Dicionário Místico: Tradição Egípcia

9 de outubro de 2009 ·

«Isis, princesa de Sirius» (pintura de Nina Volkova)

Osiris é o antigo senhor egípcio dos mortos e juiz das almas na vida de outro plano. A divindade baseia-se numa figura histórica, o primeiro faraó que depois de morto se diz ter-se tornado governante do mundo do além.

Segundo a lenda, Set, o ciumento irmão de Osiris, assassina o faraó e corta o seu corpo em pedaços e depois espalha-os pela Terra. Diz-se que a irmã-esposa de Osiris, Isis, que vivia no nosso planeta, junta as peças e une-as com tiras de pano, tendo criado assim, a primeira múmia.

Enraivecidos com o comportamento de Set, os deuses devolvem Osiris à vida no planeta Terra e permitem-lhe que regresse aos braços da sua amada Isis. Mas Osiris, em vez disso, decide viajar para a terra dos mortos, onde pretende governar por toda a eternidade.

Como sabem, Osiris tem presença proeminente na obra 'Livro dos Mortos'. O texto contém numerosas magias, rituais e encantamentos destinados a obter o favor junto de Osiris, que se exilou no outro mundo.

Anteriores relatos afirmam que só os senhores ricos e os poderosos, homens de estado, podiam gozar do prazer eterno na Casa de Osiris. É o princípio ainda vigente em muitas zonas do globo, onde uns têm direito a tudo e outros, a nada. [Isto soou-me a conversa política. Fica assim, pois deve ser efeito das eleições autárquicas em Portugal, no próximo domingo.]

No entanto, com o decorrer dos séculos, a esperança de uma outra vida agradável estendeu-se também aos camponeses. Já não eram só os ricos e poderosos a terem essa esperança. Hoje em dia, mais de 4.000 anos depois, sabemos que a bem-aventurança (multidimensional) está ao alcance de todos.

Regressando à lenda, Osiris é ajudado na outra vida por Anubis, a divindade com cabeça de chacal que serve de guardião dos mortos. Anubis acompanha as almas que partem para o átrio de Osiris, revendo depois o registo das acções dessa pessoa. Aos estudantes de astrologia: o equivalente a Hades, mais conhecido por Plutão. No tarot, é a Torre [a confirmar pela Shin Tau].

Antes de determinar o destino da alma, Osiris pesa o coração do desencarnado, para ver quão honesta a alma fora. Ui, meter a alma nesta história! No mínimo, o coração do morto deveria ter o peso de uma pena.

Se a balança se inclinasse para o lado da virtude, o espírito encontrava o seu caminho para o paraíso. [Modernamente, diríamos 'caminhada ascencional'.] No entanto, se a balança mostrasse que o espírito era mau, seria consumido por monstros ou abandonado para morrer. Foi assim que a matrix [deixem-me escrever com 'x'] se aproveitou do medo para dominar o mundo. Imaginem só: há mais de 4.000 que andamos nisto do medo! Por isso, o trabalho tão necessário de limpar actualmente as 'memórias cármicas'. Memórias do medo ancestral.

Thoth (filho de Osiris) determinava o veredicto nos seus sagrados pergaminhos. No grande tribunal está Thoth de pé, diante da balança do julgamento dos homens, penetrando na mente, para julgar os sentimentos e propósitos de cada um.

Osiris continua a ser um dos deuses mais intrigantes do outro mundo alguma vez estudados. Com o tempo, aspectos deste dirigente egípcio misturaram-se com divindades gregas e romanas, resultando na híbrida divindade Serpis.

Surge como um deus pagão do inferno no 'Paraíso Perdido', de Milton e o seu templo é o cenário da ópera de Mozart, 'A Flauta Mágica'. Estas informações correlativas não servem para nada. Nem liguem a isto.

Agora, vamos à parte mais simpática da lenda. Os antigos egípcios tinham a mais elevada veneração por Thoth, que para eles era o Deus criador desde que trouxera para a Terra o uso da escrita hieroglífica, da alquimia, da matemática, da arquitectura, da medicina, da magia, da alquimia, enfim a base de todas as ciências que levaram os egípcios a um altíssimo nível de conhecimento.

É apresentado nos desenhos do Antigo Egipto como a figura de Íbis, um pássaro grande, integrante da fauna do Nilo. Segundo Platão foi Hermes (Thoth) o pai da geometria, revelador do uso dos números, da geometria, astronomia e as letras. Deixou mais de mil livros escritos, quase todos destruídos a quando do incêndio da Biblioteca de Alexandria.

=====

Desde o início do século XX, existem informações relevantes, no sentido de se saber, por exemplo, que Thoth, parece realmente ter existido e foi um ser extra-terrestre de Sírius, enviado a Urântia (Terra), para a nação egípcia, na forma humana, para introduzir no nosso planeta novos conceitos de evolução civilizacional. Estávamos na Era de Touro: 4.000 a.C. a 2.000 a.C.

Isto hoje saiu meio 'agitado'. É o que dá ir ao baú buscar textos antigos e actualizá-los.

Muito obrigado pela paciência.

Bom fim-de-semana.

Actualização do post

A amiga Reyel, do blogue «SPA! Só por Agora» deixou este comentário, muito oportuno, que passou para a página da frente:

«Estou lendo um livro que mencionou sobre essa balança da mitologia egípcia. Segundo livro tem relação no Tarô com a carta da Justiça que leva a balança. Depois de 42 perguntas na "Câmara dos Assessores", o coração do falecido é pesado, tendo como contra peso a pluma de Maat. Se o coração não ultrapassar o peso da pena, a alma fica livre da roda das encarnações e vai p o paraíso de Tuat, o paraíso egípcio. Se o coração ultrapassar o peso a alma tem que reencarnar novamente.

Vamos nessa! Legal isso. Nada mais justo que sermos julgados pelo peso do próprio coração!»

Muito obrigado, Reyel.


Outra actualização do post

A Shin Tau, do «Grimoire - O Livro Sobre o Caminho do Meio» deixou este comentário, muito oportuno, que passou para a página da frente:

«Pois é o Egipto corre-me nas veias! Permite-me complementar o teu post com o seguinte:

Osiris foi morto, ludribiado pelo irmão (espelho) Seth,foi separado em 14 partes. Isis conseguiu juntar essas partas que foram espalhadas pelo mundo inteiro, excepto o falo. MAs mesmo assim, antes de ir para o mundo dos mortos gerou o seu filho Hórus, completando a trindade divina.

As 14 partes podem simbolizar os 7 chakras principais, que se dividem em dois cada. Ao conseguirmos equilibrá-los avançamos no caminho espiritual e podemos ir ao mundo dos mortos.

Não sabia que Thoth era filho de Osiris. Mas sei que é a ele que dão a criação do Tarot, o livro dos Mistérios. Pessoalmente prefiro identificar a Torre com Marte, mas sendo Plutão um planeta parecido com Marte, a sua versão espelho (estarei enganada?) podemos fazer essa equivalência sim. Osíris e Seth; Marte e Plutão???

Quanto ao julgamento da balança. O coração deve pesar tanto quanto a pena. A pena para mim simboliza a razão e o coração a emoção. Este julgamento mostra-me que a vida deve ser feito no equilíbrio dos dois, nem mais, nem menos! Que te parece?»

Muito obrigado, Shin Tau

31 comentários:

Rosan disse...
9 de outubro de 2009 às 00:43  

Antonio.
os egipcios eram mesmo sábios em muitas coisas alem de seu tempo.
só mesmo uma civilização de outro orbe para explicar isso.
gostei do comparativo com os políticos, acho que é assim em todos os paises, só mudam de endeço.
bom fim de semana para ti amigo.
beijo

marcelo dalla disse...
9 de outubro de 2009 às 01:06  

Pois eu adorei essa "agitação". O texto ficou com um tom mais coloquial, bem humorado e gostoso de ler.

Ótima aula, meu querido amigo!
abraço

angela disse...
9 de outubro de 2009 às 01:22  

Antonio
Legal o texto, bastante informação.
beijos

Sonia Beth disse...
9 de outubro de 2009 às 02:25  

António, eu também gostei, desconhecia a historia.
beijinhos

adriana disse...
9 de outubro de 2009 às 09:48  

E o tom está bem humorado.
Gostei!
:)

Maria de Fátima disse...
9 de outubro de 2009 às 09:49  

Olá António, as civilizações antigas sempre me encantaram.Beijocas e bom fim de semana eleitoral, lol.

Rosita de Palma disse...
9 de outubro de 2009 às 10:07  

Bom dia antónio,

O Egipto é um país culturalmente muito rico, cheio de estorias, lendas/mitos e verdades extraordinárias.

Um kandandu!

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 10:19  

Rosan

De facto, tal como conhecemos a história da humanidade, que não é tão antiga assim, é que se percebe que certos povos contribuiram com passos gigantescos para o avanço civilizacional.

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 10:20  

Marcelo

Muito obrigado pela opinião. De facto, tenho tendência, em muitos assuntos a ser muito intenso e pouco coloquial. Ainda bem.

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 10:20  

Angela

Muito obrigado. Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 10:20  

Sonia

:)) Bom fim-de-semana. Obrigado.

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 10:20  

Adriana

Muito obrigado pela opinião.

:)

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 10:20  

Maria de Fátima

Também sou um apixonado pela antiguidade.

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 10:21  

Rosita

Bom dia. É verdade. Nunca fui ao Egipto. Bom fim-de-semana.

tereza ferraz disse...
9 de outubro de 2009 às 13:17  

Adorei!
Aprendendo, e o teu Tom!
Excelente final de semana.
beijo

Reyel disse...
9 de outubro de 2009 às 14:11  

Estou lendo um livro que mencionou sobre essa balança da mitologia egípcia. Segundo livro tem relação no Tarô com a carta da Justiça que leva a balança. Depois de 42 perguntas na "Câmara dos Assessores", o coração do falecido é pesado, tendo como contra peso a pluma de Maat. Se o coração não ultrapassar o peso da pena, a alma fica livre da roda das encarnações e vai p o paraíso de Tuat, o paraíso egípcio. Se o coração ultrapassar o peso a alma tem que reencarnar novamente.

Hehehe!!!
Vamos nessa! Legal isso. Nada mais justo que sermos julgados pelo peso do próprio coração!

muitas bênçãos!

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 14:29  

Tereza

Que bom que viu o meu Tom neste texto. Foi feito com o coração em peso pluma.

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...
9 de outubro de 2009 às 14:30  

Reyel,

Que maravilhoso testemunho esse. Lindo mesmo. Vai passar agora mesmo para a página principal.

Muito obrigado.

Bom fim-de-semana.

Reyel disse...
9 de outubro de 2009 às 15:00  

Nossa, amigo, estou até emocionada!
Muito obrigada pela atenção.
Que nossos corações sejam sempre leves, cheios de amor, pois o amor não pesa...

Bênçãos!

tereza ferraz disse...
9 de outubro de 2009 às 15:27  

Sim Grande Coração,
sentido: peso de pluma!
beijo

Shin Tau disse...
9 de outubro de 2009 às 17:22  

António,

mexeste comigo :)))) não só por causa do tarot mas por causa dessa deusa que dá nome ao post!!!

Pois é o egipto corre-me nas veias! Permite-me complementar o teu post com o seguinte:

Osiris foi morto, ludribiado pelo irmão (espelho) Seth,foi separado em 14 partes. Isis conseguiu juntar essas partas que foram espalhadas pelo mundo inteiro, excepto o falo. MAs mesmo assim, antes d eir para o mundo dos mortos gerou o seu filho Hórus, completando a trindade divina.

As 14 partes podem simbolizar os 7 chakras principais, que se dividem em dois cada. Ao conseguirmos equilibrá-los avançamos no caminho espiritual e podemos ir ao mundo dos mortos.

Não sabia que Thoth era filho de Osiris. Mas sei que é a ele que dão a criação do Tarot, o livro dos Mistérios. Pessoalmente prefiro identificar a Torre com Marte, mas sendo Plutão um planeta parecido com Marte, a sua versão espelho (estarei enganada?) podemos fazer essa equivalência sim. Osíris e Seth; Marte e Plutão???

Quanto ao julgamento da balança. O coração deve pesar tanto quanto a pena. A pena para mim simboliza a razão e o coração a emoção. Este julgamento mostra-me que a vida deve ser feito no equilíbrio dos dois, nem mais, nem menos! Que te parece?

Belo texto este!!! Como de hábito, aliás!

Beijcoas

Cris França disse...
9 de outubro de 2009 às 17:22  

adorei a aula...obrigada riquíssima

Mitti disse...
9 de outubro de 2009 às 18:04  

Nossa, eu amooooooo a cultura do egito da grecia....do japão
hehehehehe

obrigada pela belíssima aula.

Onda Encantada disse...
9 de outubro de 2009 às 22:21  

Olha, eu também ía explicar a parte de que Osiris foi divido em 14 pedaços e que Isis encontrou todas menos o falo.

Segundo aquilo que sei, foi através da sua magia que ela conseguiu conceber através do falo de Osiris, o seu filho Hórus (Deus da Cura).

Isis e Osiris são representantes do sol e da lua, eram irmãos gemeos e casaram ainda no ventre materno.

Gosto muito da historia do Egipto, e tal como diz a Shin-Tau, também a mim me corre no sangue :)

António... há um pouco mais aqui

Principios Hérmeticos

Beijo

Onda Encantada

Rui António Santos disse...
9 de outubro de 2009 às 22:37  

Antóni só agora tive oportunidade de ler atentamento este seu post, tenho andado ultimamente muito aterefado.

o Egipto sempre foi uma civilização que me interessou conhecer, achei muito boa essa sua referência á Matrix e ao medo da humanidade onde só alguns é que tinham direito a gozar do prazer eterno na casa de osiris.

O deus Thoth e a sua rica historia sempre me fascinou. A sua intensidade neste tipo de escrita é simplesmente o máximo.

Bom fim de semana Abraço Grande

Maria Paula Ribeiro disse...
9 de outubro de 2009 às 23:28  

António,

Bravo, clap, clap, clap...

Vou utilizar uma frase da Shin: "Pois é o egipto corre-me nas veias"...

E hoje fizeste-me viajar de novo por França. Quando tinha 11 anos, na escola, estudamos de ponta a ponta o Egipto. Posso afirmar que foi o ano que mais vontade tive de estudar (mais do que o meu habitual)... Arrebentei a escala na turma tal era o entusiasmo. E ganhei uma viagem ao Museu do Louvre, para visitar toda a Galeria do Egipto... Imagina o fulgor que tive quando entrei numa fachada de um templo, poder olhar para o trajecto da "passagem" dos mortos com Osiris, Anubis... e ver um múmia de verdade...
Inesquecível... Até hoje fervilha todo o Egipto... e hei-de pisar um dia o chão dele! :-)

Bem haja por este "enorme" e precioso bocadinho!!!! Kiss kiss

joana disse...
10 de outubro de 2009 às 02:49  

Olá António,

A maior experiência de 'Torre' a ruir que tive foi com a oposição de Plutão a Saturno. Por isso também associo a Torre a Plutão. Mas já vi pelo menos 3 baralhos com iconografia Egípcia que têm os símbolos astrológicos desenhados nas cartas e há muitas discrepâncias. Aqui por exemplo - http://www.tarotdoor.com/Livro/Arcanos/Texto/L16.html#top - tem se não me engano Virgem e Mercúrio (e o Papa/Hierofante neste baralho é Anubis se não me engano). Aqui na mesma Torre - http://www.tarotegipcio.com.ar/torre.htm - tem Marte, Saturno e Júpiter.
E há um material canalizado nos anos 80 por 3 pessoas de uma entidade grupal que dava por nome RA (o tal deus do Sol que também esteve no Egipto ;)que aconselha a não tentar fazer correspondências directas entre Astrologia e Tarot.´
Eu penso que é porque Tarot e Astrologia estão-nos a falar-nos de coisas muito diferentes. O Tarot é sobre a 'viagem', o caminho, é sobre as fases de aprendizagem passo a passo. E a astrologia é mais sobre o 'composto', vejo a astrologia como um mapa sobre o vazio do ser, o que lhe falta para a plenitude. A astrologia é o mapa que assinala os nossos pedaços de alma que andam perdidos por aí, mas o Tarot é sobre o seu processo de recuperação. Daí Rá por exemplo chamar à Torre apenas 'pontenciador do espírito'. (pode-se ver aqui http://www.lawofone.info/results.php?category=Tarot) E qual a energia astrológica que a cada um de nós vai potencializar o espírito ? Se calhar depende...
Não sei se me consegui explicar bem... mas também não sei de isto faz algum sentido. É apenas a percepção que tenho.

Beijinho grande
Estou em contagem decrescente para a viagem :)))

Anónimo disse...
10 de outubro de 2009 às 13:55  

Ísis, Osíris e companhia...

Sempre me interessei pelo Egipto.

Andamos a limpar as memórias cármica, não é? Mas se não acredito em carma... não acredito, mas que o há, há.Parece. Quer dizer, há uma programação que é preciso desprogramar. Quer dizer:... não consigo exprimir o que quero dizer, sorry:)

Um beijinho servido numa tacinha de ternura, Maestro.

HAZEL disse...
10 de outubro de 2009 às 20:35  

A Casa Claridade está em festa!
Venho convidá-lo para celebrar (há lá muitas músicas do seu tempo!).

Abraços!

joana disse...
12 de outubro de 2009 às 21:49  

...e peço desculpa pelo tom
a verdade é que escrevi aquilo um pouco irritada mesmo

Tina disse...
16 de outubro de 2009 às 21:53  

Amigo Antônio,vc pode não acreditar,mas tive um contato com um amigo estelar [Sírius]e ele me mostrou muitas figuras parecidas com as que conhecemos do Egito.Ele telepaticamente disse que usam mais simbolos do que palavras...
Isso pq aprendi que Selamat Jarin,significa em idioma de Sírius: Estejam em Alegria!Queria mostrar para ele que era"atualizada"kkkkkkk...Por isso que ele me mostrou as figuras...
Pena que não me lembro de nenhuma,só lembro que ele era enorme,alto,muito bonito e de poucas palavras!!
bjos,selamat Ja!

9 de outubro de 2009

Dicionário Místico: Tradição Egípcia

«Isis, princesa de Sirius» (pintura de Nina Volkova)

Osiris é o antigo senhor egípcio dos mortos e juiz das almas na vida de outro plano. A divindade baseia-se numa figura histórica, o primeiro faraó que depois de morto se diz ter-se tornado governante do mundo do além.

Segundo a lenda, Set, o ciumento irmão de Osiris, assassina o faraó e corta o seu corpo em pedaços e depois espalha-os pela Terra. Diz-se que a irmã-esposa de Osiris, Isis, que vivia no nosso planeta, junta as peças e une-as com tiras de pano, tendo criado assim, a primeira múmia.

Enraivecidos com o comportamento de Set, os deuses devolvem Osiris à vida no planeta Terra e permitem-lhe que regresse aos braços da sua amada Isis. Mas Osiris, em vez disso, decide viajar para a terra dos mortos, onde pretende governar por toda a eternidade.

Como sabem, Osiris tem presença proeminente na obra 'Livro dos Mortos'. O texto contém numerosas magias, rituais e encantamentos destinados a obter o favor junto de Osiris, que se exilou no outro mundo.

Anteriores relatos afirmam que só os senhores ricos e os poderosos, homens de estado, podiam gozar do prazer eterno na Casa de Osiris. É o princípio ainda vigente em muitas zonas do globo, onde uns têm direito a tudo e outros, a nada. [Isto soou-me a conversa política. Fica assim, pois deve ser efeito das eleições autárquicas em Portugal, no próximo domingo.]

No entanto, com o decorrer dos séculos, a esperança de uma outra vida agradável estendeu-se também aos camponeses. Já não eram só os ricos e poderosos a terem essa esperança. Hoje em dia, mais de 4.000 anos depois, sabemos que a bem-aventurança (multidimensional) está ao alcance de todos.

Regressando à lenda, Osiris é ajudado na outra vida por Anubis, a divindade com cabeça de chacal que serve de guardião dos mortos. Anubis acompanha as almas que partem para o átrio de Osiris, revendo depois o registo das acções dessa pessoa. Aos estudantes de astrologia: o equivalente a Hades, mais conhecido por Plutão. No tarot, é a Torre [a confirmar pela Shin Tau].

Antes de determinar o destino da alma, Osiris pesa o coração do desencarnado, para ver quão honesta a alma fora. Ui, meter a alma nesta história! No mínimo, o coração do morto deveria ter o peso de uma pena.

Se a balança se inclinasse para o lado da virtude, o espírito encontrava o seu caminho para o paraíso. [Modernamente, diríamos 'caminhada ascencional'.] No entanto, se a balança mostrasse que o espírito era mau, seria consumido por monstros ou abandonado para morrer. Foi assim que a matrix [deixem-me escrever com 'x'] se aproveitou do medo para dominar o mundo. Imaginem só: há mais de 4.000 que andamos nisto do medo! Por isso, o trabalho tão necessário de limpar actualmente as 'memórias cármicas'. Memórias do medo ancestral.

Thoth (filho de Osiris) determinava o veredicto nos seus sagrados pergaminhos. No grande tribunal está Thoth de pé, diante da balança do julgamento dos homens, penetrando na mente, para julgar os sentimentos e propósitos de cada um.

Osiris continua a ser um dos deuses mais intrigantes do outro mundo alguma vez estudados. Com o tempo, aspectos deste dirigente egípcio misturaram-se com divindades gregas e romanas, resultando na híbrida divindade Serpis.

Surge como um deus pagão do inferno no 'Paraíso Perdido', de Milton e o seu templo é o cenário da ópera de Mozart, 'A Flauta Mágica'. Estas informações correlativas não servem para nada. Nem liguem a isto.

Agora, vamos à parte mais simpática da lenda. Os antigos egípcios tinham a mais elevada veneração por Thoth, que para eles era o Deus criador desde que trouxera para a Terra o uso da escrita hieroglífica, da alquimia, da matemática, da arquitectura, da medicina, da magia, da alquimia, enfim a base de todas as ciências que levaram os egípcios a um altíssimo nível de conhecimento.

É apresentado nos desenhos do Antigo Egipto como a figura de Íbis, um pássaro grande, integrante da fauna do Nilo. Segundo Platão foi Hermes (Thoth) o pai da geometria, revelador do uso dos números, da geometria, astronomia e as letras. Deixou mais de mil livros escritos, quase todos destruídos a quando do incêndio da Biblioteca de Alexandria.

=====

Desde o início do século XX, existem informações relevantes, no sentido de se saber, por exemplo, que Thoth, parece realmente ter existido e foi um ser extra-terrestre de Sírius, enviado a Urântia (Terra), para a nação egípcia, na forma humana, para introduzir no nosso planeta novos conceitos de evolução civilizacional. Estávamos na Era de Touro: 4.000 a.C. a 2.000 a.C.

Isto hoje saiu meio 'agitado'. É o que dá ir ao baú buscar textos antigos e actualizá-los.

Muito obrigado pela paciência.

Bom fim-de-semana.

Actualização do post

A amiga Reyel, do blogue «SPA! Só por Agora» deixou este comentário, muito oportuno, que passou para a página da frente:

«Estou lendo um livro que mencionou sobre essa balança da mitologia egípcia. Segundo livro tem relação no Tarô com a carta da Justiça que leva a balança. Depois de 42 perguntas na "Câmara dos Assessores", o coração do falecido é pesado, tendo como contra peso a pluma de Maat. Se o coração não ultrapassar o peso da pena, a alma fica livre da roda das encarnações e vai p o paraíso de Tuat, o paraíso egípcio. Se o coração ultrapassar o peso a alma tem que reencarnar novamente.

Vamos nessa! Legal isso. Nada mais justo que sermos julgados pelo peso do próprio coração!»

Muito obrigado, Reyel.


Outra actualização do post

A Shin Tau, do «Grimoire - O Livro Sobre o Caminho do Meio» deixou este comentário, muito oportuno, que passou para a página da frente:

«Pois é o Egipto corre-me nas veias! Permite-me complementar o teu post com o seguinte:

Osiris foi morto, ludribiado pelo irmão (espelho) Seth,foi separado em 14 partes. Isis conseguiu juntar essas partas que foram espalhadas pelo mundo inteiro, excepto o falo. MAs mesmo assim, antes de ir para o mundo dos mortos gerou o seu filho Hórus, completando a trindade divina.

As 14 partes podem simbolizar os 7 chakras principais, que se dividem em dois cada. Ao conseguirmos equilibrá-los avançamos no caminho espiritual e podemos ir ao mundo dos mortos.

Não sabia que Thoth era filho de Osiris. Mas sei que é a ele que dão a criação do Tarot, o livro dos Mistérios. Pessoalmente prefiro identificar a Torre com Marte, mas sendo Plutão um planeta parecido com Marte, a sua versão espelho (estarei enganada?) podemos fazer essa equivalência sim. Osíris e Seth; Marte e Plutão???

Quanto ao julgamento da balança. O coração deve pesar tanto quanto a pena. A pena para mim simboliza a razão e o coração a emoção. Este julgamento mostra-me que a vida deve ser feito no equilíbrio dos dois, nem mais, nem menos! Que te parece?»

Muito obrigado, Shin Tau

31 comentários:

Rosan disse...

Antonio.
os egipcios eram mesmo sábios em muitas coisas alem de seu tempo.
só mesmo uma civilização de outro orbe para explicar isso.
gostei do comparativo com os políticos, acho que é assim em todos os paises, só mudam de endeço.
bom fim de semana para ti amigo.
beijo

marcelo dalla disse...

Pois eu adorei essa "agitação". O texto ficou com um tom mais coloquial, bem humorado e gostoso de ler.

Ótima aula, meu querido amigo!
abraço

angela disse...

Antonio
Legal o texto, bastante informação.
beijos

Sonia Beth disse...

António, eu também gostei, desconhecia a historia.
beijinhos

adriana disse...

E o tom está bem humorado.
Gostei!
:)

Maria de Fátima disse...

Olá António, as civilizações antigas sempre me encantaram.Beijocas e bom fim de semana eleitoral, lol.

Rosita de Palma disse...

Bom dia antónio,

O Egipto é um país culturalmente muito rico, cheio de estorias, lendas/mitos e verdades extraordinárias.

Um kandandu!

António Rosa disse...

Rosan

De facto, tal como conhecemos a história da humanidade, que não é tão antiga assim, é que se percebe que certos povos contribuiram com passos gigantescos para o avanço civilizacional.

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...

Marcelo

Muito obrigado pela opinião. De facto, tenho tendência, em muitos assuntos a ser muito intenso e pouco coloquial. Ainda bem.

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...

Angela

Muito obrigado. Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...

Sonia

:)) Bom fim-de-semana. Obrigado.

António Rosa disse...

Adriana

Muito obrigado pela opinião.

:)

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...

Maria de Fátima

Também sou um apixonado pela antiguidade.

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...

Rosita

Bom dia. É verdade. Nunca fui ao Egipto. Bom fim-de-semana.

tereza ferraz disse...

Adorei!
Aprendendo, e o teu Tom!
Excelente final de semana.
beijo

Reyel disse...

Estou lendo um livro que mencionou sobre essa balança da mitologia egípcia. Segundo livro tem relação no Tarô com a carta da Justiça que leva a balança. Depois de 42 perguntas na "Câmara dos Assessores", o coração do falecido é pesado, tendo como contra peso a pluma de Maat. Se o coração não ultrapassar o peso da pena, a alma fica livre da roda das encarnações e vai p o paraíso de Tuat, o paraíso egípcio. Se o coração ultrapassar o peso a alma tem que reencarnar novamente.

Hehehe!!!
Vamos nessa! Legal isso. Nada mais justo que sermos julgados pelo peso do próprio coração!

muitas bênçãos!

António Rosa disse...

Tereza

Que bom que viu o meu Tom neste texto. Foi feito com o coração em peso pluma.

Bom fim-de-semana.

António Rosa disse...

Reyel,

Que maravilhoso testemunho esse. Lindo mesmo. Vai passar agora mesmo para a página principal.

Muito obrigado.

Bom fim-de-semana.

Reyel disse...

Nossa, amigo, estou até emocionada!
Muito obrigada pela atenção.
Que nossos corações sejam sempre leves, cheios de amor, pois o amor não pesa...

Bênçãos!

tereza ferraz disse...

Sim Grande Coração,
sentido: peso de pluma!
beijo

Shin Tau disse...

António,

mexeste comigo :)))) não só por causa do tarot mas por causa dessa deusa que dá nome ao post!!!

Pois é o egipto corre-me nas veias! Permite-me complementar o teu post com o seguinte:

Osiris foi morto, ludribiado pelo irmão (espelho) Seth,foi separado em 14 partes. Isis conseguiu juntar essas partas que foram espalhadas pelo mundo inteiro, excepto o falo. MAs mesmo assim, antes d eir para o mundo dos mortos gerou o seu filho Hórus, completando a trindade divina.

As 14 partes podem simbolizar os 7 chakras principais, que se dividem em dois cada. Ao conseguirmos equilibrá-los avançamos no caminho espiritual e podemos ir ao mundo dos mortos.

Não sabia que Thoth era filho de Osiris. Mas sei que é a ele que dão a criação do Tarot, o livro dos Mistérios. Pessoalmente prefiro identificar a Torre com Marte, mas sendo Plutão um planeta parecido com Marte, a sua versão espelho (estarei enganada?) podemos fazer essa equivalência sim. Osíris e Seth; Marte e Plutão???

Quanto ao julgamento da balança. O coração deve pesar tanto quanto a pena. A pena para mim simboliza a razão e o coração a emoção. Este julgamento mostra-me que a vida deve ser feito no equilíbrio dos dois, nem mais, nem menos! Que te parece?

Belo texto este!!! Como de hábito, aliás!

Beijcoas

Cris França disse...

adorei a aula...obrigada riquíssima

Mitti disse...

Nossa, eu amooooooo a cultura do egito da grecia....do japão
hehehehehe

obrigada pela belíssima aula.

Onda Encantada disse...

Olha, eu também ía explicar a parte de que Osiris foi divido em 14 pedaços e que Isis encontrou todas menos o falo.

Segundo aquilo que sei, foi através da sua magia que ela conseguiu conceber através do falo de Osiris, o seu filho Hórus (Deus da Cura).

Isis e Osiris são representantes do sol e da lua, eram irmãos gemeos e casaram ainda no ventre materno.

Gosto muito da historia do Egipto, e tal como diz a Shin-Tau, também a mim me corre no sangue :)

António... há um pouco mais aqui

Principios Hérmeticos

Beijo

Onda Encantada

Rui António Santos disse...

Antóni só agora tive oportunidade de ler atentamento este seu post, tenho andado ultimamente muito aterefado.

o Egipto sempre foi uma civilização que me interessou conhecer, achei muito boa essa sua referência á Matrix e ao medo da humanidade onde só alguns é que tinham direito a gozar do prazer eterno na casa de osiris.

O deus Thoth e a sua rica historia sempre me fascinou. A sua intensidade neste tipo de escrita é simplesmente o máximo.

Bom fim de semana Abraço Grande

Maria Paula Ribeiro disse...

António,

Bravo, clap, clap, clap...

Vou utilizar uma frase da Shin: "Pois é o egipto corre-me nas veias"...

E hoje fizeste-me viajar de novo por França. Quando tinha 11 anos, na escola, estudamos de ponta a ponta o Egipto. Posso afirmar que foi o ano que mais vontade tive de estudar (mais do que o meu habitual)... Arrebentei a escala na turma tal era o entusiasmo. E ganhei uma viagem ao Museu do Louvre, para visitar toda a Galeria do Egipto... Imagina o fulgor que tive quando entrei numa fachada de um templo, poder olhar para o trajecto da "passagem" dos mortos com Osiris, Anubis... e ver um múmia de verdade...
Inesquecível... Até hoje fervilha todo o Egipto... e hei-de pisar um dia o chão dele! :-)

Bem haja por este "enorme" e precioso bocadinho!!!! Kiss kiss

joana disse...

Olá António,

A maior experiência de 'Torre' a ruir que tive foi com a oposição de Plutão a Saturno. Por isso também associo a Torre a Plutão. Mas já vi pelo menos 3 baralhos com iconografia Egípcia que têm os símbolos astrológicos desenhados nas cartas e há muitas discrepâncias. Aqui por exemplo - http://www.tarotdoor.com/Livro/Arcanos/Texto/L16.html#top - tem se não me engano Virgem e Mercúrio (e o Papa/Hierofante neste baralho é Anubis se não me engano). Aqui na mesma Torre - http://www.tarotegipcio.com.ar/torre.htm - tem Marte, Saturno e Júpiter.
E há um material canalizado nos anos 80 por 3 pessoas de uma entidade grupal que dava por nome RA (o tal deus do Sol que também esteve no Egipto ;)que aconselha a não tentar fazer correspondências directas entre Astrologia e Tarot.´
Eu penso que é porque Tarot e Astrologia estão-nos a falar-nos de coisas muito diferentes. O Tarot é sobre a 'viagem', o caminho, é sobre as fases de aprendizagem passo a passo. E a astrologia é mais sobre o 'composto', vejo a astrologia como um mapa sobre o vazio do ser, o que lhe falta para a plenitude. A astrologia é o mapa que assinala os nossos pedaços de alma que andam perdidos por aí, mas o Tarot é sobre o seu processo de recuperação. Daí Rá por exemplo chamar à Torre apenas 'pontenciador do espírito'. (pode-se ver aqui http://www.lawofone.info/results.php?category=Tarot) E qual a energia astrológica que a cada um de nós vai potencializar o espírito ? Se calhar depende...
Não sei se me consegui explicar bem... mas também não sei de isto faz algum sentido. É apenas a percepção que tenho.

Beijinho grande
Estou em contagem decrescente para a viagem :)))

Anónimo disse...

Ísis, Osíris e companhia...

Sempre me interessei pelo Egipto.

Andamos a limpar as memórias cármica, não é? Mas se não acredito em carma... não acredito, mas que o há, há.Parece. Quer dizer, há uma programação que é preciso desprogramar. Quer dizer:... não consigo exprimir o que quero dizer, sorry:)

Um beijinho servido numa tacinha de ternura, Maestro.

HAZEL disse...

A Casa Claridade está em festa!
Venho convidá-lo para celebrar (há lá muitas músicas do seu tempo!).

Abraços!

joana disse...

...e peço desculpa pelo tom
a verdade é que escrevi aquilo um pouco irritada mesmo

Tina disse...

Amigo Antônio,vc pode não acreditar,mas tive um contato com um amigo estelar [Sírius]e ele me mostrou muitas figuras parecidas com as que conhecemos do Egito.Ele telepaticamente disse que usam mais simbolos do que palavras...
Isso pq aprendi que Selamat Jarin,significa em idioma de Sírius: Estejam em Alegria!Queria mostrar para ele que era"atualizada"kkkkkkk...Por isso que ele me mostrou as figuras...
Pena que não me lembro de nenhuma,só lembro que ele era enorme,alto,muito bonito e de poucas palavras!!
bjos,selamat Ja!

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates