«Os Descendentes», filme vencedor dos Globos de Ouro 2012

21 de janeiro de 2012 ·


«Os Descendentes»

Site oficial, aqui.

O filme "Os Descendentes", de Alexander Payne, ganhou o Globo de Ouro de melhor drama na 69.ª edição dos prémios atribuídos em Janeiro, em Beverly Hills. O actor George Clooney venceu o Globo de Ouro na categoria de melhor ator de drama.

Título Original: The Descendants
Realização: Alexander Payne
Género: Comédia, Drama
Ficha Técnica: Duração: 1h55m | Origem: EUA, 2011

Elenco:
George Clooney (Matt King), Shailene Woodley (Alexandra King), Amara Miller (Scottie King), Nick Krause (Sid), Patricia Hastie (Elizabeth King), Grace A. Cruz (professora de Scottie King), Kim Gennaula (Funcionária da escola), Karen Kuioka Hironaga (Barb Higgins), Carmen Kaichi (Lani Higgins), Kaui Hart Hemmings (empregada de Matt King, na vida real, autora do livro que serviu de base para este roteiro), Beau Bridges (primo Hugh), Matt Corboy (primo Ralph), Matt Esecson (primo Hal) e Michael Ontkean (primo Milo).

George Clooney (Matt King)

Após o acidente de barco que a sua mulher sofreu, um homem (George Clooney) tenta pegar nas rédeas da sua família e levar a vida para a frente. As suas duas filhas (Shailene Woodley e Amara Miller), de quem ele era bastante distante, vão ajudá-lo a trilhar o caminho que tem pela frente.

O pai e as duas filhas, acompanhadas de Sid, de camiseta castanha.
George Clooney (Matt King), Shailene Woodley (Alexandra King),
Amara Miller (Scottie King), Nick Krause (Sid)

O filme "Os Descendentes", de Alexander Payne, ganhou o Globo de Ouro de melhor drama na 69.ª edição dos prémios atribuídos em Janeiro, em Beverly Hills.

Na categoria de melhor drama estavam também nomeados os filmes "Hugo" (Martin Scorsese), "As serviçais" (Tate Taylor), "Moneyball - Jogador de Risco" (Bennett Miller) e "War Horse - Cavalo de Guerra" (Steven Spielberg).

Leonardo DiCaprio ("J. Edgar"), Michael Fassbender ("Shame"), Ryan Gosling ("Tudo pelo Poder") e Brad Pitt ("O Homem Que Mudou o Jogo") competiam com George Clooney na categoria de melhor actor dramático.

A cerimónia dos Globos de Ouro, prémios atribuídos pela Associação de Jornalistas Estrangeiros de Hollywood, voltou a ser conduzida pelo humorista britânico Rick Gervais (que sinceramente não apreciei, talvez por já não ser surpresa).


O realizador Alexander Payne a orientar um 'camara man' durante a rodagem do filme.

Quem decidir tirar umas horas do seu dia para ver o filme "Os Descendentes" não se vai arrepender. É uma história que nos toca lá no fundo, levando-nos a pensar nas decisões que tomamos na nossa vida, e na forma como decidimos vivê-la, num mundo em constante mudança em que tudo o que temos nunca parece ser suficiente. O que é mesmo desarmante é termos como pano de fundo a ultra famosa região do Hawai. Mas não a zona turistíca com as suas praias, surfistas e ondas grandes, mas sim a zona comum do resto da região.

A realização, a montagem, a atenção ao detalhe sem que se perca o fluir das cenas e do argumento, conferem ao filme uma naturalidade e verosimilhança inigualáveis no cinema actual. A excelente direcção de actores, combinada com a forma simples e objectiva com que temáticas transversais como o amor e a perda são abordadas, deixam todo o destaque ao texto e aos intérpretes, que naturalmente se superam e nos inspiram.


Uma cena do filme com Shailene Woodley (Alexandra King),
e o amigo/namorado Nick Krause (Sid).
Repare-se em como os produtos que estão na mesa têm as marcas encobertas.


«O inteligente título remete-nos para o âmago de todo o argumento (brilhantemente adaptado do livro homónimo de Kaui Hart Hemmings): o legado deixado às gerações futuras e a importância que este assume tanto para os progenitores (a influência no futuro, as responsabilidades e as mudanças que cuidar de uma vida em formação acarreta) como para os "descendentes", sejam eles os filhos (para os quais o legado é espiritual, ético, sentimental) ou os herdeiros (quando após a morte, o legado é meramente material).

O legado é materializado por um terreno de valor elevado que à gerações pertence à familia de Matt King (Clooney), e que este se vê forçado a vender, momento que toda a vida evitou e modificaria radicalmente a sua vida e a de todos em torno de si. Toda esta situação é a perfeita e irónica metáfora da sua vida familiar.

A história é-nos entregue pelo narrador omnipresente (o próprio Matt) que se encarrega de nos ir inteirando de que sucedeu anteriormente e de como a realidade em constante mutação influi no seu modo de vida. Obssessivamente dedicado à sua profissão, Matt negligencia as filhas e afasta-se da esposa, até que o infortúnio atinge a família e o deixa a braços com a difícil tarefa de resgatar o tempo perdido e o seu papel de pai. (...)

A empatia entre as personagens e o público torna-se inevitável, principalmente com George Clooney que, finalmente despido da sua imagem de galã conquistador, agarra o papel da sua vida, conferindo-lhe uma sinceridade e transparência desarmantes e até comoventes.» - Paulo Silva

Trailer legendado em português do Brasil.
Se é de Portugal, não estranhe ver pai e filhas a tratarem-se por «você»,
pois consegue-se perceber bem, apesar de uma certa estranheza.


Vídeo à volta do filme




A jovem Shailene Woodley (Alexandra King) na cerimónia dos Globos de Ouro.


As jovens Amara Miller (Scottie King) e Shailene Woodley (Alexandra King),
na estreia do filme, em Novembro 2011.

.

5 comentários:

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...
21 de janeiro de 2012 às 08:37  

que dica excelente, quero ver esse filme!

é então um bom filme para a gente pensar sobre nossas vidas e o que deixamos para o mundo né? mto bom!

grande abraço, ótimo fim de semana

António Rosa disse...
21 de janeiro de 2012 às 11:59  

É um belo filme, sim Alexandre e que dá para perceber a dinâmica de uma família, que passa de distante a próxima e feliz.

Abraço.

Astrid Annabelle disse...
21 de janeiro de 2012 às 13:41  

Que maravilha! Você desenterrou o crítico de cinema que eu adoro, António!!!
Espetáculo de post...quero ver se consigo ver, pois a sua análise é feita de uma maneira tal que nos leva a querer ver na hora!
Parabéns! Adorei! Partilhado....é claro!
Beijos
Astrid Annabelle

Filomena Nunes disse...
22 de janeiro de 2012 às 10:49  

Este filme vai levar-me ao cinema.. e não é só pelo George, o que, por si só, já era uma aposta!! LOL

Eu adorava cinema mas, desde há uns anos a esta parte, o som "surround" incomoda-me sobremaneira.. por outro lado, não é o local para onde se levem os tampões dos ouvidos. não é??

Espero que a banda sonora seja suave..

Adorei o post e vou partilha-lo.

Deixo um abraço e o desejo de que o seu Domingo seja bem à imagem deste sol maravilhoso..

Filomena

MARCELO DALLA disse...
24 de janeiro de 2012 às 03:56  

Sou fã das suas postagens cinematográficas, querido! Assistirei, com certeza!!!
Grato pela dica! ;)
abraço

21 de janeiro de 2012

«Os Descendentes», filme vencedor dos Globos de Ouro 2012


«Os Descendentes»

Site oficial, aqui.

O filme "Os Descendentes", de Alexander Payne, ganhou o Globo de Ouro de melhor drama na 69.ª edição dos prémios atribuídos em Janeiro, em Beverly Hills. O actor George Clooney venceu o Globo de Ouro na categoria de melhor ator de drama.

Título Original: The Descendants
Realização: Alexander Payne
Género: Comédia, Drama
Ficha Técnica: Duração: 1h55m | Origem: EUA, 2011

Elenco:
George Clooney (Matt King), Shailene Woodley (Alexandra King), Amara Miller (Scottie King), Nick Krause (Sid), Patricia Hastie (Elizabeth King), Grace A. Cruz (professora de Scottie King), Kim Gennaula (Funcionária da escola), Karen Kuioka Hironaga (Barb Higgins), Carmen Kaichi (Lani Higgins), Kaui Hart Hemmings (empregada de Matt King, na vida real, autora do livro que serviu de base para este roteiro), Beau Bridges (primo Hugh), Matt Corboy (primo Ralph), Matt Esecson (primo Hal) e Michael Ontkean (primo Milo).

George Clooney (Matt King)

Após o acidente de barco que a sua mulher sofreu, um homem (George Clooney) tenta pegar nas rédeas da sua família e levar a vida para a frente. As suas duas filhas (Shailene Woodley e Amara Miller), de quem ele era bastante distante, vão ajudá-lo a trilhar o caminho que tem pela frente.

O pai e as duas filhas, acompanhadas de Sid, de camiseta castanha.
George Clooney (Matt King), Shailene Woodley (Alexandra King),
Amara Miller (Scottie King), Nick Krause (Sid)

O filme "Os Descendentes", de Alexander Payne, ganhou o Globo de Ouro de melhor drama na 69.ª edição dos prémios atribuídos em Janeiro, em Beverly Hills.

Na categoria de melhor drama estavam também nomeados os filmes "Hugo" (Martin Scorsese), "As serviçais" (Tate Taylor), "Moneyball - Jogador de Risco" (Bennett Miller) e "War Horse - Cavalo de Guerra" (Steven Spielberg).

Leonardo DiCaprio ("J. Edgar"), Michael Fassbender ("Shame"), Ryan Gosling ("Tudo pelo Poder") e Brad Pitt ("O Homem Que Mudou o Jogo") competiam com George Clooney na categoria de melhor actor dramático.

A cerimónia dos Globos de Ouro, prémios atribuídos pela Associação de Jornalistas Estrangeiros de Hollywood, voltou a ser conduzida pelo humorista britânico Rick Gervais (que sinceramente não apreciei, talvez por já não ser surpresa).


O realizador Alexander Payne a orientar um 'camara man' durante a rodagem do filme.

Quem decidir tirar umas horas do seu dia para ver o filme "Os Descendentes" não se vai arrepender. É uma história que nos toca lá no fundo, levando-nos a pensar nas decisões que tomamos na nossa vida, e na forma como decidimos vivê-la, num mundo em constante mudança em que tudo o que temos nunca parece ser suficiente. O que é mesmo desarmante é termos como pano de fundo a ultra famosa região do Hawai. Mas não a zona turistíca com as suas praias, surfistas e ondas grandes, mas sim a zona comum do resto da região.

A realização, a montagem, a atenção ao detalhe sem que se perca o fluir das cenas e do argumento, conferem ao filme uma naturalidade e verosimilhança inigualáveis no cinema actual. A excelente direcção de actores, combinada com a forma simples e objectiva com que temáticas transversais como o amor e a perda são abordadas, deixam todo o destaque ao texto e aos intérpretes, que naturalmente se superam e nos inspiram.


Uma cena do filme com Shailene Woodley (Alexandra King),
e o amigo/namorado Nick Krause (Sid).
Repare-se em como os produtos que estão na mesa têm as marcas encobertas.


«O inteligente título remete-nos para o âmago de todo o argumento (brilhantemente adaptado do livro homónimo de Kaui Hart Hemmings): o legado deixado às gerações futuras e a importância que este assume tanto para os progenitores (a influência no futuro, as responsabilidades e as mudanças que cuidar de uma vida em formação acarreta) como para os "descendentes", sejam eles os filhos (para os quais o legado é espiritual, ético, sentimental) ou os herdeiros (quando após a morte, o legado é meramente material).

O legado é materializado por um terreno de valor elevado que à gerações pertence à familia de Matt King (Clooney), e que este se vê forçado a vender, momento que toda a vida evitou e modificaria radicalmente a sua vida e a de todos em torno de si. Toda esta situação é a perfeita e irónica metáfora da sua vida familiar.

A história é-nos entregue pelo narrador omnipresente (o próprio Matt) que se encarrega de nos ir inteirando de que sucedeu anteriormente e de como a realidade em constante mutação influi no seu modo de vida. Obssessivamente dedicado à sua profissão, Matt negligencia as filhas e afasta-se da esposa, até que o infortúnio atinge a família e o deixa a braços com a difícil tarefa de resgatar o tempo perdido e o seu papel de pai. (...)

A empatia entre as personagens e o público torna-se inevitável, principalmente com George Clooney que, finalmente despido da sua imagem de galã conquistador, agarra o papel da sua vida, conferindo-lhe uma sinceridade e transparência desarmantes e até comoventes.» - Paulo Silva

Trailer legendado em português do Brasil.
Se é de Portugal, não estranhe ver pai e filhas a tratarem-se por «você»,
pois consegue-se perceber bem, apesar de uma certa estranheza.


Vídeo à volta do filme




A jovem Shailene Woodley (Alexandra King) na cerimónia dos Globos de Ouro.


As jovens Amara Miller (Scottie King) e Shailene Woodley (Alexandra King),
na estreia do filme, em Novembro 2011.

.

5 comentários:

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

que dica excelente, quero ver esse filme!

é então um bom filme para a gente pensar sobre nossas vidas e o que deixamos para o mundo né? mto bom!

grande abraço, ótimo fim de semana

António Rosa disse...

É um belo filme, sim Alexandre e que dá para perceber a dinâmica de uma família, que passa de distante a próxima e feliz.

Abraço.

Astrid Annabelle disse...

Que maravilha! Você desenterrou o crítico de cinema que eu adoro, António!!!
Espetáculo de post...quero ver se consigo ver, pois a sua análise é feita de uma maneira tal que nos leva a querer ver na hora!
Parabéns! Adorei! Partilhado....é claro!
Beijos
Astrid Annabelle

Filomena Nunes disse...

Este filme vai levar-me ao cinema.. e não é só pelo George, o que, por si só, já era uma aposta!! LOL

Eu adorava cinema mas, desde há uns anos a esta parte, o som "surround" incomoda-me sobremaneira.. por outro lado, não é o local para onde se levem os tampões dos ouvidos. não é??

Espero que a banda sonora seja suave..

Adorei o post e vou partilha-lo.

Deixo um abraço e o desejo de que o seu Domingo seja bem à imagem deste sol maravilhoso..

Filomena

MARCELO DALLA disse...

Sou fã das suas postagens cinematográficas, querido! Assistirei, com certeza!!!
Grato pela dica! ;)
abraço

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates