Os seres humanos «sabem» como fazerem auto sabotagem sexual

4 de agosto de 2011 ·

Os casais (solteiros ou casados) sabem que o sexo pode converter-se numa maneira fácil de manipular ou castigar o outro. Também pode ser usado como arma para atacar indirectamente alguém que nos tenha ferido. As nossas frustrações podem levar-nos a estratégias dissimuladas. É difícil afirmar quem será o mais coercivo neste caso: se o agressor que quer satisfazer-se sem perguntar primeiro, ou o repressor que se nega a ter sexo sem explicar a razão. Ambos jogam voluntariamente um desafio que a longo prazo será autodestrutivo.

Obviamente tenho estado a falar de Plutão em múltiplas vertentes: quando em trânsito pela casa 8, quando faz aspecto a Marte ou quando desafia Vénus.

Como agressor, o ser humano pode ceder aos seus instintos predatórios que o tornam muito egoísta na compulsão pela satisfação sexual. Como repressor, podemos esfriar as relações usando o distanciamento emocional como táctica de controle para mascarar o nojo que se pode chegar a sentir pela outra pessoa.

Conheço casos em que estas situações foram levadas a tais extremos que já nem se apercebem da forma como se estão a autodestruir. Se existirem estas tendências – ser agressor ou ser repressor – contem que Plutão encarregar-se-á de fazer sentir que alguém, num casal, anda a ser desonesto (agressor) ou cruel (repressor) impondo-se a limpeza energética desta situação.

Como se limpam situações extremas como esta? Sendo honestos e atrevendo-se a falar, um com o outro, com a maior abertura. Pode ser necessário um processo de redenção.

Aqueles casais que não estabelecem a ponte do diálogo, que se preparem para as consequências dos seus actos excessivos. Não é surpreendente o aparecimento de uma doença que afecte o funcionamento sexual ou cancros associados à ausência de amor.

Este pot foi publicado a 1ª vez, aqui no Cova do Urso, em Setembro 2010.

4 comentários:

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...
4 de agosto de 2011 às 18:22  

Interessante!

Sem duvida o dialogo ajuda, não só nesta situação, mas em muitas outras ;))

Astrid Annabelle disse...
4 de agosto de 2011 às 20:34  

É preciso conversar sem dúvida...nem só por conta das conseqüências que mencionou António, mas por uma questão de integridade. Pois, se escolhemos viver juntos então precisamos conversar sobre o porque escolhemos não mais compartilhar a intimidade.
Lembro deste post...
Beijos
Astrid Annabelle

Luma Rosa disse...
5 de agosto de 2011 às 02:15  

Em todos os tipos de relações, o diálogo é fundamental. Não é a primeira vez que vejo associadas doenças adquiridas com o sentimento de mágoa e frustração. Talvez sirvam como válvulas de escape e por oportunismo (baixa imunidade)elas se manifestem, já que muitas possuem carga genética.
Com relação as pessoas se preservarem do sexo, já foi constatada em pesquisa que muitos casados arrumam doenças (dor de cabeça, etc.) para evitar o contato sexual, outros chegam a engordar ou mesmo procurar a satisfação por meio do sentido oral, confeccionando ou se alimentando em demasiado.
Acho muito estranho essas atitudes, por que ao final, o ser humano acaba se mutilando de tal forma a não encontrar mais os seus pedaços.
Beijus,

Astrid Annabelle disse...
5 de agosto de 2011 às 18:37  

Bom tarde António!
Estive aqui de manhã cedo e escrevi o que se segue...e o sinal da net caiu...Mercúrio retrógrado!!!

***
Tenho por hábito reler os seus posts e hoje lendo os comentários adorei uma frase do comentário da Luma:
"Acho muito estranho essas atitudes, por que ao final, o ser humano acaba se mutilando de tal forma a não encontrar mais os seus pedaços."
Isso é vero!!!! E como. Não existem pessoas, existem os pedaços! E em cada canto existem {pedaços}, deixados todos misturados, órfãos perdidos da sua matriz.
Não é a toa que o a sociedade é o que é.
***

Beijo grande
Astrid Annabelle

4 de agosto de 2011

Os seres humanos «sabem» como fazerem auto sabotagem sexual

Os casais (solteiros ou casados) sabem que o sexo pode converter-se numa maneira fácil de manipular ou castigar o outro. Também pode ser usado como arma para atacar indirectamente alguém que nos tenha ferido. As nossas frustrações podem levar-nos a estratégias dissimuladas. É difícil afirmar quem será o mais coercivo neste caso: se o agressor que quer satisfazer-se sem perguntar primeiro, ou o repressor que se nega a ter sexo sem explicar a razão. Ambos jogam voluntariamente um desafio que a longo prazo será autodestrutivo.

Obviamente tenho estado a falar de Plutão em múltiplas vertentes: quando em trânsito pela casa 8, quando faz aspecto a Marte ou quando desafia Vénus.

Como agressor, o ser humano pode ceder aos seus instintos predatórios que o tornam muito egoísta na compulsão pela satisfação sexual. Como repressor, podemos esfriar as relações usando o distanciamento emocional como táctica de controle para mascarar o nojo que se pode chegar a sentir pela outra pessoa.

Conheço casos em que estas situações foram levadas a tais extremos que já nem se apercebem da forma como se estão a autodestruir. Se existirem estas tendências – ser agressor ou ser repressor – contem que Plutão encarregar-se-á de fazer sentir que alguém, num casal, anda a ser desonesto (agressor) ou cruel (repressor) impondo-se a limpeza energética desta situação.

Como se limpam situações extremas como esta? Sendo honestos e atrevendo-se a falar, um com o outro, com a maior abertura. Pode ser necessário um processo de redenção.

Aqueles casais que não estabelecem a ponte do diálogo, que se preparem para as consequências dos seus actos excessivos. Não é surpreendente o aparecimento de uma doença que afecte o funcionamento sexual ou cancros associados à ausência de amor.

Este pot foi publicado a 1ª vez, aqui no Cova do Urso, em Setembro 2010.

4 comentários:

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Interessante!

Sem duvida o dialogo ajuda, não só nesta situação, mas em muitas outras ;))

Astrid Annabelle disse...

É preciso conversar sem dúvida...nem só por conta das conseqüências que mencionou António, mas por uma questão de integridade. Pois, se escolhemos viver juntos então precisamos conversar sobre o porque escolhemos não mais compartilhar a intimidade.
Lembro deste post...
Beijos
Astrid Annabelle

Luma Rosa disse...

Em todos os tipos de relações, o diálogo é fundamental. Não é a primeira vez que vejo associadas doenças adquiridas com o sentimento de mágoa e frustração. Talvez sirvam como válvulas de escape e por oportunismo (baixa imunidade)elas se manifestem, já que muitas possuem carga genética.
Com relação as pessoas se preservarem do sexo, já foi constatada em pesquisa que muitos casados arrumam doenças (dor de cabeça, etc.) para evitar o contato sexual, outros chegam a engordar ou mesmo procurar a satisfação por meio do sentido oral, confeccionando ou se alimentando em demasiado.
Acho muito estranho essas atitudes, por que ao final, o ser humano acaba se mutilando de tal forma a não encontrar mais os seus pedaços.
Beijus,

Astrid Annabelle disse...

Bom tarde António!
Estive aqui de manhã cedo e escrevi o que se segue...e o sinal da net caiu...Mercúrio retrógrado!!!

***
Tenho por hábito reler os seus posts e hoje lendo os comentários adorei uma frase do comentário da Luma:
"Acho muito estranho essas atitudes, por que ao final, o ser humano acaba se mutilando de tal forma a não encontrar mais os seus pedaços."
Isso é vero!!!! E como. Não existem pessoas, existem os pedaços! E em cada canto existem {pedaços}, deixados todos misturados, órfãos perdidos da sua matriz.
Não é a toa que o a sociedade é o que é.
***

Beijo grande
Astrid Annabelle

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates