)

Ela tanto reprimiu este meu lado espontâneo que eu sinceramente achei que deveriam ser bobagens. Acabei crescendo como uma menina boazinha, que tirava notas altas na escola, ajudava no serviço de casa, não dava trabalho, mas que não podia falar. Não foi por acaso que sofria de crises asmáticas. (Quando uma pessoa sofre crises de asma é sinal de que sua expressão de alma está sendo sufocada)

Para compensar essa repressão toda eu ficava, nos intervalos das aulas, muitas e muitas vezes, sentada sozinha dentro de uma capelinha toda azul que havia no colégio onde estudava, diante de uma imagem linda e grande de Nossa Senhora de Fátima. Ali a conversa era de coração para coração sem nenhuma conotação religiosa. Eu sabia que ela me carregava no colo. Ninguém me sugeriu fazer isso... foi por intuição pura!

Entre muitas e muitas outras coisas eu havia avisado a minha mãe com quem eu iria casar, isso aos oito anos, dando detalhes como o nome e a origem italiana do meu marido. E assim foi, para desespero total dela que sonhava com um outro futuro para mim. Mas estava escrito nas estrelas que eu teria que passar por esta prova. Com o casamento pude dar vazão a este lado mediúnico.

Não vou me alongar, pois são muitos os detalhes dessa caminhada, ora passando por louca, ora por sábia!!!rsss

Hoje sinto quando minha alma está no comando. Quando o meu ego fala é completamente diferente. Não tenho como explicar isso em palavras.

“Each human being must keep alight within him the sacred flame of madness. And must behave like a normal person // Todo ser humano deve manter viva dentro de si a sagrada chama da loucura. E deve comportar-se como uma pessoa normal”. PauloCoelho


Nilce, do «A vida de uma guerreira» - A pergunta que gostaria de saber já foi feita. Mas, vou tentar outra: Astrid, eu gostaria que você me explicasse como uma pessoa sente que tem mediunidade, ela pode ter e não saber? Passar por uma vida aqui ignorando e só se manifestar em outra?

Astrid - Nilce, todos temos a capacidade para usar os nossos sentidos extra físicos. Algumas pessoas percebem isso, outras não.

Veja por exemplo as mães... todas manifestam a intuição em relação aos filhos, pelo menos.

Mais um... existem pessoas no dia-a-dia que comentam: “Ô boca santa!”

E por aí a fora.

Conseguir acessar planos superiores faz parte da nossa anatomia espiritual!

Detalhe: somos nós que desenvolvemos a capacidade para atingir os planos mais sutis e não ao contrário.

É preciso para tanto sutilizar o corpo humano denso, cuidando bem da sua alimentação em todos os sentidos. Aqui alimentação significa mais, muito mais do que somente os alimentos que ingerimos!

Milhares de pessoas morrem sem saber de tudo isso. É uma pena.

Esse é um caminho solitário onde cada um deve ouvir seu coração e nunca jamais se pendurar em mestre, ou guru nenhum. E este é o maior desafio... ter fé no que sente! Ninguém tem a capacidade de sentir o que o outro sente.

Mediunidade, portanto é um vocábulo que se generalizou e acabou deixando de ter o sentido original.


Ana Cristina Corrêa Mendes, do «Astrologicamente» - Astrid,o que hoje valoriza mais na sua vida, aqui neste planeta...e portanto o que gostaria de deixar como legado?

Astrid - Ana, a riqueza de experiências que a vida me ofereceu. As boas e as não tão boas. Sinto hoje que a vida é uma viagem fantástica e que se bem aproveitada nos leva a um estado de paz e alegria cada vez mais permanente.

Acredito que o legado melhor a ser deixado por alguém é ter feito bom uso do seu dom. Assim cumprimos a nossa missão e eternizamos a nossa passagem pela 3D.


João Raimundo Gonçalves, do «Biocrónicas» - Astrid Annabelle...é uma emoção participar numa entrevista colectiva a uma mulher maior que muito admiro e amo...me diga: a alma...sendo o que evidencia para o exterior cada momento de sermos...ela é imutável ou condicionada/formatada, pelos conhecimentos que vamos adquirindo?

Astrid - João, como na natureza nada é estático, tudo evolui, creio que toda a nossa multidimensionalidade evolui igualmente.

Agora, vivemos em um mundo cheio de palavras. São muitas para definir um mesmo assunto. Então é preciso compreender que o que eu entendo como alma pode ser que não seja a mesma coisa que você entende como alma.

Alma para mim significa tudo aquilo que deixo transparecer pelo coração e de maneira espontânea. A personalidade, ou ego, comandado pelo lado racional, é como somos percebidos pelos outros. Nem sempre atuamos pelo coração, sem rascunhos. Normalmente vivemos de acordo com um script previamente organizado pela razão.

A alma detém a claravisão sobre o todo. A personalidade é condicionada ao tempo e ao espaço.

Retornando à sua questão. Acredito que evoluímos sim como um todo. Acrescentamos, ou melhor, podemos aumentar a potência da nossa luz através da superação dos nossos desafios.


Chica, do «Coisinhas da Chica» e outros blogues  - O que sentes ao olhar o mar? Te acalma ou agita? [Pra mim ele é tão lindo e passa uma lição, mas já falei isso e algumas pessoas disseram que eu não estava certa, pois o mar é furioso e agitado e apenas na beira, é calmo... Eu não consigo vê-lo assim.Vejo o num TODO.]

Astrid - Chica, o mar sou eu. Eu sou o mar. Não concebo minha vida distante do mar.

O mar representa o nosso corpo emocional. É maleável, temperamental, agitado, manso, calmo, violento, amoroso, mutável, provedor, etc. Nos faz felizes, mas também sabe machucar.

Ao nascer, da janela do quarto na Maternidade Portuguesa, na cidade de Salvador, Bahia, eu vi o mar de imediato. Assim me foi contado. E tudo aquilo que se enxerga e percebe nos primeiros instante de vida permanece como referência por toda a vida.

Com menos de um mês de idade fui “batizada” pelas águas da Praia de Amaralina, proeza essa realizada por minha avó! Proeza, pois se trata de uma praia de mar aberto e com muito vento. Dizia a minha mãe que eu poderia ter morrido sufocada pelo excesso de vento. Minha avó apenas sorria todas as vezes que se falava nesse assunto!

Então o mar para mim não só é um todo como tudo.


Evelise Salgado, do «A Melhor Alternativa» e «Brincadeira Cósmica» - Astrid, nosso dia-a-dia impõe uma série de desvios e obstáculos a nossa caminhada evolutiva. Como bem coloca o Marcelo, as pessoas que estão se abrindo para a espiritualidade, muitas vezes acham que estão ficando malucas, ou, simplesmente são chamadas assim. Quando iniciaste esta jornada e, mesmo hoje, como te fortaleces diante das ciladas que a vida nos prega e que muitas vezes nos faz enfraquecer?

Astrid - Hoje eu trabalho de imediato o perdão, Evelise. Sinto muito. Estou perdoada. Eu me amo. Sou grata.

Antes de alcançar esta maturidade eu realmente dava dois passos para trás no caminho da minha evolução. Não compreendia, chorava, esperneava e brigava com Deus. É claro que por isso arrumava sempre uma encrenca maior!!!

Deus ficava pacientemente me olhando até que eu finalmente abaixasse a crista e concordasse que ELE fizesse a Sua Vontade e não eu a minha.

Osho define bem este sentido conhecido por loucura. Apenas são as tantas outras possibilidades que fogem ao plano conhecido dos humanos. Nos primeiros capítulos do livro «Semente de Mostarda», vol.1, ele explica isso de maneira muito clara.

Agora, enquanto ser humano, teremos desafios até o fim da jornada pela 3D. Nem os iluminados escampam disso. Estar vivo aqui na Terra é estar em uma constante disputa entre a nossa sombra e a nossa luz. 



Isadora, do «Tantos Caminhos» e «Cantinhos dos Sonhos» - É um prazer saber um pouco mais sobre a Astrid. Minha pergunta é mais ou menos parecida com a da Manuela. - O que a levou, Astrid, a percorrer esse caminho. A estudar essas matérias?

Astrid - Isa, eu tenho a nítida sensação que a vida me dá a mão e me leva por este caminho.

Não foi uma coisa feita de caso pensado. Eu não decidi nada. Os fatos foram acontecendo e por ser geminiana “raça puríssima” fui querendo compreender o por que e o para que.

E fui embora. A minha vida está cheia de situações surpreendentes, algumas até já relatei acima.

Mais um exemplo: um dia recebi um livro escrito em inglês sobre meditação e temas afins.

Na época eu era muito nova ainda, não compreendi nada. Deixei o livro guardado na minha mesinha de cabeceira durante anos. Mudei de casa várias vezes, mas o livro permanecia ao lado da minha cama.

Muitos anos depois fiz um curso longo para me tornar uma terapeuta holística. Durou quase dois anos. Passado um tempo de eu ter me graduado, por acaso eu abro o referido livro... se tratava de uma “apostila” completa de um curso para Terapeutas Holísticos!

Eu ganhei o livro uns quinze anos antes... acaso??? Será???

Outro fato similar aconteceu em relação ao livro «Um Curso em Milagres».

Estava passando por uma crise financeira daquelas brabas. E num determinado dia eu tive que inventar dinheiro para comer. Tive a idéia de reunir uns livros que não me serviam mais e fui vender num sebo. Ao chegar lá deparei com «Um Curso em Milagres» em sua versão espanhola. Fiquei louca para comprar o livro. Mas eu fui vender livros e não podia comprar nada. O dono do sebo deve ter percebido meu dilema pois comprou meus livros e me deu de presente o objeto do meu desejo! Quem conhece este livro sabe como é difícil a sua leitura. Pois eu li em espanhol mesmo (um idioma totalmente estranho para mim) e compreendi tudinho. Somente alguns anos depois é que pude comprar a sua versão portuguesa. E foi aí que eu percebi que de fato havia assimilado tudo de maneira correta.

E assim vou caminhando Isa.


Siala, do «Alfa Eri» e «A Energia Vital» - Querida Astrid, coloco 2 questões: 1) Quais os momentos mais difíceis neste seu caminho e como conseguiu superá-los? 2) Qual seria o momento que vc define como ponto chave do seu caminho? porquê?

Astrid - Através da numerologia, Siala, eu constatei uma das minhas grandes lições de vida... o lidar com valores, em todos os sentidos.

Na realidade nem precisava ter visto isto através da numerologia rssss... sentia na pele!

Primeiramente, como mencionei em outra resposta, eu fui muito provocada por minha mãe quando ela me dizia que eu só falava bobagens. Isso jogava minha auto estima no lixo. Passado um tempinho, eu juntava os caquinhos que sobravam e me punha em pé novamente, para logo em seguida ser derrubada de novo. Isso foi uma constante em minha vida... o maior desafio. Sofri perdas memoráveis em termos de dinheiro igualmente. Fui rica, fui muito pobre, fui mais ou menos, e assim num continuum interminável.

Tenho uma força grande dentro de mim que não desiste fácil. Eu vou para o chão e me ergo logo em seguida.

Com a maturidade, a compreensão e a expansão da consciência praticamente superei este assunto. O António já me deu uma bela explicação sobre esse tema analisando meu mapa astrológico!

Lhe contei tudo isso para que possa compreender a resposta da sua segunda questão.

Um dos pontos chaves mais importantes foi o dia em que fui convidada pela direção da Rádio Mundial em São Paulo para responder questões dos ouvintes ao vivo no ar!

Na época, grandes espiritualistas ocupavam o microfone da Rádio Mundial que disparava em audiência. Pode imaginar o que senti? Alguém me convidando para falar para milhões de ouvintes para todo o Estado de São Paulo, ao vivo?!

Nunca fiquei sabendo como me descobriram!!!

Isso foi um dos grandes presentes que recebi dos meus queridos Mestres Ascensos... acho que ficaram com peninha!!! rsss


Laura, do «Resteas de Sol» - É certo que tudo o que o Universo tem para nós, chega no dia e na hora certa e não quando nós esperamos impacientes? Sou sensitiva e de aproximação, mas, não tenho onde evoluír, logo, vou tentando por mim, Orando para que a Luz se vá fortalecendo.

Astrid - Tudo o que você vive, Laura, foi pensado e sentido por você. Mesmo que de modo inconsciente a escolha sempre é sua. As coisas boas e as não tão boas. Assumir isso nos torna responsáveis e damos um salto quântico ao compreender essa verdade.

Isso para explicar que o que o Universo tem reservado para você é criação sua. O tempo para uma escolha sua se manifestar depende de como se posiciona perante o fato... com medo de que não aconteça ou com certeza absoluta de que irá acontecer.

Por isso, para facilitar o seu caminho, aceite tudo de bom grado e diga Graças à Deus por tudo o que existe em sua vida. O estado de gratidão encurta as distâncias!

Fico feliz em saber que percebe a sua multidimensionalidade... agora não posso concordar que não tem onde evoluir! Só evoluímos ao olhar para dentro de nós mesmos e nunca em algum local externo. Preste atenção à vida. Esteja presente no aqui e agora. Sinta a vida!

Convença-se de que é luz. Acredite nisso!



António Rosa, do «Cova do Urso» - Que percepção é que tem sobre a evolução espiritual desta nossa humanidade?

Astrid -
Ai meu querido amigo do coração! Caprichou na pergunta hein? Rsss

A natureza evoluí como um todo sem parar. O que anda acontecendo e está visível aos nossos sentidos físicos é que houve um “liberou geral”. Deram doces para as crianças e todos se lambuzaram!

Falando a sério agora, como a nossa energia está sutilizada não podemos de maneira nenhuma conduzir a nossa vida dentro dos paradigmas antigos. Tudo o que era uma verdade anteriormente não é mais. O novo é novo. E totalmente novo! Isso precisa ser experimentado, pois as regras não valem mais. E isso para todas as dimensões!

Uma nova história começa a ser escrita. Então a humanidade no geral está tateando no escuro. Conhecendo o que serve e o que não serve mais. Por isso que o seu post sobre não ouvir nada de ninguém a não ser a sua própria voz interna é tão importante. E veja quantos reconheceram a qualidade dos seus conselhos e considerações!

Todos vamos voltar para casa, isto é uma certeza garantida. Creio que se compreendermos que tudo está certo, que tudo é mutável e impermanente, que a vida é movimento como uma grande respiração, que os elementos de que dispomos são o Amor, a Fé, a Alegria podemos ter uma qualidade de vida superior. Como fazer a humanidade perceber isso? Dando o exemplo. Tendo a coragem e a ousadia de ser verdadeiro consigo mesmo.

Agora se quiser uma explanação maior, puxe uma poltrona, se acomode, pois o discurso é longo! rsss




Maria Lúcia Campos, do «Lúcia Campos Visual» - Astrid, vc ainda tem algum sonho a ser realizado na 3D? O que falta fazer?

Astrid - Sabe Lú, eu sou bem criança nesse sentido. Sonho acordada e dormindo porém deixo a vida me levar. A criança quando acorda pela manhã nem imagina por tudo que vai passar durante o dia... vai vivendo, experimentando, chorando, rindo, etc.

E eu vou dizendo Graças a Deus!

Tem sido uma aventura e tanto experimentar a vida sob esta perspectiva.



Rosália ‘Orvalho do Céu’ do «Espiritual-idade» e outros blogues - Astrid querida, como vc vê a questão da 'espiritualidade' nos dias atuais?

Astrid - A sua questão é parecida com a do António, Rosélia. Existem vozes demais falando. Palavras demais sendo escritas. Uma verdadeira batalha por querer ter razão, ser o melhor, o mais correto, etc. E na realidade o momento exige a experiência do UM para somarmos ao TODO.

A área da espiritualidade precisa tirar a fantasia para começar a atuar sem rascunhos. Chegou a hora do silêncio, do praticar para valer o que se aprendeu por toda a caminhada.

De lembrar as palavras sopradas pelo coração. De sentir a religação com a nossa parte divina de fato e não com hora marcada, mas em todos os momentos.

Um simples exemplo... ao falar 'Bom dia'! Lembrar-se que estamos desejando realmente um bom dia para si próprio e para todos.

Este é um tema muito vasto amiga. Dei apenas mais uma pincelada sobre a minha visão pessoal.



Alzira Dinelli, do «Bloguinho da Zizi» - Qual a sua postura mental, nestes momentos conturbados, onde a violência se sobressai?

Astrid -
Já se tornou um reflexo condicionado, Alzira. Eu imediatamente uso a lei do perdão. Pois se eu percebo a violência, algo dentro de mim está de acordo com esta energia. Como nem sempre sei do que se trata já faço um apelo geral... peço perdão por tudo. Sabe que funciona?

Depois que eu adotei isso minha vida teve uma mudança radical. Mas isso só se pode comprovar fazendo. E fazendo com consciência e sentindo. Nunca repetindo as palavras em vão.



Jaya Ananda, do «Alfabetizando o Homem na luz Divina» e outros blogues - Como você lida com o estado: "estar a sós". ...com você mesma...

Astrid - Esse aprendizado eu comecei a experimentar de fato logo ao ficar viúva Jaya!

Até então, eu tinha uma pessoa ao meu lado em tempo integral.

Ao me sentir solta no espaço sem Mãe, irmão, Pai, Avó e sem marido, sem ninguém a quem dar uma satisfação dos meus atos, com liberdade total para tudo, eu fiquei perdida, confesso. É claro que tenho meus filhos e netos, mas é diferente. Não tenho mais testemunhas vivas do meu passado remoto.

Tive que refletir muito sobre isso e entrar em contato mais profundo com os muitos “eus” que eu sou. O tempo que dispunha era de silêncio absoluto. E foi através desse silêncio que comecei a aprender a conviver comigo. A conhecer de maneira mais “palpável” todas as minhas dimensões e todas as minhas personalidades. Hoje lido com mais tranqüilidade com esta nova realidade. Imagine como é passar um dia inteiro sem conversar com alguém, não importando aqui o assunto. Refiro-me à troca de energia. A blogosfera desempenhou um papel importante nesse caso. Encontrei o respaldo necessário para me adaptar a esta nova situação. Mas continuo aprendendo...

Naturalmente aqui respondi com o meu lado humano... a visão espiritualista é completamente outra.




Eliane Gonçalves, do «Corpo, Mente e Espirito» - Astrid, o que fez você se interessar em estudar a espiritualidade? Aconteceu algum episódio na sua vida, que fez com que você tomasse essa decisão?

Astrid - Já respondi a questões parecidas com a sua mais acima, porém o assunto é vasto e não se esgota facilmente, Eliane.

Nada em especial me fez tomar esta decisão. As coisas foram simplesmente acontecendo.

Claro que visto do alto há um “programa estabelecido” que venho cumprindo, muitas vezes totalmente inconsciente. Um dos meios que mais despertou a minha curiosidade a respeito foi sem duvida o gosto que tenho pela leitura. Fui acostumada à boa leitura desde cedo. Conhecer as idéias dos autores, pesquisar suas fontes, e por aí em diante.

Outra razão é meu ser rebelde em relação à regras... você tem que... isso mais aquilo...!!! pronto! Já era um prato cheio para eu querer saber o porque do “tenho que”.

Exemplos:

Por que eu tenho que rezar para um Deus que não sei quem é?

Por que eu tenho que agradar aos outros em detrimento da minha vontade?

Por que eu tenho que andar por linhas tortas se posso andar direto e reto?

Por que para uns a vida é fácil e para outros é difícil?

Por que eu vejo e sinto coisas que os outros nem imaginam?

Por que um autor afirma uma verdade e outro afirma o contrário?

Foram muitas e muitas perguntas que fui investigar. E uma resposta me levava para outra pergunta e assim sucessivamente.

Nasci com os olhos na cor violeta forte... sabia? Depois com um ano de idade ficaram verdes muito forte. Ao crescer foram ficando amarelos esverdeados... hoje combinam com a roupa que eu uso... esses pequenos detalhes sempre ocuparam a minha mente curiosa... preciso de respostas.

Então não posso lhe dizer que algo aconteceu de especial... nasci assim... sou assim.



Cris França, «Canto de Contar Contos» - Eu sei que você já teve grandes perdas na vida, e um dos post mais lindo e emocionantes sobre o tema eu li uma vez no teu blogue, eu queria que vc deixasse uma mensagem para tanta gente que sofre por perder alguém, não se é uma pergunta, porque não gosto de ser invasiva, mas acho que seria de grande valia para todos poder te ler. Deixo aqui registrada minha enorme admiração por vc e pelo seu trabalho.

Astrid - Cris, minha amiga, agradeço por tanto carinho e por suas doces palavras.

Eu realmente não considero que perdemos alguém. Não possuímos alguém, portanto não perdemos.

Deixamos de fazer parte da vida de uma pessoa. Foi cumprida a missão, o aprendizado. Caso encerrado, então precisamos começar uma outra realidade.

Essa consciência é muito importante. Ela nos permite o compartilhar. O verdadeiro relacionamento baseado na livre escolha. Eu escolho estar com você porque gosto. E não pretendo com isso obrigar o outro a gostar. Eu gosto. Isto basta.

Quando a morte interrompe um relacionamento a missão chegou ao fim.

Na vida mundana a morte impõe um sentimento de perda. Isto é egóico. Estamos interferindo na evolução dessa pessoa.

Durante quarenta anos estive ao lado do meu marido todos os dias. Trinta e oito casada.

Desses, trinta e seis eu vivi sendo proprietária dele. Já pedi muito perdão por isso.

Apenas nos últimos dois anos convivemos na maior harmonia possível, pois eu compreendi que estava ao lado dele por escolha própria. E se estava era por gostar de estar. Ele na realidade não era obrigado a gostar de mim. Conversamos muito a respeito e perdoamos um ao outro por tudo que houve de conflito entre nós. Ele também foi muito possessivo.

E assim é a vida. Ela nos reúne para podermos aprender um com o outro. O outro sempre é o espelho daquilo que não enxergamos em nós mesmos. Essa é sem dúvida a lição mais difícil para os humanos. Conviver, compartilhar e amar incondicionalmente... sem nenhuma condição mesmo.

Cris, aqui também respondi como ser humano. Fora da 3D a conversa sobre a morte é outra.



Alexandre Mauj Imamura Gonzalez, do «Lost in Japan» - O que vc faz internamente quando vê algo em si, ou próximo de você não ir bem. Seja uma doença de alguém querido, uma perda, um grave problema. Ou quando vc sente que más energias atuam, ou o mal sentimento. E uma dica: como lidar com uma pessoa extremamente negativa, pesada, que é de nosso convívio diário? 
 

Astrid - A filosofia de vida dos Kahunas me levou a compreender de fato como agir nesses casos, Alê.

Qualquer coisa que não esteja bem significa uma desarmonia no seu campo energético.

Mesmo que seja com uma pessoa próxima. Qualquer assunto no qual você coloca sua atenção lhe pertence. Portanto, você naturalmente se torna responsável por aquilo. Nós não estamos acostumados a viver assim. Aqui, o que é meu é meu, o que é do outro é do outro. Mas se é do outro porque lhe incomoda? Incomoda, pois o outro é reflexo do seu interior, do seu inconsciente.

Então como nem sempre compreendemos ou reconhecemos a desarmonia interna o jeito é aplicar um remédio multifuncional... que é o perdão.

E isso eu sei que funciona. Ah! Se sei!!!

O que é esse perdão ao qual me refiro? É o deixar ir, o largar, o não ter mais necessidade disso em minha vida.

Eu sinto muito (por ter dado importância).

Estou perdoada (estou largando, deixando ir).

Eu me amo (mereço o melhor, tudo de bom).

Sou grata (por ter aprendido mais uma lição).

Isso funciona até nas desarmonias de certos aparelhos eletro-eletrônicos, sabia? Falta de dinheiro também!!! Desde que você tenha a intenção sincera e responsável de curar a desarmonia.

A resposta para a segunda questão está incluída na primeira.

Mas vou acrescentar: Para que você precisa disso?

Se deixar seu coração responder terá uma resposta saltando na sua tela mental de imediato.

Essas são dicas que eu uso constantemente, senão diariamente!!!!



Élys, do «Meu Recanto Poético» e do «Meu Recanto Poético» - Eu,quero dizer que sinto-me muito feliz em participar fazendo uma pergunta a Astrid, pois é uma forma de agradecer a tantas vibrações maravilhosas que recebo quando vou ao seu blog. A pergunta: Astrid, o que você faz para lidar, com as mais diversas vibrações que recebe oriundas das consultas que lhe fazem, creio que algumas não devem ser muito amenas?...

Astrid - Élys, isso é uma realidade. Normalmente as pessoas vêm carregadas. Não porque querem. Pela própria situação de conflito ou desarmonia na qual se encontram. Aprendi a duras penas como lidar com isso.

Vou lhe contar de que maneira aprendi de fato.

Eu morei por um tempo em Perúibe, como já mencionei em outra resposta.

Nessa época eu tive uma agenda lotada. Como tinha um programa de rádio três vezes por semana de grande audiência a procura por consultas era constante. Atendia em minha residência em um escritório montado para essa finalidade. Antes de começar o dia eu energizava todo o ambiente e os meus objetos de poder... cristais, mandalas, gráficos.

Aplicava Reiki de tal forma que ao entrar em meu escritório o consulente já recebia os bons fluídos e entrava em processo de cura.

Um dia, porém fui surpreendida por um pedido especial. Uma moça, que sofrera um acidente de carro, havia ficado tetraplégica. A mãe dela me pediu encarecidamente que eu abrisse uma exceção e fôsse atendê-la em sua residência. Meu coração disse não. Minha razão disse sim! E lá fui eu querendo fazer um bem. Eu fiz um bem e saí com um mal.

Pois muito bem... para resumir. Não me resguardei como deveria ter feito. Quando voltei para casa comecei a sentir fortes dores nas pernas. Em questão de uma hora mais ou menos não conseguia mais me mexer. Fiquei inteira paralisada. Estava com uma grande amiga em casa e mais o meu marido. Ambos começaram imediatamente a rezar e a aplicar Reiki, pois intuíram do que se tratava. No dia seguinte eu estava absolutamente normal de novo.

Como eu me abri e senti pena da moça fiquei vulnerável e absorvi sua condição de paralisia, pois foi isso que me impressionou.

Então a resposta é essa: não podemos nos impressionar com os casos apresentados. E de preferência, sempre se envolver em luz ao atender um consulente.




Adelaide Figueiredo, do «Diálogos Astrais» - Como tanta vivência e enorme espiritualidade, um enorme conhecimento de metafisica e outras ciências, já pensou escrever um livro para ajudar a Humanidade? Seria interessante contar experiências, vivências e porque não dizer, os seus resultados como terapeuta.

Astrid - Pensar eu pensei, Adelaide. Apenas não me sinto escritora. Eu sou muito boa falando e contando minhas experiências. Daí para escrever existe uma grande distância.

Cheguei a pensar em reunir meus textos escritos na net para compor um livro, principalmente do blog «A Dinâmica do Invisível».


Porém ainda nada de concreto eu decidi nesse sentido. No entanto, sempre estou aberta para novas experiências. Quem sabe um dia encontre uma parceria para co-criarmos essa idéia.




William Garibaldi, do «Versos de Fogo» - 1) O que significa este nome que você adotou: Ma Jivan Prabhuta? 2) Quando teve a idéia de criar um Blog?

Astrid -  Esse nome eu recebi ao ser iniciada como uma sannyasi pela “Academy of Initiation” do Osho, em Pune, na Índia, no dia 09/09/2005.

Para que você possa receber o Sannyas a Academia pede um relato sobre as atividades exercidas até então e o porque quer ser iniciada.

Fiz isso. E foi baseado nesse relato que foi então escolhido meu novo nome.

Ma que significa Mãe

Jivan que significa Vida

Prabhuta que significa Fôrça

Juntando tudo significa: A Mãe que irradia a Fôrça da Vida

Por que um novo nome? Porque ao ser iniciada como uma sannyasi o compromisso que assumimos é de renascimento total. Todo o passado deve ser apagado para dar lugar a um novo ser, com uma nova história. Isso eu realmente fiz, tanto que existem assuntos do meu passado que nem me lembro mais. Ficaram os importantes, o resto sumiu. Não sou nem de perto a mesma pessoa anterior à iniciação. O interessante é que recebi a iniciação no segundo aniversário de falecimento da minha mãe! Não é hora de contar agora, mas esta “coincidência” não foi por acaso!

Fiz um post bonito sobre este assunto AQUI.

A idéia de criar um blog foi uma conseqüência desse novo momento em minha vida.

Um dos motivos que me trouxe para Ubatuba foi porque em Peruíbe eu tive um problema sério no coração. O cardiologista me recomendou que parasse com todas as minhas atividades profissionais. Coincidentemente, meu marido acabara de vender o negócio que tinha. Nessa situação resolvemos vir começar uma nova história de vida aqui em Ubatuba.

Sempre foi meu sonho morar nessa cidade. Isso em 2005. (repare na data do meu sannyas!)

No início eu vivi de férias e calada. Imagine eu não tendo com quem falar!!!! Porém isso durou pouco.

Foi então que resolvi conhecer e aprender a mexer na net.Em seguida criei um blog onde colocava textos que encontrava navegando pela rede que me interessavam. Aos poucos fui recebendo comentários. E me animando com as novas amizades. Isso me devolveu a alegria de interagir com pessoas de pensamentos afins.Tive vários blogs antes de criar o Projeto Navegante do Infinito, que aconteceu em abril de 2008, exatamente três anos depois da minha mudança para Ubatuba.

Sabe, William, de nada adianta ter conhecimentos e um dom se você não faz bom uso disso. E o problema “sério” no coração foi totalmente curado! Na realidade os “mestres” que fazem as coisas acontecerem em minha vida escolhem uns atalhos incríveis! Por isso é importante conhecer a dinâmica do invisível!



Ezequiel Coelho, do «Jardinagens» - A minha questão prende-se também com o que o Marcelo e a Evelize perguntaram, mas gostaria de saber o seguinte: Quando você faz uma determinada "previsão" ou tem conhecimento acerca de um assunto (e todas as formas que usa para aferir a resposta lhe dizem o mesmo) e no final não se confirma, como é que você interpreta a situação? (análise precipitada? "muito mudou" ao redor da situação para que não se concretize?) 

Astrid - Ninguém tem o poder de determinar o futuro através de uma previsão uma vez que a vida muda a cada instante. Vivemos e estamos em um campo onde existem infinitas possibilidades. O que os “...ólogos” chamam de previsões, e eu me incluo nisso, são exatamente as possibilidades. Diante de certos posicionamentos dos planetas os astrólogos podem determinar que energias estarão mais presentes. Os numerólogos pelas somas dos números sabem que lhe dizer a mesma coisa. Os tarólogos através dos Arcanos Maiores igualmente.

Por exemplo: se você abre um jogo de tarô agora obterá uma resposta. Se abrir um outro em seguida já não terá o mesmo resultado, pois no intervalo entre um jogo e outro você mudou.

O António Rosa, o Marcelo Dalla e eu fizemos previsões para o ano de 2011. Estes trabalhos estão linkados em nossos blogs, AQUI, AQUI e AQUI. Somos profundos conhecedores das nossas respectivas áreas baseados em muitos anos de estudos e pesquisas. Mostramos através dos nossos estudos as possibilidades para o ano que vem. Com este conhecimento cada pessoa vai escolher e decidir como vai lidar com estas energias. Que escolhas irão fazer em sua vida pessoal diante de tal e tal posicionamento dos astros e das respectivas vibrações numéricas. Nenhum de nós três teve ou tem a intenção de acertar ou errar nada. Assim trabalha um profissional sério. Existem sim os necessitados de glória e de fama que brincam com a crença pública.

Entende porque é preciso o auto-conhecimento? Por que é preciso se tornar responsável por suas escolhas?

Reforçando: ninguém tem o poder de escrever a sua história pessoal, de escolher por você e de determinar nada em sua vida! Você é e sempre será o único responsável. Nós damos as pistas e cada um as usa como bem quiser. Ler, estudar, procurar compreender as situações vigentes em termos de energia vibracional encurta o caminho de volta para casa.

Concluindo: portanto considerar que uma previsão de determinada pessoa deu errado é falso.

Um exemplo prático da minha vida pessoal. Estive com vários Mestres, desde astrólogos, tarólogos e numerólogos muito capacitados consultando o meu relacionamento amoroso.TODOS me disseram que não haveria futuro nesta relação. Que eu deveria me separar, etc, e tal. Nenhum deles contou com a possibilidade que eu escolhi...o perdão!

Nenhum deles acertou? A energia que viram pelas análises que fizeram estava certa diante da situação do momento. Mas eu sempre tinha o poder da escolha. Escolhi o caminho do meu coração e perdoei tudo. Escolhi recomeçar de outro jeito e deu certo.

Foi bom ter consultado os profissionais? Foi excelente. Me forneceram dados importantíssimos nos quais baseei a minha escolha.

É assim que funciona, Ezequiel. Os profissionais sérios não lidam com adivinhação e sim com a sabedoria, o que é muito diferente.



IdoMind, do «O Jardim» - A minha pergunta é simples: quando tem medo, quando tem dúvidas, enfim, quando o peso do mundo fica pesado, o que a Astrid faz? Sem grandes filosofias, como ultrapassa esses momentos?
 
Astrid - E isso acontece mesmo, Idomind!

São os chamados mergulhos na noite escura, os “quarenta dias no deserto”... onde o ego entra em conflito direto com a alma. Onde o medo briga com a fé!

A compreensão da dinâmica da vida ajuda muito, mas não é suficiente para nos livrar das nossas sombras, dos nossos medos mais profundos.

Ao me encontrar nesses momentos eu paro, respiro profundamente e em seguida vou fazer qualquer coisa diferente... sabe aquela frase popular que diz: “Vou dar um tempo!”

Com calma, passado esse um tempo, investigo a respeito da sombra em questão. Se eu puder e tiver condições de resolver ótimo. Caso contrário deixo tudo na Mão de Deus. ELE sempre conhece a melhor escolha.



Ana Karla, do «Misturação» - A minha pergunta é a seguinte: busco o equilíbrio, porém estou acomodada. Comecei pela ioga, que muito me fez bem, mas não consegui levar adiante, nem sei explicar o por quê, então eu pergunto como é que podemos chegar a um certo equilíbrio?

Astrid -  Ana Karla, no dia que você estiver pronta o Mestre aparece. Talvez não tenha chegado o momento certo. Ou, talvez ainda, o caminho do Yoga não seja o seu caminho. Existem muitas opções.

Se você tem dentro de si este desejo de melhorar sua qualidade de vida comece a procurar a solução. Consulte na net, converse com pessoas que também sentem a mesma necessidade, consulte profissionais, etc.

Posso dar uma dica: pergunte a si mesma o que mais gosta de fazer? Qual é a coisa pela qual pularia da cama logo cedo e deixaria você se esquecer de qualquer outra coisa? O fio da meada é por aqui.




Maria Paula Ribeiro, do «BandarrVet» - Antes tenho de ressaltar e enaltecer aquilo que a Astrid melhor sabe fazer: respeitar o livre arbítrio de cada um de nós ao mesmo tempo que nos disponibiliza ferramentas de suma importância à nossa evolução. E quem diz à nossa própria evolução, refere-se a todos os que nos rodeiam e assim por diante... E é nesse sentido que vai a minha pergunta, pois acredito que nem sempre terá sido fácil: 1) como consegues não interferir o livre arbítrio? Se alguma vez o fizeste e qual/quais foram as suas consequências? 2) A segunda pergunta porque ainda é mas difícil de responder mas adequa-se ao momento e impacto da Astrid! ;))) Aceitas o meu convite de vir a Portugal no próximo verão? Terei todo o gosto em ofertar-te a viagem e estadia (creio que terás de ficar em muitos lugares, rs rs rs rs rs).


Astrid -  Maria Paula, aprendi treinando muito! Quando temos dentro de nós a energia de cura falando alto, desejamos melhorar o mundo à nossa maneira. É preciso atenção para perceber o nosso limite. Esperar que nos perguntem.

Que nos procurem. Responder não oferecendo o peixe e sim ensinando a pescar.

Minha mãe, que na realidade foi uma grande Mestra para mim, pois me provocava reações necessárias ao meu crescimento, foi quem me ensinou esta lição.

Me disse que todos temos o DIREITO de errar. Assim as crianças aprendem a andar. Caindo e levantando. Se não deixarmos as criancinhas levarem seus tombos nunca saberão como andar sozinhas.

Quando eu interferi no livre arbítrio de alguém me tornei imediatamente responsável pelo carma daquela pessoa em questão. E paguei por coisas que não eram minhas e que sim, ”comprei” dos outros. Conseguiu compreender?

Em relação à sua segunda questão; você sabe que me ofertou um lindo presente de Natal, e que através da sua generosidade vou realizar um sonho muito antes do que esperava! Claro que aceito!

Fiquei muito emocionada e desde que li a sua questão aqui eu estou navegando nas nuvens, numa alegria imensa!

Como já conversamos em particular, vamos com toda a certeza materializar uma intenção que estava escrita nas estrelas. Nunca será suficiente lhe dizer 'Muito Obrigado'!



Marisa Shiroto, do «Isa Grou» - Astrid, conte-nos como e quando este "Mundo Virtual" (que sabemos muito bem o quanto é REAL) surgiu/entrou em sua vida e o "tamanho" do impacto... da diferença que 'ele' causou na mesma?

Astrid - Na resposta que dei ao William, Isa, eu contei como cheguei à blogosfera.

Com o passar dos dias fui percebendo que um canal de comunicação havia se estabelecido novamente. Estava na rede comunicando minhas idéias, sempre com a intenção de ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas, e a minha também, pois ao ensinar estamos aprendendo o tempo todo. Fui conhecendo amigos valiosos, alguns que já deixaram de ser simplesmente virtuais e já são bem reais mesmo. Como é o nosso caso!

Me sentir viva e útil novamente talvez tenha sido o grande diferencial ao qual se refere.

 


Lolipop, do «Banzai» - Astrid, lembro-me de ler nas suas previsões para 2011 que nesse próximo ano, não ia ficar pedra sobre pedra. Estamos perto de 2012 e fala-se muito das profecias Maias e de Nostradamus. Acha que há sinais que se deixam já perceber?

Astrid - 
Se eu disse isso, e disse mesmo, é porque assim senti! Rss Uma mudança radical não deixa nada no lugar. Eu mesmo ando estudando as profecias Maias. Nostradamus, menos.

Porém, ao ler sua questão, me veio à mente que o ser humano é muito curioso e precisa conhecer o futuro, pois tem medo de lidar com o desconhecido. Todos queremos estar preparados. Já disse muitas e muitas vezes e reafirmo que o nosso futuro depende do aqui e agora que é quando de fato irá acontecer. O que estamos escolhendo agora? O que estamos plasmando agora através dos pensamentos, sentimentos e ações?

O planeta como um todo está ascencionando, e com ele tudo que está nele. Estamos com a nossa energia mais refinada, percebemos outras realidades. A sabedoria dos Maias conhecia este processo. E quando você conhece a dinâmica do invisível você passa a ser rei em terra de cegos. Estamos percebendo sim. Todos estamos. Uns reconhecem, outros não.



Maria Chainho - [Não tem blogue] - Com que idade sentiu que tinha vindo a vida para (abrir caminhos e não seguir rastos)?

Astrid -
Em um belo dia, Maria, lá no meu passado remoto. Eu disse essa frase, que brotou subitamente, em uma conversa com uma amiga. Nunca mais esqueci, pois se tratava de um recado de alma. Esses registros não se apagam!



Irene Alves, do «Sem Magia o que seria a vida?» e «As cores da vida» - A minha pergunta é: no mundo da blogsfera conseguiu interagir com a realidade virtual?

Astrid -  Consigo sim, Irene. Tranqüilamente.

Apenas vamos definir o que compreendemos como realidade. Virtual ou material, a realidade é criação minha. Eu coloco no meu mundo aquilo que escolho.

E eu levo isso muito a sério.



Hanah, do «.....» - Dificil é encontrar uma pergunta, mais vamos lá, logo a primeira que me veio a cabeça... Astrid, se tivesse a Lâmpada do Aladim quais seriam os 3 pedidos que faria para o Planeta terra ?

Astrid - Hanah, minha amiga, isso serve de inspiração para escrever um livro, hein?

Primeiro eu iria trocar uma idéia básica com o gênio dessa lâmpada e contar para ele que os tempos são outros!!! Rsss

Passamos da condição de simples pedintes para a de co-criadores.

Estando isso acordado eu então decreto:

Que eu seja a Paz, a Luz e o Amor que desejo ver no mundo.

Que eu possa viver com + paixão pelo mundo.

Assim como o Sol celebra o dia a cada amanhecer, que eu celebre a vida a cada respiração.

Afinal, Somos todos UM. 



Rosana Cristina [Sem blogue] - Sou uma eterna aprendiz da jóia preciosa chamada Astrid Annabelle. Ela é minha Mestra. Minha pergunta é sobre relação mãe e filha. Porque é tão difícil? Gostaria muito de uma luz sobre isso da minha querida Astrid.

Astrid - Quem classifica se algo é difícil ou não Cris, é a nossa mente racional. Guarda isso. Nem sempre a nossa mente está correta. Sabe por que? Pois o nosso coração não concorda!

Se você leu a minha entrevista inteira percebeu que a relação com a minha mãe não foi nada fácil. Passei anos querendo compreender o porque disso. Até que um dia aconteceu um fato inédito... Minha mãe, pouco tempo antes de falecer me chamou e perguntou como era o meu trabalho e de que se tratava de fato. Expliquei longamente e ela ouviu atentamente. Ao final do meu relato ela chorou. Foi aí que aconteceu o famoso”click” e eu compreendi tudo.  Ela foi uma grande mestra sem ter a consciência disso.

E isso ela própria percebeu nesse dia!

Sabe por que lhe contei isso, não sabe?

[Rosana, espero que goste das flores que arranjei para si, pois como não tem blogue e não sei se tem Facebook, tive que arranjar um avatar para si. Beijo. António]


arKana, do «Locais Sagrados» - A minha pergunta relaciona-se com o facto de ter uma vida tão activa na internet: o que a levou a criar um blogue? qual a melhor satisfação/prazer encontra ao escrever nos seus blogues?

Astrid - Arkana, a sua primeira questão foi respondida ao William e à Isa Grou. Não irei me repetir, pois ficaria cansativo para os leitores. Por favor, dê uma espiadinha lá, OK?

Quanto à sua segunda questão:

Sou uma comunicadora nata, portanto preciso me comunicar com pessoas. Essa é a minha maior satisfação. Naturalmente procuro fazer bom uso desse meu dom. Através dos blogs acabei dando continuidade ao trabalho iniciado nas rádios e TV. E o que era regional acabou sendo de âmbito internacional. Isso me dá um grande prazer.

Vou lhe contar uma coisa boba que me alegra demais:

Tenho, no blog 'A Dinamica do Invisível', postado na lateral, um globinho que mostra todos os lugares do mundo de onde as pessoas leram meus posts. Eu nunca cliquei para verificar a informação completa. Apenas fico olhando para aqueles muitos pontinhos vermelhos imaginando que maravilha que é a comunicação globalizada. Meus olhos brilham e meu coração se aquece...sinal de que estou no caminho certo, não é?


Patrícia Samsara, do «Princesa Esquimó» - As minhas perguntinhas são 2, se me permitem, pois outras já foram feitas :))

1 - Depois de tudo o que percorreste na tua vida, o que gostarias ainda de alcançar e que até hoje ainda não fizeste, quais os teus sonhos?

2 - No uso do teu dom, da tua mediunidade, ele sempre funcionou da mesma forma com os assuntos que te diziam respeito a ti pessoalmente ou aos teus entes queridos em comparação com outras pessoas que procuram a tua ajuda?

Astrid - Minha querida Pat Sam, eu estava com muita vontade de conhecer Portugal e todos os amigos que tenho na terrinha. Como deve ter lido acima, ganhei da Maria Paula essa viagem e, portanto, estarei entre vocês no verão do ano que vem. Você pode imaginar a minha alegria? Um sonho que será realizado, Graças à Deus!

Em relação à segunda questão: A intuição sempre fluiu melhor com as pessoas que me procuram. É impressionante como consigo fazer a leitura energética bastando para isso apenas pensar na pessoa em questão. Digo isso, pois eu mesmo fico espantada.

Em relação aos meus filhos é menos... meu lado racional e de mãe-coruja atrapalha demais.

Quanto à minha pessoa, a primeira vez que “ouvi” claramente a voz da minha intuição falar em alto e bom som comigo foi nas horas que antecederam o falecimento do meu marido. Ouvi claramente o seguinte: “Vai dormir casada e acordar viúva”. Estou escrevendo isso e me arrepiando toda. Pois foi assim mesmo. Cheguei a brigar com este meu sentimento/pensamento porque não havia razão nenhuma palpável de que isso poderia acontecer. E aconteceu!

A partir de então eu escuto com toda a clareza as dicas que o meu coração me dá. E ele não erra uma! Acredito que por estar quase sempre sozinha ficou mais fácil de ouvir! rss


PhotobucketMarion Lemos, do «Flor de Luz» e do «Essência da Alma» - Astrid, sabendo que o Reiki não é uma religião, o que você pensa do Reiki aliado ao mediunismo?

Astrid - Sabe Marion, que a palavra mediunidade me incomoda? Por ela ter perdido durante o tempo o seu real significado. Todas as pessoas são médiuns! Somos seres multidimensionais operando em todas as dimensões simultaneamente, mesmo sem consciência disso. Quem tem um pouco mais de sensibilidade acessa os outros planos com mais facilidade, mas é um assunto que pertence à nossa anatomia espiritual. Afinal nós não somos apenas este corpo físico que conhecemos.

O Reiki é Amor, antes de mais nada. Quando somos iniciados nessa técnica de cura acontece uma grande purificação e com isso vamos nos tornando mais sutis, mais leves, mais iluminados.

Começamos então a perceber as dimensões paralelas, pois desenvolvemos entre outras coisas os nossos sentidos extra físicos. Então não se trata do Reiki ser um aliado da mediunidade. Ele nos conduz ao nosso estado perfeito que inclui a percepção da nossa multidimensionalidade. Eu percebo claramente isso depois de lidar a mais de doze anos com o Reiki. Principalmente quando se dá continuidade aos níveis de iniciação, como eu fiz... me iniciei no Karuna até o mestrado e em seguida no Seichim –SKHM, igualmente até o mestrado. Nesse ponto é absolutamente normal conviver com os seres iluminados de dimensões superiores. Com isso o canal que nos propomos a ser torna-se mais largo e mais forte.

Eu precisaria sentar e conversar com você isso de maneira mais demorada. Não será possível por aqui. Espero, no entanto ter lhe respondido o suficiente para uma compreensão inicial.

Jesus disse entre outras coisas que poderíamos realizar feitos maiores do que Ele e que somos deuses. Nesse ensinamento está o que eu tentei lhe passar em poucas palavras.

“Vós sois Deuses, amados Meus. Vivenciai em vossas vidas essa Divina Verdade. Viestes do Coração do Pai como INDIVIDUALIDADES - Presenças Individualizadas de Deus Eu SOU – Sois Seus amados filhos, criados à Sua imagem e semelhança, perfeitos em sua essência, trazendo como herança todos os dons da Divindade que vos criou e da qual fazeis parte.”

 

Lianara, do «Reticências...» - A minha pergunta, na verdade vem de uma constatação: Vejo que, atualmente, as pessoas falam muito em valores, generosidade, tolerância e espiritualidade, mas só falam, pouco praticam e as atitudes são opostas ao discurso e vemos crescer a intolerância e o preconceito racial, social e sexual. Como a querida Astrid vê esta contradição? O que, cada um de nós, deve fazer para mudar esta realidade?

Astrid - Lia, está assim mesmo. Na realidade o que parece ser uma contradição é um processo.

Estamos nos encaminhando para um novo patamar onde tudo deverá ser novo. E para que isso possa acontecer é preciso jogar fora tudo aquilo que não serve mais.

Vou dar como exemplo a limpeza de uma caixa de água. Todas as impurezas, os lodos e limos ficam acomodados no fundo da caixa. Quando você remexe a água para limpar a caixa o que estava quieto no fundo sobe, se destaca para ser eliminado.

Assim está a vida. Para que a nossa nova consciência possa se manifestar estamos remexendo no baú. Tudo que você mencionou está em destaque por isso.

O que nós temos que fazer é sustentar as nossas escolhas sobre valores, generosidade, tolerância e espiritualidade. Ter consciência que todo o resto passa. Não dar importância ao medo e aos fatos negativos. É assim que funciona. Os que não seguirem esta regra, que só falam, pouco praticam e têm as atitudes opostas ao discurso, vão arcar com as conseqüências da sua escolha.

Cada um é responsável pelo seu mundo. E existe um mundo para cada um de nós.

E sabe um jeito fácil fácil de sustentar uma qualidade de vida melhor?

É estando a maior parte do tempo com o coração alegre! E, claro, não prestando atenção ao negativo.

Experimente!


Fada Moranga, do «Fada Moranga», «Amor e Coentros», «Holy Venus» - Quando alguém lhe apresenta um tema em consulta como costuma proceder? Dá uma resposta na hora e dá o assunto por terminado ou faz um seguimento acompanhando a evolução da pessoa?

Astrid - Fada, a primeira coisa que pergunto em uma consulta presencial é saber o por que da consulta e o para que.

Se o/a consulente tiver a intenção de auto conhecimento (o que a princípio é raro) eu naturalmente dou suporte pós consulta. Tenho clientes amigos/as que andam comigo até hoje... alguns com dez anos de amizade. Hoje mesmo, lendo a entrevista, terei vários desses ex-clientes por aqui... amigos/as do coração.

Agora se o objetivo da consulta é para resolver um caso rapidamente, eu apresento uma interpretação do assunto, dou dicas e sei de antemão que estou cumprindo a minha tarefa. O futuro dessa relação terapeuta/consulente fica a cargo de Deus.

Alguns acabam retornando porque o “remédio” funcionou. Agora acompanhar mesmo só para quem está disposto a seguir o caminho ao meu lado.

Eu nunca ofereço o peixe... eu ensino a pescar!


PALAVRAS FINAIS DA ASTRID

Para os amigos que me escreveram emails:

Fiquei sensibilizada e me senti honrada com o carinho que recebi pelos inúmeros emails. Muitos nem sequer têm blogs. De alguma forma ficaram sabendo dessa entrevista e participaram nos bastidores enchendo meu coração de alegria. Hoje estão aqui, celebrando conosco... eu sei e eu sinto... A todos um beijo especial e muito agradecido.

 Para todos:

Desejo que todos tenham um maravilhoso Natal, agradecendo novamente por todo o carinho que sempre recebo de todos os participantes desse lindo Anel do Coração, em especial do António Rosa, meu querido amigo de muito longa data!!!!




Deixo aqui o meu enorme contentamento e agradecimento,
à Astrid Annabelle e a todas as pessoas
que deixaram as suas perguntas.
Beijo e abraços,
António


Por favor, deixem um olá no «Navegante do Infinito»
da amiga Astrid Annabelle. Clicar aqui.
Mesmo que não o faça aqui, por motivos vários. No problem!


Para quem quiser conferir, as perguntas foram feitas aqui.

.

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates