Era uma vez um Gnomo na FarmVille

25 de outubro de 2009 ·

Era uma vez um Gnomo na 'FarmVille'...

Numa pequena comunidade agrícola chamada 'FarmVille', com a aproximação da quadra do Natal, os perus começaram a ficar inquietos e passavam muitas horas em reuniões, não se sabe bem porque razão.


Os outros animais, percebendo tamanha inquietação, resolveram
sossegar os perus, fazendo uma festa vegetariana, como sinal de solidariedade.
A festa foi magnífica e estiveram presentes todos os representantes da comunidade.



Quando regressaram às suas casas, os animais foram surpreendidos e ficaram em alvoroço com a presença de um circo a ser montado.
Será que o circo tinha animais em cativeiro, sem condições de alojamento, sem espaço, para trabalharem como artistas circenses? O dono do circo garantiu que não havia nada disso, que só havia humanos como trapezistas, acrobatas, malabaristas e palhaços e, isso sim, prometeu-lhes uma grande surpresa.



A comunidade de animais, muito contentes, decidiu ir ao circo.

Formaram fila e em pares bonitinhos...



... tomaram caminho, rumo a uns momentos inéditos.




Foram ao circo, mas antes passaram bons momentos no parque de diversões. Estavam em pleno espectáculo...



... quando por artes mágicas com pozinhos de pirilimpimpim
lhes apareceu o senhor Gnomo!


Nunca antes fora vista tal presença. Já lhes haviam dito que havia Gnomos na natureza, mas nunca os tinham visto. Era a primeira vez que este Ser aparecia na comunidade.
Os gnomos são os seres elementais da terra. Como seres mágicos são protectores da natureza e dos seus segredos assim como dos ja
rdins, quintas e fazendas. Têm a capacidade de penetrar em todos os poros de terra e até de se introduzirem nas raízes das montanhas, protegendo o nosso planeta. São os guardiões de tesouros mais puros da humanidade: a natureza.


Afinal, o dono do circo dissera a verdade. Esta era a surpresa prometida por ele.
O senhor Gnomo convidou todos os presentes no circo a se dirigirem com ele a um bosque próximo, para realizarem um ritual de protecção ao nosso planeta. Claro que, imediatamente, todos aceitaram e lá foram em direcção ao bosque.



Ao passarem pela aldeia, os outros animais que não tinham ido ao circo juntaram-se aos seus amigos e vizinhos, todos em direcção ao bosque.




Como se pode ver, a comitiva em parada era numerosa. Iria ser um ritual de protecção ao planeta, bem bonito. Mas não sabiam - nem o senhor Gnomo -, que lhes estava reservada a surpresa de passarem por momentos mais inquietantes.



Dentro do bosque, vendo-os chegar, estava um grupo de renas, que se preparavam para trabalharem no Natal, acompanhando o
Papai Noel, como se diz no Brasil, ou o Pai Natal, como é conhecido em Portugal. Ficaram muito assustadas.



As pobres renas estavam muito intimidadas com aquela parada cheia de animais desconhecidos e que se dirigia ao interior do bosque. Pensaram o pior, cheias de medo. Mas as renas sabiam que, quando se tem medo de alguma coisa, o melhor mesmo é avançarmos e enfrentarmos a situação. Foi o que elas fizeram. Contudo, como estavam preparadas para o espírito do Natal, de concórdia e amor, não foram agressivas. Simplesmente, saíram do bosque e surpreenderam o senhor Gnomo e os outros animais.



Quem apanhou um susto grande, maior que o das renas, foram os outros animais, ao verem aqueles seres corpulentos e com chifres. E assim ficaram, frente-a-frente, como se de uma batalha campal se tratasse.

Mas o senhor Gnomo tomou a iniciativa e pediu que todos se acalmassem e formassem uma roda à volta dele. Assim fizeram.




E ele explicou: temos medo do que desconhecemos. E todos, desconhecemos tanta coisa. Desconhecemos o futuro, o outro, nós mesmos. Só conhecemos e muito mal, a um palmo do nosso nariz. Por isso, os animais tiveram medo uns dos outros. Por não se conhecerem. Quando se fala em carma, estamos a falar dos nossos medos. Como enfrentamos os nossos medos? Simplesmente, atravessando-os, como quem atravessa uma porta, rumo ao desconhecido. É a viagem das nossas vidas.

Depois de tudo esclarecido e explicado, todos os animais confraternizaram e animaram-se uns aos outros. Excepto os perus, que continuam apreensivos.

0 comentários:

25 de outubro de 2009

Era uma vez um Gnomo na FarmVille

Era uma vez um Gnomo na 'FarmVille'...

Numa pequena comunidade agrícola chamada 'FarmVille', com a aproximação da quadra do Natal, os perus começaram a ficar inquietos e passavam muitas horas em reuniões, não se sabe bem porque razão.


Os outros animais, percebendo tamanha inquietação, resolveram
sossegar os perus, fazendo uma festa vegetariana, como sinal de solidariedade.
A festa foi magnífica e estiveram presentes todos os representantes da comunidade.



Quando regressaram às suas casas, os animais foram surpreendidos e ficaram em alvoroço com a presença de um circo a ser montado.
Será que o circo tinha animais em cativeiro, sem condições de alojamento, sem espaço, para trabalharem como artistas circenses? O dono do circo garantiu que não havia nada disso, que só havia humanos como trapezistas, acrobatas, malabaristas e palhaços e, isso sim, prometeu-lhes uma grande surpresa.



A comunidade de animais, muito contentes, decidiu ir ao circo.

Formaram fila e em pares bonitinhos...



... tomaram caminho, rumo a uns momentos inéditos.




Foram ao circo, mas antes passaram bons momentos no parque de diversões. Estavam em pleno espectáculo...



... quando por artes mágicas com pozinhos de pirilimpimpim
lhes apareceu o senhor Gnomo!


Nunca antes fora vista tal presença. Já lhes haviam dito que havia Gnomos na natureza, mas nunca os tinham visto. Era a primeira vez que este Ser aparecia na comunidade.
Os gnomos são os seres elementais da terra. Como seres mágicos são protectores da natureza e dos seus segredos assim como dos ja
rdins, quintas e fazendas. Têm a capacidade de penetrar em todos os poros de terra e até de se introduzirem nas raízes das montanhas, protegendo o nosso planeta. São os guardiões de tesouros mais puros da humanidade: a natureza.


Afinal, o dono do circo dissera a verdade. Esta era a surpresa prometida por ele.
O senhor Gnomo convidou todos os presentes no circo a se dirigirem com ele a um bosque próximo, para realizarem um ritual de protecção ao nosso planeta. Claro que, imediatamente, todos aceitaram e lá foram em direcção ao bosque.



Ao passarem pela aldeia, os outros animais que não tinham ido ao circo juntaram-se aos seus amigos e vizinhos, todos em direcção ao bosque.




Como se pode ver, a comitiva em parada era numerosa. Iria ser um ritual de protecção ao planeta, bem bonito. Mas não sabiam - nem o senhor Gnomo -, que lhes estava reservada a surpresa de passarem por momentos mais inquietantes.



Dentro do bosque, vendo-os chegar, estava um grupo de renas, que se preparavam para trabalharem no Natal, acompanhando o
Papai Noel, como se diz no Brasil, ou o Pai Natal, como é conhecido em Portugal. Ficaram muito assustadas.



As pobres renas estavam muito intimidadas com aquela parada cheia de animais desconhecidos e que se dirigia ao interior do bosque. Pensaram o pior, cheias de medo. Mas as renas sabiam que, quando se tem medo de alguma coisa, o melhor mesmo é avançarmos e enfrentarmos a situação. Foi o que elas fizeram. Contudo, como estavam preparadas para o espírito do Natal, de concórdia e amor, não foram agressivas. Simplesmente, saíram do bosque e surpreenderam o senhor Gnomo e os outros animais.



Quem apanhou um susto grande, maior que o das renas, foram os outros animais, ao verem aqueles seres corpulentos e com chifres. E assim ficaram, frente-a-frente, como se de uma batalha campal se tratasse.

Mas o senhor Gnomo tomou a iniciativa e pediu que todos se acalmassem e formassem uma roda à volta dele. Assim fizeram.




E ele explicou: temos medo do que desconhecemos. E todos, desconhecemos tanta coisa. Desconhecemos o futuro, o outro, nós mesmos. Só conhecemos e muito mal, a um palmo do nosso nariz. Por isso, os animais tiveram medo uns dos outros. Por não se conhecerem. Quando se fala em carma, estamos a falar dos nossos medos. Como enfrentamos os nossos medos? Simplesmente, atravessando-os, como quem atravessa uma porta, rumo ao desconhecido. É a viagem das nossas vidas.

Depois de tudo esclarecido e explicado, todos os animais confraternizaram e animaram-se uns aos outros. Excepto os perus, que continuam apreensivos.

Sem comentários:

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates