Portugal Iniciático - Centro Histórico e Castelo de Guimarães

10 de junho de 2011 ·


Dedicado à minha amiga Astrid Annabelle,
em viagem iniciática por Portugal

Como muitos sabem, há um país chamado Portugal que os nossos olhos de terceira dimensão podem ver e apreciar. Há determinados espaços, edificados ou não, que correspondem a um Portugal iniciático, muito pouco visível aos nossos olhos tridimensionais. Um dos exemplos é este Centro Histórico de Guimarães. Foi aqui que tudo começou. Esta zona foi classificada pela UNESCO como «Património Cultural da Humanidade».


Guimarães é muitas vezes designada como "Cidade Berço", devido ao facto aí ter sido estabelecido o centro administrativo do Condado Portucalense por D. Henrique e por seu filho D. Afonso Henriques poder ter nascido nesta cidade e fundamentalmente pela importância histórica que a Batalha de São Mamede, travada na periferia da cidade em 24 de Junho de 1128, teve para a formação da nacionalidade.

Os "Vimaranenses" são orgulhosamente tratados por "Conquistadores", fruto dessa herança histórica de conquista iniciada precisamente em Guimarães.

A cidade está historicamente associada à fundação da nacionalidade e identidade Portuguesa. Guimarães, entre outras povoações, antecede e prepara a fundação de Portugal, sendo conhecida como "O Berço da Nação Portuguesa". Aqui tiveram lugar em 1128 alguns dos principais acontecimentos políticos e militares, que levariam à independência e ao nascimento de uma nova Nação. Por esta razão, está inscrito numa das torres da antiga muralha da cidade "Aqui nasceu Portugal", referência histórica e cultural de residentes e visitantes nacionais.



Após a acção política de reconquista organizada pelo Reino da Galiza, com a intervenção do fidalgo Vimara Peres ainda no remoto século IX, a fundação medieval da actual cidade tem as suas raízes no remoto século X. Foi nesta altura que a Condessa Mumadona Dias, viúva de Hermenegildo Mendes, mandou construir, na sua propriedade de Vimaranes, um mosteiro dúplice, que se tornou num pólo de atracção e deu origem à fixação de um grupo populacional conhecido como vila baixa. Paralelamente e para defesa do aglomerado, mandou construir um castelo a pouca distância, na colina, criando assim um segundo ponto de fixação na vila alta. A ligar os dois núcleos formou-se a Rua de Santa Maria.

Posteriormente o Mosteiro transformou-se em Real Colegiada e adquiriu grande importância devido aos privilégios e doações que reis e nobres lhe foram concedendo. Tornou-se num afamado Santuário de Peregrinação, e de todo o lado acorriam crentes com preces e promessas.

A outorgação, pelo Conde D. Henrique, do primeiro foral nacional (considerado por alguns historiadores anterior ao de Constantim de Panóias), em data desconhecida, mas possivelmente em 1096, atesta a importância crescente da então vila de Guimarães, escolhida anda como capital do então Condado Portucalense. Aqui se daria, a 24 de Junho de 1128, a Batalha de São Mamede.

Fonte do texto: Wikipédia.



A Guimarães actual soube conciliar, da melhor forma, a história e consequente manutenção do património com o dinamismo e empreendedorismo que caracterizam as cidades modernas, que se manifestou na nomeação para «Capital Europeia da Cultura» em 2012, factores que levaram Guimarães a ser eleita pelo «New York Times» como um dos 41 locais a visitar em 2011 e a considerá-la um dos emergentes pontos culturais da Península Ibérica.




Estas ilustrações foram enviadas pela minha querida amiga e conterrânea,

Muito obrigado, G.

Localização de Guimarães no mapa de Portugal

.

9 comentários:

Astrid Annabelle disse...
10 de junho de 2011 às 14:19  

Quanta história interessante António querido!
Sinto-me honrada com esta série de posts. Estarei relendo tudo com carinho e saudade ao regressar ao Brasil e mostrando para os meus filhos e netos com toda a certeza.
Eu ando encantada com Portugal! Com toda a certeza se confirma o que andamos conversando.
Um beijo bem grande e muito agradecido.
Astrid Annabelle

António Rosa disse...
10 de junho de 2011 às 14:27  

Querida Astrid,

Para poder pesquisar com rapidez, no futuro, criei para esta série a «tag»: «Dedicado à Astrid», que pode encontrar rapidamente, indo na barra direita à secção «Procure os artigos por temas».

Simples, não é?

Bom fim-de-semana.

Beijos.

Filomena Nunes disse...
10 de junho de 2011 às 15:43  

Que belo alimento para a minha "secção mental" de História... adoro história e adoro as histórias da história!! Quanto mais esotéricas, melhor!!

Beijinhos aos dois e um alegre fim de-semana. <3<3

Filomena

Élys disse...
10 de junho de 2011 às 18:59  

Muito boa a história e as imagens que nos mostram a beleza e a riqueza de sua história. Para Astrid o nosso abraço.
Antonio abraços.

ManDrag disse...
10 de junho de 2011 às 20:17  

António amigo!

Como se não bastasse tudo o resto, tenho estado com uma forte crise de espondilose, que me inibe a concentração e o ânimo, pelo que estou mais ausente que o habitual, das lides internéticas. O meu pedido de desculpas a todos!

Espero melhorar logo para poder vir ler com a atenção devido esta série muito interessante de publicações sobre o Portugal iniciático.

Um grande abraço

Lucília Ramos disse...
11 de junho de 2011 às 20:46  

Se puderes dá este recado à Astri,por favor, António.

Eu gostaria muito de lhe mostrar a cidade berço de Portugal, mas era se houvesse uma cunhazita para a Paula ficar mais um dia na sua visita aqui aos meus lados.
Vou ter de a apalavrar. :)

Astrid Annabelle disse...
11 de junho de 2011 às 23:08  

Olá Lucy!
Recado recebido. Vamos conversar,OK?
Estou adorando o que tenho visto em Portugal.
Um beijo e até muito breve.
Um beijo António e agradecido por enviar o recado!
Astrid Annabelle

MARCELO DALLA disse...
14 de junho de 2011 às 04:24  

Esta série de posts dedicados à Astrid está o máximo!!! Muito bom conhecer um pouco mais da história dos meus antepassados!!! ;)

audrey lefour disse...
23 de maio de 2017 às 16:16  

Thanks to your site I have just learned several things. Continue!

voyance gratuite

10 de junho de 2011

Portugal Iniciático - Centro Histórico e Castelo de Guimarães


Dedicado à minha amiga Astrid Annabelle,
em viagem iniciática por Portugal

Como muitos sabem, há um país chamado Portugal que os nossos olhos de terceira dimensão podem ver e apreciar. Há determinados espaços, edificados ou não, que correspondem a um Portugal iniciático, muito pouco visível aos nossos olhos tridimensionais. Um dos exemplos é este Centro Histórico de Guimarães. Foi aqui que tudo começou. Esta zona foi classificada pela UNESCO como «Património Cultural da Humanidade».


Guimarães é muitas vezes designada como "Cidade Berço", devido ao facto aí ter sido estabelecido o centro administrativo do Condado Portucalense por D. Henrique e por seu filho D. Afonso Henriques poder ter nascido nesta cidade e fundamentalmente pela importância histórica que a Batalha de São Mamede, travada na periferia da cidade em 24 de Junho de 1128, teve para a formação da nacionalidade.

Os "Vimaranenses" são orgulhosamente tratados por "Conquistadores", fruto dessa herança histórica de conquista iniciada precisamente em Guimarães.

A cidade está historicamente associada à fundação da nacionalidade e identidade Portuguesa. Guimarães, entre outras povoações, antecede e prepara a fundação de Portugal, sendo conhecida como "O Berço da Nação Portuguesa". Aqui tiveram lugar em 1128 alguns dos principais acontecimentos políticos e militares, que levariam à independência e ao nascimento de uma nova Nação. Por esta razão, está inscrito numa das torres da antiga muralha da cidade "Aqui nasceu Portugal", referência histórica e cultural de residentes e visitantes nacionais.



Após a acção política de reconquista organizada pelo Reino da Galiza, com a intervenção do fidalgo Vimara Peres ainda no remoto século IX, a fundação medieval da actual cidade tem as suas raízes no remoto século X. Foi nesta altura que a Condessa Mumadona Dias, viúva de Hermenegildo Mendes, mandou construir, na sua propriedade de Vimaranes, um mosteiro dúplice, que se tornou num pólo de atracção e deu origem à fixação de um grupo populacional conhecido como vila baixa. Paralelamente e para defesa do aglomerado, mandou construir um castelo a pouca distância, na colina, criando assim um segundo ponto de fixação na vila alta. A ligar os dois núcleos formou-se a Rua de Santa Maria.

Posteriormente o Mosteiro transformou-se em Real Colegiada e adquiriu grande importância devido aos privilégios e doações que reis e nobres lhe foram concedendo. Tornou-se num afamado Santuário de Peregrinação, e de todo o lado acorriam crentes com preces e promessas.

A outorgação, pelo Conde D. Henrique, do primeiro foral nacional (considerado por alguns historiadores anterior ao de Constantim de Panóias), em data desconhecida, mas possivelmente em 1096, atesta a importância crescente da então vila de Guimarães, escolhida anda como capital do então Condado Portucalense. Aqui se daria, a 24 de Junho de 1128, a Batalha de São Mamede.

Fonte do texto: Wikipédia.



A Guimarães actual soube conciliar, da melhor forma, a história e consequente manutenção do património com o dinamismo e empreendedorismo que caracterizam as cidades modernas, que se manifestou na nomeação para «Capital Europeia da Cultura» em 2012, factores que levaram Guimarães a ser eleita pelo «New York Times» como um dos 41 locais a visitar em 2011 e a considerá-la um dos emergentes pontos culturais da Península Ibérica.




Estas ilustrações foram enviadas pela minha querida amiga e conterrânea,

Muito obrigado, G.

Localização de Guimarães no mapa de Portugal

.

9 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Quanta história interessante António querido!
Sinto-me honrada com esta série de posts. Estarei relendo tudo com carinho e saudade ao regressar ao Brasil e mostrando para os meus filhos e netos com toda a certeza.
Eu ando encantada com Portugal! Com toda a certeza se confirma o que andamos conversando.
Um beijo bem grande e muito agradecido.
Astrid Annabelle

António Rosa disse...

Querida Astrid,

Para poder pesquisar com rapidez, no futuro, criei para esta série a «tag»: «Dedicado à Astrid», que pode encontrar rapidamente, indo na barra direita à secção «Procure os artigos por temas».

Simples, não é?

Bom fim-de-semana.

Beijos.

Filomena Nunes disse...

Que belo alimento para a minha "secção mental" de História... adoro história e adoro as histórias da história!! Quanto mais esotéricas, melhor!!

Beijinhos aos dois e um alegre fim de-semana. <3<3

Filomena

Élys disse...

Muito boa a história e as imagens que nos mostram a beleza e a riqueza de sua história. Para Astrid o nosso abraço.
Antonio abraços.

ManDrag disse...

António amigo!

Como se não bastasse tudo o resto, tenho estado com uma forte crise de espondilose, que me inibe a concentração e o ânimo, pelo que estou mais ausente que o habitual, das lides internéticas. O meu pedido de desculpas a todos!

Espero melhorar logo para poder vir ler com a atenção devido esta série muito interessante de publicações sobre o Portugal iniciático.

Um grande abraço

Lucília Ramos disse...

Se puderes dá este recado à Astri,por favor, António.

Eu gostaria muito de lhe mostrar a cidade berço de Portugal, mas era se houvesse uma cunhazita para a Paula ficar mais um dia na sua visita aqui aos meus lados.
Vou ter de a apalavrar. :)

Astrid Annabelle disse...

Olá Lucy!
Recado recebido. Vamos conversar,OK?
Estou adorando o que tenho visto em Portugal.
Um beijo e até muito breve.
Um beijo António e agradecido por enviar o recado!
Astrid Annabelle

MARCELO DALLA disse...

Esta série de posts dedicados à Astrid está o máximo!!! Muito bom conhecer um pouco mais da história dos meus antepassados!!! ;)

audrey lefour disse...

Thanks to your site I have just learned several things. Continue!

voyance gratuite

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates