«O Mugido da Vaca Sagrada» por João Medeiros

17 de junho de 2011 ·


«O Mugido da Vaca Sagrada»
por João Medeiros

http://www.ceia-astrologia.com/

«Provavelmente sabe que, na Índia, a vaca é considerado um animal sagrado, por ser um símbolo de abundância, riqueza, providência maternal (o leite) e biológica. Na maior parte dos Estados hindus, não se pode matar vacas ou comer carne de vaca.

Na verdade, religiões e filosofias como o Hinduismo ou o Budismo, atribuem a este animal um simbolismo muito profundo de ligação à natureza e à Terra. De tal modo é conhecida esta prática que, hoje em dia, quando falamos em "Vacas Sagradas", referimo-nos a algo que é venerável e intocável - ainda que não se entenda bem porquê.

"Mas", perguntará você, "a que propósito falar de Vacas Sagradas agora?"

Bom, em termos políticos, sociais, económicos e astrológicos - faz todo o sentido mesmo! Aliás, por razões diversas, dificilmente outra metáfora seria mais apropriada para descrever a fase de mudança civilizacional que vivemos hoje: o regresso da Vaca Sagrada.

E o que é a Vaca Sagrada? São valores profundos de respeito pelas tradições mais antigas, ecológicas, estáveis e equilibradas que existiram e que existem. Afinal de contas, está tanta coisa a mudar, que é importante entender onde verdadeiramente está a nossa estrutura, paz e sustentabilidade.

Com a entrada de Júpiter em Touro, a 4 de Junho de 2011, é iniciado um ciclo de Adoração (Júpiter) de valores tradicionais da Natureza (Touro) e da Terra. Não é por acaso que um Partido político menor (o Partido dos Animais e da Natureza - PAN) quase tenha eleito um deputado em Portugal, a 5 de Junho, nas primeiras eleições a que se candidatou.

Também não é coincidência que haja um revivalismo dos produtos hortícolas portuguesas, da agricultura, da ligação ao que é rústico e saboroso - como os excelentes produtos gastronómicos  e vinícolas que o nosso país tem.

Em geral, será de esperar que nos próximos 12 meses se acentue uma recuperação de tradições conservadoras e de relação com o interior rural dos países. Por acaso, reparou no discurso do Presidente da República no dia de Portugal? É um exemplo da tónica de regresso às raízes e à simplicidade que este trânsito irá desencadear.

Agora, em termos colectivos, por uma razão verdadeiramente ecológica e de sobrevivência da humanidade - também a relação com as vacas, em sentido literal, terá de mudar. Já imaginou um mundo muito mais vegetariano, em que cada restaurante seja obrigado a incluir na ementa um prato proteico que não seja à base de animais?

Como dizia Einstein, nada poderia ser mais revolucionário e positivo no mundo como a mudança para uma alimentação de base vegetariana. E, todos sabemos, que por mais estranho que fosse este senhor, era visionário e um génio.

O próprio Gandhi era um vegetariano convicto e os seus exemplos ainda hoje perduram no inconsciente colectivo, como dos homens mais iluminados e éticos dos últimos tempos. 

Curiosamente, hoje a ciência vem dar razão a estas visões. Por acaso, sabe qual o factor que mais contribui globalmente para a poluição no mundo (e, consequentemente, para o efeito estufa, aquecimento global, etc)?

Não são os carros. Não são os ares condicionados ou gases dos aparelhos. São as... indústrias pecuárias! Custa a acreditar, mas é a pura verdade: as pecuárias são das indústrias mais anti-ecológicas e poluentes que existem, particularmente, devido à emissão de gases tóxicos das vacas tratadas em regimes muito condicionados.

Recomendo-lhe vivamente o documentário "Meat: the Truth - Uma Verdade Mais Que Inconveniente" (ver o link), onde todos estes factos comprovados pela FAO e pelos cientistas estão referidos. São necessárias quantidades desproporcionais de cereais e soja para se conseguir produzir apenas um quilo de carne de vaca, o que por sua vez, contribui para a desflorestação maciça.

Estes argumento não são políticos ou ideológicos - são factos reais incontestáveis. A continuação de consumo de carne pela humanidade, a este ritmo, causará a total devastação da Terra e a nossa extinção enquanto espécie. Repare: é ambientalmente mais grave comer carne, do que colocar gasolina no seu automóvel (e nem estamos a falar do sofrimento dos animais).

Com este discurso não estamos a incentivar fanatismos alimentares. Apenas a constatar realidade e a dizer que faz sentido, do ponto de vista astrológico, que haja maior respeito e consciência da Natureza, particularmente agora, com Júpiter em Touro, signo da alimentação e dos produtos que vêm da Terra.

Todos temos as nossas Vacas Sagradas. Mas a pergunta é: quais os valores que verdadeiramente importam para si na vida? Qual o respeito que mostramos pelo ser humano e pelo ambiente nas nossas escolhas diárias, incluindo, a nossa alimentação?

Deixo-lhe [o link com] o vídeo "Meat: The Truth - Uma Verdade Mais Que Inconveniente", onde poderá constatar alguns factos que a maioria das pessoas desconhece absolutamente:

Obrigado por ter lido este texto até ao fim. Desejo-lhe muita tranquilidade e paz para este trânsito de Júpiter em Touro.



.

1 comentários:

Astrid Annabelle disse...
17 de junho de 2011 às 17:47  

Eu li até o fim e gostei!
Um abraço João Medeiros.
Beijo António
Astrid Annabelle

17 de junho de 2011

«O Mugido da Vaca Sagrada» por João Medeiros


«O Mugido da Vaca Sagrada»
por João Medeiros

http://www.ceia-astrologia.com/

«Provavelmente sabe que, na Índia, a vaca é considerado um animal sagrado, por ser um símbolo de abundância, riqueza, providência maternal (o leite) e biológica. Na maior parte dos Estados hindus, não se pode matar vacas ou comer carne de vaca.

Na verdade, religiões e filosofias como o Hinduismo ou o Budismo, atribuem a este animal um simbolismo muito profundo de ligação à natureza e à Terra. De tal modo é conhecida esta prática que, hoje em dia, quando falamos em "Vacas Sagradas", referimo-nos a algo que é venerável e intocável - ainda que não se entenda bem porquê.

"Mas", perguntará você, "a que propósito falar de Vacas Sagradas agora?"

Bom, em termos políticos, sociais, económicos e astrológicos - faz todo o sentido mesmo! Aliás, por razões diversas, dificilmente outra metáfora seria mais apropriada para descrever a fase de mudança civilizacional que vivemos hoje: o regresso da Vaca Sagrada.

E o que é a Vaca Sagrada? São valores profundos de respeito pelas tradições mais antigas, ecológicas, estáveis e equilibradas que existiram e que existem. Afinal de contas, está tanta coisa a mudar, que é importante entender onde verdadeiramente está a nossa estrutura, paz e sustentabilidade.

Com a entrada de Júpiter em Touro, a 4 de Junho de 2011, é iniciado um ciclo de Adoração (Júpiter) de valores tradicionais da Natureza (Touro) e da Terra. Não é por acaso que um Partido político menor (o Partido dos Animais e da Natureza - PAN) quase tenha eleito um deputado em Portugal, a 5 de Junho, nas primeiras eleições a que se candidatou.

Também não é coincidência que haja um revivalismo dos produtos hortícolas portuguesas, da agricultura, da ligação ao que é rústico e saboroso - como os excelentes produtos gastronómicos  e vinícolas que o nosso país tem.

Em geral, será de esperar que nos próximos 12 meses se acentue uma recuperação de tradições conservadoras e de relação com o interior rural dos países. Por acaso, reparou no discurso do Presidente da República no dia de Portugal? É um exemplo da tónica de regresso às raízes e à simplicidade que este trânsito irá desencadear.

Agora, em termos colectivos, por uma razão verdadeiramente ecológica e de sobrevivência da humanidade - também a relação com as vacas, em sentido literal, terá de mudar. Já imaginou um mundo muito mais vegetariano, em que cada restaurante seja obrigado a incluir na ementa um prato proteico que não seja à base de animais?

Como dizia Einstein, nada poderia ser mais revolucionário e positivo no mundo como a mudança para uma alimentação de base vegetariana. E, todos sabemos, que por mais estranho que fosse este senhor, era visionário e um génio.

O próprio Gandhi era um vegetariano convicto e os seus exemplos ainda hoje perduram no inconsciente colectivo, como dos homens mais iluminados e éticos dos últimos tempos. 

Curiosamente, hoje a ciência vem dar razão a estas visões. Por acaso, sabe qual o factor que mais contribui globalmente para a poluição no mundo (e, consequentemente, para o efeito estufa, aquecimento global, etc)?

Não são os carros. Não são os ares condicionados ou gases dos aparelhos. São as... indústrias pecuárias! Custa a acreditar, mas é a pura verdade: as pecuárias são das indústrias mais anti-ecológicas e poluentes que existem, particularmente, devido à emissão de gases tóxicos das vacas tratadas em regimes muito condicionados.

Recomendo-lhe vivamente o documentário "Meat: the Truth - Uma Verdade Mais Que Inconveniente" (ver o link), onde todos estes factos comprovados pela FAO e pelos cientistas estão referidos. São necessárias quantidades desproporcionais de cereais e soja para se conseguir produzir apenas um quilo de carne de vaca, o que por sua vez, contribui para a desflorestação maciça.

Estes argumento não são políticos ou ideológicos - são factos reais incontestáveis. A continuação de consumo de carne pela humanidade, a este ritmo, causará a total devastação da Terra e a nossa extinção enquanto espécie. Repare: é ambientalmente mais grave comer carne, do que colocar gasolina no seu automóvel (e nem estamos a falar do sofrimento dos animais).

Com este discurso não estamos a incentivar fanatismos alimentares. Apenas a constatar realidade e a dizer que faz sentido, do ponto de vista astrológico, que haja maior respeito e consciência da Natureza, particularmente agora, com Júpiter em Touro, signo da alimentação e dos produtos que vêm da Terra.

Todos temos as nossas Vacas Sagradas. Mas a pergunta é: quais os valores que verdadeiramente importam para si na vida? Qual o respeito que mostramos pelo ser humano e pelo ambiente nas nossas escolhas diárias, incluindo, a nossa alimentação?

Deixo-lhe [o link com] o vídeo "Meat: The Truth - Uma Verdade Mais Que Inconveniente", onde poderá constatar alguns factos que a maioria das pessoas desconhece absolutamente:

Obrigado por ter lido este texto até ao fim. Desejo-lhe muita tranquilidade e paz para este trânsito de Júpiter em Touro.



.

1 comentário:

Astrid Annabelle disse...

Eu li até o fim e gostei!
Um abraço João Medeiros.
Beijo António
Astrid Annabelle

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates