A interpretação astrológica

17 de outubro de 2012 ·



Interpretar é o principal trabalho do astrólogo. Sempre foi assim e assim deveria ser. No entanto, hoje em dia há umas quantas distorções que não abonam em nada o trabalho em astrologia. 

Sabemos que interpretar é um processo intelectual e consciente - fruto de anos de estudos e de analisar mapas [sobretudo os natais] -, no entanto, as raízes dessa consciência estão imersas no inconsciente. É lá que se encontra o caldeirão fervente da vida.

Pede-se ao ‘artista’ [como John Dee dizia] que siga as regras da interpretação, o que, em meu entender, deveria iniciar-se com este princípio activo e consciente: «a interpretação é uma arte».

Só assim entendo que o astrólogo seja o instrumento muito consciente [repito, muito consciente], de um processo muito activo que excede completamente o plano da consciência humana.

Este facto é tão significativo e, para mim, óbvio, que faz com a Astrologia seja uma disciplina bem elevada, uma linguagem que nos transcende. 

Certamente que há uma relação entre consciência voluntária e a fonte da arte de interpretar – chamemos a isso o que entendermos: alma, espírito, inconsciente, mente total e um longo etc. Mas esta é uma relação problemática e, ironia das ironias, em grande parte, ela mesma é inconsciente. Mesmo assim, acredito que há o enorme potencial de que o artista [astrólogo] possa desenvolver em si o canal que deveria ser entre a fonte da consciência e a também fonte da inconsciência.

Para que seja credível, o astrólogo, para o ser, deve estudar muito [são anos e anos], praticar muito e escutar-se a ele mesmo. E não se ‘achar’ nada.

Quem não fizer isto, corre o risco de, em vez de fazer Astrologia, estar num outro registo qualquer a fazer poesia bonitinha, filosofia meio lambidita, hermenêutica de trazer por casa, psicologia para totós e coisas assim. Tudo disfarçado de ‘conversa astrológica’. Mas não é «interpretação astrológica». Não é «descodificar» os símbolos desta  linguagem divina, uma tarefa Maior.

17 Outubro 2012

0 comentários:

17 de outubro de 2012

A interpretação astrológica



Interpretar é o principal trabalho do astrólogo. Sempre foi assim e assim deveria ser. No entanto, hoje em dia há umas quantas distorções que não abonam em nada o trabalho em astrologia. 

Sabemos que interpretar é um processo intelectual e consciente - fruto de anos de estudos e de analisar mapas [sobretudo os natais] -, no entanto, as raízes dessa consciência estão imersas no inconsciente. É lá que se encontra o caldeirão fervente da vida.

Pede-se ao ‘artista’ [como John Dee dizia] que siga as regras da interpretação, o que, em meu entender, deveria iniciar-se com este princípio activo e consciente: «a interpretação é uma arte».

Só assim entendo que o astrólogo seja o instrumento muito consciente [repito, muito consciente], de um processo muito activo que excede completamente o plano da consciência humana.

Este facto é tão significativo e, para mim, óbvio, que faz com a Astrologia seja uma disciplina bem elevada, uma linguagem que nos transcende. 

Certamente que há uma relação entre consciência voluntária e a fonte da arte de interpretar – chamemos a isso o que entendermos: alma, espírito, inconsciente, mente total e um longo etc. Mas esta é uma relação problemática e, ironia das ironias, em grande parte, ela mesma é inconsciente. Mesmo assim, acredito que há o enorme potencial de que o artista [astrólogo] possa desenvolver em si o canal que deveria ser entre a fonte da consciência e a também fonte da inconsciência.

Para que seja credível, o astrólogo, para o ser, deve estudar muito [são anos e anos], praticar muito e escutar-se a ele mesmo. E não se ‘achar’ nada.

Quem não fizer isto, corre o risco de, em vez de fazer Astrologia, estar num outro registo qualquer a fazer poesia bonitinha, filosofia meio lambidita, hermenêutica de trazer por casa, psicologia para totós e coisas assim. Tudo disfarçado de ‘conversa astrológica’. Mas não é «interpretação astrológica». Não é «descodificar» os símbolos desta  linguagem divina, uma tarefa Maior.

17 Outubro 2012

Sem comentários:

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates