Intuição, emoções e corpo físico

21 de julho de 2008 ·

Ocorreu-me pensar um pouco sobre a capacidade de verbalizarmos as nossas emoções. As mulheres, com destacada vantagem em relação aos homens, têm a enorme capacidade de verbalizarem as emoções de uma forma natural. As mulheres têm o condão de saberem falar daquilo que as incomoda, das expectativas e frustrações que carregam. Isso é muito positivo.


Essa capacidade de verbalização das emoções permite afastar, aligeirar ou curar muitos sintomas que se podem transformar em situações mais graves na vida das pessoas. Sem irmos mais longe, vejam-se os milhares de blogues que existem na internet. As mulheres conseguem falar de tudo o que lhes vai na alma. De tudo, mesmo. Os blogues dos homens são, regra geral, de outra natureza.


O ser humano nasce com o “kit” de avisos para a sua cura pessoal: intuição, emoções e corpo físico. Digamos que seria o nosso manual de instruções. Os bebés sabem usar a intuição. Vão crescendo e aos 3 ou 4 anos, (ou antes) a família e a comunidade (escolinha, etc.) tudo fazem para encharcar a criança com questões meramente mentais, tapando com isso a sua natural intuição. A Lua também é intuição. Por informações que vou tendo, já há muitos educadores sintonizados com novas formas de preparar as crianças.


Se vamos perdendo o contacto com a nossa intuição, há uma outra energia que está sempre presente: as emoções. Novamente, a Lua. Dar atenção ao estado emocional (não confundir com sentimental) é importante para evitarmos situações desastradas na nossa vida. Uma Lua progredida pode ajudar imenso na compreensão de certas situações na nossa vida.


A última parte do nosso “kit” diz respeito ao corpo físico. Quando não damos atenção às nossas emoções, o corpo físico começa a emitir sinais. Quando o corpo emite avisos, é sinal que alguma coisa anda mesmo mal connosco mesmos. Chegamos a adoecer. Por vezes, com sérias complicações. É necessário reaprender a conhecer os sinais da nossa intuição, das nossas emoções e, por fim, do nosso corpo.


O corpo só fala quando as outras vias estão entupidas ou tapadas – a intuição e as emoções. As ferramentas astrológicas podem dar-nos preciosas informações do nosso estado anímico.


Imagine isto: damos um jeito ao ombro direito e ficamos com dores. No mínimo, significa que a pessoa anda a forçar uma outra para fazer determinada coisa. A outra pessoa não gosta da ideia, e até sabemos isso. Sabemos isso no mais fundo de nós mesmos. Sabemos que estamos a forçar alguém a fazer uma coisa contra a sua vontade.


Mas, obstinados, forçamos… A intuição diz-nos que não deveríamos forçar. Num segundo nível, as nossas emoções ficam voláteis e avisam-nos que não deveríamos seguir aquele caminho. Nós mesmos vamos tapando os avisos. Só resta a última oportunidade e sempre a mais dolorosa – o corpo avisa-nos… arranjando uma forma de darmos um jeito ao ombro direito. Claro que há variações neste jeito dado ao ombro direito. Pode ir de uma leve impressão de incómodo até situações bem mais graves. Depende sempre daquilo que andamos a fazer.


É aquela velha máxima: “O material tem sempre razão”.


Os que estudamos astrologia, deveríamos estar aptos a prestar atenção a estes pormenores e, assim, termos uma visão holística das situações.

18 comentários:

Samsara disse...
21 de julho de 2008 às 13:12  

Olá António
Este teu texto ficou ainda melhor do que já estava, muito bom, complementa muito bem um post que estou a preparar.
Logo à noite com mais tempo envio-te uns links muito interessantes sobre Astrologia, se calhar já conheces, mas na dúvida...
Bjs.

António Rosa disse...
21 de julho de 2008 às 13:26  

Olá Sam,

Muito obrigado. Fico à espera dos links.

kiss

Astrid Annabelle disse...
21 de julho de 2008 às 14:01  

António,
ah!!!agora postou um assunto que conheço bem!
Intuição, emoção e corpo físico!
Excelente texto e sabe porque? Escrevestes com o coração!
Merece ser divulgado...principalmente para e entre o público masculino que insiste em dizer que chorar é coisa de mulher!
Que as mulheres andam pelo mundo da lua...que fantasiam...que imaginam...
Gostei demais!
Bjkas
Ma Jivan Prabhuta

António Rosa disse...
21 de julho de 2008 às 16:19  

Olá Astrid,

Que bom ler as tuas palavras. Muito obrigado.

Beijinhos

joana disse...
22 de julho de 2008 às 12:53  

Olá António
Gostei muito de ler também :)
Um beijo

António Rosa disse...
22 de julho de 2008 às 19:50  

Olá Joana,

Um beijinho de agradecimento. Está tudo bem?

Samsara disse...
22 de julho de 2008 às 21:55  

António
O que dirias da Lua progredida a tocar o nodo Sul na casa 8, em caranguejo?
Bjs.

joana disse...
23 de julho de 2008 às 00:00  

Tudo bem sim querido António :)
Estou com a Lua progredida 'em casa'... em Caranguejo na casa IV :) e curioso... o Sol em Leão na V :D
Tenho andado mais calada mas continuo a passar por aqui :) Gosto muito de o ler ;)
Um beijo

António Rosa disse...
23 de julho de 2008 às 09:33  

Olá Samsara,

Tenta analisar desta forma num mapa:

- Compara, por triplicidades, com a posição natal da Lua.

- Se a Lua progredida estiver num signo com uma das mesmas triplicidades, digamos que a caminhada emocional pela vida flui de maneira especial.

- É o teu caso. Tens a Lua em Peixes. Portanto, têm ambos a mesma triplicidade. Elemento água. São signos femininos, nocturnos e fleumáticos.

- Se dizes "tocar" o Nodo Sul, também toca o Nodo Norte. Conjunção a um deles é oposição ao outro.

- Creio que terás grandes oportunidades para haver reconhecimento dos outros, do público em geral, de limpezas emocionais mais profundas. É necessário que te centres no teu percurso, não criares dependências desnecessárias.

É mesmo a casa 7? Pareceu-me que estava na 8.

kiss

António Rosa disse...
23 de julho de 2008 às 09:39  

Olá Joana,

Percebi agora que o que respondi para a Samsara, aplica-se em parte a si própria.

Se a Lua progredida estiver num signo com uma das mesmas triplicidades, digamos que a caminhada emocional pela vida flui de maneira especial.

É o seu caso. Tem a Lua em Peixes. Portanto, têm ambos a mesma triplicidade. Elemento água. São signos femininos, nocturnos e fleumáticos.

Está em domicílio. Grande regência.

A ideia de casamento (ou união) está dentro do seu actual vocabulário? =)=)

kiss

joana disse...
23 de julho de 2008 às 10:47  

Até fiquei de boca aberta :D
De onde tirou essa ideia António ? Da Lua ? Talvez não... de Vénus progredida ?
Essa ideia (de união) não anda a ser verbalizada... mas se calhar anda por aqui sim... mas com 'problemas' de reciprocidade ;)
Um beijo

António Rosa disse...
23 de julho de 2008 às 13:14  

Joana,

=)

Ficou preocupada?

Daqui:

Arco solar Lua=Vénus em trígono.
Lua e Mercúrio na 4 progredida.
Sol na 5 progredida.
Trânsito de Vénus ao descendente.
Trânsito do Sol prestes a entrar na 7.

Enfim, estes são suficientes...

Pode não verbalizar, mas os mistérios do coração também são fortes.

Quanto aos problemas de reciprocidade, cada vez me convenço mais que as pessoas andam muito estranhas... =)

kiss

Samsara disse...
23 de julho de 2008 às 13:39  

É na casa 8, no mesmo dia da oposição entre Saturno e Urano, 4 de Novembro, muda alguma coisa no que escreveste?
Bjs.

António Rosa disse...
23 de julho de 2008 às 13:42  

Samsara,

Sim. Projectos conseguidos.

joana disse...
23 de julho de 2008 às 19:52  

Se fiquei preocupada António?
Fiquei boquiaberta, pasmada... e confusa. Achei que isso não estava nos meus planos, que já me tinha convencido que essa forma de viver 'não é para mim'... mas quando li o que escreveu... ressoou :P :D
E é verdade... as pessoas andam mesmo muito estranhas :) parece tudo louco... eu encluído ;)
E o António, tudo bem consigo ?

António Rosa disse...
23 de julho de 2008 às 21:12  

Joana,

Tudo bem comigo, excepto andar meio louco, como todos...

=)

Ainda bem que ressoou.

kiss

joana disse...
23 de julho de 2008 às 22:08  

hehhehe :) um beijo

Paula disse...
25 de julho de 2008 às 05:24  

Engraçado essas coisas de destino... acabei de escrever um post sobre emoções e sentimentos em meu blog e puft... vim parar aqui nem sei como...

Bom ler palavras assim, escritas com o coração e com sentimentos tão aflorados...

Adorei o blog e vou acompanhar !
Astrologia nunca fez parte de meus interesses mas isso agora acabou de mudar...

Beijos

21 de julho de 2008

Intuição, emoções e corpo físico

Ocorreu-me pensar um pouco sobre a capacidade de verbalizarmos as nossas emoções. As mulheres, com destacada vantagem em relação aos homens, têm a enorme capacidade de verbalizarem as emoções de uma forma natural. As mulheres têm o condão de saberem falar daquilo que as incomoda, das expectativas e frustrações que carregam. Isso é muito positivo.


Essa capacidade de verbalização das emoções permite afastar, aligeirar ou curar muitos sintomas que se podem transformar em situações mais graves na vida das pessoas. Sem irmos mais longe, vejam-se os milhares de blogues que existem na internet. As mulheres conseguem falar de tudo o que lhes vai na alma. De tudo, mesmo. Os blogues dos homens são, regra geral, de outra natureza.


O ser humano nasce com o “kit” de avisos para a sua cura pessoal: intuição, emoções e corpo físico. Digamos que seria o nosso manual de instruções. Os bebés sabem usar a intuição. Vão crescendo e aos 3 ou 4 anos, (ou antes) a família e a comunidade (escolinha, etc.) tudo fazem para encharcar a criança com questões meramente mentais, tapando com isso a sua natural intuição. A Lua também é intuição. Por informações que vou tendo, já há muitos educadores sintonizados com novas formas de preparar as crianças.


Se vamos perdendo o contacto com a nossa intuição, há uma outra energia que está sempre presente: as emoções. Novamente, a Lua. Dar atenção ao estado emocional (não confundir com sentimental) é importante para evitarmos situações desastradas na nossa vida. Uma Lua progredida pode ajudar imenso na compreensão de certas situações na nossa vida.


A última parte do nosso “kit” diz respeito ao corpo físico. Quando não damos atenção às nossas emoções, o corpo físico começa a emitir sinais. Quando o corpo emite avisos, é sinal que alguma coisa anda mesmo mal connosco mesmos. Chegamos a adoecer. Por vezes, com sérias complicações. É necessário reaprender a conhecer os sinais da nossa intuição, das nossas emoções e, por fim, do nosso corpo.


O corpo só fala quando as outras vias estão entupidas ou tapadas – a intuição e as emoções. As ferramentas astrológicas podem dar-nos preciosas informações do nosso estado anímico.


Imagine isto: damos um jeito ao ombro direito e ficamos com dores. No mínimo, significa que a pessoa anda a forçar uma outra para fazer determinada coisa. A outra pessoa não gosta da ideia, e até sabemos isso. Sabemos isso no mais fundo de nós mesmos. Sabemos que estamos a forçar alguém a fazer uma coisa contra a sua vontade.


Mas, obstinados, forçamos… A intuição diz-nos que não deveríamos forçar. Num segundo nível, as nossas emoções ficam voláteis e avisam-nos que não deveríamos seguir aquele caminho. Nós mesmos vamos tapando os avisos. Só resta a última oportunidade e sempre a mais dolorosa – o corpo avisa-nos… arranjando uma forma de darmos um jeito ao ombro direito. Claro que há variações neste jeito dado ao ombro direito. Pode ir de uma leve impressão de incómodo até situações bem mais graves. Depende sempre daquilo que andamos a fazer.


É aquela velha máxima: “O material tem sempre razão”.


Os que estudamos astrologia, deveríamos estar aptos a prestar atenção a estes pormenores e, assim, termos uma visão holística das situações.

18 comentários:

Samsara disse...

Olá António
Este teu texto ficou ainda melhor do que já estava, muito bom, complementa muito bem um post que estou a preparar.
Logo à noite com mais tempo envio-te uns links muito interessantes sobre Astrologia, se calhar já conheces, mas na dúvida...
Bjs.

António Rosa disse...

Olá Sam,

Muito obrigado. Fico à espera dos links.

kiss

Astrid Annabelle disse...

António,
ah!!!agora postou um assunto que conheço bem!
Intuição, emoção e corpo físico!
Excelente texto e sabe porque? Escrevestes com o coração!
Merece ser divulgado...principalmente para e entre o público masculino que insiste em dizer que chorar é coisa de mulher!
Que as mulheres andam pelo mundo da lua...que fantasiam...que imaginam...
Gostei demais!
Bjkas
Ma Jivan Prabhuta

António Rosa disse...

Olá Astrid,

Que bom ler as tuas palavras. Muito obrigado.

Beijinhos

joana disse...

Olá António
Gostei muito de ler também :)
Um beijo

António Rosa disse...

Olá Joana,

Um beijinho de agradecimento. Está tudo bem?

Samsara disse...

António
O que dirias da Lua progredida a tocar o nodo Sul na casa 8, em caranguejo?
Bjs.

joana disse...

Tudo bem sim querido António :)
Estou com a Lua progredida 'em casa'... em Caranguejo na casa IV :) e curioso... o Sol em Leão na V :D
Tenho andado mais calada mas continuo a passar por aqui :) Gosto muito de o ler ;)
Um beijo

António Rosa disse...

Olá Samsara,

Tenta analisar desta forma num mapa:

- Compara, por triplicidades, com a posição natal da Lua.

- Se a Lua progredida estiver num signo com uma das mesmas triplicidades, digamos que a caminhada emocional pela vida flui de maneira especial.

- É o teu caso. Tens a Lua em Peixes. Portanto, têm ambos a mesma triplicidade. Elemento água. São signos femininos, nocturnos e fleumáticos.

- Se dizes "tocar" o Nodo Sul, também toca o Nodo Norte. Conjunção a um deles é oposição ao outro.

- Creio que terás grandes oportunidades para haver reconhecimento dos outros, do público em geral, de limpezas emocionais mais profundas. É necessário que te centres no teu percurso, não criares dependências desnecessárias.

É mesmo a casa 7? Pareceu-me que estava na 8.

kiss

António Rosa disse...

Olá Joana,

Percebi agora que o que respondi para a Samsara, aplica-se em parte a si própria.

Se a Lua progredida estiver num signo com uma das mesmas triplicidades, digamos que a caminhada emocional pela vida flui de maneira especial.

É o seu caso. Tem a Lua em Peixes. Portanto, têm ambos a mesma triplicidade. Elemento água. São signos femininos, nocturnos e fleumáticos.

Está em domicílio. Grande regência.

A ideia de casamento (ou união) está dentro do seu actual vocabulário? =)=)

kiss

joana disse...

Até fiquei de boca aberta :D
De onde tirou essa ideia António ? Da Lua ? Talvez não... de Vénus progredida ?
Essa ideia (de união) não anda a ser verbalizada... mas se calhar anda por aqui sim... mas com 'problemas' de reciprocidade ;)
Um beijo

António Rosa disse...

Joana,

=)

Ficou preocupada?

Daqui:

Arco solar Lua=Vénus em trígono.
Lua e Mercúrio na 4 progredida.
Sol na 5 progredida.
Trânsito de Vénus ao descendente.
Trânsito do Sol prestes a entrar na 7.

Enfim, estes são suficientes...

Pode não verbalizar, mas os mistérios do coração também são fortes.

Quanto aos problemas de reciprocidade, cada vez me convenço mais que as pessoas andam muito estranhas... =)

kiss

Samsara disse...

É na casa 8, no mesmo dia da oposição entre Saturno e Urano, 4 de Novembro, muda alguma coisa no que escreveste?
Bjs.

António Rosa disse...

Samsara,

Sim. Projectos conseguidos.

joana disse...

Se fiquei preocupada António?
Fiquei boquiaberta, pasmada... e confusa. Achei que isso não estava nos meus planos, que já me tinha convencido que essa forma de viver 'não é para mim'... mas quando li o que escreveu... ressoou :P :D
E é verdade... as pessoas andam mesmo muito estranhas :) parece tudo louco... eu encluído ;)
E o António, tudo bem consigo ?

António Rosa disse...

Joana,

Tudo bem comigo, excepto andar meio louco, como todos...

=)

Ainda bem que ressoou.

kiss

joana disse...

hehhehe :) um beijo

Paula disse...

Engraçado essas coisas de destino... acabei de escrever um post sobre emoções e sentimentos em meu blog e puft... vim parar aqui nem sei como...

Bom ler palavras assim, escritas com o coração e com sentimentos tão aflorados...

Adorei o blog e vou acompanhar !
Astrologia nunca fez parte de meus interesses mas isso agora acabou de mudar...

Beijos

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates