Quantas pessoas podem viver no planeta Terra?

23 de março de 2011 ·

Sir David Attenborough


Quando o documentarista Sir David Attenborough nasceu (1926) éramos pouco menos de 2 biliões de pessoas em todo o planeta. Actualmente a população mundial aproxima-se rapidamente de 7 biliões de pessoas, e isso com um aumento de pouco mais de 2 pessoas por segundo (já descontadas as mortes).

A vida de Attenborough foi em boa parte dedicada ao acompanhamento da vida selvagem, e lamentavelmente esta situação de vida intocável está cada dia mais difícil de ser encontrada. Esta preocupação com o impacto populacional o fez ingressar na organização Optimum Population Trust, que tem como meta avaliar este cenário.

Por volta de 1800 éramos não mais que 1 bilião de pessoas. O acesso ao controle de doenças, diminuição de mortalidade e melhor qualidade de vida causaram uma violenta explosão populacional. Mas a Terra certamente possui um limite físico de produção de recursos.

O primeiro alarme que soa vem da escassez de água em diversos países. Não só este alarme toca, mas outro começa a ser ouvido, o da falta de áreas propícias para a agricultura economicamente viável. E o sinal vem de um fluxo investidores de países desenvolvidos que compram terras em países mais pobres para uma produção exclusivamente voltada para a exportação, sem benefícios desejados para a população local.

Algumas iniciativas de controle populacional infelizmente foram feitas de maneira truculenta e autoritária, criando um fantasma ainda mais assustador de um assunto que incomoda muitos. Poucos gostam de ter alguém dando palpites na sua vida pessoal sobre quantos filhos devem ter. Iniciativas mais inteligentes e planeadas demonstraram, de maneira quase óbvia, que a educação é o factor que mais influencia na decisão de uma família em optar por ter menos filhos. As mulheres saem na dianteira neste poder de decisão, com uma visível tendência em planear melhor a vida antes de ter o primeiro filho.

David Attenborough encerra o documentário «How Many People Can Live on Planet Earth?» (2009)(Quantas pessoas podem viver no Planeta Terra?) comentando que os dados fornecidos podem ser desanimadores e neste caso a melhor maneira de encarar a situação é com o máximo de planeamento feito de maneira racional.

Sobre Sir David Attenborough, aqui.
Documentário «Quantas pessoas podem viver no Planeta Terra?» (2009)




Vídeo 2, aqui.
Vídeo 3, aqui.
Vídeo 4, aqui.
Vídeo 5, aqui.
Vídeo 6, aqui.

.

20 comentários:

Paulo Francisco disse...
23 de março de 2011 às 05:06  

Adorei o texto. Vou usar os vídeos.
Caramba! estava difícil abrir o seu blog. Lia os textos mas não conseguia publicar no comentário (coisa da NET!)
Um abraço, António.

HighLander77 disse...
23 de março de 2011 às 07:59  

Muito bom!! Não admira que estejamos no 'fim dos tempos' e que seja precisa uma limpeza! É triste mas é verdade!

António Rosa disse...
23 de março de 2011 às 13:30  

Paulo Francisco

Ainda bem que gostou do tema, que me parece ser muito oportuno.

Lamento que tenha tido dificuldade em abrir os comentários.

Abraço.

António Rosa disse...
23 de março de 2011 às 13:31  

Paulo,

Sem dúvida que os tempos que correm estão em grandes mudanças. A exigir de nós a maior humildade possível e a compreensão dos fenómenos.

Grande abraço.

Paulo Braccini disse...
23 de março de 2011 às 15:11  

mais um tema relevante e oportuno levantado pelo mestre Antônio ... ainda temos muito o q aprender para q a vida possa ser mais digna e vivenciada plena e abundantemente ... precisamos entender q isto está exclusivamente em nossas mãos ...

Ih....fud disse...
23 de março de 2011 às 15:36  

Muito bom esse seu post, não é de hoje que sou a favor de controle populacional por mais autoritário que seja é uma questão de sobrevivência hoje ... Como sempre digo ter filhos hoje em dia é para todos .. agora educar um filho é para poucos ...

Adorei seu post :)

António Rosa disse...
23 de março de 2011 às 16:43  

Hoje é o dia dos Paulos! Muito interessante.

Muito agradecido pelas suas gentis palavras. É um tema que a nossa humanidade está a enfrentar.

Grande abraço.

António Rosa disse...
23 de março de 2011 às 16:44  

Ih....fud

Muito obrigado pelo seu comentário. Ainda hoje estive no seu blogue e noto que a sua imaginação está bem no alto. Com criatividade.

Abraço.

chica disse...
23 de março de 2011 às 18:45  

Um tema sério,que naquele ano foi pensado.Imagina hoje o que podemos dizer... Um abraços,bela postagem como sempre!chica

Astrid Annabelle disse...
23 de março de 2011 às 19:48  

Querido António, aqui boa tarde, aí boa noite!
Hoje entrei mais tarde na net...
Ontem eu vi este documentário e achei interessante.Cabe a cada ser humano decidir...sou contra regras! rss
Quando se põe um filho no mundo hoje em dia é preciso estar consciente do que significa isso. E o que se percebe é que a juventude nem sempre está consciente.
Mas quem sou eu para julgar???
Um beijo grande
Astrid Annabelle

William Garibaldi disse...
24 de março de 2011 às 00:13  

Que intrigante post! Que revelador!

Eu sempre pensei nisto António!!! Desde pequeno.. eu assisti naquele filme O Segredo que nada que não tem probelma a superpopulação pois Deus abraça a todos na abbundância.. mas nào concordei! Pois sei que existe equilíbrio em tudo... e que uma mulher não pode ter mais de 3 filhos sem que sua saúde fique abalada!.. outra é a questão da água... e do tanto de água necessário pra germinar o alimento etc... Temos mesmo que pensar e repensar isto.. máximo de dois filhos pra cada casal ( mas sem aquela ditadura da China! Lógico! ) é a minha sugestão ao mundo!.. e mais Casamento Gay ajuda e muito... somado ao insentivo a adoção!

Este é um assunto que me empolga e muito.. tenho muito a dizer a esta gente que parece coelho de tantos filhos que tem! rsssss ^.^

...................................

Que belo comentário me deixas-tre lá no Versos de Fogo! Que profundo...
meu silêncio meu caro amigo... foi pela dor do mundo... foi aquele silêncio antes das sete trombetas... silêncio de perplexidade perante uma nova paixão.. um novo reencontro com a Magia da Vida.. e vi que sentira tudo isto...

Sou Grato!
To de volta e falante como sempre!
Axé!

William Garibaldi disse...
24 de março de 2011 às 00:13  

incentivo! rssss

António Rosa disse...
24 de março de 2011 às 11:32  

Chica,

Muito agradecido por estar presente e o seu apoio é importante.

Abraço.

António Rosa disse...
24 de março de 2011 às 11:34  

Astrid

É um tema complexo e, por isso, nada fácil. A verdade é que o crescimento populacional asiático. Que fazer? Aguardemos.

Beijos.

António Rosa disse...
24 de março de 2011 às 11:35  

William,

«silêncio de perplexidade perante uma nova paixão...»

Vida de forma intensa como só você sabe fazer, mas tente não se magoar.

Abraço.

Nilce disse...
24 de março de 2011 às 13:41  

Oi Antônio

A cada dia o ser humano cresce em números e se acaba em falta de consciência social.
Gostei do texto e dos videos.
Obrigada sempre meu amigo.

Bjs no coração!

Nilce

Rui António Santos disse...
24 de março de 2011 às 17:01  

Amigo António, estes videos dão muito que pensar, no entanto eu acredito que o Universo é mais inteligente do que a personalidade humana e a limpeza está sendo feita á sua maneira. Preocupo-me com o este excesso de população em especial aos nossos irmãos de caminhada que também são humanos e lutam com a a falta de água e alimentos. Abraço Grande

Fatima disse...
24 de março de 2011 às 20:53  

Li e assisti o primeiro video, agora vou assistir os outros.
Estou gostando!
Bjs querido.

MARCELO DALLA disse...
26 de março de 2011 às 00:16  

Assunto importantíssimo!!! Assistirei aos videos no fim de semana. Grato pela dica, querido!!!!
Aliás, um lindo fim de semana pra ti!!!
abraço

ManDrag disse...
27 de março de 2011 às 22:16  

De fio a pavio! Assisti maravilhado a todo o documentário. Documentários sobre a condição humana são das minhas fontes de saber favoritas.
Bem hajas por partilhar com todos nós tão importante fonte de conhecimentos.

Um assunto deverás preocupante e que, a exemplo de todas as problemáticas humanas da actualidade, exige o empenho e envolvimento de todos. Sem excepção!

E no fundo, a mesma resposta de sempre... Educação!

Beijos

23 de março de 2011

Quantas pessoas podem viver no planeta Terra?

Sir David Attenborough


Quando o documentarista Sir David Attenborough nasceu (1926) éramos pouco menos de 2 biliões de pessoas em todo o planeta. Actualmente a população mundial aproxima-se rapidamente de 7 biliões de pessoas, e isso com um aumento de pouco mais de 2 pessoas por segundo (já descontadas as mortes).

A vida de Attenborough foi em boa parte dedicada ao acompanhamento da vida selvagem, e lamentavelmente esta situação de vida intocável está cada dia mais difícil de ser encontrada. Esta preocupação com o impacto populacional o fez ingressar na organização Optimum Population Trust, que tem como meta avaliar este cenário.

Por volta de 1800 éramos não mais que 1 bilião de pessoas. O acesso ao controle de doenças, diminuição de mortalidade e melhor qualidade de vida causaram uma violenta explosão populacional. Mas a Terra certamente possui um limite físico de produção de recursos.

O primeiro alarme que soa vem da escassez de água em diversos países. Não só este alarme toca, mas outro começa a ser ouvido, o da falta de áreas propícias para a agricultura economicamente viável. E o sinal vem de um fluxo investidores de países desenvolvidos que compram terras em países mais pobres para uma produção exclusivamente voltada para a exportação, sem benefícios desejados para a população local.

Algumas iniciativas de controle populacional infelizmente foram feitas de maneira truculenta e autoritária, criando um fantasma ainda mais assustador de um assunto que incomoda muitos. Poucos gostam de ter alguém dando palpites na sua vida pessoal sobre quantos filhos devem ter. Iniciativas mais inteligentes e planeadas demonstraram, de maneira quase óbvia, que a educação é o factor que mais influencia na decisão de uma família em optar por ter menos filhos. As mulheres saem na dianteira neste poder de decisão, com uma visível tendência em planear melhor a vida antes de ter o primeiro filho.

David Attenborough encerra o documentário «How Many People Can Live on Planet Earth?» (2009)(Quantas pessoas podem viver no Planeta Terra?) comentando que os dados fornecidos podem ser desanimadores e neste caso a melhor maneira de encarar a situação é com o máximo de planeamento feito de maneira racional.

Sobre Sir David Attenborough, aqui.
Documentário «Quantas pessoas podem viver no Planeta Terra?» (2009)




Vídeo 2, aqui.
Vídeo 3, aqui.
Vídeo 4, aqui.
Vídeo 5, aqui.
Vídeo 6, aqui.

.

20 comentários:

Paulo Francisco disse...

Adorei o texto. Vou usar os vídeos.
Caramba! estava difícil abrir o seu blog. Lia os textos mas não conseguia publicar no comentário (coisa da NET!)
Um abraço, António.

HighLander77 disse...

Muito bom!! Não admira que estejamos no 'fim dos tempos' e que seja precisa uma limpeza! É triste mas é verdade!

António Rosa disse...

Paulo Francisco

Ainda bem que gostou do tema, que me parece ser muito oportuno.

Lamento que tenha tido dificuldade em abrir os comentários.

Abraço.

António Rosa disse...

Paulo,

Sem dúvida que os tempos que correm estão em grandes mudanças. A exigir de nós a maior humildade possível e a compreensão dos fenómenos.

Grande abraço.

Paulo Braccini disse...

mais um tema relevante e oportuno levantado pelo mestre Antônio ... ainda temos muito o q aprender para q a vida possa ser mais digna e vivenciada plena e abundantemente ... precisamos entender q isto está exclusivamente em nossas mãos ...

Ih....fud disse...

Muito bom esse seu post, não é de hoje que sou a favor de controle populacional por mais autoritário que seja é uma questão de sobrevivência hoje ... Como sempre digo ter filhos hoje em dia é para todos .. agora educar um filho é para poucos ...

Adorei seu post :)

António Rosa disse...

Hoje é o dia dos Paulos! Muito interessante.

Muito agradecido pelas suas gentis palavras. É um tema que a nossa humanidade está a enfrentar.

Grande abraço.

António Rosa disse...

Ih....fud

Muito obrigado pelo seu comentário. Ainda hoje estive no seu blogue e noto que a sua imaginação está bem no alto. Com criatividade.

Abraço.

chica disse...

Um tema sério,que naquele ano foi pensado.Imagina hoje o que podemos dizer... Um abraços,bela postagem como sempre!chica

Astrid Annabelle disse...

Querido António, aqui boa tarde, aí boa noite!
Hoje entrei mais tarde na net...
Ontem eu vi este documentário e achei interessante.Cabe a cada ser humano decidir...sou contra regras! rss
Quando se põe um filho no mundo hoje em dia é preciso estar consciente do que significa isso. E o que se percebe é que a juventude nem sempre está consciente.
Mas quem sou eu para julgar???
Um beijo grande
Astrid Annabelle

William Garibaldi disse...

Que intrigante post! Que revelador!

Eu sempre pensei nisto António!!! Desde pequeno.. eu assisti naquele filme O Segredo que nada que não tem probelma a superpopulação pois Deus abraça a todos na abbundância.. mas nào concordei! Pois sei que existe equilíbrio em tudo... e que uma mulher não pode ter mais de 3 filhos sem que sua saúde fique abalada!.. outra é a questão da água... e do tanto de água necessário pra germinar o alimento etc... Temos mesmo que pensar e repensar isto.. máximo de dois filhos pra cada casal ( mas sem aquela ditadura da China! Lógico! ) é a minha sugestão ao mundo!.. e mais Casamento Gay ajuda e muito... somado ao insentivo a adoção!

Este é um assunto que me empolga e muito.. tenho muito a dizer a esta gente que parece coelho de tantos filhos que tem! rsssss ^.^

...................................

Que belo comentário me deixas-tre lá no Versos de Fogo! Que profundo...
meu silêncio meu caro amigo... foi pela dor do mundo... foi aquele silêncio antes das sete trombetas... silêncio de perplexidade perante uma nova paixão.. um novo reencontro com a Magia da Vida.. e vi que sentira tudo isto...

Sou Grato!
To de volta e falante como sempre!
Axé!

William Garibaldi disse...

incentivo! rssss

António Rosa disse...

Chica,

Muito agradecido por estar presente e o seu apoio é importante.

Abraço.

António Rosa disse...

Astrid

É um tema complexo e, por isso, nada fácil. A verdade é que o crescimento populacional asiático. Que fazer? Aguardemos.

Beijos.

António Rosa disse...

William,

«silêncio de perplexidade perante uma nova paixão...»

Vida de forma intensa como só você sabe fazer, mas tente não se magoar.

Abraço.

Nilce disse...

Oi Antônio

A cada dia o ser humano cresce em números e se acaba em falta de consciência social.
Gostei do texto e dos videos.
Obrigada sempre meu amigo.

Bjs no coração!

Nilce

Rui António Santos disse...

Amigo António, estes videos dão muito que pensar, no entanto eu acredito que o Universo é mais inteligente do que a personalidade humana e a limpeza está sendo feita á sua maneira. Preocupo-me com o este excesso de população em especial aos nossos irmãos de caminhada que também são humanos e lutam com a a falta de água e alimentos. Abraço Grande

Fatima disse...

Li e assisti o primeiro video, agora vou assistir os outros.
Estou gostando!
Bjs querido.

MARCELO DALLA disse...

Assunto importantíssimo!!! Assistirei aos videos no fim de semana. Grato pela dica, querido!!!!
Aliás, um lindo fim de semana pra ti!!!
abraço

ManDrag disse...

De fio a pavio! Assisti maravilhado a todo o documentário. Documentários sobre a condição humana são das minhas fontes de saber favoritas.
Bem hajas por partilhar com todos nós tão importante fonte de conhecimentos.

Um assunto deverás preocupante e que, a exemplo de todas as problemáticas humanas da actualidade, exige o empenho e envolvimento de todos. Sem excepção!

E no fundo, a mesma resposta de sempre... Educação!

Beijos

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates