A coisa está assim

27 de outubro de 2009 ·

As civilizações poderosas - e as menos poderosas, também -, raramente desaparecem de forma violenta. Vão desaparecendo. Vão-se esgotando nelas próprias. Vão-se alienando. Temos vários exemplos do passado deste planeta.

Civilizações antigas confirmam esta ideia: fenícios, egípcios, romanos, gregos e todas as orientais. Os próprios portugueses, não como civilização, mas como povo que representou um fulgor civilizacional.

Estas civilizações, estes povos, foram morrendo, foram perdendo o que de mais vital existia neles. Como pequenas arritmias que mal se percebem e a seguir se desvanecem.

Alienamo-nos. Ficamos sem noção. Perdemos o pé. Ficamos enclausurados na nossa própria memória das coisas. Sabemos que estão a haver mudanças profundas e sérias. Sabemos isso. Será que nos estamos a adaptar? Ou preferimos ir fenecendo?

Sabemos, por exemplo, que as condições climáticas não são as mesmas que eram há 20, 15, 10 anos atrás. Sabemos. Toda a gente sabe. Toda a gente fala nisso.

No Hemisfério Norte, estamos naquela época do ano que se chamava Outono. Agora, não sabemos bem como definir esta época do ano, pois é outra coisa, ainda não completamente definida.

Que fazemos nós, em dias que fazem um calor intenso, com temperaturas que atingem os 28º e 29º?

Aquilo que tenho visto diariamente é isto: as pessoas vestem-se de escuro, com lãs bem quentes, casacos, calças de fazenda, jeans grossas, botas (há botas e botas). Como se este fim de Outubro fosse invernoso, com temperaturas baixas, como se estivéssemos em pleno Inverno com 12 ou 13º. Claro, ao meio-dia, andam todas com um ar apardalado, infeliz, com abrigos pendurados pelos braços. Por mais frescas que estejam as manhãs, justifica-se andarem assim?

Tudo, porque na cabeça destas infelizes pessoas há um conflito: sabem bem das mudanças climáticas, mas nas suas cabecinhas estão tremendamente condicionadas para a ideia tradicional que os fins de Outubro são dias frios. Uma matrix desorientadora. Não se adaptam.

Felizmente, os mais jovens estão a reagir bem.

Será um sintoma? Estará esta civilização a desvanecer-se com as suas próprias ilusões? Se isto é assim com a mudança climática, como não será com outras situações da vida?

54 comentários:

Ana Cristina disse...
27 de outubro de 2009 às 20:05  

:) vestir à calendário :) os sapatos são lindos.

António Rosa disse...
27 de outubro de 2009 às 20:17  

Ana Cristina,

:)))

Devem ser dos caros, pelo site de onde tirei. :)

joana disse...
27 de outubro de 2009 às 20:18  

:) António, gostei muito deste post, parece que lhe saiu num único fôlego...
Ando aqui no meio da chuva e calor e optei pelo chinelo mesmo. Os pés assim secam melhor :)))
beijinho

António Rosa disse...
27 de outubro de 2009 às 20:19  

Joana,

Foi isso mesmo, de um fôlego. Depois, foi só aparar um pouco.

Chuva e calor - é tão africano! Lembro-me bem.

beijo

:))

Lucília Ramos disse...
27 de outubro de 2009 às 21:09  

Achei tanta piada a este texto!!!
Gostava de saber como se fazem agora as "redacções" sobre as estações do ano...

"O Outono é uma estação do ano que já não começa quando o homem se veste de escuro e calça meias de lã...
No Inverno já há gelados no café.
Quem me dera ir à Primavera!!!
No Verão não saio de casa!?"

Deixo-te um abraço, a sorrir...

Lucy

António Rosa disse...
27 de outubro de 2009 às 21:14  

Lucy

Gostei do teu comentário. Um abraço para ti, também.

Mitti disse...
27 de outubro de 2009 às 21:45  

Antonio.....

olha o clima por aqui tb tá uma loucura...um calor danado...uma chuva forte que teima em cair.....

amei o sapato tb

bjinho

Reyel disse...
27 de outubro de 2009 às 22:01  

lol!!! Calor intenso aqui é 40 graus!! No Rio de Janeiro está chegando à 50 no alto verão!

Mas falas de calor intenso de outono, né?

Falava hoje com meu esposo; aqui é primavera, ontem fez um calor bem gostoso à sombra, hoje estou quase a vestir um casaco! Coisa de louco!!!

Como será amanhã?

Bjo na alma.

Julimar Murat disse...
27 de outubro de 2009 às 22:05  

Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos...

faça chuva, faça sol, vento, ventania, que loucura!!!!!!!

HAZEL disse...
27 de outubro de 2009 às 22:06  

Acho muita graça aos sapatos que escolhe para os posts! ;)
Nada de botifarras da tropa, não...! Aprecio essa sua delicadeza.

Pois é, os mais jovens adaptam-se bem, pois não têm as ideias tão enraizadas como os mais velhos.

Quanto mais velho se é, mais dificuldade existe em cortar os velhos hábitos, mesmo sabendo inconscientemente que talvez já não façam tanto sentido.

Isso serve para o casaco que se leva só porque o calendário nos diz que estamos em Outubro, bem como para os comportamentos pouco construtivos nas relações humanas.

O mundo está nas mãos dos jovens.
Que tenham a sensatez e sabedoria que os mais velhos não tiveram...

Contra mim falo; hoje calcei umas botas altas, de camurça. Mas vesti uma camisa de manga curta - menos mal! eheheh

Um abraço e obrigada pela sua presença reconfortante

HSLO disse...
27 de outubro de 2009 às 22:11  

E o pior é que as pessoas não acordaram ainda para refletir sobre isso.


abraços


Hugo

JotaSP disse...
27 de outubro de 2009 às 22:18  

António,

os teus posts são informativos e tão pessoais que são um prazer para os sentidos!

Um abraço assim «««

Maria Paula Ribeiro disse...
27 de outubro de 2009 às 23:13  

he he he he he he he

E estas mudanças aguçam a criatividade dos jovens! Ainda iremos ver os novos armários "4 estações" em simultâneo! ou a sapataria "4 estações" e se não mudar o nome de estação, para "temperatura momentânea previsível"....
:-)

PS: Quando for famosa, vou ter assim uns sapatos! ;))))) Mas primeiro vou ter um workshop! ;)))))

Beijos

Paulo Braccini disse...
27 de outubro de 2009 às 23:16  

querido amigo Rosa ... "Estará esta civilização a desvanecer-se com as suas próprias ilusões?" ... uma indagação forte ... para mim ela soa como quase que como uma afirmação ...

bjux

;-)

Adelaide Figueiredo disse...
27 de outubro de 2009 às 23:32  

António,

Sapatinhos lindos! Dá vontade de os apanhar :))
Quanto à temperatura antes de sair vou à janela e sinto se está frio, se está calor e visto o mais apropriado. Para mim não importa o mês em que estamos. Só me calha uma coisa quase sempre mal: é quando está sol e saio e a chuva se lembra de aparecer. Calha-me sempre uma molha. Acho que a chuva gosta de mim :)

Abraço

guntty disse...
27 de outubro de 2009 às 23:36  

:)

Adorei este texto.

Penso que é a própria ilusão a implodir sobre si mesma... apenas não implode junto quem tiver consciência que tem asas nas costas para poder voar...

angela disse...
28 de outubro de 2009 às 03:41  

Enquanto ia lendo fui pensando que essas civilizações que foram desaparecendo não conseguiram acompanhar as mudanças necessárias e ficaram estagnadas, paradas naquilo que conheciam e outras menos estruturadas puderam sentir os novos tempos e vive-los mais amplamente.
Esse tempo aqui é bem comum e a ente saiu vestido num estilo que chamo de cebola, vai tirando e pondo as camadas conforme a temperatura.
beijos

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:28  

Mitti

Não é em Portugal e no Brasil. É em todo o mundo, por isso, dizer-se que é o planeta Terra que está a mudar. A nossa consciência passa por aí, mas tem que começar nas coisas pessoais, como os condicionalismos das nossas mentes.

Beijos

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:28  

Reyel,

Será sempre incerto, excepto nos picos do Inverno e do Verão.

Beijos.

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:29  

Julimar

Muito grato pela presença.

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:29  

Hazel,

Os sapatos ficam sempre bem nos posts. Dão 'andamento' à coisa. E isso que sou um desligado quanto a sapatos. Ando de sandálias 6 ou 7 meses por ano. Não ando mais, porque ter os pés frios não é razoável na minha idade. Cresci em Moçambique, a maior parte dos dias descalço e na rua.

Beijo

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:29  

Hugo

Ainda não, mas acredito que se todos fizermos uma chamada de atenção à nossa volta, as mentalidades irão mudando.

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:33  

Jota,

Muito agradecido pela Presença. És muito querido aqui.

Um abraço, também assim«««

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:33  

Maria Paula

Já reparaste que continuas a falar em 4 estações? E se daqui a uns anos se reduzir a 2? Com um curto período de transição entre cada estação.

Toda a gente está a gostar dos sapatos. :))))) Não sabia que colocar e vi centenas de ilustrações, mas nenhuma se adequava.

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:34  

Paulo,

É isso. Só não fiz uma afirmação, porque gosto de indagar, por não ter muitas certezas.

beijo

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:37  

Adelaide,

Também gostou dos sapatinhos. Isto hoje foi geral. :))) A chuva também gosta de mim. =)
Abraço

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:37  

Guntty,

Essa imagem é óptima - 'a própria ilusão a implodir sobre si mesma...?

grato. Abraço.

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:37  

Angela

As civilizações desvanecem-se por isso mesmo. Beijo

Astrid Annabelle disse...
28 de outubro de 2009 às 08:42  

António! Bom dia!
Talvez o aprendizado aqui seja lidar com o inesperado...
Adorei este seu texto que me fez sentir que estamos expostos, enquanto vivos, às infinitas possibilidades!
Um beijo grande e feliz.
Astrid Annabelle

P.S.
Duas coisas...
adorei os sapatos!
Escrevi um email para você na semana passada...acho que não recebeu...vou reenviá-lo.

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 08:46  

Olá Astrid,

Fico à espera do email. Pode ter chegado e eu não me apercebido, pois só ontem é que completei a transferência do Outlook para o Gmail.

Beijo

Maria Paula Ribeiro disse...
28 de outubro de 2009 às 09:26  

"Já reparaste que continuas a falar em 4 estações"... upssssssss fui apanhada ;)))) vou ter que desfragmentar melhor anda a minha mente, lol ;)

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 09:57  

Paula,
Também eu tenho muito que desfragmentar o meu disco rígido. Beijos.

IdoMind disse...
28 de outubro de 2009 às 10:28  

António

Por acaso uma amiga bancária estava a comentar comigo na segunda feira, que "parecia mal" mas que ela continuava a levar sapatos abertos para o banco e que os colegas olhavam meio de lado porque afinal É OUTONO.
Quando li o teu post fartei-me de rir.

Andamos todos como o tempo: desorientados!
E fazemos o que fazemos sempre que ficamos desorientados: fingimos que não está a acontecer.

Confesso que não levei a minha reflexão tão longe, antevendo o fim de uma civilização, fiquei-me pelo automatismo comportamental mas a tua conclusão é no mínimo visionária.

Pelo não desaparecimento dos lusitanos - viva a manga curta e o sapatinho aberto!

Beijos surpreendente António

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 10:48  

IdoMind

Muito obrigado por isso do 'visionário'. :)))))))

Esta tarde vou estar ausente do computador pois vou para perto de ti, a trabalhar no Cristal de Cura.

Beijos

Maria de Fátima disse...
28 de outubro de 2009 às 11:16  

Olá António, pois eu ando vestida de acordo com o clima e não com a estação do ano.Ainda hoje vesti uma t-shirt de manga curta e calcei uns sapatos de Verão, lol.Beijocas grandes.

Siala ap Maeve disse...
28 de outubro de 2009 às 12:15  

Antonio, engraçado (como se acreditasse em coincidências lol)como tenho observado exactamente isso, na rua e no meu trabalho. Hoje venho vestida de cor de laranja, alças largas, sapatos abertos, e sinto-me muito bem, mas á minha volta estão todos de cores escuras e abafados...a adaptação é uma condição vital para a sobrevivência quer das civilizações, quer das espécies. E não se trata só de nso adaptar-mos ás alterações climatéricas...como reagimos em relação ás alterações nas nossas vidas? Fazemos os ajustes necessários ou ficamos presos ao paradigma a que estávamos habituados? Quando algo não está a correr como queremos, temos a coragem de desfazer tudo e voltar ao inicio, fazendo um reset e um novo começo de outra forma, ou ficamos a marrar contra a parede sem ver que na esquina há outro caminho?
Tenho pensado muito nisso. Nissou e em outras coisas. Mas ainda não consigo escrever...não consigo agarrar as palavras. Observando a natureza, a natureza da qual tanto nos afastámos, podemos aprender grandes lições.
Há realmente algo que está a acontecer António...mas eu já aprendi a calar-me, antes que me internem como louca.
Beijos de luz

Rui António Santos disse...
28 de outubro de 2009 às 13:45  

Olá António, é sempre bom ler os seus artigos.

Ando de polo de manga curta e blusão para o fim do dia mas nem o tenho usado, aproveito para ir á praia e há dias tomei um banho de mar demorado que me soube muito bem , ler junto ao mar tambem é muito bom. Há dias em que sonho um pouco com dias mais frios mas o tempo já não é o que era e temos que aceitar as coisas como são.



Abraço

Maria José disse...
28 de outubro de 2009 às 15:49  

Tem um selinho de presente para você em meu blog. Passe lá! É dado com muito carinho e respeito ao seu espaço. Abraços.

marcelo dalla disse...
28 de outubro de 2009 às 17:49  

Querido, colocaste em cheque a capacidade de nos adaptarmos às mudanças, de seguirmos junto com a corrente da vida que se transofrma a cada momento.
E esta é umas das causas do sofrimento: a resistência a essas mudanças.

Pros signos de ar é mais fácil, imagino como dava ser difícil para os Taurinos, por exemplo...

Outro ponto importante: vejo que o Império americano está em decadência, assim como foi com o Imperio Romano. A história se repete. Mas como numa espiral ascendente!!!

abraço

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 20:37  

Maria de Fátima

Desculpa só responder agora, mas estive toda a tarde na Ericeira em trabalhos astrológicos.

Vivam as t-shirts de manga curta!!! Também eu ando vestido e calçado em 'modo calor'.

Beijos

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 20:37  

Siala

Belo testemunho o teu e viva a roupa cor de laranja.

Vou enviar-te um email com as perguntas para a entrevista do Anel do Coração, pois nas votações dos leitores, tu és a próxima.

muitos beijos

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 20:38  

Rui

Que bom que ainda esteja a aproveitar os dias quentes ao pé do mar. Grande abraço, amigo.

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 20:38  

Maria José

Muito agradecido pelo selo. Vou ao seu blogue trazê-lo. Dentro de dias farei o post de agradecimento. Abraços.

António Rosa disse...
28 de outubro de 2009 às 20:38  

Marcelo

Tocaste no centro da ferida: a resistência às mudanças. Por isso, o trabalho de blogues como os nossos. Sinto-me feliz por fazer parte dessa corrente e de ter a tua companhia.

Abraço

Samsara disse...
28 de outubro de 2009 às 21:08  

António

No Funchal, nem de manhã nem à noite faz frio ainda. Ontem estacionei o carro num shopping da baixa que já não ia há algum tempo. Venho do piso -2 do estacionamento e quando a porta do elavador abre (eu a transpirar por todos os lados e vestida com a minha roupita de verão) deparo-me com tudo enfeitado para o Natal. Tive a sensação de estar deslocada, de não pertencer ali, de estar no hemisfério sul na altura do Natal. É surreal. Cada vez o Natal vem mais cedo e aliado ao verão cada vez mais longo...este desajuste é notório.

Beijinhos

Siala ap Maeve disse...
28 de outubro de 2009 às 21:48  

Já sabes que o laranja é uma das minhas cores :) Sou a próxima? Ai...vamos ver como me saio!
Bjos de luz

Madame Celeste, disse...
29 de outubro de 2009 às 15:35  

É António... o processo de mudança climática está se materializando. Aqui no sul do Brasil, por exemplo, já estão ocorrendo fenômenos que não eram previstos antes, como ciclones e furacões. A situação está grave por aqui.
Abraços

Maria José disse...
29 de outubro de 2009 às 17:18  

Antonio Rosa. O nosso Planeta está mudando em tudo, saindo de "provas e expiações" e entrando em "regeneração". As pessoas estão mais altas, mas inteligentes, mais donas de seus próprios narizes. Até o clima está mudando. Não há definição das estações. Estamos sempre vulneráveis ao que pode vir a acontecer. E temos que estar preparados para lidar com o inesperado.
Quanto aos sapatos, são lindos. São a paixão da maioria das mulheres.
Beijos e parabéns pelo blog.

Maria Izabel Viégas disse...
29 de outubro de 2009 às 22:24  

Ó amigo, creio que o homem só irá despertar quando não houver mais tempo.Aqui no Brasil penso que uma notícia de assaltos e tiroteios dão mais audiência que alterações climáticas. Realmente parece que os que se preocupam e tomam atitudes vivem num mundo paralelo,não consigo , amigo,ver a maioria dos noticiários. E as pessoas se dividem em fanáticos religiosos ou consumistas de plantão. O mundo vai acabar, então vamos saquear a casa que foi destruída, o caminhão que derrapou numa estrada mal pavimentada.
Triste visão, querido amigo.E não vejo, pelo menos aqui, jovens tão cônscios assim...

*Pensando bem: quero sapatos iguais a estes: femininos, elegantes, morrerei bem chique
:) and :((
Beijos no seu coração.

António Rosa disse...
30 de outubro de 2009 às 12:29  

PatSam

Ai, o Natal! Outra época que cada vez começa mais cedo. Já deixou de me inspirar, excepto a quadra em si mesma. Há vários anos que diexei de comprar presentes natalícios. Obviamente, também não os recebo. Mesmo asim, ainda tenho peúgas por estrear, oferecidas nesse tempo.

Muitos beijos

António Rosa disse...
30 de outubro de 2009 às 12:29  

Siala,

Ainda não te enviei o email. Tenciono fazê-lo este fim-de-semana. As perguntas são basicamente as mesmas da última entrevista.

Beijos

António Rosa disse...
30 de outubro de 2009 às 12:29  

Madame Celeste

Tenho acompanhado de perto essas circunstâncias especiais no sul do Brasil. É uma das regiões do planeta que fazem o meu sonho.
Abraços.

António Rosa disse...
30 de outubro de 2009 às 12:30  

Maria José

Sem dúvida. O seu testemunho é impactante e importante-

Obrigado. Beijos.

António Rosa disse...
30 de outubro de 2009 às 12:30  

Maria Izabel

Ficaria muito chique com estes sapatos, não tenho dúvida disso. :))))))

Muitos beijos

27 de outubro de 2009

A coisa está assim

As civilizações poderosas - e as menos poderosas, também -, raramente desaparecem de forma violenta. Vão desaparecendo. Vão-se esgotando nelas próprias. Vão-se alienando. Temos vários exemplos do passado deste planeta.

Civilizações antigas confirmam esta ideia: fenícios, egípcios, romanos, gregos e todas as orientais. Os próprios portugueses, não como civilização, mas como povo que representou um fulgor civilizacional.

Estas civilizações, estes povos, foram morrendo, foram perdendo o que de mais vital existia neles. Como pequenas arritmias que mal se percebem e a seguir se desvanecem.

Alienamo-nos. Ficamos sem noção. Perdemos o pé. Ficamos enclausurados na nossa própria memória das coisas. Sabemos que estão a haver mudanças profundas e sérias. Sabemos isso. Será que nos estamos a adaptar? Ou preferimos ir fenecendo?

Sabemos, por exemplo, que as condições climáticas não são as mesmas que eram há 20, 15, 10 anos atrás. Sabemos. Toda a gente sabe. Toda a gente fala nisso.

No Hemisfério Norte, estamos naquela época do ano que se chamava Outono. Agora, não sabemos bem como definir esta época do ano, pois é outra coisa, ainda não completamente definida.

Que fazemos nós, em dias que fazem um calor intenso, com temperaturas que atingem os 28º e 29º?

Aquilo que tenho visto diariamente é isto: as pessoas vestem-se de escuro, com lãs bem quentes, casacos, calças de fazenda, jeans grossas, botas (há botas e botas). Como se este fim de Outubro fosse invernoso, com temperaturas baixas, como se estivéssemos em pleno Inverno com 12 ou 13º. Claro, ao meio-dia, andam todas com um ar apardalado, infeliz, com abrigos pendurados pelos braços. Por mais frescas que estejam as manhãs, justifica-se andarem assim?

Tudo, porque na cabeça destas infelizes pessoas há um conflito: sabem bem das mudanças climáticas, mas nas suas cabecinhas estão tremendamente condicionadas para a ideia tradicional que os fins de Outubro são dias frios. Uma matrix desorientadora. Não se adaptam.

Felizmente, os mais jovens estão a reagir bem.

Será um sintoma? Estará esta civilização a desvanecer-se com as suas próprias ilusões? Se isto é assim com a mudança climática, como não será com outras situações da vida?

54 comentários:

Ana Cristina disse...

:) vestir à calendário :) os sapatos são lindos.

António Rosa disse...

Ana Cristina,

:)))

Devem ser dos caros, pelo site de onde tirei. :)

joana disse...

:) António, gostei muito deste post, parece que lhe saiu num único fôlego...
Ando aqui no meio da chuva e calor e optei pelo chinelo mesmo. Os pés assim secam melhor :)))
beijinho

António Rosa disse...

Joana,

Foi isso mesmo, de um fôlego. Depois, foi só aparar um pouco.

Chuva e calor - é tão africano! Lembro-me bem.

beijo

:))

Lucília Ramos disse...

Achei tanta piada a este texto!!!
Gostava de saber como se fazem agora as "redacções" sobre as estações do ano...

"O Outono é uma estação do ano que já não começa quando o homem se veste de escuro e calça meias de lã...
No Inverno já há gelados no café.
Quem me dera ir à Primavera!!!
No Verão não saio de casa!?"

Deixo-te um abraço, a sorrir...

Lucy

António Rosa disse...

Lucy

Gostei do teu comentário. Um abraço para ti, também.

Mitti disse...

Antonio.....

olha o clima por aqui tb tá uma loucura...um calor danado...uma chuva forte que teima em cair.....

amei o sapato tb

bjinho

Reyel disse...

lol!!! Calor intenso aqui é 40 graus!! No Rio de Janeiro está chegando à 50 no alto verão!

Mas falas de calor intenso de outono, né?

Falava hoje com meu esposo; aqui é primavera, ontem fez um calor bem gostoso à sombra, hoje estou quase a vestir um casaco! Coisa de louco!!!

Como será amanhã?

Bjo na alma.

Julimar Murat disse...

Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos...

faça chuva, faça sol, vento, ventania, que loucura!!!!!!!

HAZEL disse...

Acho muita graça aos sapatos que escolhe para os posts! ;)
Nada de botifarras da tropa, não...! Aprecio essa sua delicadeza.

Pois é, os mais jovens adaptam-se bem, pois não têm as ideias tão enraizadas como os mais velhos.

Quanto mais velho se é, mais dificuldade existe em cortar os velhos hábitos, mesmo sabendo inconscientemente que talvez já não façam tanto sentido.

Isso serve para o casaco que se leva só porque o calendário nos diz que estamos em Outubro, bem como para os comportamentos pouco construtivos nas relações humanas.

O mundo está nas mãos dos jovens.
Que tenham a sensatez e sabedoria que os mais velhos não tiveram...

Contra mim falo; hoje calcei umas botas altas, de camurça. Mas vesti uma camisa de manga curta - menos mal! eheheh

Um abraço e obrigada pela sua presença reconfortante

HSLO disse...

E o pior é que as pessoas não acordaram ainda para refletir sobre isso.


abraços


Hugo

JotaSP disse...

António,

os teus posts são informativos e tão pessoais que são um prazer para os sentidos!

Um abraço assim «««

Maria Paula Ribeiro disse...

he he he he he he he

E estas mudanças aguçam a criatividade dos jovens! Ainda iremos ver os novos armários "4 estações" em simultâneo! ou a sapataria "4 estações" e se não mudar o nome de estação, para "temperatura momentânea previsível"....
:-)

PS: Quando for famosa, vou ter assim uns sapatos! ;))))) Mas primeiro vou ter um workshop! ;)))))

Beijos

Paulo Braccini disse...

querido amigo Rosa ... "Estará esta civilização a desvanecer-se com as suas próprias ilusões?" ... uma indagação forte ... para mim ela soa como quase que como uma afirmação ...

bjux

;-)

Adelaide Figueiredo disse...

António,

Sapatinhos lindos! Dá vontade de os apanhar :))
Quanto à temperatura antes de sair vou à janela e sinto se está frio, se está calor e visto o mais apropriado. Para mim não importa o mês em que estamos. Só me calha uma coisa quase sempre mal: é quando está sol e saio e a chuva se lembra de aparecer. Calha-me sempre uma molha. Acho que a chuva gosta de mim :)

Abraço

guntty disse...

:)

Adorei este texto.

Penso que é a própria ilusão a implodir sobre si mesma... apenas não implode junto quem tiver consciência que tem asas nas costas para poder voar...

angela disse...

Enquanto ia lendo fui pensando que essas civilizações que foram desaparecendo não conseguiram acompanhar as mudanças necessárias e ficaram estagnadas, paradas naquilo que conheciam e outras menos estruturadas puderam sentir os novos tempos e vive-los mais amplamente.
Esse tempo aqui é bem comum e a ente saiu vestido num estilo que chamo de cebola, vai tirando e pondo as camadas conforme a temperatura.
beijos

António Rosa disse...

Mitti

Não é em Portugal e no Brasil. É em todo o mundo, por isso, dizer-se que é o planeta Terra que está a mudar. A nossa consciência passa por aí, mas tem que começar nas coisas pessoais, como os condicionalismos das nossas mentes.

Beijos

António Rosa disse...

Reyel,

Será sempre incerto, excepto nos picos do Inverno e do Verão.

Beijos.

António Rosa disse...

Julimar

Muito grato pela presença.

António Rosa disse...

Hazel,

Os sapatos ficam sempre bem nos posts. Dão 'andamento' à coisa. E isso que sou um desligado quanto a sapatos. Ando de sandálias 6 ou 7 meses por ano. Não ando mais, porque ter os pés frios não é razoável na minha idade. Cresci em Moçambique, a maior parte dos dias descalço e na rua.

Beijo

António Rosa disse...

Hugo

Ainda não, mas acredito que se todos fizermos uma chamada de atenção à nossa volta, as mentalidades irão mudando.

António Rosa disse...

Jota,

Muito agradecido pela Presença. És muito querido aqui.

Um abraço, também assim«««

António Rosa disse...

Maria Paula

Já reparaste que continuas a falar em 4 estações? E se daqui a uns anos se reduzir a 2? Com um curto período de transição entre cada estação.

Toda a gente está a gostar dos sapatos. :))))) Não sabia que colocar e vi centenas de ilustrações, mas nenhuma se adequava.

António Rosa disse...

Paulo,

É isso. Só não fiz uma afirmação, porque gosto de indagar, por não ter muitas certezas.

beijo

António Rosa disse...

Adelaide,

Também gostou dos sapatinhos. Isto hoje foi geral. :))) A chuva também gosta de mim. =)
Abraço

António Rosa disse...

Guntty,

Essa imagem é óptima - 'a própria ilusão a implodir sobre si mesma...?

grato. Abraço.

António Rosa disse...

Angela

As civilizações desvanecem-se por isso mesmo. Beijo

Astrid Annabelle disse...

António! Bom dia!
Talvez o aprendizado aqui seja lidar com o inesperado...
Adorei este seu texto que me fez sentir que estamos expostos, enquanto vivos, às infinitas possibilidades!
Um beijo grande e feliz.
Astrid Annabelle

P.S.
Duas coisas...
adorei os sapatos!
Escrevi um email para você na semana passada...acho que não recebeu...vou reenviá-lo.

António Rosa disse...

Olá Astrid,

Fico à espera do email. Pode ter chegado e eu não me apercebido, pois só ontem é que completei a transferência do Outlook para o Gmail.

Beijo

Maria Paula Ribeiro disse...

"Já reparaste que continuas a falar em 4 estações"... upssssssss fui apanhada ;)))) vou ter que desfragmentar melhor anda a minha mente, lol ;)

António Rosa disse...

Paula,
Também eu tenho muito que desfragmentar o meu disco rígido. Beijos.

IdoMind disse...

António

Por acaso uma amiga bancária estava a comentar comigo na segunda feira, que "parecia mal" mas que ela continuava a levar sapatos abertos para o banco e que os colegas olhavam meio de lado porque afinal É OUTONO.
Quando li o teu post fartei-me de rir.

Andamos todos como o tempo: desorientados!
E fazemos o que fazemos sempre que ficamos desorientados: fingimos que não está a acontecer.

Confesso que não levei a minha reflexão tão longe, antevendo o fim de uma civilização, fiquei-me pelo automatismo comportamental mas a tua conclusão é no mínimo visionária.

Pelo não desaparecimento dos lusitanos - viva a manga curta e o sapatinho aberto!

Beijos surpreendente António

António Rosa disse...

IdoMind

Muito obrigado por isso do 'visionário'. :)))))))

Esta tarde vou estar ausente do computador pois vou para perto de ti, a trabalhar no Cristal de Cura.

Beijos

Maria de Fátima disse...

Olá António, pois eu ando vestida de acordo com o clima e não com a estação do ano.Ainda hoje vesti uma t-shirt de manga curta e calcei uns sapatos de Verão, lol.Beijocas grandes.

Siala ap Maeve disse...

Antonio, engraçado (como se acreditasse em coincidências lol)como tenho observado exactamente isso, na rua e no meu trabalho. Hoje venho vestida de cor de laranja, alças largas, sapatos abertos, e sinto-me muito bem, mas á minha volta estão todos de cores escuras e abafados...a adaptação é uma condição vital para a sobrevivência quer das civilizações, quer das espécies. E não se trata só de nso adaptar-mos ás alterações climatéricas...como reagimos em relação ás alterações nas nossas vidas? Fazemos os ajustes necessários ou ficamos presos ao paradigma a que estávamos habituados? Quando algo não está a correr como queremos, temos a coragem de desfazer tudo e voltar ao inicio, fazendo um reset e um novo começo de outra forma, ou ficamos a marrar contra a parede sem ver que na esquina há outro caminho?
Tenho pensado muito nisso. Nissou e em outras coisas. Mas ainda não consigo escrever...não consigo agarrar as palavras. Observando a natureza, a natureza da qual tanto nos afastámos, podemos aprender grandes lições.
Há realmente algo que está a acontecer António...mas eu já aprendi a calar-me, antes que me internem como louca.
Beijos de luz

Rui António Santos disse...

Olá António, é sempre bom ler os seus artigos.

Ando de polo de manga curta e blusão para o fim do dia mas nem o tenho usado, aproveito para ir á praia e há dias tomei um banho de mar demorado que me soube muito bem , ler junto ao mar tambem é muito bom. Há dias em que sonho um pouco com dias mais frios mas o tempo já não é o que era e temos que aceitar as coisas como são.



Abraço

Maria José disse...

Tem um selinho de presente para você em meu blog. Passe lá! É dado com muito carinho e respeito ao seu espaço. Abraços.

marcelo dalla disse...

Querido, colocaste em cheque a capacidade de nos adaptarmos às mudanças, de seguirmos junto com a corrente da vida que se transofrma a cada momento.
E esta é umas das causas do sofrimento: a resistência a essas mudanças.

Pros signos de ar é mais fácil, imagino como dava ser difícil para os Taurinos, por exemplo...

Outro ponto importante: vejo que o Império americano está em decadência, assim como foi com o Imperio Romano. A história se repete. Mas como numa espiral ascendente!!!

abraço

António Rosa disse...

Maria de Fátima

Desculpa só responder agora, mas estive toda a tarde na Ericeira em trabalhos astrológicos.

Vivam as t-shirts de manga curta!!! Também eu ando vestido e calçado em 'modo calor'.

Beijos

António Rosa disse...

Siala

Belo testemunho o teu e viva a roupa cor de laranja.

Vou enviar-te um email com as perguntas para a entrevista do Anel do Coração, pois nas votações dos leitores, tu és a próxima.

muitos beijos

António Rosa disse...

Rui

Que bom que ainda esteja a aproveitar os dias quentes ao pé do mar. Grande abraço, amigo.

António Rosa disse...

Maria José

Muito agradecido pelo selo. Vou ao seu blogue trazê-lo. Dentro de dias farei o post de agradecimento. Abraços.

António Rosa disse...

Marcelo

Tocaste no centro da ferida: a resistência às mudanças. Por isso, o trabalho de blogues como os nossos. Sinto-me feliz por fazer parte dessa corrente e de ter a tua companhia.

Abraço

Samsara disse...

António

No Funchal, nem de manhã nem à noite faz frio ainda. Ontem estacionei o carro num shopping da baixa que já não ia há algum tempo. Venho do piso -2 do estacionamento e quando a porta do elavador abre (eu a transpirar por todos os lados e vestida com a minha roupita de verão) deparo-me com tudo enfeitado para o Natal. Tive a sensação de estar deslocada, de não pertencer ali, de estar no hemisfério sul na altura do Natal. É surreal. Cada vez o Natal vem mais cedo e aliado ao verão cada vez mais longo...este desajuste é notório.

Beijinhos

Siala ap Maeve disse...

Já sabes que o laranja é uma das minhas cores :) Sou a próxima? Ai...vamos ver como me saio!
Bjos de luz

Madame Celeste, disse...

É António... o processo de mudança climática está se materializando. Aqui no sul do Brasil, por exemplo, já estão ocorrendo fenômenos que não eram previstos antes, como ciclones e furacões. A situação está grave por aqui.
Abraços

Maria José disse...

Antonio Rosa. O nosso Planeta está mudando em tudo, saindo de "provas e expiações" e entrando em "regeneração". As pessoas estão mais altas, mas inteligentes, mais donas de seus próprios narizes. Até o clima está mudando. Não há definição das estações. Estamos sempre vulneráveis ao que pode vir a acontecer. E temos que estar preparados para lidar com o inesperado.
Quanto aos sapatos, são lindos. São a paixão da maioria das mulheres.
Beijos e parabéns pelo blog.

Maria Izabel Viégas disse...

Ó amigo, creio que o homem só irá despertar quando não houver mais tempo.Aqui no Brasil penso que uma notícia de assaltos e tiroteios dão mais audiência que alterações climáticas. Realmente parece que os que se preocupam e tomam atitudes vivem num mundo paralelo,não consigo , amigo,ver a maioria dos noticiários. E as pessoas se dividem em fanáticos religiosos ou consumistas de plantão. O mundo vai acabar, então vamos saquear a casa que foi destruída, o caminhão que derrapou numa estrada mal pavimentada.
Triste visão, querido amigo.E não vejo, pelo menos aqui, jovens tão cônscios assim...

*Pensando bem: quero sapatos iguais a estes: femininos, elegantes, morrerei bem chique
:) and :((
Beijos no seu coração.

António Rosa disse...

PatSam

Ai, o Natal! Outra época que cada vez começa mais cedo. Já deixou de me inspirar, excepto a quadra em si mesma. Há vários anos que diexei de comprar presentes natalícios. Obviamente, também não os recebo. Mesmo asim, ainda tenho peúgas por estrear, oferecidas nesse tempo.

Muitos beijos

António Rosa disse...

Siala,

Ainda não te enviei o email. Tenciono fazê-lo este fim-de-semana. As perguntas são basicamente as mesmas da última entrevista.

Beijos

António Rosa disse...

Madame Celeste

Tenho acompanhado de perto essas circunstâncias especiais no sul do Brasil. É uma das regiões do planeta que fazem o meu sonho.
Abraços.

António Rosa disse...

Maria José

Sem dúvida. O seu testemunho é impactante e importante-

Obrigado. Beijos.

António Rosa disse...

Maria Izabel

Ficaria muito chique com estes sapatos, não tenho dúvida disso. :))))))

Muitos beijos

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates