A ilha de Moçambique moderniza-se com a criação dos conhecidos «pedicabs» [riquexó a pedal] como meio de transporte local

23 de agosto de 2011 ·

Foto recente (2011), editada por mim, e da autoria do amigo e conterrâneo sr. Ossemane Abdul Satar Daudo
Não tenho a certeza, mas parece que a comunidade municipal da ilha de Moçambique decidiu investir na construção de 4 «pedicabs» (tipo de riquexós, mas puxados por um tipo de triciclo). E fez muito bem. Só desejo que o alcatrão chegue depressa às ruas, para que as «pedicabeiras» que puxam os veículos não o façam de forma penosa. Reparem que o chão é de terra.

Em Portugal não há «pedicabs» pois a sua circulação é proibida pela legislação já ultrapassada em anos pela evolução dos acontecimento. O nosso Código da Estrada de Portugal proíbe activamente o transporte de passageiros (adultos) em velocípedes. E os «pedicabs» são classificados como velocípedes. Enquanto esta legislação obsoleta existir, a modernidade e o eco transporte não vai entrar por terras lusas.

«Pedicab» é o termo inglês para designar um triciclo-a-pedal-táxi, também conhecido por riquexó a pedal. 

Um «riquexó» é um «veículo de duas rodas para uma ou duas pessoas, puxado por uma pessoa a pé ou de bicicleta, frequente em cidades do Oriente». Existiam na ilha de Moçambique em quantidade e hoje, os poucos exemplares que restaram, estão guardados no museu. O riquexó surgiu inicialmente como sendo, basicamente, uma carroça puxada por uma pessoa, há cerca de 150 anos.


No Oriente, os riquexós estão a ser massivamente substituídos por «pedicabs»,
e ultimamente, já existem milhares de pedicabs motorizados.

Foto daqui. O chão ainda estava alcatroado.
Com a independência de Moçambique, os riquexós foram retirados de circulação.



Todos os «pedicabs» que a seguir apresento são de Nova Iorque e 
encontrados no site da empresa «Main Streets Padicabs, Inc.»


Em contrapartida, no Ocidente, vão aparecendo mais e mais, também muito ligado ao turismo, mas não só, e utilizando veículos modernos, mais eficientes e menos duros para os condutores. Nova Iorque é um dos muitos casos de sucesso da implantação deste veículo, que claramente, vai ao encontro dos ambientalistas e já lhes chamam «ecopedicabs». Não são de preço acessível, pois podem variar entre os 5.000 e os 10.000 euros por unidade.

Os primeiros «pedicabs» de Nova Iorque surgiram logo no início dos anos 90.
Não sei explicar a estranha sensação quando andei num deles. Gostei, mas senti que tinha
um ser humano a esforçar-se muito para me transportar. E isso que eu era bem menos pesado.


Alguns países que usam os «pedicabs» (por ordem alfabética):
Alemanha, Bengladesh, China, EUA (nas maiores cidades planas do país),
Filipinas, Índia, Indonésia, Inglaterra, Irlanda, Finlândia, Malásia, Polónia, Suiça,
e agora, também na Ilha de Moçambique. 


Um modelo mais moderno.


Publicidade tradicional nos pedicabs.



Mais publicidade (filmes), que dá rentabilidade aos seus proprietários.


.

3 comentários:

Astrid Annabelle disse...
23 de agosto de 2011 às 21:18  

Essa é sem dúvida uma boa idéia. Aqui em Ubatuba existe algo similar...são bicicletas duplas, mas cobertas como os "pedicabs" que são alugadas para turistas. Neste caso os turistas que alugam é que pedalam.
Dessa maneira os turistas que não querem percorrer toda a orla da praia a pé, fazem o trajeto pedalando. Agora é cobrado como taxi... o preço depende do tempo que você usa.
Gostei desse post António.
Beijo grande.
Astrid Annabelle

Anónimo disse...
24 de agosto de 2011 às 12:32  

Peço desculpa mas este post parece-me que tem um certo pendor nostálgico ou estarei errado? Será que o meu amigo acharia prático deslocar-se no seu dia-a-dia e cumprir os seus horários de riquexó? Acho que só mesmo numa comunidade pequena como a Ilha onde o tempo tem outro valor e outra dimensão... No entanto é uma ideia interessante sem dúvida = menos stress +mais serenidade +qualidade de vida

António Rosa disse...
24 de agosto de 2011 às 14:40  

Caro anónimo,

Não me lembro de ter sentido qualquer nostalgia ao preparar o post, que procurei fosse explicativo.Mas tudo é possível. Agradecido.

23 de agosto de 2011

A ilha de Moçambique moderniza-se com a criação dos conhecidos «pedicabs» [riquexó a pedal] como meio de transporte local

Foto recente (2011), editada por mim, e da autoria do amigo e conterrâneo sr. Ossemane Abdul Satar Daudo
Não tenho a certeza, mas parece que a comunidade municipal da ilha de Moçambique decidiu investir na construção de 4 «pedicabs» (tipo de riquexós, mas puxados por um tipo de triciclo). E fez muito bem. Só desejo que o alcatrão chegue depressa às ruas, para que as «pedicabeiras» que puxam os veículos não o façam de forma penosa. Reparem que o chão é de terra.

Em Portugal não há «pedicabs» pois a sua circulação é proibida pela legislação já ultrapassada em anos pela evolução dos acontecimento. O nosso Código da Estrada de Portugal proíbe activamente o transporte de passageiros (adultos) em velocípedes. E os «pedicabs» são classificados como velocípedes. Enquanto esta legislação obsoleta existir, a modernidade e o eco transporte não vai entrar por terras lusas.

«Pedicab» é o termo inglês para designar um triciclo-a-pedal-táxi, também conhecido por riquexó a pedal. 

Um «riquexó» é um «veículo de duas rodas para uma ou duas pessoas, puxado por uma pessoa a pé ou de bicicleta, frequente em cidades do Oriente». Existiam na ilha de Moçambique em quantidade e hoje, os poucos exemplares que restaram, estão guardados no museu. O riquexó surgiu inicialmente como sendo, basicamente, uma carroça puxada por uma pessoa, há cerca de 150 anos.


No Oriente, os riquexós estão a ser massivamente substituídos por «pedicabs»,
e ultimamente, já existem milhares de pedicabs motorizados.

Foto daqui. O chão ainda estava alcatroado.
Com a independência de Moçambique, os riquexós foram retirados de circulação.



Todos os «pedicabs» que a seguir apresento são de Nova Iorque e 
encontrados no site da empresa «Main Streets Padicabs, Inc.»


Em contrapartida, no Ocidente, vão aparecendo mais e mais, também muito ligado ao turismo, mas não só, e utilizando veículos modernos, mais eficientes e menos duros para os condutores. Nova Iorque é um dos muitos casos de sucesso da implantação deste veículo, que claramente, vai ao encontro dos ambientalistas e já lhes chamam «ecopedicabs». Não são de preço acessível, pois podem variar entre os 5.000 e os 10.000 euros por unidade.

Os primeiros «pedicabs» de Nova Iorque surgiram logo no início dos anos 90.
Não sei explicar a estranha sensação quando andei num deles. Gostei, mas senti que tinha
um ser humano a esforçar-se muito para me transportar. E isso que eu era bem menos pesado.


Alguns países que usam os «pedicabs» (por ordem alfabética):
Alemanha, Bengladesh, China, EUA (nas maiores cidades planas do país),
Filipinas, Índia, Indonésia, Inglaterra, Irlanda, Finlândia, Malásia, Polónia, Suiça,
e agora, também na Ilha de Moçambique. 


Um modelo mais moderno.


Publicidade tradicional nos pedicabs.



Mais publicidade (filmes), que dá rentabilidade aos seus proprietários.


.

3 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Essa é sem dúvida uma boa idéia. Aqui em Ubatuba existe algo similar...são bicicletas duplas, mas cobertas como os "pedicabs" que são alugadas para turistas. Neste caso os turistas que alugam é que pedalam.
Dessa maneira os turistas que não querem percorrer toda a orla da praia a pé, fazem o trajeto pedalando. Agora é cobrado como taxi... o preço depende do tempo que você usa.
Gostei desse post António.
Beijo grande.
Astrid Annabelle

Anónimo disse...

Peço desculpa mas este post parece-me que tem um certo pendor nostálgico ou estarei errado? Será que o meu amigo acharia prático deslocar-se no seu dia-a-dia e cumprir os seus horários de riquexó? Acho que só mesmo numa comunidade pequena como a Ilha onde o tempo tem outro valor e outra dimensão... No entanto é uma ideia interessante sem dúvida = menos stress +mais serenidade +qualidade de vida

António Rosa disse...

Caro anónimo,

Não me lembro de ter sentido qualquer nostalgia ao preparar o post, que procurei fosse explicativo.Mas tudo é possível. Agradecido.

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates