Blog Action Day 2010 - Água - Water - E minha experiência pessoal

15 de outubro de 2010 ·

Alguns factos:
O planeta Terra tem actualmente cerca de 6.6 biliões de pessoas. A água representa cerca de 70% no nosso planeta. No entanto, apenas 0,01% da água na Terra é bebível - não confundir com potável. Não é assim tanta água para tamanha população. Cerca de 1.1 bilião de pessoas não têm acesso a água limpa; 2.6 biliões não têm acesso à saúde, devido a falta de água com qualidade. A cada 15 segundos, morre uma criança com algum problema de saúde relacionado com água não-segura. Em África, por exemplo, mulheres andam a pé, entre 3 a 6 horas, para acederem à água e trazê-la para a família. Em alguns pontos do globo, muitas famílias necessitam de 2 dias para chegarem à fonte de água bebível.  Sabe quanta água é necessária para as fábricas produzirem 1 calça de ganga? Cerca de 11 litros. Alguns pesquisadores estimam que em 2025, mais de metade da população mundial sofrerá com a falta de água potável. Cerca de 70% da água doce do mundo é consumida pela agricultura.

Em muitas partes do mundo pessoas andam muitos quilómetros à procura de água. Habitualmente, é uma responsabilidade das mulheres.


Experiência pessoal, na recolha de água bebível
 

No meu serviço militar, 1970-73, no norte de Moçambique, então zona de guerra, fazíamos muitos e muitos quilómetros à procura de água, quando estávamos fora dos quartéis. Eram necessários muitos militares armados para defenderem a água que recolhíamos, pois era frequente sermos atacados e emboscados, pela parte contrária. Cheguei a estar, numa missão  militar em pleno mato, durante 98 dias seguidos. Quando encontrávamos água, era uma festa. Primeiro recolhíamos água para bebermos. Depois, tomávamos um banho rápido, sem detergentes, enquanto à nossa volta,  um numeroso contingente de companheiros, nos protegiam, com armas em riste, as velhinhas G3. A seguir, revezávamo-nos.  Chegámos a estar 20 dias sem podermos lavar o corpo. Lavar o corpo significava, simplesmente, deitar  água  em cima de nós usando uma lata, que guardávamos como se fosse uma jóia preciosa. Estou de tshirt branca e a foto mostra-nos na fase de recolha de água, na floresta de Cabo Delgado, Moçambique.

Água no universo

Grande parte da água do universo pode ser um subproduto de uma formação estelar. O nascimento das estrelas é acompanhado por um forte vento de gás e poeira. Quando esse fluxo de material impacta o gás circundante, as ondas de choque que são criadas comprimem e aquecem o gás, produzindo água. A água tem sido detectada em nebulosas na nossa galáxia, a Via Láctea. Provavelmente existe água em abundância em outras galáxias porque os seus elementos, hidrogénio e oxigénio, estão entre os mais abundantes no universo. Por vezes, nuvens interestelares condensam em nébulas solares e sistemas solares como o nosso.

A dificuldade na obtenção de água bebível ou potável,
ocasiona sérios problemas à saúde

A água no corpo humano
 Todas as formas conhecidas de vida precisam de água. Os humanos consomem "água de beber", ou seja, água compatível com as características do nosso corpo. A água é o principal constituinte (entre 70% a 75%) no corpo humano, e a sua quantidade depende de vários fatcores estabelecidos durante a vida do indivíduo, entre eles a idade, o sexo, a massa muscular, o aumento ou perda de peso, o tecido adiposo, e até mesmo a gravidez ou lactação. A água é um componente essencial para o bom funcionamento geral do organismo, ajudando em algumas funções vitais, tais como o controle de temperatura do corpo, por exemplo.

Oceanos poluídos


Religião e filosofia
 A água é considerada como purificadora na maioria das religiões, incluindo o Hinduísmo, Cristianismo, Judaísmo, Islamismo, Xintoísmo e Wicca. O exemplo do baptismo nas igrejas cristãs é praticado com água, simbolizando o nascimento de um novo ser. Verifica-se que, nas mitologias politeístas, os deuses vinculados à água — Vishnu, Enki e Poseidon  (Neptuno), — para citar apenas alguns exemplos —, em regra, possuem mais seguidores, gozam de maior prestígio ou ocupam graduação mais elevada em relação às demais divindades representantes de outros fenómenos naturais. Na mitologia Celta, Sulis é a deusa das nascentes termais. No Hinduísmo, o rio Ganges é personificado como uma deusa, enquanto que Sarasvati é referida como a deusa dos Vedas. A água é também um dos tatvas (cinco elementos básicos da natureza segundo o Hinduísmo, onde se incluem o fogo, a terra, o akasha e o ar). Em outras tradições, deuses e deusas são mencionados como patronos locais de nascentes, rios ou lagos, como no exemplo da mitologia grega e romana, onde Peneus era o deus do rio. Na religião Wicca a água é tida como um dos símbolos da Grande-Deusa, assim como o cálice e o caldeirão. Na Nova Versão Internacional da Bíblia, o termo "água" é mencionado 442 vezes.

A nossa vida, muito facilitada?


Sobre as modernas embalagens de plástico
O plástico tem como matéria-prima o petróleo e o gás natural, dois recursos não renováveis. Para além disso, são usadas mais de 1,5 milhões de toneladas de plástico só para fabricar garrafas de água. O plástico liberta algumas toxinas e, contrariamente ao que muitos pensam, algumas substâncias podem ser mais difíceis de controlar na garrafa do que na torneira, uma vez que estas se armazenam durante períodos mais longos e a temperaturas mais altas, aumentando até níveis tóxicos a concentração de microorganismos que em pequenas concentrações não são prejudiciais à saúde. Quando as garrafas de plástico não são recicladas, podem ir para aterros sanitários. O mundo está cheio de aterros sanitários e, como as garrafas de plástico se decompõem a uma velocidade muito baixa, permanecerão nos aterros por muitas centenas de anos. Actualmente o processo de reciclagem de resíduos movimenta uma grande indústria, evitando que este problema se acentue ainda mais. Há, no entanto, deposição de garrafas de água em zonas mais inacessíveis à sociedade ocidental, o que se revela um problema de poluição grave e empobrecimento da qualidade de vida do planeta e, portanto, dos seres humanos.
Muitas das informações aqui expostas foram recolhidas na Wikipédia

«Planeta Água», de Guilherme Arantes



Água, a fonte da vida


 
Conheça este site:
www.charitywater.org
 
 
.

40 comentários:

Astrid Annabelle disse...
15 de outubro de 2010 às 00:33  

ESPETACULAR!!!!
António que maravilha!
Que história a sua experiência na guerra hein?
Gostei da foto..já conhecia.rsss (isso que dá ser de casa!)
Vou voltar várias vezes para reler.
Estou terminando o meu...
Beijo grande e parabéns!
Astrid Annabelle

Isa disse...
15 de outubro de 2010 às 00:33  

Waw! Quanta informação! Adoro sobretudo as suas histórias sobre Moçambique e o tempo que lá passou.

António, espreite o meu post quando puder e veja se gosta!

Um beijinho,

Isa

Cantinho da Cê disse...
15 de outubro de 2010 às 00:41  

Boa noite Antônio,

Vou postar a meia noite daqui sobre a Água também e coincidentemente vou colocar a música de Guilherme Arantes, Planeta Água no meu post.
Adorei o que você postou, ficou muito completo e bem feito, as fotos são maravilhosas assim como o texto. Parabéns!!!!

Beijos,

marcelo dalla disse...
15 de outubro de 2010 às 05:38  

Meu amigo querido!!!! Seus posts são sempre impecáveis!!!! Este particularmente está precioso, parabéns pelo belo trabalho. Vamos ver se arranjo tempo para participar, essa semana foi muito corrida.
Acabo de ter uma idéia: quem sabe uma mandala da àgua?
Agora vou lá beber água. Este post me deu sede. rsrsrs
abraçosssssssss

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 07:28  

Querida Astrid

Acabo de vir do seu blogue e deixar o meu comentário. Belo post o seu. Nós os dois somos os mais antigos participantes desta iniciativa, pois temos partilhaod os nossos posts desde o início, em 2008.

Tinha que meter a minha experiência da guerra, pois quando hoje leio que em várias partes do globo há guerra por causa da água, sei bem do que estão a falar, passe o facto de me ter ocorrido há 40 anos.

Beijos

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 07:28  

Isa,

'Estas' histórias moçambicanas em concreto, do período da guerra, não são as mais agradáveis apesar de me terem dado uma experiência de vida enorme.
~
Beijos

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 07:40  

Isa

Gostei muito do seu post, e a ligação ao mundo quântico e à necessidade de a protegermos. Senti falta de um link direccionado ao site organizador, ajudar ainda mais os seus leitores.

Beijos

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 07:42  



Já deixei o comentário no seu blogue. A sua mensagem ficou linda por demais. Adorei.

Muito agradecido pelas suas palavras aqui.

Beijos

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 07:43  

Marcelo

Acabo de vir do seu blogue onde deixei uma mensagem. Belo trabalho. Parabéns.

Grato por ter vindo até aqui,~~

Abraço

António

arKana disse...
15 de outubro de 2010 às 10:48  

Olá António, belo post!
não consigo imaginar o que deve ter sido em Moçambique! Viveu a preciosidade da Água... (creio)
Não conhecia a água como sub produto do universo, não fazia mesmo ideia! informação preciosa... mais uma vez! Sou grata!
Beijocas

Meri Pellens disse...
15 de outubro de 2010 às 11:18  

Sabe, quando falta luz elétrica é horrível, mas quando falta água é desesperador. Podemos até sobreviver sem luz elétrica, mas sem água, jamais.
Beijos na alma, querido Antônio.

Chica disse...
15 de outubro de 2010 às 11:24  

Que maravilha de depoimento,Antonio e quanta informação por aqui!

Aplausos,abraços, que haja a conscientização!chica

Tati Pastorello disse...
15 de outubro de 2010 às 11:35  

Bom dia amigo Antônio, estou encantada com sua postagem. Você fez um verdadeiro tratado sobre a água. Passou por tantos prismas, tantas visões diferentes sobre o tema, todas enriquecedoras. Incrível a parte sobre a formação das águas pela expansão planetária (formação de estrelas). E sua experiência pessoal, algo que não pode ser encontrado em qualquer outro local, e que nos faz refletir sobre a importância da água em nossas vidas, como é lidar, na prática, com sua ausência. Bom demais!
Também não resisti à música do Guilherme Arantes, é quase uma prece de devoção à água! hehehe Imagino que muitos mais farão referencia a ela, com mérito!
Beijos.

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 11:41  

Meri,

Acredito mesmo que a humanidade vai aprender a preservar este bem precioso, apesar de nas grandes cidades do chamado mundo ocidental, não se ligar muito, pois basta abrir a torneira.

Beijo

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 11:41  

Chica

Muito agradecido pro ter vindo e que a consciencialização seja um facto.

Beijos

António

Siala disse...
15 de outubro de 2010 às 11:57  

António, a tua experiência de vida é imensurável num tema como este. Uma coisa é sabermos que a água é preciosa, mas nunca termos sentido a falta real dela nas nossas vidas...outra completamente diferente é passar por uma experiência como a tua, com todas as nuances que um cenário de guerra/guerrilha pode trazer!
Uma partilha que nos faz pensar :) Um texto que agrupa a informação mais relevante sobre o tema de forma magistral!
Também já postei o meu, noutra perspectiva...preservamos tudo aquilo que respeitamos e honramos, neste caso a água como fonte de vida! Se todos fizermos a nossa parte... ;)
Namastê!

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 12:00  

Tati,

Quase que nos cruzámos na 'esfera', pois praticamente venho do seu blogue, que me encantou com a sua explicação bem didática para o dia-a-dia.

Muito agradecido pelo seu comentário. Senti que o acompanhou atentamente. Foi muito gratificante.

Beijo

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 12:14  

Siala,

Fico-te muito agradecido por teres enfatizado essa minha experiência. Nunca mais me esqueci que era necessário lutar para termos água bebível. Porque nem havia água potável.

Já visitei o teu novo blogue e gostei deste teu projecto. Vamos lá a ver em que vai desembocar. O início é prometedor.

Beijo

António

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...
15 de outubro de 2010 às 13:37  

poxa, é chover no molhado ao dizer que o post é completo, que aborda o tema com maestria.

mas eu admiro muito a sua riqueza de experiências. suas histórias, as coisas que você viveu. coisas tão únicas, momentos que muitos de nós jamais experimentará ou verá em vida.

você tem moral para falar do quanto a água é importante, do quanto ela faz falta. Será que o momento vivido por vc, com a escassez de água, é um retrato do futuro? creio eu que chegará o dia que o mundo brigará por água...

excelente!
bom dia!

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 13:58  

Alexandre, meu amigo,

Só de pensar que se pode dar uma séria escassez na água bebível ... até fico com tonturas. E quanto disparatadamente gastamos nas cidades, sem olhar a nada, pois é só abrir a torneira.

Muito agradecido por sua opinião e visita.

Abraço

António

Rui António Santos disse...
15 de outubro de 2010 às 15:01  

António, encantado com esta descrição completa sobre os problemas da falta de água na terra e da poluição que aumenta as dificuldades de certas populações da terra. Será que é tempo de haver uma nova Geração de cientistas empenhados em inventar mil e uma maneiras de se empenharem em não poluir a água potável existente na nossa terra, e em vez de gastarem milhões em naves espaciais para turistas, utilizarem o serviço das naves para encontrarem água noutros Planetas? Seria um novo estado de direito, com regras bem defidas para serviço de toda a população Mundial. Abraço muito Grande

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 15:08  

Rui,

Achei muito curiosa a sua ideia de ir buscar água a outros planetas. :)) Muito interessante, de preferência em planetas desabitados. A questão é outras: haverá planetas com água bebível (para nós) sem serem habitados?

Grande abraço

António

irradiandoluz disse...
15 de outubro de 2010 às 15:49  

Sensacional a publicação!

Parabéns, melhor manifestação que vi até agora sobre o Blog Action Day!

Incrível sua experiência! Conte mais!

Abração
Gabriel Dread

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 15:54  

Olá Gabriel, meu amigo

Muito agradecido pelas suas palavras e pelo seu constante apoio no Twitter. Tem sido fantástico as visitas que você tem trazido para aqui.

Abraço grande.

António

Glorinha L de Lion disse...
15 de outubro de 2010 às 16:17  

Espetacular mesmo amigo Antonio! E ainda contas tua experiência pessoal e imagino que depois disso dê muito mais valor à água do que as pessoas que não passaram por esta experiência. Muito bonito e consciente teu post. Que as pessoas ao redor do mundo consigam enxergar a verdadeira importância da água e da preservação do nosso planeta. Beijos, parabéns!

Astrid Annabelle disse...
15 de outubro de 2010 às 16:37  

António querido, boa tarde!
Estou chegando agora depois de doze horas sem net....fiquei chorando de raiva!!!!rss
Agora vou começar a fazer o giro pela blogosfera.
Tinha que começar por aqui, primeiro por sermos os mais antigos participantes dessa blogagem coletiva realmente e segundo porque eu estava exatamente aqui ontem à noite quando o sinal caiu.
Vou, mas quero lhe dizer que fiquei encantada com este seu post e sensibilizada com a sua experiência com a falta de água. Isso para mim é o pior desafio que pode existir. Ainda por cima em guerra!
Deus livre o planeta desse mal.
Eu obtei postar enfatizando a abundância de água que existe e acredite desconhecida.
Vou lá reponder seu comentário carinhoso.
Beijo grande e até já...pois eu volto para ler novamente seu post.
Astrid Annabelle

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 17:13  

Olá Glorinha

Muito obrigado pela visita e pela nunca da minha própria, mas hoje sei o valor não teórico da água. Consigo entender o valor físico e o valor factual.

~Vou já visitá-la em seguida.

Beijos

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 17:28  

Astrid

O seu pont de ontem à noite, mas que só li quando acordei deu-me ânimo para prosseguir. Entretanto recebi palavras simpáticas deste nosso movimento.

É muito simpático que somos dos blogueiros mais antigos em língua portuguesa neste movimento impressionante.

Quem quiser conhecer a história deste movimento, basta clicar 'aqui

Tudo começou
aqui, em 2008.

E hoje é o que sabe. Nem sei se foi porque soube por si ou se fui eu a passar a informação.

O dia aind anão acabou, mas vão 4845 blogues em 136 países num total de mais de 36 milhoess de audiência.

Beijos

António

Ana disse...
15 de outubro de 2010 às 18:18  

Nossa Antonio, que post maravilhoso!!
Ameiiii!

beijos

Nilce disse...
15 de outubro de 2010 às 18:55  

Seu post está primoroso.
Água é vida. Que cada um de nós faça sua parte na preservação desse bem indispensável.


Bjs no coração!

Nilce

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 19:32  

Ana

Obrigado. Também gostei muiot do seu.

Beijos.

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 19:38  

Nilce,

Completamente de acordo. Que façamos da água o bem mais precioso das nossas vidas.

Beijos agradecidos,

António

Rui António Santos disse...
15 de outubro de 2010 às 19:42  

Boa pergunta António, o que o futuro nos reserva ainda não sabemos, mas de certeza os nossos cientistas no tempo e no momento certo terão as correspondentes inspirações.

Michele P. disse...
15 de outubro de 2010 às 20:28  

Antônio

Excelente abordagem, rica em detalhes e com experiências pessoais. É uma pena que nem todos tenham consciência do problema que estamos prestes a enfrentar caso esta questão não seja levada a sério.
Por isso da importância de escritos como este seu.

Um abraço e o desejo de um bom final de semana!

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 20:58  

Rui

Aguardemos então!

Abraço.

António

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 21:00  

Michelle,

Muito agradecido por seu comentário. Fico feliz que tenha agradado a várias pessoas. Vou já visitá-la antes de desligar o computador, por hoje.

Beijos

António

Malu disse...
15 de outubro de 2010 às 21:47  

Maravilhoso post , António.


Um alerta importante e urgente ...

Parabéns pelo texto , imagens e , especialmente,
pelo esclarecimento de um problema tão sério que atinge todo o Planeta.


Bjo e uma Noite de Paz.

orvalho do ceu disse...
15 de outubro de 2010 às 21:47  

Olá, Antônio
Também fiz um post sobre a água em nosso planeta, na Teia Ambiental. Muito bom o seu!!!
Passo para agradecer a sua visita ao meu Blog, ofertar-lhe um selinho feito exclusivamente para meus seguidores pelas 30.000 visitas e dizer-lhe meu muito obrigada pelo carinho e amizade.
Nosso trabalho honesto como blogueiro(a) engrandece o nome do nosso Criador.
Tenha excelente fim de semana!!!
Bjs

António Rosa disse...
16 de outubro de 2010 às 07:19  

Malu

Muito agradecido pelo comentário. Adoro quando as pessoas interagem aqui no blogue.

Beijo e um bom dia para si.

António

António Rosa disse...
16 de outubro de 2010 às 07:30  

Orvalho do céu,

Muito agradecido pelo selinho. Muito simpático e irei guradá.lo no meio dos outros que tenho recebido. Gostei de voltar aos seus blogues. Infelizmente, não consegui encontrar esse Teia Ambiental, pois não faz parte da sua lista de 7 blogues e olhe que percorri um-a-um.

Beijo

António

15 de outubro de 2010

Blog Action Day 2010 - Água - Water - E minha experiência pessoal

Alguns factos:
O planeta Terra tem actualmente cerca de 6.6 biliões de pessoas. A água representa cerca de 70% no nosso planeta. No entanto, apenas 0,01% da água na Terra é bebível - não confundir com potável. Não é assim tanta água para tamanha população. Cerca de 1.1 bilião de pessoas não têm acesso a água limpa; 2.6 biliões não têm acesso à saúde, devido a falta de água com qualidade. A cada 15 segundos, morre uma criança com algum problema de saúde relacionado com água não-segura. Em África, por exemplo, mulheres andam a pé, entre 3 a 6 horas, para acederem à água e trazê-la para a família. Em alguns pontos do globo, muitas famílias necessitam de 2 dias para chegarem à fonte de água bebível.  Sabe quanta água é necessária para as fábricas produzirem 1 calça de ganga? Cerca de 11 litros. Alguns pesquisadores estimam que em 2025, mais de metade da população mundial sofrerá com a falta de água potável. Cerca de 70% da água doce do mundo é consumida pela agricultura.

Em muitas partes do mundo pessoas andam muitos quilómetros à procura de água. Habitualmente, é uma responsabilidade das mulheres.


Experiência pessoal, na recolha de água bebível
 

No meu serviço militar, 1970-73, no norte de Moçambique, então zona de guerra, fazíamos muitos e muitos quilómetros à procura de água, quando estávamos fora dos quartéis. Eram necessários muitos militares armados para defenderem a água que recolhíamos, pois era frequente sermos atacados e emboscados, pela parte contrária. Cheguei a estar, numa missão  militar em pleno mato, durante 98 dias seguidos. Quando encontrávamos água, era uma festa. Primeiro recolhíamos água para bebermos. Depois, tomávamos um banho rápido, sem detergentes, enquanto à nossa volta,  um numeroso contingente de companheiros, nos protegiam, com armas em riste, as velhinhas G3. A seguir, revezávamo-nos.  Chegámos a estar 20 dias sem podermos lavar o corpo. Lavar o corpo significava, simplesmente, deitar  água  em cima de nós usando uma lata, que guardávamos como se fosse uma jóia preciosa. Estou de tshirt branca e a foto mostra-nos na fase de recolha de água, na floresta de Cabo Delgado, Moçambique.

Água no universo

Grande parte da água do universo pode ser um subproduto de uma formação estelar. O nascimento das estrelas é acompanhado por um forte vento de gás e poeira. Quando esse fluxo de material impacta o gás circundante, as ondas de choque que são criadas comprimem e aquecem o gás, produzindo água. A água tem sido detectada em nebulosas na nossa galáxia, a Via Láctea. Provavelmente existe água em abundância em outras galáxias porque os seus elementos, hidrogénio e oxigénio, estão entre os mais abundantes no universo. Por vezes, nuvens interestelares condensam em nébulas solares e sistemas solares como o nosso.

A dificuldade na obtenção de água bebível ou potável,
ocasiona sérios problemas à saúde

A água no corpo humano
 Todas as formas conhecidas de vida precisam de água. Os humanos consomem "água de beber", ou seja, água compatível com as características do nosso corpo. A água é o principal constituinte (entre 70% a 75%) no corpo humano, e a sua quantidade depende de vários fatcores estabelecidos durante a vida do indivíduo, entre eles a idade, o sexo, a massa muscular, o aumento ou perda de peso, o tecido adiposo, e até mesmo a gravidez ou lactação. A água é um componente essencial para o bom funcionamento geral do organismo, ajudando em algumas funções vitais, tais como o controle de temperatura do corpo, por exemplo.

Oceanos poluídos


Religião e filosofia
 A água é considerada como purificadora na maioria das religiões, incluindo o Hinduísmo, Cristianismo, Judaísmo, Islamismo, Xintoísmo e Wicca. O exemplo do baptismo nas igrejas cristãs é praticado com água, simbolizando o nascimento de um novo ser. Verifica-se que, nas mitologias politeístas, os deuses vinculados à água — Vishnu, Enki e Poseidon  (Neptuno), — para citar apenas alguns exemplos —, em regra, possuem mais seguidores, gozam de maior prestígio ou ocupam graduação mais elevada em relação às demais divindades representantes de outros fenómenos naturais. Na mitologia Celta, Sulis é a deusa das nascentes termais. No Hinduísmo, o rio Ganges é personificado como uma deusa, enquanto que Sarasvati é referida como a deusa dos Vedas. A água é também um dos tatvas (cinco elementos básicos da natureza segundo o Hinduísmo, onde se incluem o fogo, a terra, o akasha e o ar). Em outras tradições, deuses e deusas são mencionados como patronos locais de nascentes, rios ou lagos, como no exemplo da mitologia grega e romana, onde Peneus era o deus do rio. Na religião Wicca a água é tida como um dos símbolos da Grande-Deusa, assim como o cálice e o caldeirão. Na Nova Versão Internacional da Bíblia, o termo "água" é mencionado 442 vezes.

A nossa vida, muito facilitada?


Sobre as modernas embalagens de plástico
O plástico tem como matéria-prima o petróleo e o gás natural, dois recursos não renováveis. Para além disso, são usadas mais de 1,5 milhões de toneladas de plástico só para fabricar garrafas de água. O plástico liberta algumas toxinas e, contrariamente ao que muitos pensam, algumas substâncias podem ser mais difíceis de controlar na garrafa do que na torneira, uma vez que estas se armazenam durante períodos mais longos e a temperaturas mais altas, aumentando até níveis tóxicos a concentração de microorganismos que em pequenas concentrações não são prejudiciais à saúde. Quando as garrafas de plástico não são recicladas, podem ir para aterros sanitários. O mundo está cheio de aterros sanitários e, como as garrafas de plástico se decompõem a uma velocidade muito baixa, permanecerão nos aterros por muitas centenas de anos. Actualmente o processo de reciclagem de resíduos movimenta uma grande indústria, evitando que este problema se acentue ainda mais. Há, no entanto, deposição de garrafas de água em zonas mais inacessíveis à sociedade ocidental, o que se revela um problema de poluição grave e empobrecimento da qualidade de vida do planeta e, portanto, dos seres humanos.
Muitas das informações aqui expostas foram recolhidas na Wikipédia

«Planeta Água», de Guilherme Arantes



Água, a fonte da vida


 
Conheça este site:
www.charitywater.org
 
 
.

40 comentários:

Astrid Annabelle disse...

ESPETACULAR!!!!
António que maravilha!
Que história a sua experiência na guerra hein?
Gostei da foto..já conhecia.rsss (isso que dá ser de casa!)
Vou voltar várias vezes para reler.
Estou terminando o meu...
Beijo grande e parabéns!
Astrid Annabelle

Isa disse...

Waw! Quanta informação! Adoro sobretudo as suas histórias sobre Moçambique e o tempo que lá passou.

António, espreite o meu post quando puder e veja se gosta!

Um beijinho,

Isa

Cantinho da Cê disse...

Boa noite Antônio,

Vou postar a meia noite daqui sobre a Água também e coincidentemente vou colocar a música de Guilherme Arantes, Planeta Água no meu post.
Adorei o que você postou, ficou muito completo e bem feito, as fotos são maravilhosas assim como o texto. Parabéns!!!!

Beijos,

marcelo dalla disse...

Meu amigo querido!!!! Seus posts são sempre impecáveis!!!! Este particularmente está precioso, parabéns pelo belo trabalho. Vamos ver se arranjo tempo para participar, essa semana foi muito corrida.
Acabo de ter uma idéia: quem sabe uma mandala da àgua?
Agora vou lá beber água. Este post me deu sede. rsrsrs
abraçosssssssss

António Rosa disse...

Querida Astrid

Acabo de vir do seu blogue e deixar o meu comentário. Belo post o seu. Nós os dois somos os mais antigos participantes desta iniciativa, pois temos partilhaod os nossos posts desde o início, em 2008.

Tinha que meter a minha experiência da guerra, pois quando hoje leio que em várias partes do globo há guerra por causa da água, sei bem do que estão a falar, passe o facto de me ter ocorrido há 40 anos.

Beijos

António

António Rosa disse...

Isa,

'Estas' histórias moçambicanas em concreto, do período da guerra, não são as mais agradáveis apesar de me terem dado uma experiência de vida enorme.
~
Beijos

António

António Rosa disse...

Isa

Gostei muito do seu post, e a ligação ao mundo quântico e à necessidade de a protegermos. Senti falta de um link direccionado ao site organizador, ajudar ainda mais os seus leitores.

Beijos

António

António Rosa disse...



Já deixei o comentário no seu blogue. A sua mensagem ficou linda por demais. Adorei.

Muito agradecido pelas suas palavras aqui.

Beijos

António

António Rosa disse...

Marcelo

Acabo de vir do seu blogue onde deixei uma mensagem. Belo trabalho. Parabéns.

Grato por ter vindo até aqui,~~

Abraço

António

arKana disse...

Olá António, belo post!
não consigo imaginar o que deve ter sido em Moçambique! Viveu a preciosidade da Água... (creio)
Não conhecia a água como sub produto do universo, não fazia mesmo ideia! informação preciosa... mais uma vez! Sou grata!
Beijocas

Meri Pellens disse...

Sabe, quando falta luz elétrica é horrível, mas quando falta água é desesperador. Podemos até sobreviver sem luz elétrica, mas sem água, jamais.
Beijos na alma, querido Antônio.

Chica disse...

Que maravilha de depoimento,Antonio e quanta informação por aqui!

Aplausos,abraços, que haja a conscientização!chica

Tati Pastorello disse...

Bom dia amigo Antônio, estou encantada com sua postagem. Você fez um verdadeiro tratado sobre a água. Passou por tantos prismas, tantas visões diferentes sobre o tema, todas enriquecedoras. Incrível a parte sobre a formação das águas pela expansão planetária (formação de estrelas). E sua experiência pessoal, algo que não pode ser encontrado em qualquer outro local, e que nos faz refletir sobre a importância da água em nossas vidas, como é lidar, na prática, com sua ausência. Bom demais!
Também não resisti à música do Guilherme Arantes, é quase uma prece de devoção à água! hehehe Imagino que muitos mais farão referencia a ela, com mérito!
Beijos.

António Rosa disse...

Meri,

Acredito mesmo que a humanidade vai aprender a preservar este bem precioso, apesar de nas grandes cidades do chamado mundo ocidental, não se ligar muito, pois basta abrir a torneira.

Beijo

António

António Rosa disse...

Chica

Muito agradecido pro ter vindo e que a consciencialização seja um facto.

Beijos

António

Siala disse...

António, a tua experiência de vida é imensurável num tema como este. Uma coisa é sabermos que a água é preciosa, mas nunca termos sentido a falta real dela nas nossas vidas...outra completamente diferente é passar por uma experiência como a tua, com todas as nuances que um cenário de guerra/guerrilha pode trazer!
Uma partilha que nos faz pensar :) Um texto que agrupa a informação mais relevante sobre o tema de forma magistral!
Também já postei o meu, noutra perspectiva...preservamos tudo aquilo que respeitamos e honramos, neste caso a água como fonte de vida! Se todos fizermos a nossa parte... ;)
Namastê!

António Rosa disse...

Tati,

Quase que nos cruzámos na 'esfera', pois praticamente venho do seu blogue, que me encantou com a sua explicação bem didática para o dia-a-dia.

Muito agradecido pelo seu comentário. Senti que o acompanhou atentamente. Foi muito gratificante.

Beijo

António

António Rosa disse...

Siala,

Fico-te muito agradecido por teres enfatizado essa minha experiência. Nunca mais me esqueci que era necessário lutar para termos água bebível. Porque nem havia água potável.

Já visitei o teu novo blogue e gostei deste teu projecto. Vamos lá a ver em que vai desembocar. O início é prometedor.

Beijo

António

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

poxa, é chover no molhado ao dizer que o post é completo, que aborda o tema com maestria.

mas eu admiro muito a sua riqueza de experiências. suas histórias, as coisas que você viveu. coisas tão únicas, momentos que muitos de nós jamais experimentará ou verá em vida.

você tem moral para falar do quanto a água é importante, do quanto ela faz falta. Será que o momento vivido por vc, com a escassez de água, é um retrato do futuro? creio eu que chegará o dia que o mundo brigará por água...

excelente!
bom dia!

António Rosa disse...

Alexandre, meu amigo,

Só de pensar que se pode dar uma séria escassez na água bebível ... até fico com tonturas. E quanto disparatadamente gastamos nas cidades, sem olhar a nada, pois é só abrir a torneira.

Muito agradecido por sua opinião e visita.

Abraço

António

Rui António Santos disse...

António, encantado com esta descrição completa sobre os problemas da falta de água na terra e da poluição que aumenta as dificuldades de certas populações da terra. Será que é tempo de haver uma nova Geração de cientistas empenhados em inventar mil e uma maneiras de se empenharem em não poluir a água potável existente na nossa terra, e em vez de gastarem milhões em naves espaciais para turistas, utilizarem o serviço das naves para encontrarem água noutros Planetas? Seria um novo estado de direito, com regras bem defidas para serviço de toda a população Mundial. Abraço muito Grande

António Rosa disse...

Rui,

Achei muito curiosa a sua ideia de ir buscar água a outros planetas. :)) Muito interessante, de preferência em planetas desabitados. A questão é outras: haverá planetas com água bebível (para nós) sem serem habitados?

Grande abraço

António

irradiandoluz disse...

Sensacional a publicação!

Parabéns, melhor manifestação que vi até agora sobre o Blog Action Day!

Incrível sua experiência! Conte mais!

Abração
Gabriel Dread

António Rosa disse...

Olá Gabriel, meu amigo

Muito agradecido pelas suas palavras e pelo seu constante apoio no Twitter. Tem sido fantástico as visitas que você tem trazido para aqui.

Abraço grande.

António

Glorinha L de Lion disse...

Espetacular mesmo amigo Antonio! E ainda contas tua experiência pessoal e imagino que depois disso dê muito mais valor à água do que as pessoas que não passaram por esta experiência. Muito bonito e consciente teu post. Que as pessoas ao redor do mundo consigam enxergar a verdadeira importância da água e da preservação do nosso planeta. Beijos, parabéns!

Astrid Annabelle disse...

António querido, boa tarde!
Estou chegando agora depois de doze horas sem net....fiquei chorando de raiva!!!!rss
Agora vou começar a fazer o giro pela blogosfera.
Tinha que começar por aqui, primeiro por sermos os mais antigos participantes dessa blogagem coletiva realmente e segundo porque eu estava exatamente aqui ontem à noite quando o sinal caiu.
Vou, mas quero lhe dizer que fiquei encantada com este seu post e sensibilizada com a sua experiência com a falta de água. Isso para mim é o pior desafio que pode existir. Ainda por cima em guerra!
Deus livre o planeta desse mal.
Eu obtei postar enfatizando a abundância de água que existe e acredite desconhecida.
Vou lá reponder seu comentário carinhoso.
Beijo grande e até já...pois eu volto para ler novamente seu post.
Astrid Annabelle

António Rosa disse...

Olá Glorinha

Muito obrigado pela visita e pela nunca da minha própria, mas hoje sei o valor não teórico da água. Consigo entender o valor físico e o valor factual.

~Vou já visitá-la em seguida.

Beijos

António

António Rosa disse...

Astrid

O seu pont de ontem à noite, mas que só li quando acordei deu-me ânimo para prosseguir. Entretanto recebi palavras simpáticas deste nosso movimento.

É muito simpático que somos dos blogueiros mais antigos em língua portuguesa neste movimento impressionante.

Quem quiser conhecer a história deste movimento, basta clicar 'aqui

Tudo começou
aqui, em 2008.

E hoje é o que sabe. Nem sei se foi porque soube por si ou se fui eu a passar a informação.

O dia aind anão acabou, mas vão 4845 blogues em 136 países num total de mais de 36 milhoess de audiência.

Beijos

António

Ana disse...

Nossa Antonio, que post maravilhoso!!
Ameiiii!

beijos

Nilce disse...

Seu post está primoroso.
Água é vida. Que cada um de nós faça sua parte na preservação desse bem indispensável.


Bjs no coração!

Nilce

António Rosa disse...

Ana

Obrigado. Também gostei muiot do seu.

Beijos.

António

António Rosa disse...

Nilce,

Completamente de acordo. Que façamos da água o bem mais precioso das nossas vidas.

Beijos agradecidos,

António

Rui António Santos disse...

Boa pergunta António, o que o futuro nos reserva ainda não sabemos, mas de certeza os nossos cientistas no tempo e no momento certo terão as correspondentes inspirações.

Michele P. disse...

Antônio

Excelente abordagem, rica em detalhes e com experiências pessoais. É uma pena que nem todos tenham consciência do problema que estamos prestes a enfrentar caso esta questão não seja levada a sério.
Por isso da importância de escritos como este seu.

Um abraço e o desejo de um bom final de semana!

António Rosa disse...

Rui

Aguardemos então!

Abraço.

António

António Rosa disse...

Michelle,

Muito agradecido por seu comentário. Fico feliz que tenha agradado a várias pessoas. Vou já visitá-la antes de desligar o computador, por hoje.

Beijos

António

Malu disse...

Maravilhoso post , António.


Um alerta importante e urgente ...

Parabéns pelo texto , imagens e , especialmente,
pelo esclarecimento de um problema tão sério que atinge todo o Planeta.


Bjo e uma Noite de Paz.

orvalho do ceu disse...

Olá, Antônio
Também fiz um post sobre a água em nosso planeta, na Teia Ambiental. Muito bom o seu!!!
Passo para agradecer a sua visita ao meu Blog, ofertar-lhe um selinho feito exclusivamente para meus seguidores pelas 30.000 visitas e dizer-lhe meu muito obrigada pelo carinho e amizade.
Nosso trabalho honesto como blogueiro(a) engrandece o nome do nosso Criador.
Tenha excelente fim de semana!!!
Bjs

António Rosa disse...

Malu

Muito agradecido pelo comentário. Adoro quando as pessoas interagem aqui no blogue.

Beijo e um bom dia para si.

António

António Rosa disse...

Orvalho do céu,

Muito agradecido pelo selinho. Muito simpático e irei guradá.lo no meio dos outros que tenho recebido. Gostei de voltar aos seus blogues. Infelizmente, não consegui encontrar esse Teia Ambiental, pois não faz parte da sua lista de 7 blogues e olhe que percorri um-a-um.

Beijo

António

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates