Astrologia Cármica e as Casas nos mapas - Apontamentos para aula - nº 3

30 de janeiro de 2011 ·

[Texto © António Rosa, 2004, 2007, 2011]

Devido à sua extensão, este artigo foi dividido em 3 partes/posts.
Clicar para aceder: Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 (este é o último texto)
Estão autorizados a levar o texto para efeitos de estudo.

A CASA 4

Já falámos um pouco desta casa, mas ela merece uma atenção maior, dada a sua enorme importância cármica. Irmã gémea do signo Câncer / Caranguejo, ela revela a atitude da pessoa com a família, para com o lar e para com a segurança que espera disso tudo. E isso não só no que se refere à vida presente, mas também no que se refere àquelas, mais antigas, onde ele mesmo criou para si as atitudes mentais que ainda hoje o condicionam.

Por exemplo, a pessoa, frustrada numa infância precedente, tentará reencontrar os antigos parentes aos quais está ligado por poderosos laços cármicos. Através deles, procurará de novo a segurança que lhe faltara anteriormente. Se a sua relação com esses parentes tiver sido de amor, ele procurará encarnar-se de novo entre eles, por atracção de ternura. Se a relação tiver implicado dívidas, irá encamar-se também de maneira a que essas dívidas possam enfim ser pagas, num amor recíproco reencontrado (e um progresso espiritual comum).

É a casa do medo de sentir, por razões cármicas. É normal decifrar na casa 4, em analogia com Câncer / Caranguejo, traços do carma, já que ela concerne à infância: um número muito grande de crianças lembram-se ainda da sua vida precedente, e conseguem contá-la!

O Fundo-do-Céu, cúspide dessa casa 4
, é uma articulação importante: marca, num certo sentido, a acumulação, a sedimentação dos carmas acumulados, assim como o novo ponto de partida desta vida. O Fundo-do-Céu, assim como o Nodo Norte, dão a motivação profunda da encarnação.

Câncer / Caranguejo era considerado pelos antigos astrólogos gregos e latinos como a "porta de entrada das almas" neste mundo. Todo o seu simbolismo (o ovo, a água primordial, o crustáceo paleozóico, etc.) gira em torno dessa ideia do nascimento. O Câncer  / Caranguejo é um dos animais mais antigos do nosso planeta; ele não esquece nada. A sua memória é fenomenal. A casa 4 também!

Uma casa 4 muito habitada, recebendo muitos aspectos tem muitas revelações a fazer àquele que souber lê-la. Indica nitidamente o estado de espírito com o qual a pessoa retomou ao plano terrestre. [É o meu fado pessoal e ainda ando em aprendizagens.]

A CASA 8

Tendo a mesma significação de Escorpião (morte e ressurreição), muito rapidamente atraiu o olhar clarividente dos primeiros astrólogos esotéricos. Há muito tempo que se sabe que essas pessoas, cuja casa 8 está carregada, são mediúnicas e têm aptidões "parapsicológicas". Essas capacidades particulares foram adquiridas em outras existências, graças a um treino especial, por vezes muito duro: provações de iniciação das quais às vezes não se saía com vida

O treino religioso e parapsicológico, como era dado aos futuros iniciados nos templos do Egipto e da Atlântida (e ainda hoje no Tibete), era longo e exigente. Os candidatos à iniciação aprendiam a sair do seu corpo à vontade, e a retomar a ele sem dificuldades. Os iniciados eram capazes de ler os pensamentos daqueles que vinham fazer-lhes uma consulta, ou de ver imediatamente, segundo as cores da aura, qual era o órgão doente.

Podiam falar com os animais, prever certos acontecimentos, impor a sua vontade à distância, comunicar por telepatia, e ainda mil outras coisas muito úteis! Podiam comunicar-se com os mortos, curar pelo poder do pensamento. A sua memória era sistematicamente treinada de modo a nada esquecer. Actualmente, resta-lhes uma parte dessa memória: eles lembram-se mais ou menos das suas antigas aptidões. Nos templos, ensinava-se-lhes a concentrar o pensamento, para utilizá-lo como uma arma, e a forjar a vontade para utilizar esse pensamento.

Tais pessoas, reencarnados hoje, têm uma casa 8 interessante. Eu mesmo tenho a Lua nessa casa e tenho consciência de já ter sido outrora astrólogo. Ainda me vejo ali, e em TVP, isso foi confirmado em mais do que uma vida. E sinto realmente alguma dificuldade em compreender como estes assuntos espirituais e psicoterapeuticos podem não apaixonar todo o mundo, pois para mim eles são de uma evidência absolutamente brilhante! A presença do mundo invisível é-me familiar. Imagino como será o caso de pessoas com Sol, Vénus, Júpiter e Úrano nesta casa 8. Adoraria (re)viver essa situação

Só que tem acontecido que nem sempre essas capacidades têm sido utilizadas para servir. Desviados do seu objectivo - usados para fins egoístas e destrutivos criaram um carma muito pesado.

A pessoa deve retomar aqui para purgar esse desvio: feiticeiros, magos negros, falsos sacerdotes, bruxos malignos devem reparar o mal que fizeram. Na sua nova encarnação, essas pessoas, marcadas pela casa 8, têm o gosto pelo segredo, mas conseguem evoluir de forma muito evidente. Os seus parentes queixam-se de que são difíceis de compreender. É realmente curiosa a percepção inconsciente das pessoas que nos cercam: quantas vezes não me chamaram de “bruxo”? Nem mesmo praticava publicamente a astrologia nessa época.

Muitos dessas pessoas podem exercer uma influência oculta sobre os outros, que ainda estão sujeitos a cair nas suas armadilhas se eles abusam desse poder. Um certo número de pessoas beneficia de um grande magnetismo sexual, que assegura o seu sucesso junto às multidões.

Muitas vezes um pesado carma oculta-se por trás do seu mapa; esse carma não pode ser liquidado pela repressão pura e simples dos instintos, nem pela recusa em reconhecê-los. Mas antes pela dedicação total a uma causa desinteressada, na qual a pessoa prestará os serviços que se esperavam dele, outrora. Investindo nisso todas as forças, canalizará os seus talentos para fins construtivos e optimistas.

Esse tipo de pessoa aparece muitas vezes como dilacerado entre um desejo profundo de abnegação, que lhe trará enfim a paz interior esperada há muito tempo - e uma tentação permanente de correr atrás das suas velhas rotinas cármicas (a paixão do poder gerado pelo sexo, o dinheiro, o misticismo desviado de seus caminhos)!

Inúmeros são aqueles que, no momento actual, sucumbem à tentação de fazer o papel de gurus fascistas, aqueles que infantilizam os seus rebanhos para melhor pisar em cima deles. Falsos profetas, contra quem evidentemente é preciso prevenir-se, como da peste.

Como saber? Pois bem, é muito simples: os falsos profetas deixam em nós um sentimento de angústia. Os bons conselheiros, ao contrário, deixam-nos partir com um sentimento de leveza, de alegria de viver, de contacto com a alma.

As pessoas da casa 8 têm naturalmente a faculdade de reencontrar as suas vidas passadas. Estão aptas a compreender que a morte não é mais que uma porta pela qual todos nós passamos centenas de vezes. No entanto, as pessoas da casa 8 são as que têm a coragem de pensar no "pós-vida". Passam a ter menos medo desta do que outros, quando se decidem a fazer o trabalho espiritual necessário. Na verdade, só encontram a paz quando mergulham a fundo nessa pesquisa. Mas aqueles, dentre eles, que se obstinam na sua recusa têm, evidentemente, mais medo da morte do que os outros.

A morte é o seu domínio: se a abordam numa atitude positiva e espiritual, reencontram a serenidade - e também os seus talentos “psi”! Essas pessoas da 8 não podem viver como as demais pessoas, contentando-se em comer, beber, dormir, amar. O modelo de vida materialista que a sociedade de consumo lhes propõe jamais os satisfaz, e são os primeiros a se revoltar. Sabem que há muita coisa além da matéria. Mas como explicar o que sentem? Tenho encontrado muitos casos assim.

Toda a pesquisa das vidas passadas deve, portanto, estudar cuidadosamente a 8, os seus regentes, seus ocupantes, os planetas regentes do signo na ponta dessa casa, etc. Parece que esta casa 8 é a "porta de saída" das almas ao fim de uma vida terrestre. A situação dessa casa no momento da morte daria as indicações sobre a próxima encarnação (e, em particular, designaria o próximo Ascendente).

AS CASAS NO EIXO DAS CASAS DE ÁGUA


A casa 6

Em analogia com o signo de Virgem, esta casa 6 é oposta à 12; ela dá indicações precisas sobre a origem cármica das doenças. Estas são causadas por desequilíbrio mental, espiritual ou emocional que se somatizam no corpo.

Há sempre uma ligação às duas casas, quando menos por polaridade, porque elas estão no mesmo eixo. Se a casa 6 está muito carregada (planetas mal aspectados, retrógrados, nodos, etc.), pode-se concluir daí que faltou à entidade espírito de colaboração numa vida passada.

Segundo a natureza dos planetas, dos signos na casa e das regências, pode-se precisar em quê e como. De qualquer modo, a casa 6 actual oferece sempre os meios positivos e concretos de liquidar a dívida cármica descrita pela 12 (ou, por vezes, é o contrário: a situação da 12 indica um pagamento da 6).

A casa 2

Em analogia com o signo de Touro, mostra como a entidade procura tranquilizar-se pela posse - ou pela privação - dos bens terrestres!

Evidentemente, esta casa 2 tem muito a dizer, sobretudo se está ligada por planetas, regências e aspectos à casa 8, que está em frente a ela. O facto de que os nodos estejam em eixo lembra-nos que toda a casa e todo o signo devem ser interpretados em função daquele que lhe está oposto.

Isto vale tanto para a interpretação "actual" dos mapas, quanto para a sua interpretação cármica. Aquele que tiver acumulado bens terrestres no passado terá desta vez uma casa 2 de despojamento - se tiver abusado desses bens. Se ele tiver, por exemplo, uma casa 8 em Touro indicando esses abusos no passado, uma grande avidez e um grande materialismo, terá uma casa 2 em Escorpião. Esse sinal de despojamento indica as perdas que deverá enfrentar nesta vida, voluntariamente (ou a contra gosto, se o recusar).

Evidentemente, esta é apenas uma ideia geral, e supõe que os planetas presentes nessas duas casas confirmem esta interpretação. O contrário, uma casa 2 em Touro, indica um nativo que optou pela posse: e todas as variedades de motivações podem estar presentes, das piores às melhores.

A palavra bíblica "O trabalhador merece o seu salário" aplica-se de maneira muito exacta a essa casa 2. O salário actual, indicado na casa 2, é a remuneração dos trabalhos de uma vida passada. A noção cármica de "pagar as dívidas" encontra aqui a sua aplicação.

Eis aqui um exemplo que pode causar espanto a alguns: aqueles que ganham nas corridas de cavalos parecem, por vezes, ser herdeiros de uma vida passada onde haviam amado e protegido os cavalos! Em compensação, e de maneira mais geral, aqueles que perdem dinheiro com os animais (corridas, criações, etc.) parecem pagar por vidas passadas onde se haviam mostrado cruéis com eles.

Mas os traficantes de animais exóticos, que actualmente enriquecem com animais capturados, lamentavelmente transportados em caixas demasiado estreitas onde morrem de sede, de fome, de angústia e de sujeira, estão certamente fadados a acumular contra si um terrível carma: irão reencontrar-se arruinados e miseráveis na vida seguinte! De um modo ou de outro irão sofrer o que fizeram padecer as pequenas almas sem defesa do reino animal. Há cada vez mais testemunhos sobre isso!

Os animais estão particularmente ligados às casas 6 (animais domésticos) e 2 (quando eles fazem parte da propriedade ou do rebanho do criador). Estão também ligados aos signos de Virgem e de Touro, de Sagitário quando se trata de cavalos, de Capricórnio quando se trata de caprinos, de Gémeos no caso dos pássaros, etc.

A casa 10 e os trânsitos planetários


Indica o programa de inserção social e profissional escolhido pela entidade antes da sua encarnação. Se não contém nenhum planeta, mas apenas o Nodo Norte, por exemplo, a pessoa estabeleceu o projecto de participar do mundo do trabalho; sai da família após uma vida passada na qual permanecera confinado.

Existe também o caso contrário: um Nodo Sul indicando uma entidade que tem por trás de si uma longa experiência passada que tem como eixo o trabalho profissional - e que agora quer voltar-se para a vida de família. Como essas duas casas são opostas, isso não ocorre sem criar conflitos interiores e familiares.

Por exemplo, mulheres cujo mapa indica um programa de auto-realização pela vida profissional: a sua família e o seu marido não a entendem, persuadidos de que a única e exclusiva vocação da mulher está "no lar".

Embora se tenha sublinhado, mais ou menos em toda parte, na imprensa e na opinião, que o trabalho não era incompatível com uma vida feminina, esta verdade está longe de ser admitida universalmente: muitos pais não pensam em proporcionara às suas filhas uma qualificação que lhes garantiria, no entanto, uma dignidade e meios de vida. Infelizmente, a vida da mulher no lar, função de acolhida indispensável, está muito desvalorizada.

O imenso trabalho e a dedicação que ela exige são, hoje em dia, muito pouco reconhecidos. Certos temas indicam nitidamente que a pessoa fez esta escolha - outros, não. Mas esse não é um problema exclusivamente feminino: muito homens têm uma casa 10 desabitada, ao passo que o acento é colocado na casa 4: embora tenham escolhido uma encarnação masculina, prefeririam permanecer em casa. O rigor do conformismo social os culpabiliza, se fizerem isso. Vão, então, trabalhar fora, mas podem não se sentir felizes!

O Meio-do-Céu

É um ponto importante do mapa, por vezes, tanto quanto o Ascendente. Defini-lo como o início da casa 10 é insuficiente: é, na verdade, um ponto-chave, que focaliza todas as energias da entidade para esta vida. O Meio-do-Céu indica como a pessoa previu sua inserção profissional e social.

Alguns astrólogos dão uma atenção especial ao planeta "mais alto do céu" (que nem sempre coincide com o Zénite, ou Meio-do-Céu). Parece que esse planeta importante e influente, em virtude desse recente trânsito, é indicado de várias maneiras no mapa: em conjunção com o Meio-do-Céu, ou com o Ascendente (na casa 12, depois 11, e depois 10).

O astrólogo deve observar muito atentamente não só os planetas na 1, na 12 e na 11, mas também na 10; e mesmo aqueles que ultrapassaram um pouco o Zénite e que já invadem a casa 9, mas que ainda estão em conjunção com o MC.

Essa questão, ainda bastante misteriosa, dos trânsitos planetários, será, penso eu, esclarecida nos próximos anos. Chegar-se-á a determinar no mapa o planeta de onde chega a entidade, para recomeçar uma nova vida terrestre. Por enquanto, ainda não sou capaz de fazê-lo com toda a certeza. Pode-se conseguir uma tal precisão através de intuição e vidência, que se confirma, em seguida, pelo estudo do mapa.

AS CASAS 3, 5, 7, 9, 11

Todas elas têm também um conteúdo cármico, embora ele seja menos imediatamente visível do que no caso das "casas de água".

A casa 5

Diz respeito aos filhos e aos amores, e indica evidentemente as dívidas cármicas que se acumularam nesse campo: filhos negligenciados, ou amores maltratados. E como somos "filhos das nossas obras", vê-se por essa casa o quanto a nossa vida presente é "filha" das passadas!

E por isso que acontece frequentemente filhos e amores retornarem de uma vida para outra: as mesmas entidades, embora situadas diferentemente no "organograma" familiar! Os mapas de famílias mostram vários casos desse "carmas familiares" onde uma filha se reencontra irmã, e vice-versa; onde os amores de um homem se dirigem para uma antiga esposa, ou para um antigo filho. Daí o apego inexplicável e ilógico que liga dois seres, nutridos de experiências comuns durante séculos, ou mesmo - quem sabe - milénios!

As entidades que se encarnam em nós como filhos podem ter sido já antigos filhos, um cônjuge, um amor, um irmão, ou uma irmã.

E por isso que a casa 3, que é a dos irmãos e irmãs, dos primos e dos condiscípulos, permite decifrar esse tipo de relações cármicas. De uma vida para outra, como já disse

A casa 7, que descreve o cônjuge, dá também algumas explicações cármicas. Por que homens brilhantes e inteligentes, desposam mulheres que não tinham nem a cultura, nem a educação, nem a inteligência deles? Ou o contrário. Os seus contemporâneos julgam severamente esses casamentos, inteiramente "descombinados". Para retomar o termo de uma época antiga, esses "casamentos desiguais" só poderiam ser explicados por uma necessidade cármica. Por que, então, um homem muito brilhante, muito célebre, muito rico, acharia admirável uma pessoa feia, insignificante, ou de muito baixo nível moral? Por que essa atracção entre dois seres separados pela nacionalidade, pela raça, pela religião e pela língua? Porque teceram entre eles, outrora, laços que ainda hoje os aproximam. A casa 7 indica esses laços. Ela está em analogia com o signo do casamento, Balança. Muitas pessoas casam-se essencialmente para liquidar alguma velha dívida oculta no fundo de uma gaveta cármica.

A casa 7 deve ser lida tendo constantemente em vista a casa 1: não só ela indica as virtudes e lições que faltam à pessoa, e para as quais ela se deve orientar - como também as pessoas indicadas na 7 (pelos planetas) são os instrumentos dessa progressão necessária. Por vezes muito dolorosa!

Do mesmo modo, a casa 9 completa a casa 3: esta última descreve o círculo de relações imediatas (actual ou passado) da pessoa; mas a casa 9, a do alhures, indica a via pela qual ele tentava - e continua a tentar - transcender esse imediato - isto é, explicá-lo por uma filosofia, enquadrá-lo numa ética, num ideal que lhe dê um sentido. A casa 9 é reveladora dos ideais que motivaram a entidade nas vidas passadas. Saturno retrógrado mal aspectado na casa 9 pode significar alguém que a sede do poder político devorou numa existência passada, sede que provavelmente motivou a sua actual reencarnação, podendo continuar a motivar todos os seus actos nesta vida.

Se a casa 3 dá informações sobre a instrução, os estudos e o nível intelectual do sujeito (não só para esta vida, mas também para as passadas), a casa 9 mostra o que ele faz desse saber intelectual, dessas faculdades mentais; mostra a serviço de que ideal espiritual e filosófico ele põe essa bagagem mental. A casa 9 está em analogia com o signo de Sagitário.

Os falsos profetas e gurus malfazejos têm frequentemente indicadores cármicos nessas casas 3 e 9: é o caso de Rasputin e de Adolf Hitler. A habilidade deles para fascinar os seus contemporâneos provém de aptidões adquiridas numa vida passada. Infelizmente, o caminho no qual eles decidiram guiar os outros não é mais que o do culto da sua personalidade - disfarçado sob uma ideologia mística progressista.

Para terminar este apanhado das casas, certas pessoas têm mais especialmente um carma amistoso: a sua escolha de destino é reencontrar amigos de outrora. Partindo das bases dessas antigas amizades, deverão aprender algumas lições espirituais: por exemplo, o discernimento, a amizade desinteressada, o espírito de colaboração, o respeito aos direitos dos outros, etc. A casa 11, em analogia com Aquário, indica a aptidão para uma comunicação mais ampla, para uma comunicação à distância, como permite hoje os “media”.

A aptidão para comunicar-se com grupos mais amplos do que a família ou a profissão é, muitas vezes, herança de outras vidas. É possível que civilizações como a dos atlantes e dos primeiros egípcios, que foram herdeiros deles, tenham disposto de meios de comunicação semelhantes ao rádio e à televisão (que pensamos ter inventado!). As pessoas que tiveram, outrora, tais aptidões, que se haviam tomado amplamente conhecidos num grupo humano ou num país, têm uma casa 11 muito habitada. Os planetas retrógrados e os maus aspectos indicam que esta comunicação com grandes grupos humanos fora, no caso deles, pouco satisfatória.

Clicar para aceder: Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 (este é o último texto)

.

44 comentários:

Anónimo disse...
30 de janeiro de 2011 às 10:27  

Bom dia António,

Obrigado pelo magnifico conteúdo!!!

Adorei!!!

Carlos

Astrid Annabelle disse...
30 de janeiro de 2011 às 11:29  

Bom dia querido António!
Você nem calcula o quanto eu adorei as duas partes postadas hoje.
Já copiei e irei estudá-las com certeza.
O tema Astrologia Cármica mexeu com todos os meus sentidos e as lâmparinas se iluminaram. Era a peça que faltava no quebra-cabeça que estou montando.
Adorei, adorei e adorei.
Como a net está lerdíssima não sei se voltarei por aqui hoje, mas em coração estarei com você.
Beijos para um lindo domingo e MUITO OBRIGADO!
Astrid Annabelle

Dunyazade disse...
30 de janeiro de 2011 às 15:08  

ADORO ASTROLOGIA! ADOOOROOOO!
Pronto, parei de gritar.
Sempre quis, desde pequena, compreender o porquê: da vida, da morte, de deus, se há ou não. Não sei se já fui em vidas passadas "astrólogo/a", lol. Era giro se tivesse sido! Com Saturno na casa 8, mal aspectado, se o fui, acho que não me portei lá muito bem. Talvez a minha motivação tenha sido poder e controlo. Ou, se não fui eu que o exerci, talvez tenha sido exercido em mim (ou contra mim). Adoro estes temas. Não percebo, por exemplo que se possa temer a morte. Realmente, não entendo. Há ocasiões em que quero discutir abertamente a morte com familiares e amigos, mas evitam o tema. Que parvoíce, na minha opinião. Eu penso que nos devemos preparar activamente para a morte durante a vida (não sei se me faço entender). E não percebo como é que pessoas mais velhas do que eu tenham medo dela e não se tenham preparado devidamente. Para mim - é sinal de covardia. Bom, calo-me.

Continue com estes artigos fabulosos.

Rosan disse...
30 de janeiro de 2011 às 17:10  

olá Antonio
maravilosos os teus tres textos, mas uma vez fiquei encantada, apesar de como já disse outra vezes não entender tanto de astrologia, mas vejo que ela entende de mim, mais do pensava eu.
gostaria imenso de poder ter em minhas mão um mapa feito por ti, assim tão rico de detalhes, que desvandaria por completo mina existencia.
sou leão com acesdente em cancer, não descobri lendo o texto a casa que pertenço, talvez estivesse aí mas não percebi, dentro da minha igrancia no assunto.
obrigada por mais uma vez me permitir uma belíssima leitura.
beijo na alma

Rosan

Anónimo disse...
30 de janeiro de 2011 às 17:22  

Dificilmente comento, e geralmente não leio comentários. Mas me impressiona o pequeno número, ainda, de comentários nessas postagens de tão grande qualidade.
Quanto empenho, Antônio, quanta energia! Quanta vontade de esclarecer e contribuir. Meus parabéns! Não é apenas a extensão do estudo, nem apenas a profundidade, dá para sentir todo seu ser mobilizado para dar o melhor de si. Fazem diferença, Antônio, muito mais do que você supõe, fará grande diferença seu trabalho. Muito Obrigada pela sua contribuição a todos.
Luciene

Adelaide Figueiredo disse...
30 de janeiro de 2011 às 17:29  

António,

Maravilhoso! Só praticando se aprendem melhor estas coisas, mas estes textos ajudam muito.

Passei um bom bocado deste domingo lendo tudo isto mas valeu a pena.

Lamento não haver livros com lições como estas para se poder aprender. Seria mais fácil as pessoas terem conhecimento e maior a divulgação e a aprendizagem. Gostava tanto que tanta coisa mudasse na astrologia :)

Abraço

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...
30 de janeiro de 2011 às 17:32  

bacana dessa série é que corta preconceitos. ou seja, não é uma ciência boba, que cada um faz do jeito que quer, sem fundamentos e estudo. é algo sério, feita por gente séria.

excelente
bom domingo!

Atelier de Terapias disse...
30 de janeiro de 2011 às 17:43  

Viva António!

Acabei de ler os 3 textos, simplesmente amei, revi alguns aspectos do meu mapa. Sol casa 8 em Peixes, aprender a morrer a cada segundo!!! Ascendente em Leão, enfim nem comento, e interessante casa 2 em Escorpião completamente deserta!!! Agora compreendo o despego aos bens materiais imposto pela Vida, é claro.
Gratidão,
Armando

Nilce disse...
30 de janeiro de 2011 às 19:33  

Oi Antônio

Li tudo, mas ainda preciso voltar com calma.
Obrigada por nos transmitir seu conhecimento.

Bjs no coração!

Nilce

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:02  

Carlos,

Eu é que agradeço pelo seu interesse.

Abraço

António

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:03  

Minha querida Astrid,

Acordei esta manhã com a certeza que deveria publicar imediatamente estes dois últimos posts, pois assim, a série completa ficaría disponível para todos. Não me preocupei com os timings. Agora, talvez descanse uns quantos dias. Hoje pretendia visitar todos os amigos, mas só agora à noite é que liguei o computador e vi que havia comentários.

Muito obrigado pela sua companhia. Faz-me um bem incrível.

Beijos

António

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:03  

Dunyazade,

Nem imagina como o seu comentário me deixou bem disposto. Um dia destes falaremos do seu mapa. Isto está a ser adiado há demasiado tempo.

Ágata, muito obrigado e beijinhos.

António

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:08  

Rosan,

Que bom que foi receber o seu comentário e, sobretudo a sua visita. É certo que a astrologia entende de nós todos. Os astrólogos é que devem ser muito cuidadosos naquilo que passam às pessoas que os procuram. Esse ascendente Câncer, vai fazer com que espalhe o amor por todos os lados. Certamente, toda a gente desabafa consigo, sobre tudo, desde coisas sem maior importância até segredos mais sérios. É a sua doação aos outros.

Beijos

António

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:08  

Luciene

Fico-lhe muito agradecido pelo lindíssimo comentário que me deixou. Fiquei feliz. Não nos preocupemos com a ausência de comentários, que compreendo bem, pois são textos longos, e muito especializados, talvez sejam maçadores para muitas pessoas. Eu fico feliz com todos os comentários que me deixam. É muito gratificante.

Beijo

António

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:10  

Adelaide,

Sei bem que estes assuntos lhe agradam muito, até porque conheço o seu mapa. Será que este ano nos vamos conhecer? Talvez com a vinda da Atrid a Portugal.

Grande abraço e muito agradecido

António

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:11  

Alexandre,

Muito agradecido pelas suas palavras que me deixaram comovido, pois eu tento praticar com seriedade estes conhecimentos mais esotéricos.

Grande abraço

António

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:13  

Armando,

Muito obrigado pelo seu comentário tão expressivo. É bem verdade isso que diz do seu Sol em Peixes na 8 - morrer e renascer a cada instante.

Gratidão minha e um grande abraço

António

António Rosa disse...
30 de janeiro de 2011 às 21:13  

Nilce, minha querida

Temos que arranjar um tempinho para falarmos pelo skype do seu mapa. Não podemos deixar passar muito tempo.

mil beijos de agradecimento

António

Rui António Santos disse...
30 de janeiro de 2011 às 22:46  

António, tudo o que está relacionado com Astrologia Karmica ádoro, e esta explicação tão clara sobre as casas, deixou-me sem palavras.

O António pode ter optado por não ser curador, mas é certamente um mensageiro do céu, e só por isso tem o dom de curar conscências.
Vou ler várias vezes

Abraço

Leila Brasil disse...
30 de janeiro de 2011 às 23:55  

Acabei de ler a parte 3 . Foi muito bom tomar o tema pela mão. Vou caminhar com ele até poder fazer algum comentário. Por enquanto vou agradecendo pela generosidade de doar conhecimento. Obrigada
Saudações da minha lua na 8 para a tua

Ana Pallito disse...
31 de janeiro de 2011 às 00:41  

Obrigado querido.

MARCELO DALLA disse...
31 de janeiro de 2011 às 08:08  

Amigo querido!!!
Hoje acordei cedinho e vim correndo terminar de ler tudo. Vou reler com calma este material primoroso.
Amei!!!!
E vc é meu professor oficial de astrologia e nem adianta reclamar!!!
hehehehe

Tanto material pra refletir... Minhas casas 4, 8 e 12 q o digam...
Grato, amigo!!!
abraço

Mercurio em Escorpiao disse...
31 de janeiro de 2011 às 12:19  

António,

Sonhei consigo uma noite destas. Na minha opinião, e ainda não tive o previlégio de ter uma consulta consigo, é o melhor astrólogo que conheço. Estou a iniciar os meus estudos em astrologia carmica, conheço o meu mapa, mas gostava mesmo de ter uma consulta consigo, infelizmente terá que ser agendada para daqui a um tempo porque trabalho em Lisboa e as consultas são à sexta-feira da Ericeira, o que significa que teria que tirar um dia de ferias. Mas vou agendar um dia para o ir conhecer, ouvi-lo e aprender mais um bocadinho com um mestre!

António Rosa disse...
31 de janeiro de 2011 às 17:25  

Rui,

Fico feliz em saber que encontrou utilidade neste artigo. Vamos fazer assim: leve os textos e pratique com os mapas de outras pessoas. Depois, envie-me o seu feedback e, se for necessário, acrescento ao texto a sua experiência pessoal.

Grande abraço

António

António Rosa disse...
31 de janeiro de 2011 às 17:26  

Leila,

Estou por aqui, à sua disposição. As nosas Luas falarão.

Grande abraço

António

António Rosa disse...
31 de janeiro de 2011 às 17:26  

Ana,

Muito agradecido, eu.

Abraço

António

António Rosa disse...
31 de janeiro de 2011 às 17:30  

Marcelo,

Você deveria ter o nome de «generosidade», pois as suas palavras deixaram-me emocionado. Pode acreditar quando digo que não me sinto professor de ninguém. Talvez apenas a experiência da vida ajude um pouco mais.

Um beijo grande

António

António Rosa disse...
31 de janeiro de 2011 às 17:33  

Mercúrio

Ambos temos a Lua em Sagitário. Vamos gostar um do outro, quando a vida nos permitir entrarmos em contacto pessoal. Muito agradecido pelas suas palavras e apareça quando lhe for possível.

Nem imagina, o bem que me soube o seu comentário.

Abraço

António

Rui António Santos disse...
31 de janeiro de 2011 às 21:53  

António na experiência que tenho tido,a lei da atração das energias está sempre presente, no encontro entre pessoas que podem ser agradáveis ou não conforme o nivel de desenvolvimento de cada pessoa, o objectivo é sempre o desenvolvimento, quando se trata de casas carmicas, é sempre de compreender onde estão essas feridas, Kiron no Mapa e os aspectos que faz, se a pessoa entender o que tem que fazer para entender e aceitar de acordo com o tempo que tem transitos e progressões para viver de acordo com o seu processo evolutivo para esta vida, então a Astrologia é um dos meios que facilita a cura.

Eu com 3 planetas na casa 12 e 2 na 4, felismente com trignos, vi mapas de familia, namoradas e amigos, conforme reação das pessoas,as cisas eram de uma sincronissidade, que a impressão que tenho é que nada acontece por acaso.Mas que texto tão longo

Abraço

Nilce disse...
1 de fevereiro de 2011 às 17:20  

Oi Antônio

Meu msn é nilcegibson@hotmail.com

Bjs no coração!

Nilce

Élys disse...
1 de fevereiro de 2011 às 20:05  

António
A astrologia é uma ciência que por muitos foi tratada de maneira indevida; mas existem pessoas sérias, como você, fazendo um trabalho que dignifica esta ciência.
Pouco conheço sobre astrologia, porém lendo estes três textos, observei muitas coisas explicadas com uma lógica maravilhosa.
Fiquei feliz por ter lido.
Um abraço.

Manuela Freitas disse...
1 de fevereiro de 2011 às 20:20  

Olá António,
Estive a ler aqui e ali, não é fácil de assimilar! Voltarei.
Deixo-lhe um grande abraço,
Manu

Luz de Estrela disse...
24 de abril de 2011 às 19:56  

Antônio,
li os três textos desta série. Fiquei fascinada! Cheia de dúvidas, questões, curiosidades. Vontade de sentar ao teu lado... Vontade de fazer meu mapa, o de minha família. Ir fundo nesta jornada que é nos conhecermos.
Bem, tenho que reler... pensar...
No momento sou grata por este conhecimento, por tê-lo no meu caminho.
Beijo na alma e luz no teu trilhar.

mariaf disse...
10 de fevereiro de 2012 às 05:31  

Olá, António!

Eu sei que você deve ler muitos comentários e nem sempre consegue responder a todos. Apenas tomei iniciativa de escrever porque realmente algumas coisas que li neste site, me identifiquei. Como por exemplo, a Quíron em Câncer, agora o meu Ascendente em Sagitário(não me sinto mesmo Sagita,rs)e tenho a Lua na casa 5, ri muito com o que li, eu às vezes digo para a minha mãe "Eu não sou tua irmã" ahaha É muito bom encontrar blogs como o seu, António. Obrigada.

Rita disse...
30 de setembro de 2012 às 12:47  

Bom dia António,

Sei que já escreveu este post à algum tempo, mas de facto nós acabamos sempre por encontrar o que devemos saber e encontramo-las só quando estamos prontos... Nem sei o que dizer... Hoje fez-se luz. Estava a ler a parte do texto refente à casa 8 e tive uma epifania. Tive mesmo. Acho que compreendi todas as coisas estranhas da minha infancia e todas as coisas estranhas da minha adolescencia e iade adulta. Quando era muito pequena e até aos 7 anos de idade, quase todas as noites sonhava que saia do meu corpo e voava. E saía mesmo, mas nunca ninguem acreditou. Pensava que falava com os animais e nalgumas alturas sei que me entenderam, depois passei a sentir a energia das pessoas à minha volta, mas demorou muito tempo até perceber o que era e até deixar que me fizesse mal, e nalgumas alturas sentia que conseguia ajudar a diminuir a dor das pessaos e animais, e via pequenas luzes a envolver os seus corpos...depois pensava que estava maluca e ignorava... E há sitios onde simplesmente não posso estar nem entrar porque não aguento a enregia...enfim. Mas comecei a perceber e a entender e hoje senti-me validada. Muito, muito obrigada. Se calhar ter a lua, vénus e saturno na casa 8 ajude...

Gostava muito de começar a aprender mais, vou ter de consultar mais o seu blog e site da escola de astrologia para indagar sobre os cursos. Está na hora.

Mais uma vez muito obrigado

Lucas Santos Paiva disse...
17 de abril de 2013 às 23:42  

Tenho 5 planetas na casa 8 e todos em escorpião, são: Sol, mercúrio, vénus, jupter, e plutão...

Letícia de Souza disse...
29 de junho de 2013 às 07:42  

Olá Antonio, não me conheces mas sou uma boa frequentadora do teu blog, ele me permite maior clareza quanto aos assuntos astrologicos. És de grande valia em todas as tuas reflexões.

Por favor, quanto a questão carmica, tenho uma questão que não consigo encontrar resposta em lugar algum e também nao consigo intuir:

minha lua está na cuspide da oscilação (cancer-leao) na casa 10, na casa de capricornio, do dever.
Peço humildemente que me dê uma luz acerca dessa particularidade da minha carta natal.

Ha um detalhe: essa lua está em oposição à mercurio em aquario e em trigono com meu jupiter em touro.

acredito q sejas um homem muito ocupado, mas será de grande valor clarear-me está questão, pois ando tateando ao escuro.

tenho conhecimentos astrologicos, podes utilizar a terminologia necessária.

fico grata desde já.
abraços e beijos, Letícia

Anónimo disse...
22 de dezembro de 2014 às 19:27  

Ola, achei muito interessante a postagem. alguns dias atras descobri em meu mapa lua, venus jupter em casa 8. assim como urano , netuno e nodo norte casa 12;
as coisas parecem ter sentido agora..

Lana Hiane disse...
30 de outubro de 2015 às 18:49  

Amei todas as explicações sobre Kiron. E fiquei muito triste de saber que esse sábio astrologo não estar mais entre nós. Mais mesmo assim agradeço pelo grande ensinamento. Que ele descanse paz.

Gabriella disse...
11 de março de 2016 às 21:24  

Oi Antônio
Estou amando o seu blog
tenho Stellium em escorpião
Isso mesmo.
Tenho sol,Ascendente,Vênus,Mercúrio,Lilith e Kiron todos na casa 8. (e talvez mais coisas que ainda não descobri)
É meio difícil ser compreendida pela sociedade quando quero falar de meus assuntos favoritos : Astrologia,reincarnação,conspirações,projeção astral,lei da atração e tudo mais hehehe.
Por isso me calo e só observo ...
Porém tenho meio do céu em leão e lua em sagitário.
Isso me torna uma pessoa que procura destaque em tudo que faço (gananciosa haha)...e essa lua em fogo,me faz correr cegamente atrás de meus objetivos.
De qualquer forma...
Seu blog é show !
Abraço.

Anónimo disse...
2 de agosto de 2016 às 04:54  

Muito instigante o seu artigo. Tenho Marte, Júpiter e Satuno em Virgem, situados na casa 8. Minha vida está estagnada. Gostaria de receber alguma orientação.

Valéria disse...
18 de dezembro de 2016 às 22:23  

Sem dúvida o melhor site de astrologia que já encontrei. Simplesmente encantada. Ps. Minha casa principal é a 4, realmente tenho uma ligação muito forte com minha mãe, exacerbada infelizmente. Em busca da independência.

Marília Nery disse...
22 de fevereiro de 2017 às 19:03  

Massa!! Tenho sol, Marte, Júpiter e saturno na casa 8. Desde muito nova fui introduzida no mundo espiritual e faço parte de trabalhos xamãs, junto com minha família. Tenho 16 anos e estudo sobre astrologia, e sou apaixonada pela diversidade religiosa que Deus proporciona a nós na nossa missão terrena!! Sou cristã, mas sou apaixonada pelo budismo e me introduzi no Yoga desde quando tive o primeiro contato!! Amei essa explicação, obrigada!

Anónimo disse...
17 de maio de 2017 às 19:21  

Grata pelo esclarecimento.

30 de janeiro de 2011

Astrologia Cármica e as Casas nos mapas - Apontamentos para aula - nº 3

[Texto © António Rosa, 2004, 2007, 2011]

Devido à sua extensão, este artigo foi dividido em 3 partes/posts.
Clicar para aceder: Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 (este é o último texto)
Estão autorizados a levar o texto para efeitos de estudo.

A CASA 4

Já falámos um pouco desta casa, mas ela merece uma atenção maior, dada a sua enorme importância cármica. Irmã gémea do signo Câncer / Caranguejo, ela revela a atitude da pessoa com a família, para com o lar e para com a segurança que espera disso tudo. E isso não só no que se refere à vida presente, mas também no que se refere àquelas, mais antigas, onde ele mesmo criou para si as atitudes mentais que ainda hoje o condicionam.

Por exemplo, a pessoa, frustrada numa infância precedente, tentará reencontrar os antigos parentes aos quais está ligado por poderosos laços cármicos. Através deles, procurará de novo a segurança que lhe faltara anteriormente. Se a sua relação com esses parentes tiver sido de amor, ele procurará encarnar-se de novo entre eles, por atracção de ternura. Se a relação tiver implicado dívidas, irá encamar-se também de maneira a que essas dívidas possam enfim ser pagas, num amor recíproco reencontrado (e um progresso espiritual comum).

É a casa do medo de sentir, por razões cármicas. É normal decifrar na casa 4, em analogia com Câncer / Caranguejo, traços do carma, já que ela concerne à infância: um número muito grande de crianças lembram-se ainda da sua vida precedente, e conseguem contá-la!

O Fundo-do-Céu, cúspide dessa casa 4
, é uma articulação importante: marca, num certo sentido, a acumulação, a sedimentação dos carmas acumulados, assim como o novo ponto de partida desta vida. O Fundo-do-Céu, assim como o Nodo Norte, dão a motivação profunda da encarnação.

Câncer / Caranguejo era considerado pelos antigos astrólogos gregos e latinos como a "porta de entrada das almas" neste mundo. Todo o seu simbolismo (o ovo, a água primordial, o crustáceo paleozóico, etc.) gira em torno dessa ideia do nascimento. O Câncer  / Caranguejo é um dos animais mais antigos do nosso planeta; ele não esquece nada. A sua memória é fenomenal. A casa 4 também!

Uma casa 4 muito habitada, recebendo muitos aspectos tem muitas revelações a fazer àquele que souber lê-la. Indica nitidamente o estado de espírito com o qual a pessoa retomou ao plano terrestre. [É o meu fado pessoal e ainda ando em aprendizagens.]

A CASA 8

Tendo a mesma significação de Escorpião (morte e ressurreição), muito rapidamente atraiu o olhar clarividente dos primeiros astrólogos esotéricos. Há muito tempo que se sabe que essas pessoas, cuja casa 8 está carregada, são mediúnicas e têm aptidões "parapsicológicas". Essas capacidades particulares foram adquiridas em outras existências, graças a um treino especial, por vezes muito duro: provações de iniciação das quais às vezes não se saía com vida

O treino religioso e parapsicológico, como era dado aos futuros iniciados nos templos do Egipto e da Atlântida (e ainda hoje no Tibete), era longo e exigente. Os candidatos à iniciação aprendiam a sair do seu corpo à vontade, e a retomar a ele sem dificuldades. Os iniciados eram capazes de ler os pensamentos daqueles que vinham fazer-lhes uma consulta, ou de ver imediatamente, segundo as cores da aura, qual era o órgão doente.

Podiam falar com os animais, prever certos acontecimentos, impor a sua vontade à distância, comunicar por telepatia, e ainda mil outras coisas muito úteis! Podiam comunicar-se com os mortos, curar pelo poder do pensamento. A sua memória era sistematicamente treinada de modo a nada esquecer. Actualmente, resta-lhes uma parte dessa memória: eles lembram-se mais ou menos das suas antigas aptidões. Nos templos, ensinava-se-lhes a concentrar o pensamento, para utilizá-lo como uma arma, e a forjar a vontade para utilizar esse pensamento.

Tais pessoas, reencarnados hoje, têm uma casa 8 interessante. Eu mesmo tenho a Lua nessa casa e tenho consciência de já ter sido outrora astrólogo. Ainda me vejo ali, e em TVP, isso foi confirmado em mais do que uma vida. E sinto realmente alguma dificuldade em compreender como estes assuntos espirituais e psicoterapeuticos podem não apaixonar todo o mundo, pois para mim eles são de uma evidência absolutamente brilhante! A presença do mundo invisível é-me familiar. Imagino como será o caso de pessoas com Sol, Vénus, Júpiter e Úrano nesta casa 8. Adoraria (re)viver essa situação

Só que tem acontecido que nem sempre essas capacidades têm sido utilizadas para servir. Desviados do seu objectivo - usados para fins egoístas e destrutivos criaram um carma muito pesado.

A pessoa deve retomar aqui para purgar esse desvio: feiticeiros, magos negros, falsos sacerdotes, bruxos malignos devem reparar o mal que fizeram. Na sua nova encarnação, essas pessoas, marcadas pela casa 8, têm o gosto pelo segredo, mas conseguem evoluir de forma muito evidente. Os seus parentes queixam-se de que são difíceis de compreender. É realmente curiosa a percepção inconsciente das pessoas que nos cercam: quantas vezes não me chamaram de “bruxo”? Nem mesmo praticava publicamente a astrologia nessa época.

Muitos dessas pessoas podem exercer uma influência oculta sobre os outros, que ainda estão sujeitos a cair nas suas armadilhas se eles abusam desse poder. Um certo número de pessoas beneficia de um grande magnetismo sexual, que assegura o seu sucesso junto às multidões.

Muitas vezes um pesado carma oculta-se por trás do seu mapa; esse carma não pode ser liquidado pela repressão pura e simples dos instintos, nem pela recusa em reconhecê-los. Mas antes pela dedicação total a uma causa desinteressada, na qual a pessoa prestará os serviços que se esperavam dele, outrora. Investindo nisso todas as forças, canalizará os seus talentos para fins construtivos e optimistas.

Esse tipo de pessoa aparece muitas vezes como dilacerado entre um desejo profundo de abnegação, que lhe trará enfim a paz interior esperada há muito tempo - e uma tentação permanente de correr atrás das suas velhas rotinas cármicas (a paixão do poder gerado pelo sexo, o dinheiro, o misticismo desviado de seus caminhos)!

Inúmeros são aqueles que, no momento actual, sucumbem à tentação de fazer o papel de gurus fascistas, aqueles que infantilizam os seus rebanhos para melhor pisar em cima deles. Falsos profetas, contra quem evidentemente é preciso prevenir-se, como da peste.

Como saber? Pois bem, é muito simples: os falsos profetas deixam em nós um sentimento de angústia. Os bons conselheiros, ao contrário, deixam-nos partir com um sentimento de leveza, de alegria de viver, de contacto com a alma.

As pessoas da casa 8 têm naturalmente a faculdade de reencontrar as suas vidas passadas. Estão aptas a compreender que a morte não é mais que uma porta pela qual todos nós passamos centenas de vezes. No entanto, as pessoas da casa 8 são as que têm a coragem de pensar no "pós-vida". Passam a ter menos medo desta do que outros, quando se decidem a fazer o trabalho espiritual necessário. Na verdade, só encontram a paz quando mergulham a fundo nessa pesquisa. Mas aqueles, dentre eles, que se obstinam na sua recusa têm, evidentemente, mais medo da morte do que os outros.

A morte é o seu domínio: se a abordam numa atitude positiva e espiritual, reencontram a serenidade - e também os seus talentos “psi”! Essas pessoas da 8 não podem viver como as demais pessoas, contentando-se em comer, beber, dormir, amar. O modelo de vida materialista que a sociedade de consumo lhes propõe jamais os satisfaz, e são os primeiros a se revoltar. Sabem que há muita coisa além da matéria. Mas como explicar o que sentem? Tenho encontrado muitos casos assim.

Toda a pesquisa das vidas passadas deve, portanto, estudar cuidadosamente a 8, os seus regentes, seus ocupantes, os planetas regentes do signo na ponta dessa casa, etc. Parece que esta casa 8 é a "porta de saída" das almas ao fim de uma vida terrestre. A situação dessa casa no momento da morte daria as indicações sobre a próxima encarnação (e, em particular, designaria o próximo Ascendente).

AS CASAS NO EIXO DAS CASAS DE ÁGUA


A casa 6

Em analogia com o signo de Virgem, esta casa 6 é oposta à 12; ela dá indicações precisas sobre a origem cármica das doenças. Estas são causadas por desequilíbrio mental, espiritual ou emocional que se somatizam no corpo.

Há sempre uma ligação às duas casas, quando menos por polaridade, porque elas estão no mesmo eixo. Se a casa 6 está muito carregada (planetas mal aspectados, retrógrados, nodos, etc.), pode-se concluir daí que faltou à entidade espírito de colaboração numa vida passada.

Segundo a natureza dos planetas, dos signos na casa e das regências, pode-se precisar em quê e como. De qualquer modo, a casa 6 actual oferece sempre os meios positivos e concretos de liquidar a dívida cármica descrita pela 12 (ou, por vezes, é o contrário: a situação da 12 indica um pagamento da 6).

A casa 2

Em analogia com o signo de Touro, mostra como a entidade procura tranquilizar-se pela posse - ou pela privação - dos bens terrestres!

Evidentemente, esta casa 2 tem muito a dizer, sobretudo se está ligada por planetas, regências e aspectos à casa 8, que está em frente a ela. O facto de que os nodos estejam em eixo lembra-nos que toda a casa e todo o signo devem ser interpretados em função daquele que lhe está oposto.

Isto vale tanto para a interpretação "actual" dos mapas, quanto para a sua interpretação cármica. Aquele que tiver acumulado bens terrestres no passado terá desta vez uma casa 2 de despojamento - se tiver abusado desses bens. Se ele tiver, por exemplo, uma casa 8 em Touro indicando esses abusos no passado, uma grande avidez e um grande materialismo, terá uma casa 2 em Escorpião. Esse sinal de despojamento indica as perdas que deverá enfrentar nesta vida, voluntariamente (ou a contra gosto, se o recusar).

Evidentemente, esta é apenas uma ideia geral, e supõe que os planetas presentes nessas duas casas confirmem esta interpretação. O contrário, uma casa 2 em Touro, indica um nativo que optou pela posse: e todas as variedades de motivações podem estar presentes, das piores às melhores.

A palavra bíblica "O trabalhador merece o seu salário" aplica-se de maneira muito exacta a essa casa 2. O salário actual, indicado na casa 2, é a remuneração dos trabalhos de uma vida passada. A noção cármica de "pagar as dívidas" encontra aqui a sua aplicação.

Eis aqui um exemplo que pode causar espanto a alguns: aqueles que ganham nas corridas de cavalos parecem, por vezes, ser herdeiros de uma vida passada onde haviam amado e protegido os cavalos! Em compensação, e de maneira mais geral, aqueles que perdem dinheiro com os animais (corridas, criações, etc.) parecem pagar por vidas passadas onde se haviam mostrado cruéis com eles.

Mas os traficantes de animais exóticos, que actualmente enriquecem com animais capturados, lamentavelmente transportados em caixas demasiado estreitas onde morrem de sede, de fome, de angústia e de sujeira, estão certamente fadados a acumular contra si um terrível carma: irão reencontrar-se arruinados e miseráveis na vida seguinte! De um modo ou de outro irão sofrer o que fizeram padecer as pequenas almas sem defesa do reino animal. Há cada vez mais testemunhos sobre isso!

Os animais estão particularmente ligados às casas 6 (animais domésticos) e 2 (quando eles fazem parte da propriedade ou do rebanho do criador). Estão também ligados aos signos de Virgem e de Touro, de Sagitário quando se trata de cavalos, de Capricórnio quando se trata de caprinos, de Gémeos no caso dos pássaros, etc.

A casa 10 e os trânsitos planetários


Indica o programa de inserção social e profissional escolhido pela entidade antes da sua encarnação. Se não contém nenhum planeta, mas apenas o Nodo Norte, por exemplo, a pessoa estabeleceu o projecto de participar do mundo do trabalho; sai da família após uma vida passada na qual permanecera confinado.

Existe também o caso contrário: um Nodo Sul indicando uma entidade que tem por trás de si uma longa experiência passada que tem como eixo o trabalho profissional - e que agora quer voltar-se para a vida de família. Como essas duas casas são opostas, isso não ocorre sem criar conflitos interiores e familiares.

Por exemplo, mulheres cujo mapa indica um programa de auto-realização pela vida profissional: a sua família e o seu marido não a entendem, persuadidos de que a única e exclusiva vocação da mulher está "no lar".

Embora se tenha sublinhado, mais ou menos em toda parte, na imprensa e na opinião, que o trabalho não era incompatível com uma vida feminina, esta verdade está longe de ser admitida universalmente: muitos pais não pensam em proporcionara às suas filhas uma qualificação que lhes garantiria, no entanto, uma dignidade e meios de vida. Infelizmente, a vida da mulher no lar, função de acolhida indispensável, está muito desvalorizada.

O imenso trabalho e a dedicação que ela exige são, hoje em dia, muito pouco reconhecidos. Certos temas indicam nitidamente que a pessoa fez esta escolha - outros, não. Mas esse não é um problema exclusivamente feminino: muito homens têm uma casa 10 desabitada, ao passo que o acento é colocado na casa 4: embora tenham escolhido uma encarnação masculina, prefeririam permanecer em casa. O rigor do conformismo social os culpabiliza, se fizerem isso. Vão, então, trabalhar fora, mas podem não se sentir felizes!

O Meio-do-Céu

É um ponto importante do mapa, por vezes, tanto quanto o Ascendente. Defini-lo como o início da casa 10 é insuficiente: é, na verdade, um ponto-chave, que focaliza todas as energias da entidade para esta vida. O Meio-do-Céu indica como a pessoa previu sua inserção profissional e social.

Alguns astrólogos dão uma atenção especial ao planeta "mais alto do céu" (que nem sempre coincide com o Zénite, ou Meio-do-Céu). Parece que esse planeta importante e influente, em virtude desse recente trânsito, é indicado de várias maneiras no mapa: em conjunção com o Meio-do-Céu, ou com o Ascendente (na casa 12, depois 11, e depois 10).

O astrólogo deve observar muito atentamente não só os planetas na 1, na 12 e na 11, mas também na 10; e mesmo aqueles que ultrapassaram um pouco o Zénite e que já invadem a casa 9, mas que ainda estão em conjunção com o MC.

Essa questão, ainda bastante misteriosa, dos trânsitos planetários, será, penso eu, esclarecida nos próximos anos. Chegar-se-á a determinar no mapa o planeta de onde chega a entidade, para recomeçar uma nova vida terrestre. Por enquanto, ainda não sou capaz de fazê-lo com toda a certeza. Pode-se conseguir uma tal precisão através de intuição e vidência, que se confirma, em seguida, pelo estudo do mapa.

AS CASAS 3, 5, 7, 9, 11

Todas elas têm também um conteúdo cármico, embora ele seja menos imediatamente visível do que no caso das "casas de água".

A casa 5

Diz respeito aos filhos e aos amores, e indica evidentemente as dívidas cármicas que se acumularam nesse campo: filhos negligenciados, ou amores maltratados. E como somos "filhos das nossas obras", vê-se por essa casa o quanto a nossa vida presente é "filha" das passadas!

E por isso que acontece frequentemente filhos e amores retornarem de uma vida para outra: as mesmas entidades, embora situadas diferentemente no "organograma" familiar! Os mapas de famílias mostram vários casos desse "carmas familiares" onde uma filha se reencontra irmã, e vice-versa; onde os amores de um homem se dirigem para uma antiga esposa, ou para um antigo filho. Daí o apego inexplicável e ilógico que liga dois seres, nutridos de experiências comuns durante séculos, ou mesmo - quem sabe - milénios!

As entidades que se encarnam em nós como filhos podem ter sido já antigos filhos, um cônjuge, um amor, um irmão, ou uma irmã.

E por isso que a casa 3, que é a dos irmãos e irmãs, dos primos e dos condiscípulos, permite decifrar esse tipo de relações cármicas. De uma vida para outra, como já disse

A casa 7, que descreve o cônjuge, dá também algumas explicações cármicas. Por que homens brilhantes e inteligentes, desposam mulheres que não tinham nem a cultura, nem a educação, nem a inteligência deles? Ou o contrário. Os seus contemporâneos julgam severamente esses casamentos, inteiramente "descombinados". Para retomar o termo de uma época antiga, esses "casamentos desiguais" só poderiam ser explicados por uma necessidade cármica. Por que, então, um homem muito brilhante, muito célebre, muito rico, acharia admirável uma pessoa feia, insignificante, ou de muito baixo nível moral? Por que essa atracção entre dois seres separados pela nacionalidade, pela raça, pela religião e pela língua? Porque teceram entre eles, outrora, laços que ainda hoje os aproximam. A casa 7 indica esses laços. Ela está em analogia com o signo do casamento, Balança. Muitas pessoas casam-se essencialmente para liquidar alguma velha dívida oculta no fundo de uma gaveta cármica.

A casa 7 deve ser lida tendo constantemente em vista a casa 1: não só ela indica as virtudes e lições que faltam à pessoa, e para as quais ela se deve orientar - como também as pessoas indicadas na 7 (pelos planetas) são os instrumentos dessa progressão necessária. Por vezes muito dolorosa!

Do mesmo modo, a casa 9 completa a casa 3: esta última descreve o círculo de relações imediatas (actual ou passado) da pessoa; mas a casa 9, a do alhures, indica a via pela qual ele tentava - e continua a tentar - transcender esse imediato - isto é, explicá-lo por uma filosofia, enquadrá-lo numa ética, num ideal que lhe dê um sentido. A casa 9 é reveladora dos ideais que motivaram a entidade nas vidas passadas. Saturno retrógrado mal aspectado na casa 9 pode significar alguém que a sede do poder político devorou numa existência passada, sede que provavelmente motivou a sua actual reencarnação, podendo continuar a motivar todos os seus actos nesta vida.

Se a casa 3 dá informações sobre a instrução, os estudos e o nível intelectual do sujeito (não só para esta vida, mas também para as passadas), a casa 9 mostra o que ele faz desse saber intelectual, dessas faculdades mentais; mostra a serviço de que ideal espiritual e filosófico ele põe essa bagagem mental. A casa 9 está em analogia com o signo de Sagitário.

Os falsos profetas e gurus malfazejos têm frequentemente indicadores cármicos nessas casas 3 e 9: é o caso de Rasputin e de Adolf Hitler. A habilidade deles para fascinar os seus contemporâneos provém de aptidões adquiridas numa vida passada. Infelizmente, o caminho no qual eles decidiram guiar os outros não é mais que o do culto da sua personalidade - disfarçado sob uma ideologia mística progressista.

Para terminar este apanhado das casas, certas pessoas têm mais especialmente um carma amistoso: a sua escolha de destino é reencontrar amigos de outrora. Partindo das bases dessas antigas amizades, deverão aprender algumas lições espirituais: por exemplo, o discernimento, a amizade desinteressada, o espírito de colaboração, o respeito aos direitos dos outros, etc. A casa 11, em analogia com Aquário, indica a aptidão para uma comunicação mais ampla, para uma comunicação à distância, como permite hoje os “media”.

A aptidão para comunicar-se com grupos mais amplos do que a família ou a profissão é, muitas vezes, herança de outras vidas. É possível que civilizações como a dos atlantes e dos primeiros egípcios, que foram herdeiros deles, tenham disposto de meios de comunicação semelhantes ao rádio e à televisão (que pensamos ter inventado!). As pessoas que tiveram, outrora, tais aptidões, que se haviam tomado amplamente conhecidos num grupo humano ou num país, têm uma casa 11 muito habitada. Os planetas retrógrados e os maus aspectos indicam que esta comunicação com grandes grupos humanos fora, no caso deles, pouco satisfatória.

Clicar para aceder: Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 (este é o último texto)

.

44 comentários:

Anónimo disse...

Bom dia António,

Obrigado pelo magnifico conteúdo!!!

Adorei!!!

Carlos

Astrid Annabelle disse...

Bom dia querido António!
Você nem calcula o quanto eu adorei as duas partes postadas hoje.
Já copiei e irei estudá-las com certeza.
O tema Astrologia Cármica mexeu com todos os meus sentidos e as lâmparinas se iluminaram. Era a peça que faltava no quebra-cabeça que estou montando.
Adorei, adorei e adorei.
Como a net está lerdíssima não sei se voltarei por aqui hoje, mas em coração estarei com você.
Beijos para um lindo domingo e MUITO OBRIGADO!
Astrid Annabelle

Dunyazade disse...

ADORO ASTROLOGIA! ADOOOROOOO!
Pronto, parei de gritar.
Sempre quis, desde pequena, compreender o porquê: da vida, da morte, de deus, se há ou não. Não sei se já fui em vidas passadas "astrólogo/a", lol. Era giro se tivesse sido! Com Saturno na casa 8, mal aspectado, se o fui, acho que não me portei lá muito bem. Talvez a minha motivação tenha sido poder e controlo. Ou, se não fui eu que o exerci, talvez tenha sido exercido em mim (ou contra mim). Adoro estes temas. Não percebo, por exemplo que se possa temer a morte. Realmente, não entendo. Há ocasiões em que quero discutir abertamente a morte com familiares e amigos, mas evitam o tema. Que parvoíce, na minha opinião. Eu penso que nos devemos preparar activamente para a morte durante a vida (não sei se me faço entender). E não percebo como é que pessoas mais velhas do que eu tenham medo dela e não se tenham preparado devidamente. Para mim - é sinal de covardia. Bom, calo-me.

Continue com estes artigos fabulosos.

Rosan disse...

olá Antonio
maravilosos os teus tres textos, mas uma vez fiquei encantada, apesar de como já disse outra vezes não entender tanto de astrologia, mas vejo que ela entende de mim, mais do pensava eu.
gostaria imenso de poder ter em minhas mão um mapa feito por ti, assim tão rico de detalhes, que desvandaria por completo mina existencia.
sou leão com acesdente em cancer, não descobri lendo o texto a casa que pertenço, talvez estivesse aí mas não percebi, dentro da minha igrancia no assunto.
obrigada por mais uma vez me permitir uma belíssima leitura.
beijo na alma

Rosan

Anónimo disse...

Dificilmente comento, e geralmente não leio comentários. Mas me impressiona o pequeno número, ainda, de comentários nessas postagens de tão grande qualidade.
Quanto empenho, Antônio, quanta energia! Quanta vontade de esclarecer e contribuir. Meus parabéns! Não é apenas a extensão do estudo, nem apenas a profundidade, dá para sentir todo seu ser mobilizado para dar o melhor de si. Fazem diferença, Antônio, muito mais do que você supõe, fará grande diferença seu trabalho. Muito Obrigada pela sua contribuição a todos.
Luciene

Adelaide Figueiredo disse...

António,

Maravilhoso! Só praticando se aprendem melhor estas coisas, mas estes textos ajudam muito.

Passei um bom bocado deste domingo lendo tudo isto mas valeu a pena.

Lamento não haver livros com lições como estas para se poder aprender. Seria mais fácil as pessoas terem conhecimento e maior a divulgação e a aprendizagem. Gostava tanto que tanta coisa mudasse na astrologia :)

Abraço

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

bacana dessa série é que corta preconceitos. ou seja, não é uma ciência boba, que cada um faz do jeito que quer, sem fundamentos e estudo. é algo sério, feita por gente séria.

excelente
bom domingo!

Atelier de Terapias disse...

Viva António!

Acabei de ler os 3 textos, simplesmente amei, revi alguns aspectos do meu mapa. Sol casa 8 em Peixes, aprender a morrer a cada segundo!!! Ascendente em Leão, enfim nem comento, e interessante casa 2 em Escorpião completamente deserta!!! Agora compreendo o despego aos bens materiais imposto pela Vida, é claro.
Gratidão,
Armando

Nilce disse...

Oi Antônio

Li tudo, mas ainda preciso voltar com calma.
Obrigada por nos transmitir seu conhecimento.

Bjs no coração!

Nilce

António Rosa disse...

Carlos,

Eu é que agradeço pelo seu interesse.

Abraço

António

António Rosa disse...

Minha querida Astrid,

Acordei esta manhã com a certeza que deveria publicar imediatamente estes dois últimos posts, pois assim, a série completa ficaría disponível para todos. Não me preocupei com os timings. Agora, talvez descanse uns quantos dias. Hoje pretendia visitar todos os amigos, mas só agora à noite é que liguei o computador e vi que havia comentários.

Muito obrigado pela sua companhia. Faz-me um bem incrível.

Beijos

António

António Rosa disse...

Dunyazade,

Nem imagina como o seu comentário me deixou bem disposto. Um dia destes falaremos do seu mapa. Isto está a ser adiado há demasiado tempo.

Ágata, muito obrigado e beijinhos.

António

António Rosa disse...

Rosan,

Que bom que foi receber o seu comentário e, sobretudo a sua visita. É certo que a astrologia entende de nós todos. Os astrólogos é que devem ser muito cuidadosos naquilo que passam às pessoas que os procuram. Esse ascendente Câncer, vai fazer com que espalhe o amor por todos os lados. Certamente, toda a gente desabafa consigo, sobre tudo, desde coisas sem maior importância até segredos mais sérios. É a sua doação aos outros.

Beijos

António

António Rosa disse...

Luciene

Fico-lhe muito agradecido pelo lindíssimo comentário que me deixou. Fiquei feliz. Não nos preocupemos com a ausência de comentários, que compreendo bem, pois são textos longos, e muito especializados, talvez sejam maçadores para muitas pessoas. Eu fico feliz com todos os comentários que me deixam. É muito gratificante.

Beijo

António

António Rosa disse...

Adelaide,

Sei bem que estes assuntos lhe agradam muito, até porque conheço o seu mapa. Será que este ano nos vamos conhecer? Talvez com a vinda da Atrid a Portugal.

Grande abraço e muito agradecido

António

António Rosa disse...

Alexandre,

Muito agradecido pelas suas palavras que me deixaram comovido, pois eu tento praticar com seriedade estes conhecimentos mais esotéricos.

Grande abraço

António

António Rosa disse...

Armando,

Muito obrigado pelo seu comentário tão expressivo. É bem verdade isso que diz do seu Sol em Peixes na 8 - morrer e renascer a cada instante.

Gratidão minha e um grande abraço

António

António Rosa disse...

Nilce, minha querida

Temos que arranjar um tempinho para falarmos pelo skype do seu mapa. Não podemos deixar passar muito tempo.

mil beijos de agradecimento

António

Rui António Santos disse...

António, tudo o que está relacionado com Astrologia Karmica ádoro, e esta explicação tão clara sobre as casas, deixou-me sem palavras.

O António pode ter optado por não ser curador, mas é certamente um mensageiro do céu, e só por isso tem o dom de curar conscências.
Vou ler várias vezes

Abraço

Leila Brasil disse...

Acabei de ler a parte 3 . Foi muito bom tomar o tema pela mão. Vou caminhar com ele até poder fazer algum comentário. Por enquanto vou agradecendo pela generosidade de doar conhecimento. Obrigada
Saudações da minha lua na 8 para a tua

Ana Pallito disse...

Obrigado querido.

MARCELO DALLA disse...

Amigo querido!!!
Hoje acordei cedinho e vim correndo terminar de ler tudo. Vou reler com calma este material primoroso.
Amei!!!!
E vc é meu professor oficial de astrologia e nem adianta reclamar!!!
hehehehe

Tanto material pra refletir... Minhas casas 4, 8 e 12 q o digam...
Grato, amigo!!!
abraço

Mercurio em Escorpiao disse...

António,

Sonhei consigo uma noite destas. Na minha opinião, e ainda não tive o previlégio de ter uma consulta consigo, é o melhor astrólogo que conheço. Estou a iniciar os meus estudos em astrologia carmica, conheço o meu mapa, mas gostava mesmo de ter uma consulta consigo, infelizmente terá que ser agendada para daqui a um tempo porque trabalho em Lisboa e as consultas são à sexta-feira da Ericeira, o que significa que teria que tirar um dia de ferias. Mas vou agendar um dia para o ir conhecer, ouvi-lo e aprender mais um bocadinho com um mestre!

António Rosa disse...

Rui,

Fico feliz em saber que encontrou utilidade neste artigo. Vamos fazer assim: leve os textos e pratique com os mapas de outras pessoas. Depois, envie-me o seu feedback e, se for necessário, acrescento ao texto a sua experiência pessoal.

Grande abraço

António

António Rosa disse...

Leila,

Estou por aqui, à sua disposição. As nosas Luas falarão.

Grande abraço

António

António Rosa disse...

Ana,

Muito agradecido, eu.

Abraço

António

António Rosa disse...

Marcelo,

Você deveria ter o nome de «generosidade», pois as suas palavras deixaram-me emocionado. Pode acreditar quando digo que não me sinto professor de ninguém. Talvez apenas a experiência da vida ajude um pouco mais.

Um beijo grande

António

António Rosa disse...

Mercúrio

Ambos temos a Lua em Sagitário. Vamos gostar um do outro, quando a vida nos permitir entrarmos em contacto pessoal. Muito agradecido pelas suas palavras e apareça quando lhe for possível.

Nem imagina, o bem que me soube o seu comentário.

Abraço

António

Rui António Santos disse...

António na experiência que tenho tido,a lei da atração das energias está sempre presente, no encontro entre pessoas que podem ser agradáveis ou não conforme o nivel de desenvolvimento de cada pessoa, o objectivo é sempre o desenvolvimento, quando se trata de casas carmicas, é sempre de compreender onde estão essas feridas, Kiron no Mapa e os aspectos que faz, se a pessoa entender o que tem que fazer para entender e aceitar de acordo com o tempo que tem transitos e progressões para viver de acordo com o seu processo evolutivo para esta vida, então a Astrologia é um dos meios que facilita a cura.

Eu com 3 planetas na casa 12 e 2 na 4, felismente com trignos, vi mapas de familia, namoradas e amigos, conforme reação das pessoas,as cisas eram de uma sincronissidade, que a impressão que tenho é que nada acontece por acaso.Mas que texto tão longo

Abraço

Nilce disse...

Oi Antônio

Meu msn é nilcegibson@hotmail.com

Bjs no coração!

Nilce

Élys disse...

António
A astrologia é uma ciência que por muitos foi tratada de maneira indevida; mas existem pessoas sérias, como você, fazendo um trabalho que dignifica esta ciência.
Pouco conheço sobre astrologia, porém lendo estes três textos, observei muitas coisas explicadas com uma lógica maravilhosa.
Fiquei feliz por ter lido.
Um abraço.

Manuela Freitas disse...

Olá António,
Estive a ler aqui e ali, não é fácil de assimilar! Voltarei.
Deixo-lhe um grande abraço,
Manu

Luz de Estrela disse...

Antônio,
li os três textos desta série. Fiquei fascinada! Cheia de dúvidas, questões, curiosidades. Vontade de sentar ao teu lado... Vontade de fazer meu mapa, o de minha família. Ir fundo nesta jornada que é nos conhecermos.
Bem, tenho que reler... pensar...
No momento sou grata por este conhecimento, por tê-lo no meu caminho.
Beijo na alma e luz no teu trilhar.

mariaf disse...

Olá, António!

Eu sei que você deve ler muitos comentários e nem sempre consegue responder a todos. Apenas tomei iniciativa de escrever porque realmente algumas coisas que li neste site, me identifiquei. Como por exemplo, a Quíron em Câncer, agora o meu Ascendente em Sagitário(não me sinto mesmo Sagita,rs)e tenho a Lua na casa 5, ri muito com o que li, eu às vezes digo para a minha mãe "Eu não sou tua irmã" ahaha É muito bom encontrar blogs como o seu, António. Obrigada.

Rita disse...

Bom dia António,

Sei que já escreveu este post à algum tempo, mas de facto nós acabamos sempre por encontrar o que devemos saber e encontramo-las só quando estamos prontos... Nem sei o que dizer... Hoje fez-se luz. Estava a ler a parte do texto refente à casa 8 e tive uma epifania. Tive mesmo. Acho que compreendi todas as coisas estranhas da minha infancia e todas as coisas estranhas da minha adolescencia e iade adulta. Quando era muito pequena e até aos 7 anos de idade, quase todas as noites sonhava que saia do meu corpo e voava. E saía mesmo, mas nunca ninguem acreditou. Pensava que falava com os animais e nalgumas alturas sei que me entenderam, depois passei a sentir a energia das pessoas à minha volta, mas demorou muito tempo até perceber o que era e até deixar que me fizesse mal, e nalgumas alturas sentia que conseguia ajudar a diminuir a dor das pessaos e animais, e via pequenas luzes a envolver os seus corpos...depois pensava que estava maluca e ignorava... E há sitios onde simplesmente não posso estar nem entrar porque não aguento a enregia...enfim. Mas comecei a perceber e a entender e hoje senti-me validada. Muito, muito obrigada. Se calhar ter a lua, vénus e saturno na casa 8 ajude...

Gostava muito de começar a aprender mais, vou ter de consultar mais o seu blog e site da escola de astrologia para indagar sobre os cursos. Está na hora.

Mais uma vez muito obrigado

Lucas Santos Paiva disse...

Tenho 5 planetas na casa 8 e todos em escorpião, são: Sol, mercúrio, vénus, jupter, e plutão...

Letícia de Souza disse...

Olá Antonio, não me conheces mas sou uma boa frequentadora do teu blog, ele me permite maior clareza quanto aos assuntos astrologicos. És de grande valia em todas as tuas reflexões.

Por favor, quanto a questão carmica, tenho uma questão que não consigo encontrar resposta em lugar algum e também nao consigo intuir:

minha lua está na cuspide da oscilação (cancer-leao) na casa 10, na casa de capricornio, do dever.
Peço humildemente que me dê uma luz acerca dessa particularidade da minha carta natal.

Ha um detalhe: essa lua está em oposição à mercurio em aquario e em trigono com meu jupiter em touro.

acredito q sejas um homem muito ocupado, mas será de grande valor clarear-me está questão, pois ando tateando ao escuro.

tenho conhecimentos astrologicos, podes utilizar a terminologia necessária.

fico grata desde já.
abraços e beijos, Letícia

Anónimo disse...

Ola, achei muito interessante a postagem. alguns dias atras descobri em meu mapa lua, venus jupter em casa 8. assim como urano , netuno e nodo norte casa 12;
as coisas parecem ter sentido agora..

Lana Hiane disse...

Amei todas as explicações sobre Kiron. E fiquei muito triste de saber que esse sábio astrologo não estar mais entre nós. Mais mesmo assim agradeço pelo grande ensinamento. Que ele descanse paz.

Gabriella disse...

Oi Antônio
Estou amando o seu blog
tenho Stellium em escorpião
Isso mesmo.
Tenho sol,Ascendente,Vênus,Mercúrio,Lilith e Kiron todos na casa 8. (e talvez mais coisas que ainda não descobri)
É meio difícil ser compreendida pela sociedade quando quero falar de meus assuntos favoritos : Astrologia,reincarnação,conspirações,projeção astral,lei da atração e tudo mais hehehe.
Por isso me calo e só observo ...
Porém tenho meio do céu em leão e lua em sagitário.
Isso me torna uma pessoa que procura destaque em tudo que faço (gananciosa haha)...e essa lua em fogo,me faz correr cegamente atrás de meus objetivos.
De qualquer forma...
Seu blog é show !
Abraço.

Anónimo disse...

Muito instigante o seu artigo. Tenho Marte, Júpiter e Satuno em Virgem, situados na casa 8. Minha vida está estagnada. Gostaria de receber alguma orientação.

Valéria disse...

Sem dúvida o melhor site de astrologia que já encontrei. Simplesmente encantada. Ps. Minha casa principal é a 4, realmente tenho uma ligação muito forte com minha mãe, exacerbada infelizmente. Em busca da independência.

Marília Nery disse...

Massa!! Tenho sol, Marte, Júpiter e saturno na casa 8. Desde muito nova fui introduzida no mundo espiritual e faço parte de trabalhos xamãs, junto com minha família. Tenho 16 anos e estudo sobre astrologia, e sou apaixonada pela diversidade religiosa que Deus proporciona a nós na nossa missão terrena!! Sou cristã, mas sou apaixonada pelo budismo e me introduzi no Yoga desde quando tive o primeiro contato!! Amei essa explicação, obrigada!

Anónimo disse...

Grata pelo esclarecimento.

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates