Paul Klee, «The Rose Garden»

4 de novembro de 2010 ·

  «Paul Klee - The Rose Garden», 1920, 49x42,5 cm, Lenbachhaus Museum, Munich
Blogagem coletiva de Glorinha de Lion, do 'Café com Bolo' -  'Minha Ideia é Meu Pincel'
Regras aqui e aqui - Tema: Paul Klee: «The Rose Garden» - Ilustração recolhida aqui.

Hoje roubei todas as rosas dos jardins
e cheguei ao pé de ti de mãos vazias.
Eugénio de Andrade

O quadro desta semana trouxe-me boas recordações. A primeira vez que vi uma reprodução do quadro de Paul Klee, tinha eu 22 anos (foi no Natal de 1972) e estava a cumprir o serviço militar obrigatório em Moçambique. A D. Ivete, da Livraria Académica, de Lourenço Marques (actual Maputo) enviara-me um lindo postal, fora dos padrões comuns natalícios. Um postal estrangeiro, com tudo o que isso implicava, na época. Era a reprodução do famoso quadro de Paul Klee, «The Rose Garden» [O Jardim das Rosas]. Hoje, com a internet, é fácil aceder a qualquer obra de arte. Há cerca de 40 anos as coisas eram bem diferentes.

Enquanto cumpri o serviço militar em zona de guerra, esta livreira - muito conhecida das pessoas da minha geração moçambicana -, tinha a amabilidade de me enviar a cada dois meses, um pacote com livros, pagos à cobrança. Foi a época das grandes descobertas: Normam Mailer, Carson McCullers, James Joyce, Sophia de Mello Breyner Andresen, Carlos Drumond de Andrade, Jorge de Sena, Vinícius de Morais, Pablo Neruda, Joseph Conrad, Truman Capote e tantos outros. Não esqueçamos que vivíamos numa ditadura e em guerra colonial.

Nessa altura, o que eu sabia de Paul Klee eram coisas vagas que tinha lido em livros avulso, pois ainda não me interessara a sério sobre os pintores vanguardistas. Em 1987 é que tive a oportunidade de ver o quadro pessoalmente, mas não na sua casa habitual. Foi numa retrospectiva em Madrid. Lembro-me que no mesmo dia passei por duas emoções opostas: fiquei embevecido com o  pequeno quadro «The Rose Garden» e estranhamente perturbado com a visão do ultra famoso mural de Picasso, «Guernica». Na altura, não contava com as dimensões enormes desta obra, que ocupa  uma sala própria. Ainda hoje, quando me ocorre uma das obras, a outra surge ao lado.


Post nº 993
.

56 comentários:

Maria Izabel Viégas disse...
4 de novembro de 2010 às 01:07  

António meu querido,

Saudades!
Estava aqui descansando... e cheguei até aqui. Já tinha visto o quadro no Blog da Glorinha, e fiquei a tentar "entrar". As cores me atraíram. Mas não o "sentia".
E escuto tua voz dizendo:
"Hoje roubei todas as rosas dos jardins
e cheguei ao pé de ti de mãos vazias."
Amigo, exatamente esta sensação me passou esta obra.
Vi as rosas, pedindo para serem colhidas, mas não conseguiram chegar a meu coração.
CHeguei aos pés de mim mesma sem nada nas mãos.
creio q não vou conseguir te explicar, mas ... que snsibilidade a tua. Entrei neste teu universo.
E li e reli teu post. como gosto de ouvir tuas histórias, da tua infância, da mocidade. Imagino - ó peixinha! ;) - como deveria ser Moçambique, parece para mim um conto de fadas. Sinto-me assim quando leio sobre a infância e a vida de Fernando Pessoa.
Fico encantada.
Apesar de correr pelo mundo a imagem de um Brasil sub-desenvolvido, sempre vivi longe destas imagens q fazem daqui.
E tenho um amor tão grande pela Áfrivca, acho tão triste o que acontece com o povo de lá.
Quando falas que viveste lá, expressando este carinho aquela terra, parece que a África se transforma, muda de cor.
Ai, amigo, entendeste o que quis dizer?
Bem, amei teu post. Vou dormir (tô cansaaada)pensando nas rosas que colheste, nas rosas de Paul Klee...
Beijinhos neste coração querido.

ManDrag disse...
4 de novembro de 2010 às 01:09  

Amigo,

A Arte tem esse desígnio de despertar em nós emoções. Assim como o teu texto me trouxe recordações da minha infância em Moçambique.

Também estive no Rainha Sofia e tive a mesma sensação de incómodo perante o enorme Guernica transbordando toda a sala.

Abraços

Macá disse...
4 de novembro de 2010 às 01:22  

Antonio
Que forma interessante foi a sua de conhecer o quadro. Longe de casa, Natal, através de uma pessoa, que pelo que parece, muito atenciosa e dedicada.
E que bom que a Glorinha nos passou essa tela para falarmos, assim você teve a oportunidade de relembrar e nos mostrar suas lembranças.
abraços

Glorinha L de Lion disse...
4 de novembro de 2010 às 01:58  

Amigo Antonio, essa semana foi dura para mim, pois tive um grande susto em minha saúde. Mas hj, ao me deparar com seu post e o de outros participantes, vi o quanto sou privilegiada por usufruir da amizade, do convívio com tantas pessoas diferentes, de tantas partes do mundo...senti-me envolvida por uma espécie de capa protetora, como se todos vocês, meus amigos, me envolvessem e me protegessem de todo o mal. Fiquei emocionada lendo seu post, e mesmo agora, ao escrever-te, lágrimas me vêm aos olhos. Poder saber um pouco de cada um, acender uma luz no fundo de cada alma que participa dessa blogagem, fazê-los olhar para dentro, recordar, imaginar, pensar, é uma dádiva! Linda sua estória, suas recordações, e, a coincidência de ter ganho essa tela em forma de cartão e tê-la visto ao vivo um dia, emocionou-me. Quanta estória cada um traz dentro de si! Considero-me uma privilegiada por estar tendo essa chance de compartilhar momentos tão bonitos com todos os meus amigos. Grande beijo, boa noite!

Suziley disse...
4 de novembro de 2010 às 03:53  

Que bela recordação, Antonio. O Jardim das Rosas, nos traz o encanto nas suas palavras, no seu texto da cor da vida!! Parabéns!! Um bom dia, boa semana :)

orvalho do ceu disse...
4 de novembro de 2010 às 04:01  

Olá, Antônio
Encantou-nos... como o jardim das rosas...
Que oportunidade nos deu de saber da sua "história de amor" com a Tela...
Chego da roça e permaneço nessa calmaria por aqui com essa postagem tão rosada...
Abraço sereno do interior.

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 06:34  

Maria Izabel,

O poema de Eugénio de Andrade é de grande beleza e sempre o identifiquei a este quadro.

Fizeste uma análise mesmo fundo do que pretendi transmitir.

E África é aquele encanto especial.

Espero que a recuperação esteja a prosseguir da melhor maneira.

Muitos beijos, minha querida.

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 06:35  

ManDrag,

Que bom teres partilhado isso dessas emoções moçambicanas e com o Guernica.

Grande abraço,

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 06:35  

Macá

Perante is quadros que a Glorinha tem sugerido, noto que são as recordações que imperam em mim. Além disso estou a conseguir escrever pouco, o que é bom.

Beijos

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 06:41  

Glorinha,

Fiquei preocupado quando li agora que esta semana teve problemas de saúde. Espero que esteja tudo bem.

Tenho notado que em dois quadros seguidos desta blogagem, o que predomina são as minhas recordações de vida. Tenho pensado nisso, mas não conclui nada.

Todos te queremos muito e o mesmo sinto eu, ter amigos que nunca vi, mas senti-los bem dentro do coração.

Beijos

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 06:45  

Sussiley,

Era o que dizia mais acima: esta série da Glorinha tem despoletado em mim recordações antigas. Gosto disso, mas não é minha intenção desviar-me dos quadros, nada disso, pois eles estão dentro de mim. Grato por sua visita.

Beijos

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 06:45  

orvalho do céu,

Muito agradecido pela visita, daqui a pouco irei visitá-la. É uma história de amor, aquela que temos com a Arte, não acha? Tem razão.

Beijos

António

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...
4 de novembro de 2010 às 10:03  

sabe... eu tb lembro de só poder ver a arte em livros na biblioteca. nos tempos sem internet, a arte nos era bem mais difícil.
Que sensibilidade de sua amiga mandar a você um postal com uma obra de arte tão bela! ela tinha sintonia com vc, sabia o que era bom para seu espírito, o que era afim.

eu nunca vi esse quadro à minha frente. mas imagino que deve mesmo marcar em profundidade quem o vê.

já falei que vc tem que escrever seu livro de memórias rs.

um grande abraço, meu caro amigo!

pensandoemfamilia disse...
4 de novembro de 2010 às 10:16  

Boas as suas lembranças. As imagens nos despertam a alma.
bjs,

Chica disse...
4 de novembro de 2010 às 10:30  

Chegar aqui e ler esse teu modo de compartilhar isso tudo foi muito bom em mei dia,cedinho assim.Lindo! abração,chica

orvalho do ceu disse...
4 de novembro de 2010 às 10:49  

Oi, Antônio
Voltei pra lhe dizer que a outra Tela que desejava comentar, a da semana passada, está logo abaixo do poema SAUDADE que vc comentou... se desejar vê-la, me fará muito feliz...
Entretanto, fique à vontade.
Obrigado pelo carinhoso comentário, vc é muito sensível pelo que percebo.
Saudações fraternais com desejo de paz.

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 11:05  

Alexandre

Essa minha amiga, que já não é viva, foi quem incutiu em mim o amor pelos livros de forma acentuada e, se hoje sou editor, deve-se em grande parte a ela. Era uma livreira à moda antiga. Agora estou do outro lado da barricada, ou seja forneço as livrarias e tudo é diferente e impessoal.

Muito grato por ter vindo. Vou agora ao seu blogue.

Abraço.

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 11:06  

pensando em família

quando as lembranças são boas, o coração aquece.

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 11:07  

Chica

que bom tê-la por aqui. daqui a nada estarei a visitá-la.

beijos

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 11:08  

Olá Orvalho,

Muito agradecido. Irei, com certeza.

Beijos

António

Astrid Annabelle disse...
4 de novembro de 2010 às 13:12  

António querido!
Por motivo de saúde não estou participando hoje da blogagem.
Adoro "ouvir" suas histórias do coração! Me emociono sempre!
Escrevi algo por email para você.
Beijo grande.
Astrid Annabelle

Élys disse...
4 de novembro de 2010 às 13:17  

Olá Antonio.
A imagem , assim como a música tem o dom de despertar, sentimentos e rcordações. Muito interessante esta sua narrativa.
Um abraço,
Élys

Nanda disse...
4 de novembro de 2010 às 13:33  

belíssima experiência com o quadro.
Parabéns.

Manuela Freitas disse...
4 de novembro de 2010 às 13:34  

Olá António,
Uma participação em tom nostálgico!...Gostei muito da citação do poema do Eugénio, conheci-o pessoalmente e por acaso numa das dedicatórias num livro que pedi para me autografar escreveu esse poema. Eugénio é muito especial para mim.
Mas o meu amigo é português? Moçambicano?
O meu marido também participou nessa guerra horrorosa, mas em Angola.
Evidentemente que nós começamos a gostar de arte e de outras coisas relativas à cultura, praticamente sem meios para lá chegar.
Já estive em Guernica e lá senti o peso daquela tragédia, esse quadro de Picasso é um dos meus quadros preferidos, emociona-me muito.
Beijinhos,
Manú

Eliane disse...
4 de novembro de 2010 às 13:41  

Sabe Antonio eu vi o castanho do quadro mas como estou num momento bom de minha vida procuro só o que me deixa feliz. Hoje quando li seu post fiquei contente em ver vc contar dessa sua amiga com tanto respeito e carinho. Obrigado por dividir conosco a sua vida. Um beijo cor de rosa pra vc.

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 13:43  

Querida Astrid,

Tenho-a sentido silenciosa, mas levei à conta de problemas com o seu computador. Afinal esteve ou está doente e isso não é nada bom.

Assim que chegar o email, responderei.

Beijos

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 13:46  

Élys

Gostei muito de ter passado hoje pelos seus blogues e admirei o poema relacionado com o quadro.

Parabéns,

Abraço

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 13:47  

Nanda

Adorei o seu post. Um quarto cor-de-rosa com uma réplica do quadro na parede.

Muito bom.

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 13:50  

Olá Manuela,

Sou moçambicano e português, vivendo em Portugal.

Também aprecio muito a poesia de Eugénio de Andrade.

Muito agradecido por ter vindo até aqui.

Abraço

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 13:52  

Olá Eliane

Que bom, mas mesmo muito bom, ouvir alguém afirmar que está num momento feliz da vida.

Desejo-lhe que continue assim.

Grande abraço

António

Lu Souza Brito disse...
4 de novembro de 2010 às 14:12  

Boa tarde Antonio, tudo bem?

Nesta tela vi beleza e caos, a vida se descortinando e pedindo passagem para continuar.
Acho que foi isso que sua amiga fez com você enviando os postais. Ela deu um pouco de poesia e cor ao seu momento de vida em guerra.

Um grande abraço
Lu

Socorro Melo disse...
4 de novembro de 2010 às 14:14  

Oi, António!

Achei incrível o seu relato.
E fico imaginando quanto emocionante é, poder ver as telas originais. Adoraria ter essa oportunidade, um dia.

Paz e Luz!
Socorro Melo

Siala disse...
4 de novembro de 2010 às 14:27  

António, como sempre fico fascinada quando falas da tua vida em Moçambique. De toda a África sempre foi o país que mais gostava de conhecer, e nem sei bem porquê. Natal de 72...:) estava eu a 3 meses de nascer neste mundo. A Arte para mim sempre esteve presente através do meu pai, que me permitiu ter um acesso privilegiado a livros onde as obras de arte desfilavam. Nunca tive oportunidade de viajar muito (fisicamente rsss), mas sempre que me desloco a um novo país procuro sempre conhecer os seus museus e as obras de arte que lá esperam por mim...para mim, será sempre um privilégio poder olhá-las sem ser na fotografia de um livro. Tive a sorte de ter história da arte na universidade, e foi das cadeiras que mais gostei por me permitirem aprender a olhar a arte!
Namasté

Beth/Lilás disse...
4 de novembro de 2010 às 15:47  

Olá, Antonio!
Percebo sempre em seus textos que sua cultura vem num crescente, desde cedo aprendeu e conviveu com as artes e por isso és esta pessoa sensível no universo.
Fostes um dos que traçou um paralelo entre Klee e Picasso e até já estou a ver algo semelhante mesmo entre os dois.
um grande abraço carioca

Isa / Raquel disse...
4 de novembro de 2010 às 16:12  

Olá António

Gostamos muito deste post e das suas recordações.

Beijo.

Nika disse...
4 de novembro de 2010 às 16:25  

É muito bom conhecer suas lembranças, vejo que com esta blogagem coletivas sobre arte você vem nos contando umas boas lembranças, deve ser muito bom poder ver estas obras ao vivo, Guernica então deve ser emocionante.
bjs

Luma Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 17:26  

A internet nos facilitou o acesso a toda a gama de informações e elas são direcionadas ao interesse das pessoas. Até acho incorreta a informação de que a internet ou mesmo os blogues tiraram o hábito da leitura das pessoas - aqui se lê e muito! O que acredito é que as informações tomaram gosto pessoal e cada um enxerga a notícia a seu modo. Veja as análises diferenciadas desta obra de Paul Klee, cada um de nós carrega uma informação e o que guardamos em nós, sustenta o nosso interesse.
Gostei de saber um pouco mais de sua vida, suas experiências e por coisas que passou. Somos a soma de nossos erros e acertos!
Boa blogagem! Beijus,

Malu Machado disse...
4 de novembro de 2010 às 18:06  

Olá Antônio,

"Hoje roubei todas as rosas dos jardins e cheguei ao pé de ti de mãos vazias".

Como esses versos se encaixam neste quadro. Rosas que procuram braços e não acham.

Imagino como Guernica e The Rose mexeram com você em meio a um período de guerras. Emaranhados de caminhos e flores se perdendo na promessa de um novo amanhecer.

Um olhar a mais sobre a pintura você me trouxe. Obrigada.

Nilce disse...
4 de novembro de 2010 às 18:14  

Muito bom quando temos lembranças assim.
Adorei o seu texto.

Bjs no coração!

Nilce

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:18  

Olá Lu

Esta tarde estive muito ocupado e, por isso, demorei a responder aos comentários daqui e a visitar alguns amigos. Mas vou conseguir fazer tudo ainda hoje.

Essa minha amiga, que já não está entre os vivos, foi uma linha mestra condutora em muitos aspectos da minha vida.

Um grande abraço,

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:19  

Olá Socorro,

Daqui a nada irei visitá-la. Eu também só conheci muitas obras quando já era crescido e a viver na Europa.

Pax et Lux

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:19  

Siala,

Aproveita o máximo que puderes, agora, pois já virão tempos em que teremos menos acesso a toda esta beleza.

Um beijinho

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:23  

Olá Beth,

Vou contar-lhe um segredo que nem à Glorinha contei. Noto que com esta blogagem dos quadros, as escolhas dela remetem-me ao meu passado e nem imagina o quanto estou grato por isso, pois é muito fácil esquecermos estas coisas bonitas da vida. Como já cheguei àquela idade em que não me lembro do que jantei ontem, mas lembro-me de todos os pormenores de um passado longínquo, faz-me bem estar a reviver estes sentimentos belos.

Muito agradecido pela sua visita.

Um grande abraço luso-moçambicano

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:23  

Isa/Raquel,

Como foi bom ter estado convosco hoje. Estava bem precisado de uma companhia assim. Sem falar na kirch!!! :)))

Beijos

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:32  

Olá Nika

Já são tantos comentários que tenho receio de me esquecer de alguém. Muito agradecido pelas suas palavras tão lindas e generosas.

Guernica é um quadro enorme, é um mural, está muito bem iluminado e ficamos esmagados pela imponência do tema. Inesquecível e perturbador.

Beijos

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:33  

Luma,

Também penso que hoje se lê muito mais e também se escreve muitíssimo mais. Mas também estou convencido que isto dos blogues e dos sites é para um grupo ainda restrito, apesar de sermos milhões. No entanto, apesar de se ler bastante, creio que a iliteracia vai dominar num futuro, graças aos 'gostos' dos Fb desta vida.

Beijos

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:33  

Malu,

Esse poema de Eugénio de Andrade é uma maravilha. Quando soube que o quadro da semana era este, ocorreu-me imediatamente o poema e não pensei duas vezes e coloquei-o no post.

Muito agradecido pelas palavras bonitas e generosas.

Abraço

António

António Rosa disse...
4 de novembro de 2010 às 19:33  

Nilce

Esta tarde estive muito ocupado e, por isso, demorei a responder aos comentários daqui e a visitar alguns amigos. Mas vou conseguir fazer tudo ainda hoje. Daqui a nada estarei no seu blogue, guerreira linda.

Beijos

António

Naty e Carlos disse...
4 de novembro de 2010 às 21:32  

"A vida é uma maravilha para todos aqueles que sabem viver e conhecem o verdadeiro pulsar da vida eterna que jamais se acaba."
Mil Bjs com carinho

Elaine disse...
5 de novembro de 2010 às 10:23  

Olá Antonio, legal suas recordações, legal tb seu conhecimento, como vc viu essa tela não me atraiu em nada, mas estou adorando ver as diferenças.
Bjos e até a semana!

António Rosa disse...
5 de novembro de 2010 às 12:11  

Naty e Carlos

Muito agradecido pelo vosso comentário. Já irei conhecer o vosso blogue e retribuir a visita.

Abraço

António

António Rosa disse...
5 de novembro de 2010 às 12:13  

Elaine,

Compreendo que nem todos os quadros nos atraem na mesma medida. Estou muito curioso para ler as reacções ao quadro da próxima semana, da Georgia O'Keefe. Vai ser interessante participar.

Grato.

Serginho Tavares disse...
5 de novembro de 2010 às 14:45  

Muito bom o post. Parabéns querido

Marcio Nicolau disse...
5 de novembro de 2010 às 22:47  

...e assim é a memória: em quadros, luzes, fotográfica.

Gosto muito do teu blogue, Antônio.

António Rosa disse...
8 de novembro de 2010 às 11:37  

Serginho

Muito agradecido. desculpa só responder hoje, mas estive a hibernar durante o fim-de-semana.

Abraço

António

António Rosa disse...
8 de novembro de 2010 às 11:37  

Márcio,

Muito agradecido. Nem imaginas quanto.

Abraço

António

4 de novembro de 2010

Paul Klee, «The Rose Garden»

  «Paul Klee - The Rose Garden», 1920, 49x42,5 cm, Lenbachhaus Museum, Munich
Blogagem coletiva de Glorinha de Lion, do 'Café com Bolo' -  'Minha Ideia é Meu Pincel'
Regras aqui e aqui - Tema: Paul Klee: «The Rose Garden» - Ilustração recolhida aqui.

Hoje roubei todas as rosas dos jardins
e cheguei ao pé de ti de mãos vazias.
Eugénio de Andrade

O quadro desta semana trouxe-me boas recordações. A primeira vez que vi uma reprodução do quadro de Paul Klee, tinha eu 22 anos (foi no Natal de 1972) e estava a cumprir o serviço militar obrigatório em Moçambique. A D. Ivete, da Livraria Académica, de Lourenço Marques (actual Maputo) enviara-me um lindo postal, fora dos padrões comuns natalícios. Um postal estrangeiro, com tudo o que isso implicava, na época. Era a reprodução do famoso quadro de Paul Klee, «The Rose Garden» [O Jardim das Rosas]. Hoje, com a internet, é fácil aceder a qualquer obra de arte. Há cerca de 40 anos as coisas eram bem diferentes.

Enquanto cumpri o serviço militar em zona de guerra, esta livreira - muito conhecida das pessoas da minha geração moçambicana -, tinha a amabilidade de me enviar a cada dois meses, um pacote com livros, pagos à cobrança. Foi a época das grandes descobertas: Normam Mailer, Carson McCullers, James Joyce, Sophia de Mello Breyner Andresen, Carlos Drumond de Andrade, Jorge de Sena, Vinícius de Morais, Pablo Neruda, Joseph Conrad, Truman Capote e tantos outros. Não esqueçamos que vivíamos numa ditadura e em guerra colonial.

Nessa altura, o que eu sabia de Paul Klee eram coisas vagas que tinha lido em livros avulso, pois ainda não me interessara a sério sobre os pintores vanguardistas. Em 1987 é que tive a oportunidade de ver o quadro pessoalmente, mas não na sua casa habitual. Foi numa retrospectiva em Madrid. Lembro-me que no mesmo dia passei por duas emoções opostas: fiquei embevecido com o  pequeno quadro «The Rose Garden» e estranhamente perturbado com a visão do ultra famoso mural de Picasso, «Guernica». Na altura, não contava com as dimensões enormes desta obra, que ocupa  uma sala própria. Ainda hoje, quando me ocorre uma das obras, a outra surge ao lado.


Post nº 993
.

56 comentários:

Maria Izabel Viégas disse...

António meu querido,

Saudades!
Estava aqui descansando... e cheguei até aqui. Já tinha visto o quadro no Blog da Glorinha, e fiquei a tentar "entrar". As cores me atraíram. Mas não o "sentia".
E escuto tua voz dizendo:
"Hoje roubei todas as rosas dos jardins
e cheguei ao pé de ti de mãos vazias."
Amigo, exatamente esta sensação me passou esta obra.
Vi as rosas, pedindo para serem colhidas, mas não conseguiram chegar a meu coração.
CHeguei aos pés de mim mesma sem nada nas mãos.
creio q não vou conseguir te explicar, mas ... que snsibilidade a tua. Entrei neste teu universo.
E li e reli teu post. como gosto de ouvir tuas histórias, da tua infância, da mocidade. Imagino - ó peixinha! ;) - como deveria ser Moçambique, parece para mim um conto de fadas. Sinto-me assim quando leio sobre a infância e a vida de Fernando Pessoa.
Fico encantada.
Apesar de correr pelo mundo a imagem de um Brasil sub-desenvolvido, sempre vivi longe destas imagens q fazem daqui.
E tenho um amor tão grande pela Áfrivca, acho tão triste o que acontece com o povo de lá.
Quando falas que viveste lá, expressando este carinho aquela terra, parece que a África se transforma, muda de cor.
Ai, amigo, entendeste o que quis dizer?
Bem, amei teu post. Vou dormir (tô cansaaada)pensando nas rosas que colheste, nas rosas de Paul Klee...
Beijinhos neste coração querido.

ManDrag disse...

Amigo,

A Arte tem esse desígnio de despertar em nós emoções. Assim como o teu texto me trouxe recordações da minha infância em Moçambique.

Também estive no Rainha Sofia e tive a mesma sensação de incómodo perante o enorme Guernica transbordando toda a sala.

Abraços

Macá disse...

Antonio
Que forma interessante foi a sua de conhecer o quadro. Longe de casa, Natal, através de uma pessoa, que pelo que parece, muito atenciosa e dedicada.
E que bom que a Glorinha nos passou essa tela para falarmos, assim você teve a oportunidade de relembrar e nos mostrar suas lembranças.
abraços

Glorinha L de Lion disse...

Amigo Antonio, essa semana foi dura para mim, pois tive um grande susto em minha saúde. Mas hj, ao me deparar com seu post e o de outros participantes, vi o quanto sou privilegiada por usufruir da amizade, do convívio com tantas pessoas diferentes, de tantas partes do mundo...senti-me envolvida por uma espécie de capa protetora, como se todos vocês, meus amigos, me envolvessem e me protegessem de todo o mal. Fiquei emocionada lendo seu post, e mesmo agora, ao escrever-te, lágrimas me vêm aos olhos. Poder saber um pouco de cada um, acender uma luz no fundo de cada alma que participa dessa blogagem, fazê-los olhar para dentro, recordar, imaginar, pensar, é uma dádiva! Linda sua estória, suas recordações, e, a coincidência de ter ganho essa tela em forma de cartão e tê-la visto ao vivo um dia, emocionou-me. Quanta estória cada um traz dentro de si! Considero-me uma privilegiada por estar tendo essa chance de compartilhar momentos tão bonitos com todos os meus amigos. Grande beijo, boa noite!

Suziley disse...

Que bela recordação, Antonio. O Jardim das Rosas, nos traz o encanto nas suas palavras, no seu texto da cor da vida!! Parabéns!! Um bom dia, boa semana :)

orvalho do ceu disse...

Olá, Antônio
Encantou-nos... como o jardim das rosas...
Que oportunidade nos deu de saber da sua "história de amor" com a Tela...
Chego da roça e permaneço nessa calmaria por aqui com essa postagem tão rosada...
Abraço sereno do interior.

António Rosa disse...

Maria Izabel,

O poema de Eugénio de Andrade é de grande beleza e sempre o identifiquei a este quadro.

Fizeste uma análise mesmo fundo do que pretendi transmitir.

E África é aquele encanto especial.

Espero que a recuperação esteja a prosseguir da melhor maneira.

Muitos beijos, minha querida.

António

António Rosa disse...

ManDrag,

Que bom teres partilhado isso dessas emoções moçambicanas e com o Guernica.

Grande abraço,

António

António Rosa disse...

Macá

Perante is quadros que a Glorinha tem sugerido, noto que são as recordações que imperam em mim. Além disso estou a conseguir escrever pouco, o que é bom.

Beijos

António

António Rosa disse...

Glorinha,

Fiquei preocupado quando li agora que esta semana teve problemas de saúde. Espero que esteja tudo bem.

Tenho notado que em dois quadros seguidos desta blogagem, o que predomina são as minhas recordações de vida. Tenho pensado nisso, mas não conclui nada.

Todos te queremos muito e o mesmo sinto eu, ter amigos que nunca vi, mas senti-los bem dentro do coração.

Beijos

António

António Rosa disse...

Sussiley,

Era o que dizia mais acima: esta série da Glorinha tem despoletado em mim recordações antigas. Gosto disso, mas não é minha intenção desviar-me dos quadros, nada disso, pois eles estão dentro de mim. Grato por sua visita.

Beijos

António

António Rosa disse...

orvalho do céu,

Muito agradecido pela visita, daqui a pouco irei visitá-la. É uma história de amor, aquela que temos com a Arte, não acha? Tem razão.

Beijos

António

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

sabe... eu tb lembro de só poder ver a arte em livros na biblioteca. nos tempos sem internet, a arte nos era bem mais difícil.
Que sensibilidade de sua amiga mandar a você um postal com uma obra de arte tão bela! ela tinha sintonia com vc, sabia o que era bom para seu espírito, o que era afim.

eu nunca vi esse quadro à minha frente. mas imagino que deve mesmo marcar em profundidade quem o vê.

já falei que vc tem que escrever seu livro de memórias rs.

um grande abraço, meu caro amigo!

pensandoemfamilia disse...

Boas as suas lembranças. As imagens nos despertam a alma.
bjs,

Chica disse...

Chegar aqui e ler esse teu modo de compartilhar isso tudo foi muito bom em mei dia,cedinho assim.Lindo! abração,chica

orvalho do ceu disse...

Oi, Antônio
Voltei pra lhe dizer que a outra Tela que desejava comentar, a da semana passada, está logo abaixo do poema SAUDADE que vc comentou... se desejar vê-la, me fará muito feliz...
Entretanto, fique à vontade.
Obrigado pelo carinhoso comentário, vc é muito sensível pelo que percebo.
Saudações fraternais com desejo de paz.

António Rosa disse...

Alexandre

Essa minha amiga, que já não é viva, foi quem incutiu em mim o amor pelos livros de forma acentuada e, se hoje sou editor, deve-se em grande parte a ela. Era uma livreira à moda antiga. Agora estou do outro lado da barricada, ou seja forneço as livrarias e tudo é diferente e impessoal.

Muito grato por ter vindo. Vou agora ao seu blogue.

Abraço.

António

António Rosa disse...

pensando em família

quando as lembranças são boas, o coração aquece.

António

António Rosa disse...

Chica

que bom tê-la por aqui. daqui a nada estarei a visitá-la.

beijos

António

António Rosa disse...

Olá Orvalho,

Muito agradecido. Irei, com certeza.

Beijos

António

Astrid Annabelle disse...

António querido!
Por motivo de saúde não estou participando hoje da blogagem.
Adoro "ouvir" suas histórias do coração! Me emociono sempre!
Escrevi algo por email para você.
Beijo grande.
Astrid Annabelle

Élys disse...

Olá Antonio.
A imagem , assim como a música tem o dom de despertar, sentimentos e rcordações. Muito interessante esta sua narrativa.
Um abraço,
Élys

Nanda disse...

belíssima experiência com o quadro.
Parabéns.

Manuela Freitas disse...

Olá António,
Uma participação em tom nostálgico!...Gostei muito da citação do poema do Eugénio, conheci-o pessoalmente e por acaso numa das dedicatórias num livro que pedi para me autografar escreveu esse poema. Eugénio é muito especial para mim.
Mas o meu amigo é português? Moçambicano?
O meu marido também participou nessa guerra horrorosa, mas em Angola.
Evidentemente que nós começamos a gostar de arte e de outras coisas relativas à cultura, praticamente sem meios para lá chegar.
Já estive em Guernica e lá senti o peso daquela tragédia, esse quadro de Picasso é um dos meus quadros preferidos, emociona-me muito.
Beijinhos,
Manú

Eliane disse...

Sabe Antonio eu vi o castanho do quadro mas como estou num momento bom de minha vida procuro só o que me deixa feliz. Hoje quando li seu post fiquei contente em ver vc contar dessa sua amiga com tanto respeito e carinho. Obrigado por dividir conosco a sua vida. Um beijo cor de rosa pra vc.

António Rosa disse...

Querida Astrid,

Tenho-a sentido silenciosa, mas levei à conta de problemas com o seu computador. Afinal esteve ou está doente e isso não é nada bom.

Assim que chegar o email, responderei.

Beijos

António

António Rosa disse...

Élys

Gostei muito de ter passado hoje pelos seus blogues e admirei o poema relacionado com o quadro.

Parabéns,

Abraço

António

António Rosa disse...

Nanda

Adorei o seu post. Um quarto cor-de-rosa com uma réplica do quadro na parede.

Muito bom.

António

António Rosa disse...

Olá Manuela,

Sou moçambicano e português, vivendo em Portugal.

Também aprecio muito a poesia de Eugénio de Andrade.

Muito agradecido por ter vindo até aqui.

Abraço

António

António Rosa disse...

Olá Eliane

Que bom, mas mesmo muito bom, ouvir alguém afirmar que está num momento feliz da vida.

Desejo-lhe que continue assim.

Grande abraço

António

Lu Souza Brito disse...

Boa tarde Antonio, tudo bem?

Nesta tela vi beleza e caos, a vida se descortinando e pedindo passagem para continuar.
Acho que foi isso que sua amiga fez com você enviando os postais. Ela deu um pouco de poesia e cor ao seu momento de vida em guerra.

Um grande abraço
Lu

Socorro Melo disse...

Oi, António!

Achei incrível o seu relato.
E fico imaginando quanto emocionante é, poder ver as telas originais. Adoraria ter essa oportunidade, um dia.

Paz e Luz!
Socorro Melo

Siala disse...

António, como sempre fico fascinada quando falas da tua vida em Moçambique. De toda a África sempre foi o país que mais gostava de conhecer, e nem sei bem porquê. Natal de 72...:) estava eu a 3 meses de nascer neste mundo. A Arte para mim sempre esteve presente através do meu pai, que me permitiu ter um acesso privilegiado a livros onde as obras de arte desfilavam. Nunca tive oportunidade de viajar muito (fisicamente rsss), mas sempre que me desloco a um novo país procuro sempre conhecer os seus museus e as obras de arte que lá esperam por mim...para mim, será sempre um privilégio poder olhá-las sem ser na fotografia de um livro. Tive a sorte de ter história da arte na universidade, e foi das cadeiras que mais gostei por me permitirem aprender a olhar a arte!
Namasté

Beth/Lilás disse...

Olá, Antonio!
Percebo sempre em seus textos que sua cultura vem num crescente, desde cedo aprendeu e conviveu com as artes e por isso és esta pessoa sensível no universo.
Fostes um dos que traçou um paralelo entre Klee e Picasso e até já estou a ver algo semelhante mesmo entre os dois.
um grande abraço carioca

Isa / Raquel disse...

Olá António

Gostamos muito deste post e das suas recordações.

Beijo.

Nika disse...

É muito bom conhecer suas lembranças, vejo que com esta blogagem coletivas sobre arte você vem nos contando umas boas lembranças, deve ser muito bom poder ver estas obras ao vivo, Guernica então deve ser emocionante.
bjs

Luma Rosa disse...

A internet nos facilitou o acesso a toda a gama de informações e elas são direcionadas ao interesse das pessoas. Até acho incorreta a informação de que a internet ou mesmo os blogues tiraram o hábito da leitura das pessoas - aqui se lê e muito! O que acredito é que as informações tomaram gosto pessoal e cada um enxerga a notícia a seu modo. Veja as análises diferenciadas desta obra de Paul Klee, cada um de nós carrega uma informação e o que guardamos em nós, sustenta o nosso interesse.
Gostei de saber um pouco mais de sua vida, suas experiências e por coisas que passou. Somos a soma de nossos erros e acertos!
Boa blogagem! Beijus,

Malu Machado disse...

Olá Antônio,

"Hoje roubei todas as rosas dos jardins e cheguei ao pé de ti de mãos vazias".

Como esses versos se encaixam neste quadro. Rosas que procuram braços e não acham.

Imagino como Guernica e The Rose mexeram com você em meio a um período de guerras. Emaranhados de caminhos e flores se perdendo na promessa de um novo amanhecer.

Um olhar a mais sobre a pintura você me trouxe. Obrigada.

Nilce disse...

Muito bom quando temos lembranças assim.
Adorei o seu texto.

Bjs no coração!

Nilce

António Rosa disse...

Olá Lu

Esta tarde estive muito ocupado e, por isso, demorei a responder aos comentários daqui e a visitar alguns amigos. Mas vou conseguir fazer tudo ainda hoje.

Essa minha amiga, que já não está entre os vivos, foi uma linha mestra condutora em muitos aspectos da minha vida.

Um grande abraço,

António

António Rosa disse...

Olá Socorro,

Daqui a nada irei visitá-la. Eu também só conheci muitas obras quando já era crescido e a viver na Europa.

Pax et Lux

António

António Rosa disse...

Siala,

Aproveita o máximo que puderes, agora, pois já virão tempos em que teremos menos acesso a toda esta beleza.

Um beijinho

António

António Rosa disse...

Olá Beth,

Vou contar-lhe um segredo que nem à Glorinha contei. Noto que com esta blogagem dos quadros, as escolhas dela remetem-me ao meu passado e nem imagina o quanto estou grato por isso, pois é muito fácil esquecermos estas coisas bonitas da vida. Como já cheguei àquela idade em que não me lembro do que jantei ontem, mas lembro-me de todos os pormenores de um passado longínquo, faz-me bem estar a reviver estes sentimentos belos.

Muito agradecido pela sua visita.

Um grande abraço luso-moçambicano

António

António Rosa disse...

Isa/Raquel,

Como foi bom ter estado convosco hoje. Estava bem precisado de uma companhia assim. Sem falar na kirch!!! :)))

Beijos

António

António Rosa disse...

Olá Nika

Já são tantos comentários que tenho receio de me esquecer de alguém. Muito agradecido pelas suas palavras tão lindas e generosas.

Guernica é um quadro enorme, é um mural, está muito bem iluminado e ficamos esmagados pela imponência do tema. Inesquecível e perturbador.

Beijos

António

António Rosa disse...

Luma,

Também penso que hoje se lê muito mais e também se escreve muitíssimo mais. Mas também estou convencido que isto dos blogues e dos sites é para um grupo ainda restrito, apesar de sermos milhões. No entanto, apesar de se ler bastante, creio que a iliteracia vai dominar num futuro, graças aos 'gostos' dos Fb desta vida.

Beijos

António

António Rosa disse...

Malu,

Esse poema de Eugénio de Andrade é uma maravilha. Quando soube que o quadro da semana era este, ocorreu-me imediatamente o poema e não pensei duas vezes e coloquei-o no post.

Muito agradecido pelas palavras bonitas e generosas.

Abraço

António

António Rosa disse...

Nilce

Esta tarde estive muito ocupado e, por isso, demorei a responder aos comentários daqui e a visitar alguns amigos. Mas vou conseguir fazer tudo ainda hoje. Daqui a nada estarei no seu blogue, guerreira linda.

Beijos

António

Naty e Carlos disse...

"A vida é uma maravilha para todos aqueles que sabem viver e conhecem o verdadeiro pulsar da vida eterna que jamais se acaba."
Mil Bjs com carinho

Elaine disse...

Olá Antonio, legal suas recordações, legal tb seu conhecimento, como vc viu essa tela não me atraiu em nada, mas estou adorando ver as diferenças.
Bjos e até a semana!

António Rosa disse...

Naty e Carlos

Muito agradecido pelo vosso comentário. Já irei conhecer o vosso blogue e retribuir a visita.

Abraço

António

António Rosa disse...

Elaine,

Compreendo que nem todos os quadros nos atraem na mesma medida. Estou muito curioso para ler as reacções ao quadro da próxima semana, da Georgia O'Keefe. Vai ser interessante participar.

Grato.

Serginho Tavares disse...

Muito bom o post. Parabéns querido

Marcio Nicolau disse...

...e assim é a memória: em quadros, luzes, fotográfica.

Gosto muito do teu blogue, Antônio.

António Rosa disse...

Serginho

Muito agradecido. desculpa só responder hoje, mas estive a hibernar durante o fim-de-semana.

Abraço

António

António Rosa disse...

Márcio,

Muito agradecido. Nem imaginas quanto.

Abraço

António

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates