A ‘Nova Era’ não é a mesma coisa que a ‘Era de Aquário’ (Parte 1)

6 de agosto de 2010 ·


Escrevi esta frase no texto sobre Quíron em Sagitário ou na Nona Casa,
publicado aqui, que transcrevo:

«... surgiram e vão continuar a surgir muitos muitos 'profetas' da Nova Era. A internet permite isso com muita facilidade. Há centenas de blogues em língua portuguesa cuja missão é passarem canalizações. O que ainda falta surgir serão os verdadeiros profetas da Era de Aquário. Ainda não encontrei nenhum. Da Nova Era, muitos, mas da Era de Aquário, nenhum. Creio que a maioria surgirá na fornada nascida entre 1999 e 2001. Por enquanto, ainda se confunde 'Nova Era' com 'Era de Aquário' parecendo significar o mesmo, quando não é bem assim.»

Isto de afirmar que ainda se confunde a ‘Nova Er
a com a ‘Era de Aquário’, suscitou perguntas de algumas pessoas, às quais prometi explicar-me melhor. É o que vou tentar fazer a seguir, sobretudo para que se perceba que ambas as expressões não são sinónimos. O sentido de percepção das pessoas é que com facilidade as ligou como sendo a mesma coisa.

Como é possível um movimento ideológico que teve iní
cio nos anos 60 do século 20, se possa confundir com uma terminologia astrológica que só irá ocorrer no primeiro quartel do século 22? Já veremos como.

Suspeito que sairá um texto longo, pois há muito a explicar.




A NOVA ERA

A vida é feita de ciclos. Quem estuda astrologia aprende isso com rapidez. Há ciclos pequenos, como o dia e noite, ou o movimento lunar. Há ciclos longos que duram dezenas e dezenas de anos, como é o ciclo entre Plutão e Úrano, o mais poderoso de toda a astrologia. Também há ciclos imensos que duram dois mil e tal anos e estes chamamos de ‘eras’: Era de Peixes, Era de Aquário. E há ciclos ainda maiores.Vou debruçar-me sobre o ciclo usualmente chamado de «Nova Era» e que corresponde basicamente ao ciclo Plutão - Úrano. O ciclo do início da Iluminação.

Plutão permaneceu no signo Virgem de 1956 a 1971, o que lhe deu tempo para desmantelar os conceitos instalados então, no hemisfério ocidental, e que não passavam de um conjunto de regras sociais e culturais que advinham da cultura do século 19. Lentamente começou a romper com certos tabús e modismos que eram muito correntes. Acontece que Úrano vinha atrás e ingressou triunfante em Virgem em 1961 e, como lhe é peculiar, impaciente, rasgou literalmente com as culturas então vigentes. Era a ‘Voz de Deus’ a provocar um salto quântico na humanidade. E assim se iniciava um novo ciclo de Plutão e Úrano, com a sua conjunção em Virgem, no ano de 1965. Estamos na fase crescente desse ciclo, que terminará quando Úrano e Plutão se encontrarem novamente, no ano de 2104, nessa altura no signo de Touro. Será um novo ciclo, e dessa vez, quem cá estiver lidará, sobretudo, com as questão da terra e dos alimentos. Assunto sério, portanto.



Os anos 60 foram o início da ‘Nova Era’, em plena ‘Era de Peixes’. Era a humanidade a evoluir, como sempre. Da forma que podia e sabia fazer.


O signo Virgem está associado ao trabalho, à saúde, à medicina, à ecologia, e foi exactamente isso que assistimos: uma autêntica revolução nestas áreas, com a industrialização a ser dominada pelos computadores. Hoje fala-se abertamente em ecologia. Há 50 anos (nos anos 60) ninguém sabia o que era isso. Foi uma nova maneira de usar a máquina, iniciando-se assim aquilo que hoje chamamos de globalização, mas ainda estamos no início, pois quando de facto entrarmos na Era de Aquário, saberemos o que será globalização a sério e o sentido disso. Mas Virgem também está associado à espiritualidade, por representar o Cristo planetário, que já foi Jesus e agora, parece ser Miguel.




Por falar em Jesus, lembrei-me do seguinte: quando ele apareceu, estava a finalizar a Era de Carneiro/Áries e os estudiosos da Bíblia sabem que lá fala-se muito em ‘Novos Tempos’, exactamente como agora falamos em ‘Nova Era’. Eu imagino a confusão que foi na cabecinha de muita daquela gente de então ao escutarem as histórias de Jesus. Só depois da sua morte, sensivelmente 300 anos depois, é que a Igreja Católica se impôs como movimento religioso. Já em plena Era de Peixes.

Portanto, as ‘Eras’, que duram cerca de 2.149 anos não começam em anos específicos e certinhos, como o ano 2000. Mas isto dos números ainda é muito nebuloso e não há a certeza exacta do início e fim de cada ‘era’. Isto será explicado mais adiante.

Voltemos aos anos 60 e à Nova Era. No ocidente, ainda sufocados com uma Igreja Católica comandada do Vaticano em que impunha regras estritas às pessoas, controlando-as, os que eram jovens nos anos 60 apressaram-se a romper essas regras, e ainda bem que assim foi, mas meus amigos, isto passava-se em plena Era de Peixes, a era que antecede a de Aquário. A década que levou o homem à Lua dava passos gigantes na evolução da humanidade.

Como se sabe a Igreja Católica sobrevive há cerca de 1.800 anos e conseguiu ser a organização dominante no mundo dos fiéis. Claro que há cerca de 500 anos, as coisas mudaram e surgiram as novas igrejas, auto intituladas de igrejas cristãs. Na verdade eram um bocadinho mais evoluídas do que a católica, mas de qualquer forma, muito conservadores.

É assim, que os jovens dos anos 60, fruto do início do ciclo Plutão - Úrano, começam à procura de novas ideias para se libertarem das antigas. Quem viu a série de tv ‘Mad Man’ percebe perfeitamente do clima que se vivia nos anos 40 e 50. O início do ciclo Plutão - Úrano não significava que a Era de Aquário estava aí ao virar da esquina, e que estes novos movimentos ideológicos fossem uma característica dessa Era, pois provavelmente não terão os contornos que hoje conhecemos. O mundo tem muitos países e cada um com o seu governo. Será assim daqui por 500 anos, quando a humanidade viver em plena Era de Aquário? Ou a densidade populacional terá baixado tanto que haverá necessidade de criarem um sistema global de governo? Não são os movimentos espiritualistas que afirmam (e muito bem) que vamos a caminho do Uno Divino? Eu acredito nisso, mas deixo esta questão: se o que está em cima é igual ao que está em baixo, porque razão na Era de Aquário haverá tantos governos e tanta corrupção. Não creio que seja possível haver tal coisa, pois a humanidade terrestre já estará a viajar para as estrelas.


Obviamente, ao longo dos últimos 50 anos, a «Nova Era» expandiu-se por todo o mundo. Mas vejamos, então, em que consistia esse movimento, nascido no solarengo estado da Califórnia. É quando surge um movimento muito uraniano (com a ajudinha de Plutão) e que dá forma a novos conceitos, que começaram devagar e ao longo das décadas é que se foram implantando em todo o mundo.

O movimento da Nova Era (do inglês New Age) possui muitas subdivisões, sendo geralmente uma fusão de ensinos metafísicos de influência oriental, de linhas teológicas, de crenças espiritualistas, animistas e paracientíficas, com uma proposta de um novo modelo de consciência moral, psicológica e social além de integração e simbiose com o meio envolvente, a Natureza e até o Cosmos.

É nessa década que os músicos mais famosos do mundo (
exemplo: Beatles) faziam os seus retiros na Índia em Ashrams que eram, de todo, estranhos, à cultura ocidental. É quando o oriente envia os seus mais destacados membros (monges) para ensinarem o budismo, pois era a forma mais clara de se angariar simpatias para o caso do Tibete, aprisionado pela China comunista.

É assim que se dão essas simbioses culturais e tudo começou com a música, com as artes, com as palavras e surgiram então grandes figuras que se encarregaram de atrair multidões para os seus discursos: Osho, Sri Aurobindo, Kishnamurti. Do la
do ocidental ninguém se revelava, excepto na defesa dos direitos civis, como é o caso de Martin Luther King. Só mais tarde, quando Plutão passou por Sagitário, é que aparecem autores a falarem de temas que hoje são comuns. O livro «Conversas com Deus» é o principal paradigma desta evolução da humanidade no ocidente. Mas isto não significa que estejamos na Era de Aquário. Continuamos ainda na Era de Peixes. É tão só a humanidade a evoluir.

Os jovens aderiram em pleno a estas novas filosofias que chegavam: A Nova Era, ou o movimento New Age, não se manifesta em uma visão específica, mas acredita que com a evolução espiritual, algumas mudanças surgirão automaticamente na Terra, não por imposição, mas como consequência natural de uma sociedade composta por pessoas espiritualmente evoluídas. Não existem líderes no sentido institucional do termo, mas existem traços comuns que identificam os new agers. Algumas dessas mudanças serão: fim das guerras, conflitos, ausência de necessidade de polícias, exércitos, ou qualquer forma de belicismo e violência; pessoas ligadas por afecto, proximidade e amor; fim das agressões à natu
reza; uso dos avanços tecnológicos para a automatização de muitos trabalhos; evolução espiritual consciente; maior contacto com a natureza. E mais amor em toda a eternidade e mundos. Ficou bonito, não é? Há muito trabalho pela frente para atingirmos esses resultados.

Ainda hoje estes conceitos são erradamente associados à Era de Aquário. Quando estivermos nessa Era, todos estes assuntos já estarão bem resolvidos.



«É uma teologia ou uma filosofia de bem-estar, tolerância universal, para simbolizar a vinda de um novo “espírito” ou “nova mentalidade”. Esta “nova mentalidade” provocará nos seres humanos uma expressão (ou "despertar") de consciência. Para auxiliar neste processo, algumas psicotécnicas também podem ser empregadas, tais como: Tarot, Yoga, Meditação, a Holística, Astrologia, Esoterismo, novas culturas, orações, jogo de Búzios, pirâmides, cristais, numerologia, Gnose, Acupuntura, Pacifismo, Canalizações, Sincretismo, busca interior, livros de autoajuda, magia, predicção, novo pensamento, etc., e esta iluminação deverá possibilitar uma vida com menos dificuldades e menos problemas. A "Nova Era" não é vista pelos seus seguidores como uma religião propriamente dita, mas apresenta propostas de vida religiosa. Para se diferenciarem chamam-se de «espiritualistas». Não é um movimento filosófico propriamente dito, mas tenta dar respostas filosóficas a questões existenciais. Não é uma ciência, mas busca alicerçar-se em leis científicas (ou pseudocientíficas).» (fonte daqui)

Não esqueçamos o surgimento de centenas de livros de auto-ajuda e, a partir dos anos 80, as canalizações. Dois livros são de assinalar na consolidação destes conceitos: «Livro de Urântia» e «Um Curso em Milagres». Foram fundamentais nos ensinamentos que passaram do que era a arquitectura do ego e como se procedeu à construção do universo e de Urântia, o nosso planeta. A ajudar, as famosas canalizações de Kryon, as dos anos 80 e 90.

Tudo isto evoluiu espontaneamente quando Úrano e Plut
ão passaram por Sagitário, há bem poucos anos. Aquilo que era a expressão de um grupo relativamente pequeno (centenas de milhares de pessoas) passou nos anos 80 e 90 à condição de ser potencialmente entendido por milhões de pessoas. Esta é a «Nova Era», ainda dentro da Era de Peixes. Tudo provocado, em termos astrológicos, pelo ciclo Plutão - Úrano, iniciado nos anos 60 do século 20. O início da Era de Aquário ocorrerá por volta do ano de 2150, ou seja, no século 22.



E é aqui, nesta enorme amalgama de ideias que se cruzavam, que levou a percepção popular a considerar que estas manifestações eram da Era de Aquário, por contraposto à Era de Peixes, maioritariamente simbolizado na Igreja do Vaticano.

Foi o aproveitamento de nos encontramos na fase final da Era de Peixes que as pessoas se apropriaram da ideia de que a «Nova Era» significava fraternidade e igualdade (Úrano), pois assim a humanidade livrava-se da carga negativa que a Era de Peixes possui, pois está intimamente ligada à ideia de sofrimento sem razão. A música e o filme «Hair» fizeram o resto: como que puseram um selo de autenticidade em como a «Nova Era» era a mesma coisa que a «Era de Aquário». Poucos sabem que a Era de Aquário deve começar só no século 22, lá para o ano de 2150. E isto dos números e datas continuam a ser bastante imprecisos.

A «Nova Era» foi e é uma forma de evolução da humanidade. É absolutamente indiscutível. No âmbito religioso misturaram-se também os princípios filosóficos e místicos. Alguns instrumentos usados para esses fins são as pirâmides, filosofias orientais, processos quânticos, tecnologia bio-energética, energias cósmicas, cristais energéticos, amuletos, pensamentos positivos, esoterismo (cabala, horóscopo, mantra, mapa astral, yoga, relaxamento, “ecologia”, aura em harmonia com o corpo, Yin Yang). Acredita-se que a humanidade, assim como todas as coisas, são UM (estão em unidade) com o Cosmos (ou "Deus"). Todos nos assumimos como parte de Deus. Isto não significa que estamos na Era de Aquário.

Ah! Não me posso esquecer da «Lei da Atracção», ideia que se desenvolveu nestes últimos anos e que pertence a este planeta com gravidade. O resto é o grande caldo que cada um faz como entender. Foi nos anos 80 que surgiram as canalizações que deram brado e hoje são fonte de grandes rendimentos de muitos humanos: a Grande Fraternidade Branca. Num ápice, muitas pessoas substituíram as suas imagens de santos católicas pelas imagens mais glamorosas dos Mestres Ascencionados. Os próprios terreiros e centros espíritas modernizaram-se. E todas as correntes espiritualistas passaram a contar com grande difusão das suas ideias, graças à generalização da internet.

Por isso, existem inúmeros gurús da Nova Era, pois já houve tempo para se consolidadarem estas ideias. Dos anos 60 até agora passou meio século. Esses gurús da Nova Era são bastante responsáveis por incutirem nas pessoas a ideia que a Nova Era é já a vivência da Era de Aquário. Isso não está provado. É a tal percepção que se tem, como mencionei mais acima. O oculto, o misterioso, o esoterismo, a astrologia, terapias, medicina alternativa com filosofias, livros de auto-ajuda... Tudo isso faz parte da Nova Era.

Isto, para mim, é a humanidade a evoluir, mas ainda há um longo percurso a percorrer até chegarmos à Era de Aquário. A Era da ILUMINAÇÃO absoluta. Por enquanto, estamos apenas a aprender a caminhar até lá.

Como tenho repetido ao longo deste texto, não estamos, ainda, na Era de Aquário. Nem sabemos como funcionarão as sociedades na era aquariana. Só teremos um leve aroma disso quando Plutão entrar em Aquário, em 2023. Até lá, teremos muito carma para resolver e limpar. Não sei se muitos gurús da Nova Era não estarão a criar mais carma para eles próprios.

Não quero terminar esta primeira parte do tema sem recordar que o planeta está em ascensão. Este processo já começou. As minhas perguntas são simples: será que não ocorre aos new agers que o planeta daqui por umas centenas de anos poderá não ter a 'forma' que possui hoje? Com os mesmos continentes e oceanos? Com a mesma massa terrena, hoje ocupada por países? E que dizer de uma prática actual Nova Era típica de uma 3D e 4D para uma prática futura [Era de Aquário] na quinta dimensão ou mesmo na sexta dimensão? Continuaremos a fazer o mesmo? Nem pensar...

Por favor, sejamos simples, sejamos humanos, amemo-nos. Com amor tudo se consegue.


ERA DE AQUÁRIO

A mente humana tem níveis de profundidade e vastos poderes que podem mesmo substituir a realidade. "Tu crias a tua própria realidade com a tua mente". Creio que a descoberta daquela parte do nosso cérebro que ainda está no desconhecimento dos cientistas, poderá revelar-nos no futuro o que será a Era de Aquário.

Agora, simplesmente, estamos no fim da Era de Peixes, a entrarmos naquela faixa que é terra de ninguém, de transição de uma Era para outra.

Antes de mais, precisamos saber o que são «eras»? Vamos a isso?


41 comentários:

Susana Vitorino disse...
7 de agosto de 2010 às 01:33  

Simplesmente maravilhoso!

Obrigada António por mais esta generosidade de partilha dos seus ensinamentos.

Many Blessings***

Maria Izabel Viégas disse...
7 de agosto de 2010 às 03:48  

António amigo,
Já li e reli teu texto.
Incrivelmente didático, pensamento claro, pleno de conhecimento astrológico e análises dos acontecimentos que vêm marcando esta transição.
Como me fez bem ler-te, amigo!
Agradeço do fundo de minh'alma tanta lucidez e generosa partilha.
Quem no mundo de hoje consegue ter a mente aberta e os canais da intuição ligados às mudanças e transformações sabe que seu papel aqui é o de pacificar, de esclarecer, não de arregimentar "ovelhas". Somos livres para vivenciar este momento de abertura para as esferas espirituais.
Mestres ensinam, gurus pregam,videntes vaticinam.
Precisamos de mestres e, principalmente, de sermos nossos próprios mestres. Enxergando os caminhos com os olhos da alma.
Beijos neste generoso coração!
Grata.

Astrid Annabelle disse...
7 de agosto de 2010 às 04:44  

Maravilhoso!
Um texto fantástico para ler e reler!
António, eu gostei tanto que até sonhei com ele...foi isso que lhe passei por email.(já reenviei)
Este seu post precisa ser largamente divulgado...faremos isso!
Por ora, pois voltarei aqui, um beijo muito agradecido.
Astrid Ananbelle

angela disse...
7 de agosto de 2010 às 05:13  

Muito bom Antonio, um texto claro e interessante, com muitas informações. Gostei muito e esperarei a continuidade.
beijos

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 09:24  

Susana

Um grande beijo no seu coração e muito grato.

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 09:24  

Maria Izabel

O seu comentário deixou-me encantado, pela compreensão que fez de toda esta escrita. É muito bom saber a sua opinião.

Muito obrigado.

Beijo

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 09:24  

Astrid

Como é bom ler a sua mensagem e o interesse posto neste texto. Muito e muito obrigado.

Beijo.

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 09:25  

Ângela

Muito agradecido pela simpatia.

Beijo.

Astrid Annabelle disse...
7 de agosto de 2010 às 12:28  

Bom dia António!
Acordei a pouco e vim aqui ler mais uma vez este seu texto escelente.
As imagens também foram bem escolhidas...gostei.
Aqui está um exemplo perfeito da missão de um "Mestre Professor 11" com a influência de um "Mestre da Compaixão 33".(para quem não sabe estou falando de numerologia)

E mais:
Saint Germain afirma em um dos seus discursos que o pior mal que assola a humanidade é a ignorância!

Tudo isso é muito muito bom!
Já respondi ao seu email.
Beijo grande
Astrid Annabelle

Maria Paula Ribeiro disse...
7 de agosto de 2010 às 12:58  

Bom dia Mestre,

Sublime! Grandioso!

;) ainda o li ontem e só tenho pena, de como sabes, estar na minha época de imenso (mas muito gratificante época de trabalho) e não poder acompanhar com o devido merecimento o teu trabalho.
Mas devo dizer-te que dá alento o que escreves, e muito, e falo por mim, sem rodeios, que conscientemente e por "culpa tua" me empenho nesta Nova Era...

Somos Todos Um, onde todos somos chamados à Ascenção, e onde, à semelhança da galinha, "grão a grão...." vamos construindo um mundo melhor! ;)

"fraternidade e igualdade", ressoou em mim pois com mais uma palavra (liberdade), fez-me sentir a terra onde nasci! ;)

Continua a espalhar...

Beijo grande

Namasté

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 13:32  

Astrid,

Até fiquei atarantado por me ter recordado a questão da numerologia do meu nome. Obrigado. Muito obrigado. Jamais conseguiria fazer essa associação.

Infelizmente, não estou a receber os emails que enviou. Procurei no spam e no caixote do lixo e não deram entrada.

Logo à meia-noite sairá a 2ª Parte deste artigo. Já o tenho guardado aqui no Cova do Urso e ainda permanece no meu blogue-teste.

Até logo, pois vou a fazer a minha merecida sesta de sábado à tarde.

Beijo grande

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 13:33  

Maria Paula,

Ainda bem que te reconheces pois tu, a Astrid, a Maria Izabel e outras pessoas serviram-me de inspiração para o fazer.

Muito agradecido por teres vindo deixar aqui o teu abraço luminoso.

Beijos.

Astrid Annabelle disse...
7 de agosto de 2010 às 14:48  

António,
Coloquei o texto extraviado como resposta ao email que me enviou hoje. Veja e se ainda assim não receber me avise...os deuses não estão querendo que saiba do meu sonho...rsss...mas eu quero que saiba!!!!
Bjs

Astrid Annabelle disse...
7 de agosto de 2010 às 15:03  

Só mais uma coisa...no blog Observatório Cósmico postaram um dos seus textos sobre a Grande Cruz na íntegra sem lhe dar os devidos créditos...confira:
http://mickbernard.blogspot.com/2010/08/grande-cruz-no-ceu-dia-7-de-agosto-de.html

Bjs

Daniela Scheifler disse...
7 de agosto de 2010 às 15:48  

Antônio,

SUPER texto o teu. Há uma grande controvérsia sobre a Era de Aquário e já ouvi de tudo a respeito disso. Agora, de fato, nós estamos apenas nos preparando pra ela. Basta fazer um recorte e observar a repercursão da grande Cruz que se deu pela internet e nos jornais. A primeira coisa que se ergue quando se fala em mudanças é o medo que gera sofrimento e tragédias.

Ah, e começou a 4° temporada de Mad Men. Essa série é realmente incrível. Tem muito material histórico-social ali.

Parabéns pelo texto, fico no aguardo da continuação.

Beijos e bom final de semana pra todos nós!

Adelaide Figueiredo disse...
7 de agosto de 2010 às 16:13  

António,

Já li duas vezes este texto incrível! Didáctico, muito bem escrito, fazendo-me clarear as minhas ideias e ensinando-me algumas coisas que não tinha conhecimento.
Espero ansiosa pela 2ª Parte.
Grata pela lição e por esta partilha. Para mim é uma dádiva preciosa.

Abraço

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 17:21  

Astrid

Muito agradecido pelo aviso. Típico de um certo facilitismo dos tempos actuais. Para informação de todos deixei lá este comentário no blogue «Observatório Cósmico», aqui: http://mickbernard.blogspot.com/2010/08/mais-consideracoes-sobre-cruz.html

**********

Prezado Mick Bernard,

Fiquei muito surpreendido que um blog que já existe desde 2007, com tanto conteúdo, não tenha dado atenção a pormenores de autoria do texto. Limitou-se a copiar um artigo meu e não fez referência ao seu autor, nome do blogue e nem fez o respectivo link ao texto em questão, como seria da mais elementar cortesia entre a blogosfera.

Assim, este texto é de minha autoria: António Rosa.
Nome do blogue onde foi publicado: «Cova do Urso» no dia 14 de Julho.
Endereço do artigo: http://cova-do-urso.blogspot.com/2010/07/grande-cruz-7-agosto-2010.html

Agradeço que acrescente estes créditos ao seu artigo.

Não faço ideia quem seja o «Arq. Marco Aurélio Souza», a quem vc atribui a auroria do texto.

Você tem este aviso no seu blogue, pelo que é estranho não pôr em prática com os textos dos outros:

«Alguns direitos reservados.
Todas as matérias podem ser copiadas e publicadas em outros sites, desde que citada a fonte, sem nenhuma modificação, e apenas para usos não comerciais.»

Cumprimentos,

António Rosa


***************

Aproveitei e deixei no mesmo blogue um aviso de um artigo do Marcelo Dalla:

Também reparei que este texto não tem o nome do blogue de onde copiou o texto, nem o respectivo link.

O original do Marcelo Dalla está aqui:
http://marcelodalla.blogspot.com/2010/07/mais-consideracoes-sobre-cruz.html

Do Dalla Blog - autor Marcelo Dala.

E a ilustração que está neste artigo é do meu blogue 'Cova do Urso'.

Este texto é seu e você não está a cumprir.

«Todos os textos aqui reproduzidos, são assinados, e se possível, será mostrada a fonte de onde provêm.»

Cumprimentos

António Rosa

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 17:27  

Astrid

Ainda não recebi esse email. Esta Cruz Cósmica está emperrando. :)))))

Mas temos uma forma de dar a volta à situação: é fazer o favor de deixar o seu texto na zona de comentários no meu blogue de testes. Assim, contornamos a situação.

Muito obrigado.

Beiji.

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 17:35  

Daniela

Fico muito feliz em saber que gostou deste texto. Todos temos que combater esse medo.

A continuação será publicada hoje, domingo, à meia-noite e é um nadinha mais técnico.

Aqui ainda não começou a 4ª série do 'Mad Men'. Estou à espera.

Beijos e muiot agradecido

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 17:39  

Adelaide

Muito agradecido pelas palavras generosas. São sempre um estímulo para fazer estes textos mais complexos e didáticos.

Também foi muito bem recebido no Facebook.

A 2ª e última parte sai nesta noite de sábado para domingo, à meia-noite.

Abraço.

marcelo dalla disse...
7 de agosto de 2010 às 18:13  

Aha!!!!!!! Eu sabia que esse assunto daria "pano pra manga". :)
Que bela aula de história, meu querido. Digna de ser publicada nas melhores revistas. Muito bom mesmo.

Agora fica mais claro. A tal "Nova Era" seria apenas um prenúncio, digamos assim. Estamos em plena transição, "estamos apenas a aprender a caminhar até lá."

Eu simplesmente sou apaixonado por esse assunto.
Grande e agradecido abraço!!!

marcelo dalla disse...
7 de agosto de 2010 às 18:17  

Outra coisa: Fui lá no "Observatório Cósmico" e deixei meu recado. Tb fiquei surpreso que um blog antigo, que se propõe a fazer um serviço em nome da luz, não faça a coisa certa.

Realmente, coisas de uma Nova Era confusa. Agora te entendo bem.
Agradeço à você e à Astrid pelo alerta!

Astrid Annabelle disse...
7 de agosto de 2010 às 18:30  

António,
Já fiz o que me pediu!!!
Já postei em comentários...
Depois me diga o que te parece,OK?
Eu estou recebendo seus emails normalmente.
Beijo grande
P.S.
Marcelo eu fico indignada quando vejo apropriações indevidas acontecerem bem diante do nariz de todos. Mas eu conheço os textos dos meus amigos de cor!!!!

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 18:34  

Marcelo

Mais logo temos a continuação da explicação das 'eras', devido à 'precessão do equinócio', só para completar isto aqui.

Exactamente, estamos a penas a aprender a caminhar até lá, até porque, como julgo que sabe, a população do planeta deve reduzir bastante e assim haver uma maior integração no que é divino.

******************

Já recebi resposta do autor do blogue «Observatório Cósmico» e que transcrevo aqui:

Olá António,
Obrigado pelo aviso.
Estarei colocando os créditos na matéria.
Normalmente, sempre faço isso, mas como
esse texto chegou por e-mail prá mim,
eu o publiquei na íntegra da maneira como veio.
Você tem todos os direitos ao crédito,
mas eu acho também que mais importante do que isso,
é trabalhar intensamente para elevar o nível de
consciencia da pessoas deste planeta.

atenciosamente,

Arq. Mick Bernard


Grande abraço.

************

Apetece-me dizer: isso da 'consciência' é só para outros, né? A nossa própria não conta para nada.

:)))

António Rosa disse...
7 de agosto de 2010 às 18:35  

Astrid

Vou conferir agora mesmo.

Beijos

Rui António Santos disse...
7 de agosto de 2010 às 23:37  

António, quando se fala de ciclos de vida e eras vem-me sempre á ideia un gigantesco progama de computador altamente sofisticado. como se estivessemos numa viagem a bordo de uma nave, em que o principal objectivo é a evolução da personalidade humana em se adaptar e conhecer como funciona essa nave. Essa nave é feita de amor ao plano de ascensão planetária e são feitas experiências ou testes para que tudo corra de acordo com a harmonia e com a paz para todos os povos da terra.

Astrológicamente sabe-se que Plutão quando chegar ao fim de Capricórnio as estruturas sociais não serão as mesmas, havera outrós posicionamentos astrológicos que nos farão avançar na responsabilidade que temos para dar o nosso contributo para uma sociedade melhor e começarmos a amarmos a verdadeira essencia do ser humano e não criarmos conflitos uns com os outros. Plutão em balança e outros sinais que nos são dados conhecer, na minha opinião quem tem condições para no que for possivel ajudar no conhecimento de outro ser humano que procura um sentido para a sua vida e conhecer-se um pouco melhor seja atravez da astrologia, tarot, numerologia, reki, meditação, etc. Se o fizer com verdade acreditando que com o seu exemplo ajuda a viver melhor outro ser humano, respeite a natureza, então ele já estará apto e a viver no seu coração a Era de Aquário. Fico á espera da parte 2 do seu Artigo. Este Artigo vou relêlo algumas vezes, gostei muito Abraço

Jorge Purgly disse...
8 de agosto de 2010 às 00:01  

Caro António. Aguardo a segunda parte deste interessante artigo.
Um abraço,
Jorge

António Rosa disse...
8 de agosto de 2010 às 10:47  

Olá Rui

«Se o fizer com verdade acreditando que com o seu exemplo ajuda a viver melhor outro ser humano, respeite a natureza, então ele já estará apto e a viver no seu coração a Era de Aquário.»

Gostei muito.

Pois já tem a sua parte à sua disposição.

Grande abraço.

António Rosa disse...
8 de agosto de 2010 às 10:48  

Jorge

Muito agradecido. Já dispõe da sua parte, pois foi publicada no exacto momento em que o Jorge escrevia o seu comentário.

Abraço.

Luciana Freitas disse...
10 de agosto de 2010 às 03:10  

Olá António

Amei o texto,você disse sobre uma coisa que já venho a falar a um tempo aqui no Brasil, além de Astróloga sou Astronoma amadora e a uns 5 anos atrás fiz uma palestra num espaço esotérico dizendo sobre a Era de Aquario , informando que ele ainda demoraria mais um século e meio pra se iniciar, houve muitas pessoas que não concordaram por não ter a visão da astronomia que fala sobre a precessão dos equinócios e o porque da Era de Aquario, muitos não entendiam realmente e não fiz mais essas palestras além de outras (falando que nós estamos ainda presos na era de áries, e que o que falamos de salto quantico é a transição da consciência individual da era de aries para aquario....) , por ser temas polêmicos ainda não me manifestei plenamente, mas pretendo escrever no bloger sobre esse assunto, agora que acabei de terminar a faculdade.Por ver que vc tem muita sintonia com as minhas observações gostaria de publicar esse post direcionando para o seu bloger e falando da sua autoria , peço a sua autorização.
Parabéns pelo bloger. Amo muito o tema da astrologia!
Abraços

António Rosa disse...
10 de agosto de 2010 às 06:17  

Olá Luciana

Compreendo perfeitamente essa situação. E é natural que as pessoas possam confundir estes temas. Acontece apenas que tenho estado a aprender a não me preocupar com as reacções dos outros e fazer aquilo que gosto.

Fico muito agradecido com a sua ideia de fazer um link para este artigo. Obrigado.

Abraço

IdoMind disse...
12 de agosto de 2010 às 23:04  

Olá António

Cheguei hoje de férias e depois dos teus artigos sobre a Grande Cruz, vim a correr para a Cova. E deparo-me com isto...

Fez todo o sentido para mim o que aqui li. Os tempos são de mudança, mas ainda não somos a Mudança.

A tudo o que referiste, acrescentaria os avanços galopantes dos meios de informação. Sabemos de tudo a toda a hora em tempo real. Estamos sempre contactáveis ( bom, menos na praia na Zambujeira do Mar..) e isto é tipo faísca que faz grassar o bom e o mau.

O que nos leva à crise.

Há algum tempo que venho a dizer que esta crise é a nossa maior benção. Apenas umas mãos vazias se podem unir para rezar...
Despojados do que nos distrai do essencial, acredito que ocorrerá a verdadeira Alquimia nos nossos corações e nas nossa cabeças que nos permitirá lançar a carpete vermelha à Era de Aquário.
Se está a ser fácil? Não. Mas aceitámos estar aqui e agora. Cabe-nos a honrosa missão de amanhar a terra e lançar a semente, cuidar dela com muita fé e, claro, com muito Amor, que como disseste e bem, tudo consegue.

Os meus parabéns António...

Um grande beijinho

António Rosa disse...
13 de agosto de 2010 às 11:30  

Ido Mind

«Os tempos são de mudança, mas ainda não somos a Mudança.»

Adorei esta tua frase. :)

Uma crise é algo muito difícil e eu sou um especialista em passar por crises, de todos os géneros. Neste momento já só vivo para o 'agora'

Muito obrigado pelas palavras lindas.

Beijos

Filomena Nunes disse...
14 de outubro de 2010 às 12:49  

Viva António Rosa,

Passeando-me pelo/a Cova do Urso, deparei com estes maravilhosos artigos que me escaparam por terem saído quando estive de férias... e fiz mesmo férias completas, de net, da astrologia, e da habitual vida social.
Foi só praia, passeios, boa comida... enfim, as férias que precisava à séria" desde há cerca de 6 anos.

E, porque o conteúdo está e estará actualizado por muitas e muitas décadas, nunca é tarde para passá-lo na minha pág do fb...

Aquele abraço de reconhecimento e gratidão,

Filomena

António Rosa disse...
15 de outubro de 2010 às 07:59  

Filomena

Fico feliz em saber que gostou do texto. Também. deixe que lhe conte que recebi vários emails privados a dizerem que não era nada assim, que este texto não era nada espiritualista, etc, etc.

Não há nada pior que a ignorância,, já o dizia Saint Germain.

Beijo

António

Filomena Nunes disse...
15 de outubro de 2010 às 17:40  

António Rosa,

Ainda há uma coisa pior do que a ignorância... (à imagem do pior cego!!) é aquele que não quer aprender.. ;-)))

Abraço forte!

Filomena

Filomena Nunes disse...
15 de outubro de 2010 às 17:49  

Já vi que tem novos posts, mas hoje já não vai dar para ler..

A ver se consigo pôr-me em dia durante o fim-de-semana!!

De qualquer forma, aqui fica o desejo de um esplêndido e alegre fim-de-semana.

Filomena

Arca de No É disse...
7 de abril de 2011 às 12:57  

Olá António. Obrigada por tudo o que partilha. São ensinamentos valiosos e pertinentes.

teresa Pais

Maria Gloria disse...
16 de março de 2012 às 23:54  

Antonio, boa noite!

Muito esclarecer este seu texto. Quero te dizer que me senti muito bem durante a leitura.
Muito obrigado!

Unknown disse...
4 de abril de 2013 às 17:49  

Achei interessante o artigo do ponto de vista astrológico, mas António Rosa deixou uma ponta solta, quando falou da época do nascimento de Jesus.

Ele de facto não nasceu na Era de Peixes, mas foi o mensageiro precursor dessa Era. Assim, o actual "movimento da Nova Era" não acontece nem advoga que já entramos na Era de Aquário, mas é o precursor do advento dessa Era; digamos que a sua função é a preparação do caminho para o retorno do Cristo.

Como em todos os movimentos filosóficos, espirituais e religiosos há aqueles que têm os pés na Terra e so responsáveis e outros que tentam aproveitar-se dos mais incautos para providenciarem auto-proveitos.

Anónimo disse...
27 de fevereiro de 2017 às 02:15  

Boa noite Antônio.
Tenho uma dúvida,quem não estiver na frequência dá 5 dimensão, e continua na raiva, no descontrole das emoções, o que acontece? Essas pessoas que convivem tão próximo e ao mesmo tempo tão distantes com seu modo de agir e pensar, tenho essa curiosidade em saber se vão ser transferido para outro local? " morrer" ? Ou vão permanecer aqui mesmo na terra, mais sem mais contato com os que estão na 5 dimensão?
Tania estou no meu processo de ascensão bem no começo, por isso as dúvidas, Gratidão!

6 de agosto de 2010

A ‘Nova Era’ não é a mesma coisa que a ‘Era de Aquário’ (Parte 1)


Escrevi esta frase no texto sobre Quíron em Sagitário ou na Nona Casa,
publicado aqui, que transcrevo:

«... surgiram e vão continuar a surgir muitos muitos 'profetas' da Nova Era. A internet permite isso com muita facilidade. Há centenas de blogues em língua portuguesa cuja missão é passarem canalizações. O que ainda falta surgir serão os verdadeiros profetas da Era de Aquário. Ainda não encontrei nenhum. Da Nova Era, muitos, mas da Era de Aquário, nenhum. Creio que a maioria surgirá na fornada nascida entre 1999 e 2001. Por enquanto, ainda se confunde 'Nova Era' com 'Era de Aquário' parecendo significar o mesmo, quando não é bem assim.»

Isto de afirmar que ainda se confunde a ‘Nova Er
a com a ‘Era de Aquário’, suscitou perguntas de algumas pessoas, às quais prometi explicar-me melhor. É o que vou tentar fazer a seguir, sobretudo para que se perceba que ambas as expressões não são sinónimos. O sentido de percepção das pessoas é que com facilidade as ligou como sendo a mesma coisa.

Como é possível um movimento ideológico que teve iní
cio nos anos 60 do século 20, se possa confundir com uma terminologia astrológica que só irá ocorrer no primeiro quartel do século 22? Já veremos como.

Suspeito que sairá um texto longo, pois há muito a explicar.




A NOVA ERA

A vida é feita de ciclos. Quem estuda astrologia aprende isso com rapidez. Há ciclos pequenos, como o dia e noite, ou o movimento lunar. Há ciclos longos que duram dezenas e dezenas de anos, como é o ciclo entre Plutão e Úrano, o mais poderoso de toda a astrologia. Também há ciclos imensos que duram dois mil e tal anos e estes chamamos de ‘eras’: Era de Peixes, Era de Aquário. E há ciclos ainda maiores.Vou debruçar-me sobre o ciclo usualmente chamado de «Nova Era» e que corresponde basicamente ao ciclo Plutão - Úrano. O ciclo do início da Iluminação.

Plutão permaneceu no signo Virgem de 1956 a 1971, o que lhe deu tempo para desmantelar os conceitos instalados então, no hemisfério ocidental, e que não passavam de um conjunto de regras sociais e culturais que advinham da cultura do século 19. Lentamente começou a romper com certos tabús e modismos que eram muito correntes. Acontece que Úrano vinha atrás e ingressou triunfante em Virgem em 1961 e, como lhe é peculiar, impaciente, rasgou literalmente com as culturas então vigentes. Era a ‘Voz de Deus’ a provocar um salto quântico na humanidade. E assim se iniciava um novo ciclo de Plutão e Úrano, com a sua conjunção em Virgem, no ano de 1965. Estamos na fase crescente desse ciclo, que terminará quando Úrano e Plutão se encontrarem novamente, no ano de 2104, nessa altura no signo de Touro. Será um novo ciclo, e dessa vez, quem cá estiver lidará, sobretudo, com as questão da terra e dos alimentos. Assunto sério, portanto.



Os anos 60 foram o início da ‘Nova Era’, em plena ‘Era de Peixes’. Era a humanidade a evoluir, como sempre. Da forma que podia e sabia fazer.


O signo Virgem está associado ao trabalho, à saúde, à medicina, à ecologia, e foi exactamente isso que assistimos: uma autêntica revolução nestas áreas, com a industrialização a ser dominada pelos computadores. Hoje fala-se abertamente em ecologia. Há 50 anos (nos anos 60) ninguém sabia o que era isso. Foi uma nova maneira de usar a máquina, iniciando-se assim aquilo que hoje chamamos de globalização, mas ainda estamos no início, pois quando de facto entrarmos na Era de Aquário, saberemos o que será globalização a sério e o sentido disso. Mas Virgem também está associado à espiritualidade, por representar o Cristo planetário, que já foi Jesus e agora, parece ser Miguel.




Por falar em Jesus, lembrei-me do seguinte: quando ele apareceu, estava a finalizar a Era de Carneiro/Áries e os estudiosos da Bíblia sabem que lá fala-se muito em ‘Novos Tempos’, exactamente como agora falamos em ‘Nova Era’. Eu imagino a confusão que foi na cabecinha de muita daquela gente de então ao escutarem as histórias de Jesus. Só depois da sua morte, sensivelmente 300 anos depois, é que a Igreja Católica se impôs como movimento religioso. Já em plena Era de Peixes.

Portanto, as ‘Eras’, que duram cerca de 2.149 anos não começam em anos específicos e certinhos, como o ano 2000. Mas isto dos números ainda é muito nebuloso e não há a certeza exacta do início e fim de cada ‘era’. Isto será explicado mais adiante.

Voltemos aos anos 60 e à Nova Era. No ocidente, ainda sufocados com uma Igreja Católica comandada do Vaticano em que impunha regras estritas às pessoas, controlando-as, os que eram jovens nos anos 60 apressaram-se a romper essas regras, e ainda bem que assim foi, mas meus amigos, isto passava-se em plena Era de Peixes, a era que antecede a de Aquário. A década que levou o homem à Lua dava passos gigantes na evolução da humanidade.

Como se sabe a Igreja Católica sobrevive há cerca de 1.800 anos e conseguiu ser a organização dominante no mundo dos fiéis. Claro que há cerca de 500 anos, as coisas mudaram e surgiram as novas igrejas, auto intituladas de igrejas cristãs. Na verdade eram um bocadinho mais evoluídas do que a católica, mas de qualquer forma, muito conservadores.

É assim, que os jovens dos anos 60, fruto do início do ciclo Plutão - Úrano, começam à procura de novas ideias para se libertarem das antigas. Quem viu a série de tv ‘Mad Man’ percebe perfeitamente do clima que se vivia nos anos 40 e 50. O início do ciclo Plutão - Úrano não significava que a Era de Aquário estava aí ao virar da esquina, e que estes novos movimentos ideológicos fossem uma característica dessa Era, pois provavelmente não terão os contornos que hoje conhecemos. O mundo tem muitos países e cada um com o seu governo. Será assim daqui por 500 anos, quando a humanidade viver em plena Era de Aquário? Ou a densidade populacional terá baixado tanto que haverá necessidade de criarem um sistema global de governo? Não são os movimentos espiritualistas que afirmam (e muito bem) que vamos a caminho do Uno Divino? Eu acredito nisso, mas deixo esta questão: se o que está em cima é igual ao que está em baixo, porque razão na Era de Aquário haverá tantos governos e tanta corrupção. Não creio que seja possível haver tal coisa, pois a humanidade terrestre já estará a viajar para as estrelas.


Obviamente, ao longo dos últimos 50 anos, a «Nova Era» expandiu-se por todo o mundo. Mas vejamos, então, em que consistia esse movimento, nascido no solarengo estado da Califórnia. É quando surge um movimento muito uraniano (com a ajudinha de Plutão) e que dá forma a novos conceitos, que começaram devagar e ao longo das décadas é que se foram implantando em todo o mundo.

O movimento da Nova Era (do inglês New Age) possui muitas subdivisões, sendo geralmente uma fusão de ensinos metafísicos de influência oriental, de linhas teológicas, de crenças espiritualistas, animistas e paracientíficas, com uma proposta de um novo modelo de consciência moral, psicológica e social além de integração e simbiose com o meio envolvente, a Natureza e até o Cosmos.

É nessa década que os músicos mais famosos do mundo (
exemplo: Beatles) faziam os seus retiros na Índia em Ashrams que eram, de todo, estranhos, à cultura ocidental. É quando o oriente envia os seus mais destacados membros (monges) para ensinarem o budismo, pois era a forma mais clara de se angariar simpatias para o caso do Tibete, aprisionado pela China comunista.

É assim que se dão essas simbioses culturais e tudo começou com a música, com as artes, com as palavras e surgiram então grandes figuras que se encarregaram de atrair multidões para os seus discursos: Osho, Sri Aurobindo, Kishnamurti. Do la
do ocidental ninguém se revelava, excepto na defesa dos direitos civis, como é o caso de Martin Luther King. Só mais tarde, quando Plutão passou por Sagitário, é que aparecem autores a falarem de temas que hoje são comuns. O livro «Conversas com Deus» é o principal paradigma desta evolução da humanidade no ocidente. Mas isto não significa que estejamos na Era de Aquário. Continuamos ainda na Era de Peixes. É tão só a humanidade a evoluir.

Os jovens aderiram em pleno a estas novas filosofias que chegavam: A Nova Era, ou o movimento New Age, não se manifesta em uma visão específica, mas acredita que com a evolução espiritual, algumas mudanças surgirão automaticamente na Terra, não por imposição, mas como consequência natural de uma sociedade composta por pessoas espiritualmente evoluídas. Não existem líderes no sentido institucional do termo, mas existem traços comuns que identificam os new agers. Algumas dessas mudanças serão: fim das guerras, conflitos, ausência de necessidade de polícias, exércitos, ou qualquer forma de belicismo e violência; pessoas ligadas por afecto, proximidade e amor; fim das agressões à natu
reza; uso dos avanços tecnológicos para a automatização de muitos trabalhos; evolução espiritual consciente; maior contacto com a natureza. E mais amor em toda a eternidade e mundos. Ficou bonito, não é? Há muito trabalho pela frente para atingirmos esses resultados.

Ainda hoje estes conceitos são erradamente associados à Era de Aquário. Quando estivermos nessa Era, todos estes assuntos já estarão bem resolvidos.



«É uma teologia ou uma filosofia de bem-estar, tolerância universal, para simbolizar a vinda de um novo “espírito” ou “nova mentalidade”. Esta “nova mentalidade” provocará nos seres humanos uma expressão (ou "despertar") de consciência. Para auxiliar neste processo, algumas psicotécnicas também podem ser empregadas, tais como: Tarot, Yoga, Meditação, a Holística, Astrologia, Esoterismo, novas culturas, orações, jogo de Búzios, pirâmides, cristais, numerologia, Gnose, Acupuntura, Pacifismo, Canalizações, Sincretismo, busca interior, livros de autoajuda, magia, predicção, novo pensamento, etc., e esta iluminação deverá possibilitar uma vida com menos dificuldades e menos problemas. A "Nova Era" não é vista pelos seus seguidores como uma religião propriamente dita, mas apresenta propostas de vida religiosa. Para se diferenciarem chamam-se de «espiritualistas». Não é um movimento filosófico propriamente dito, mas tenta dar respostas filosóficas a questões existenciais. Não é uma ciência, mas busca alicerçar-se em leis científicas (ou pseudocientíficas).» (fonte daqui)

Não esqueçamos o surgimento de centenas de livros de auto-ajuda e, a partir dos anos 80, as canalizações. Dois livros são de assinalar na consolidação destes conceitos: «Livro de Urântia» e «Um Curso em Milagres». Foram fundamentais nos ensinamentos que passaram do que era a arquitectura do ego e como se procedeu à construção do universo e de Urântia, o nosso planeta. A ajudar, as famosas canalizações de Kryon, as dos anos 80 e 90.

Tudo isto evoluiu espontaneamente quando Úrano e Plut
ão passaram por Sagitário, há bem poucos anos. Aquilo que era a expressão de um grupo relativamente pequeno (centenas de milhares de pessoas) passou nos anos 80 e 90 à condição de ser potencialmente entendido por milhões de pessoas. Esta é a «Nova Era», ainda dentro da Era de Peixes. Tudo provocado, em termos astrológicos, pelo ciclo Plutão - Úrano, iniciado nos anos 60 do século 20. O início da Era de Aquário ocorrerá por volta do ano de 2150, ou seja, no século 22.



E é aqui, nesta enorme amalgama de ideias que se cruzavam, que levou a percepção popular a considerar que estas manifestações eram da Era de Aquário, por contraposto à Era de Peixes, maioritariamente simbolizado na Igreja do Vaticano.

Foi o aproveitamento de nos encontramos na fase final da Era de Peixes que as pessoas se apropriaram da ideia de que a «Nova Era» significava fraternidade e igualdade (Úrano), pois assim a humanidade livrava-se da carga negativa que a Era de Peixes possui, pois está intimamente ligada à ideia de sofrimento sem razão. A música e o filme «Hair» fizeram o resto: como que puseram um selo de autenticidade em como a «Nova Era» era a mesma coisa que a «Era de Aquário». Poucos sabem que a Era de Aquário deve começar só no século 22, lá para o ano de 2150. E isto dos números e datas continuam a ser bastante imprecisos.

A «Nova Era» foi e é uma forma de evolução da humanidade. É absolutamente indiscutível. No âmbito religioso misturaram-se também os princípios filosóficos e místicos. Alguns instrumentos usados para esses fins são as pirâmides, filosofias orientais, processos quânticos, tecnologia bio-energética, energias cósmicas, cristais energéticos, amuletos, pensamentos positivos, esoterismo (cabala, horóscopo, mantra, mapa astral, yoga, relaxamento, “ecologia”, aura em harmonia com o corpo, Yin Yang). Acredita-se que a humanidade, assim como todas as coisas, são UM (estão em unidade) com o Cosmos (ou "Deus"). Todos nos assumimos como parte de Deus. Isto não significa que estamos na Era de Aquário.

Ah! Não me posso esquecer da «Lei da Atracção», ideia que se desenvolveu nestes últimos anos e que pertence a este planeta com gravidade. O resto é o grande caldo que cada um faz como entender. Foi nos anos 80 que surgiram as canalizações que deram brado e hoje são fonte de grandes rendimentos de muitos humanos: a Grande Fraternidade Branca. Num ápice, muitas pessoas substituíram as suas imagens de santos católicas pelas imagens mais glamorosas dos Mestres Ascencionados. Os próprios terreiros e centros espíritas modernizaram-se. E todas as correntes espiritualistas passaram a contar com grande difusão das suas ideias, graças à generalização da internet.

Por isso, existem inúmeros gurús da Nova Era, pois já houve tempo para se consolidadarem estas ideias. Dos anos 60 até agora passou meio século. Esses gurús da Nova Era são bastante responsáveis por incutirem nas pessoas a ideia que a Nova Era é já a vivência da Era de Aquário. Isso não está provado. É a tal percepção que se tem, como mencionei mais acima. O oculto, o misterioso, o esoterismo, a astrologia, terapias, medicina alternativa com filosofias, livros de auto-ajuda... Tudo isso faz parte da Nova Era.

Isto, para mim, é a humanidade a evoluir, mas ainda há um longo percurso a percorrer até chegarmos à Era de Aquário. A Era da ILUMINAÇÃO absoluta. Por enquanto, estamos apenas a aprender a caminhar até lá.

Como tenho repetido ao longo deste texto, não estamos, ainda, na Era de Aquário. Nem sabemos como funcionarão as sociedades na era aquariana. Só teremos um leve aroma disso quando Plutão entrar em Aquário, em 2023. Até lá, teremos muito carma para resolver e limpar. Não sei se muitos gurús da Nova Era não estarão a criar mais carma para eles próprios.

Não quero terminar esta primeira parte do tema sem recordar que o planeta está em ascensão. Este processo já começou. As minhas perguntas são simples: será que não ocorre aos new agers que o planeta daqui por umas centenas de anos poderá não ter a 'forma' que possui hoje? Com os mesmos continentes e oceanos? Com a mesma massa terrena, hoje ocupada por países? E que dizer de uma prática actual Nova Era típica de uma 3D e 4D para uma prática futura [Era de Aquário] na quinta dimensão ou mesmo na sexta dimensão? Continuaremos a fazer o mesmo? Nem pensar...

Por favor, sejamos simples, sejamos humanos, amemo-nos. Com amor tudo se consegue.


ERA DE AQUÁRIO

A mente humana tem níveis de profundidade e vastos poderes que podem mesmo substituir a realidade. "Tu crias a tua própria realidade com a tua mente". Creio que a descoberta daquela parte do nosso cérebro que ainda está no desconhecimento dos cientistas, poderá revelar-nos no futuro o que será a Era de Aquário.

Agora, simplesmente, estamos no fim da Era de Peixes, a entrarmos naquela faixa que é terra de ninguém, de transição de uma Era para outra.

Antes de mais, precisamos saber o que são «eras»? Vamos a isso?


41 comentários:

Susana Vitorino disse...

Simplesmente maravilhoso!

Obrigada António por mais esta generosidade de partilha dos seus ensinamentos.

Many Blessings***

Maria Izabel Viégas disse...

António amigo,
Já li e reli teu texto.
Incrivelmente didático, pensamento claro, pleno de conhecimento astrológico e análises dos acontecimentos que vêm marcando esta transição.
Como me fez bem ler-te, amigo!
Agradeço do fundo de minh'alma tanta lucidez e generosa partilha.
Quem no mundo de hoje consegue ter a mente aberta e os canais da intuição ligados às mudanças e transformações sabe que seu papel aqui é o de pacificar, de esclarecer, não de arregimentar "ovelhas". Somos livres para vivenciar este momento de abertura para as esferas espirituais.
Mestres ensinam, gurus pregam,videntes vaticinam.
Precisamos de mestres e, principalmente, de sermos nossos próprios mestres. Enxergando os caminhos com os olhos da alma.
Beijos neste generoso coração!
Grata.

Astrid Annabelle disse...

Maravilhoso!
Um texto fantástico para ler e reler!
António, eu gostei tanto que até sonhei com ele...foi isso que lhe passei por email.(já reenviei)
Este seu post precisa ser largamente divulgado...faremos isso!
Por ora, pois voltarei aqui, um beijo muito agradecido.
Astrid Ananbelle

angela disse...

Muito bom Antonio, um texto claro e interessante, com muitas informações. Gostei muito e esperarei a continuidade.
beijos

António Rosa disse...

Susana

Um grande beijo no seu coração e muito grato.

António Rosa disse...

Maria Izabel

O seu comentário deixou-me encantado, pela compreensão que fez de toda esta escrita. É muito bom saber a sua opinião.

Muito obrigado.

Beijo

António Rosa disse...

Astrid

Como é bom ler a sua mensagem e o interesse posto neste texto. Muito e muito obrigado.

Beijo.

António Rosa disse...

Ângela

Muito agradecido pela simpatia.

Beijo.

Astrid Annabelle disse...

Bom dia António!
Acordei a pouco e vim aqui ler mais uma vez este seu texto escelente.
As imagens também foram bem escolhidas...gostei.
Aqui está um exemplo perfeito da missão de um "Mestre Professor 11" com a influência de um "Mestre da Compaixão 33".(para quem não sabe estou falando de numerologia)

E mais:
Saint Germain afirma em um dos seus discursos que o pior mal que assola a humanidade é a ignorância!

Tudo isso é muito muito bom!
Já respondi ao seu email.
Beijo grande
Astrid Annabelle

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Mestre,

Sublime! Grandioso!

;) ainda o li ontem e só tenho pena, de como sabes, estar na minha época de imenso (mas muito gratificante época de trabalho) e não poder acompanhar com o devido merecimento o teu trabalho.
Mas devo dizer-te que dá alento o que escreves, e muito, e falo por mim, sem rodeios, que conscientemente e por "culpa tua" me empenho nesta Nova Era...

Somos Todos Um, onde todos somos chamados à Ascenção, e onde, à semelhança da galinha, "grão a grão...." vamos construindo um mundo melhor! ;)

"fraternidade e igualdade", ressoou em mim pois com mais uma palavra (liberdade), fez-me sentir a terra onde nasci! ;)

Continua a espalhar...

Beijo grande

Namasté

António Rosa disse...

Astrid,

Até fiquei atarantado por me ter recordado a questão da numerologia do meu nome. Obrigado. Muito obrigado. Jamais conseguiria fazer essa associação.

Infelizmente, não estou a receber os emails que enviou. Procurei no spam e no caixote do lixo e não deram entrada.

Logo à meia-noite sairá a 2ª Parte deste artigo. Já o tenho guardado aqui no Cova do Urso e ainda permanece no meu blogue-teste.

Até logo, pois vou a fazer a minha merecida sesta de sábado à tarde.

Beijo grande

António Rosa disse...

Maria Paula,

Ainda bem que te reconheces pois tu, a Astrid, a Maria Izabel e outras pessoas serviram-me de inspiração para o fazer.

Muito agradecido por teres vindo deixar aqui o teu abraço luminoso.

Beijos.

Astrid Annabelle disse...

António,
Coloquei o texto extraviado como resposta ao email que me enviou hoje. Veja e se ainda assim não receber me avise...os deuses não estão querendo que saiba do meu sonho...rsss...mas eu quero que saiba!!!!
Bjs

Astrid Annabelle disse...

Só mais uma coisa...no blog Observatório Cósmico postaram um dos seus textos sobre a Grande Cruz na íntegra sem lhe dar os devidos créditos...confira:
http://mickbernard.blogspot.com/2010/08/grande-cruz-no-ceu-dia-7-de-agosto-de.html

Bjs

Daniela Scheifler disse...

Antônio,

SUPER texto o teu. Há uma grande controvérsia sobre a Era de Aquário e já ouvi de tudo a respeito disso. Agora, de fato, nós estamos apenas nos preparando pra ela. Basta fazer um recorte e observar a repercursão da grande Cruz que se deu pela internet e nos jornais. A primeira coisa que se ergue quando se fala em mudanças é o medo que gera sofrimento e tragédias.

Ah, e começou a 4° temporada de Mad Men. Essa série é realmente incrível. Tem muito material histórico-social ali.

Parabéns pelo texto, fico no aguardo da continuação.

Beijos e bom final de semana pra todos nós!

Adelaide Figueiredo disse...

António,

Já li duas vezes este texto incrível! Didáctico, muito bem escrito, fazendo-me clarear as minhas ideias e ensinando-me algumas coisas que não tinha conhecimento.
Espero ansiosa pela 2ª Parte.
Grata pela lição e por esta partilha. Para mim é uma dádiva preciosa.

Abraço

António Rosa disse...

Astrid

Muito agradecido pelo aviso. Típico de um certo facilitismo dos tempos actuais. Para informação de todos deixei lá este comentário no blogue «Observatório Cósmico», aqui: http://mickbernard.blogspot.com/2010/08/mais-consideracoes-sobre-cruz.html

**********

Prezado Mick Bernard,

Fiquei muito surpreendido que um blog que já existe desde 2007, com tanto conteúdo, não tenha dado atenção a pormenores de autoria do texto. Limitou-se a copiar um artigo meu e não fez referência ao seu autor, nome do blogue e nem fez o respectivo link ao texto em questão, como seria da mais elementar cortesia entre a blogosfera.

Assim, este texto é de minha autoria: António Rosa.
Nome do blogue onde foi publicado: «Cova do Urso» no dia 14 de Julho.
Endereço do artigo: http://cova-do-urso.blogspot.com/2010/07/grande-cruz-7-agosto-2010.html

Agradeço que acrescente estes créditos ao seu artigo.

Não faço ideia quem seja o «Arq. Marco Aurélio Souza», a quem vc atribui a auroria do texto.

Você tem este aviso no seu blogue, pelo que é estranho não pôr em prática com os textos dos outros:

«Alguns direitos reservados.
Todas as matérias podem ser copiadas e publicadas em outros sites, desde que citada a fonte, sem nenhuma modificação, e apenas para usos não comerciais.»

Cumprimentos,

António Rosa


***************

Aproveitei e deixei no mesmo blogue um aviso de um artigo do Marcelo Dalla:

Também reparei que este texto não tem o nome do blogue de onde copiou o texto, nem o respectivo link.

O original do Marcelo Dalla está aqui:
http://marcelodalla.blogspot.com/2010/07/mais-consideracoes-sobre-cruz.html

Do Dalla Blog - autor Marcelo Dala.

E a ilustração que está neste artigo é do meu blogue 'Cova do Urso'.

Este texto é seu e você não está a cumprir.

«Todos os textos aqui reproduzidos, são assinados, e se possível, será mostrada a fonte de onde provêm.»

Cumprimentos

António Rosa

António Rosa disse...

Astrid

Ainda não recebi esse email. Esta Cruz Cósmica está emperrando. :)))))

Mas temos uma forma de dar a volta à situação: é fazer o favor de deixar o seu texto na zona de comentários no meu blogue de testes. Assim, contornamos a situação.

Muito obrigado.

Beiji.

António Rosa disse...

Daniela

Fico muito feliz em saber que gostou deste texto. Todos temos que combater esse medo.

A continuação será publicada hoje, domingo, à meia-noite e é um nadinha mais técnico.

Aqui ainda não começou a 4ª série do 'Mad Men'. Estou à espera.

Beijos e muiot agradecido

António Rosa disse...

Adelaide

Muito agradecido pelas palavras generosas. São sempre um estímulo para fazer estes textos mais complexos e didáticos.

Também foi muito bem recebido no Facebook.

A 2ª e última parte sai nesta noite de sábado para domingo, à meia-noite.

Abraço.

marcelo dalla disse...

Aha!!!!!!! Eu sabia que esse assunto daria "pano pra manga". :)
Que bela aula de história, meu querido. Digna de ser publicada nas melhores revistas. Muito bom mesmo.

Agora fica mais claro. A tal "Nova Era" seria apenas um prenúncio, digamos assim. Estamos em plena transição, "estamos apenas a aprender a caminhar até lá."

Eu simplesmente sou apaixonado por esse assunto.
Grande e agradecido abraço!!!

marcelo dalla disse...

Outra coisa: Fui lá no "Observatório Cósmico" e deixei meu recado. Tb fiquei surpreso que um blog antigo, que se propõe a fazer um serviço em nome da luz, não faça a coisa certa.

Realmente, coisas de uma Nova Era confusa. Agora te entendo bem.
Agradeço à você e à Astrid pelo alerta!

Astrid Annabelle disse...

António,
Já fiz o que me pediu!!!
Já postei em comentários...
Depois me diga o que te parece,OK?
Eu estou recebendo seus emails normalmente.
Beijo grande
P.S.
Marcelo eu fico indignada quando vejo apropriações indevidas acontecerem bem diante do nariz de todos. Mas eu conheço os textos dos meus amigos de cor!!!!

António Rosa disse...

Marcelo

Mais logo temos a continuação da explicação das 'eras', devido à 'precessão do equinócio', só para completar isto aqui.

Exactamente, estamos a penas a aprender a caminhar até lá, até porque, como julgo que sabe, a população do planeta deve reduzir bastante e assim haver uma maior integração no que é divino.

******************

Já recebi resposta do autor do blogue «Observatório Cósmico» e que transcrevo aqui:

Olá António,
Obrigado pelo aviso.
Estarei colocando os créditos na matéria.
Normalmente, sempre faço isso, mas como
esse texto chegou por e-mail prá mim,
eu o publiquei na íntegra da maneira como veio.
Você tem todos os direitos ao crédito,
mas eu acho também que mais importante do que isso,
é trabalhar intensamente para elevar o nível de
consciencia da pessoas deste planeta.

atenciosamente,

Arq. Mick Bernard


Grande abraço.

************

Apetece-me dizer: isso da 'consciência' é só para outros, né? A nossa própria não conta para nada.

:)))

António Rosa disse...

Astrid

Vou conferir agora mesmo.

Beijos

Rui António Santos disse...

António, quando se fala de ciclos de vida e eras vem-me sempre á ideia un gigantesco progama de computador altamente sofisticado. como se estivessemos numa viagem a bordo de uma nave, em que o principal objectivo é a evolução da personalidade humana em se adaptar e conhecer como funciona essa nave. Essa nave é feita de amor ao plano de ascensão planetária e são feitas experiências ou testes para que tudo corra de acordo com a harmonia e com a paz para todos os povos da terra.

Astrológicamente sabe-se que Plutão quando chegar ao fim de Capricórnio as estruturas sociais não serão as mesmas, havera outrós posicionamentos astrológicos que nos farão avançar na responsabilidade que temos para dar o nosso contributo para uma sociedade melhor e começarmos a amarmos a verdadeira essencia do ser humano e não criarmos conflitos uns com os outros. Plutão em balança e outros sinais que nos são dados conhecer, na minha opinião quem tem condições para no que for possivel ajudar no conhecimento de outro ser humano que procura um sentido para a sua vida e conhecer-se um pouco melhor seja atravez da astrologia, tarot, numerologia, reki, meditação, etc. Se o fizer com verdade acreditando que com o seu exemplo ajuda a viver melhor outro ser humano, respeite a natureza, então ele já estará apto e a viver no seu coração a Era de Aquário. Fico á espera da parte 2 do seu Artigo. Este Artigo vou relêlo algumas vezes, gostei muito Abraço

Jorge Purgly disse...

Caro António. Aguardo a segunda parte deste interessante artigo.
Um abraço,
Jorge

António Rosa disse...

Olá Rui

«Se o fizer com verdade acreditando que com o seu exemplo ajuda a viver melhor outro ser humano, respeite a natureza, então ele já estará apto e a viver no seu coração a Era de Aquário.»

Gostei muito.

Pois já tem a sua parte à sua disposição.

Grande abraço.

António Rosa disse...

Jorge

Muito agradecido. Já dispõe da sua parte, pois foi publicada no exacto momento em que o Jorge escrevia o seu comentário.

Abraço.

Luciana Freitas disse...

Olá António

Amei o texto,você disse sobre uma coisa que já venho a falar a um tempo aqui no Brasil, além de Astróloga sou Astronoma amadora e a uns 5 anos atrás fiz uma palestra num espaço esotérico dizendo sobre a Era de Aquario , informando que ele ainda demoraria mais um século e meio pra se iniciar, houve muitas pessoas que não concordaram por não ter a visão da astronomia que fala sobre a precessão dos equinócios e o porque da Era de Aquario, muitos não entendiam realmente e não fiz mais essas palestras além de outras (falando que nós estamos ainda presos na era de áries, e que o que falamos de salto quantico é a transição da consciência individual da era de aries para aquario....) , por ser temas polêmicos ainda não me manifestei plenamente, mas pretendo escrever no bloger sobre esse assunto, agora que acabei de terminar a faculdade.Por ver que vc tem muita sintonia com as minhas observações gostaria de publicar esse post direcionando para o seu bloger e falando da sua autoria , peço a sua autorização.
Parabéns pelo bloger. Amo muito o tema da astrologia!
Abraços

António Rosa disse...

Olá Luciana

Compreendo perfeitamente essa situação. E é natural que as pessoas possam confundir estes temas. Acontece apenas que tenho estado a aprender a não me preocupar com as reacções dos outros e fazer aquilo que gosto.

Fico muito agradecido com a sua ideia de fazer um link para este artigo. Obrigado.

Abraço

IdoMind disse...

Olá António

Cheguei hoje de férias e depois dos teus artigos sobre a Grande Cruz, vim a correr para a Cova. E deparo-me com isto...

Fez todo o sentido para mim o que aqui li. Os tempos são de mudança, mas ainda não somos a Mudança.

A tudo o que referiste, acrescentaria os avanços galopantes dos meios de informação. Sabemos de tudo a toda a hora em tempo real. Estamos sempre contactáveis ( bom, menos na praia na Zambujeira do Mar..) e isto é tipo faísca que faz grassar o bom e o mau.

O que nos leva à crise.

Há algum tempo que venho a dizer que esta crise é a nossa maior benção. Apenas umas mãos vazias se podem unir para rezar...
Despojados do que nos distrai do essencial, acredito que ocorrerá a verdadeira Alquimia nos nossos corações e nas nossa cabeças que nos permitirá lançar a carpete vermelha à Era de Aquário.
Se está a ser fácil? Não. Mas aceitámos estar aqui e agora. Cabe-nos a honrosa missão de amanhar a terra e lançar a semente, cuidar dela com muita fé e, claro, com muito Amor, que como disseste e bem, tudo consegue.

Os meus parabéns António...

Um grande beijinho

António Rosa disse...

Ido Mind

«Os tempos são de mudança, mas ainda não somos a Mudança.»

Adorei esta tua frase. :)

Uma crise é algo muito difícil e eu sou um especialista em passar por crises, de todos os géneros. Neste momento já só vivo para o 'agora'

Muito obrigado pelas palavras lindas.

Beijos

Filomena Nunes disse...

Viva António Rosa,

Passeando-me pelo/a Cova do Urso, deparei com estes maravilhosos artigos que me escaparam por terem saído quando estive de férias... e fiz mesmo férias completas, de net, da astrologia, e da habitual vida social.
Foi só praia, passeios, boa comida... enfim, as férias que precisava à séria" desde há cerca de 6 anos.

E, porque o conteúdo está e estará actualizado por muitas e muitas décadas, nunca é tarde para passá-lo na minha pág do fb...

Aquele abraço de reconhecimento e gratidão,

Filomena

António Rosa disse...

Filomena

Fico feliz em saber que gostou do texto. Também. deixe que lhe conte que recebi vários emails privados a dizerem que não era nada assim, que este texto não era nada espiritualista, etc, etc.

Não há nada pior que a ignorância,, já o dizia Saint Germain.

Beijo

António

Filomena Nunes disse...

António Rosa,

Ainda há uma coisa pior do que a ignorância... (à imagem do pior cego!!) é aquele que não quer aprender.. ;-)))

Abraço forte!

Filomena

Filomena Nunes disse...

Já vi que tem novos posts, mas hoje já não vai dar para ler..

A ver se consigo pôr-me em dia durante o fim-de-semana!!

De qualquer forma, aqui fica o desejo de um esplêndido e alegre fim-de-semana.

Filomena

Arca de No É disse...

Olá António. Obrigada por tudo o que partilha. São ensinamentos valiosos e pertinentes.

teresa Pais

Maria Gloria disse...

Antonio, boa noite!

Muito esclarecer este seu texto. Quero te dizer que me senti muito bem durante a leitura.
Muito obrigado!

Unknown disse...

Achei interessante o artigo do ponto de vista astrológico, mas António Rosa deixou uma ponta solta, quando falou da época do nascimento de Jesus.

Ele de facto não nasceu na Era de Peixes, mas foi o mensageiro precursor dessa Era. Assim, o actual "movimento da Nova Era" não acontece nem advoga que já entramos na Era de Aquário, mas é o precursor do advento dessa Era; digamos que a sua função é a preparação do caminho para o retorno do Cristo.

Como em todos os movimentos filosóficos, espirituais e religiosos há aqueles que têm os pés na Terra e so responsáveis e outros que tentam aproveitar-se dos mais incautos para providenciarem auto-proveitos.

Anónimo disse...

Boa noite Antônio.
Tenho uma dúvida,quem não estiver na frequência dá 5 dimensão, e continua na raiva, no descontrole das emoções, o que acontece? Essas pessoas que convivem tão próximo e ao mesmo tempo tão distantes com seu modo de agir e pensar, tenho essa curiosidade em saber se vão ser transferido para outro local? " morrer" ? Ou vão permanecer aqui mesmo na terra, mais sem mais contato com os que estão na 5 dimensão?
Tania estou no meu processo de ascensão bem no começo, por isso as dúvidas, Gratidão!

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates