«2012 - O Horizonte» por Jorge Lancinha

3 de janeiro de 2012 ·


Texto daqui.

Conheça o site

Seu Facebook, aqui.

O ano de 2012 está envolto em grande misticismo. As profecias acerca do fim do mundo, baseadas no calendário Maia, apontam para 21 de Dezembro de 2012 como o momento derradeiro.

Independentemente do facto de esta data estar ou não correta, como sendo o fim de um grande ciclo na contabilidade das antigas civilizações mesoamericanas, para quem está atento às leis universais do cosmos, um fim indica sempre um novo começo. Portanto, aqui é uma questão de perspetiva: perante o fechar de um ciclo podemos desesperar por tudo aquilo que inevitavelmente encontra o seu fim; ou podemos focar a nossa atenção naquilo que está prestes a começar. É como olhar para a imagem que escolhi para ilustrar estas palavras e optar por ver o pôr-do-sol ou o seu nascer…

É claro que o que nos aterroriza é a ideia da destruição, da catástrofe global. Mas mais uma vez é uma questão de perspetiva: podemos optar por viver no receio de coisas que não temos como prever ou evitar, avançadas por especulações, profecias e teorias conspirativas; ou podemos aceitar largar o controlo do que não temos como controlar e viver as nossas vidas no presente, aproveitando cada instante.

Se de facto soubéssemos que inevitavelmente a espécie humana sofreria uma hecatombe massiva daqui a um ano, como viveríamos estes meses até lá? Em que é que essa informação nos seria útil e benéfica? Desesperaríamos em absoluto, perdendo a sanidade? Sentiríamos cada momento até lá como uma tortura insuportável? Ou viveríamos mais verdadeiramente? Mais amorosamente, mais Humanamente? Passaríamos mais tempo com aqueles que amamos? Diríamos o que adiamos constantemente dizer? Despiríamos as nossas máscaras e proteções, olhando-nos como semelhantes em essência? Reconheceríamos então a maravilha única que é a natureza, da qual fazemos parte, respeitando e celebrando cada manifestação de vida?

Parece-me que estas questões, que internamente nos surgem perante a ideia do cataclismo, são de facto importantes e podem contribuir para uma real transformação na nossa maneira de viver, se aceitarmos endereça-las honestamente. E neste sentido senti que valeria a pena abordar este assunto.

Assim, neste ano de 2012, o meu desejo é que possamos todos encontrar caminhos mais pacíficos, construtivos, criativos, Humanos em suma, para lidar com as experiências e desafios que esta existência nos coloca.

E a 21 de Dezembro de 2012, fazendo honras à extraordinária sabedoria cosmológica que os Maias codificaram no seu calendário, proponho que celebremos o início de um novo ciclo. Porque se é de facto o Fim do Mundo, então, segundo os princípios universais, será também o começo de um Novo Mundo…

FELIZ 2012!

Jorge Lancinha

Biografia


Jorge Lancinha nasceu em 1975 na cidade de Évora. É formado em Pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa (1993/2000). Desenvolveu uma abrangente carreira em torno das Artes Plásticas e em 2008 dedicou-se também ao ensino.


Estuda Astrologia e Esoterismo desde 2000, tendo frequentado o Quiron (Centro Português de Astrologia) e o CEIA (Centro de Estudos e Inovação em Astrologia) no qual completou o 5º nível de formação com João Medeiros.

No presente dedica-se profissionalmente à Astrologia na vertente de consultoria de desenvolvimento pessoal e à investigação na área da simbologia astrológica e da psicologia analítica.

Para saber sobre as suas consultas, clique aqui.

.

2 comentários:

Astrid Annabelle disse...
3 de janeiro de 2012 às 12:52  

Adorei...parabéns aos dois...ao Jorge pelo excelente texto e para você António, por compartilhar.
A respeito da pergunta feita se soubesse que o mundo iria acabar, o que faria? Nada...continuaria vivendo...simples assim!
Beijo grande e agradecido.
Astrid Annabelle

Christiane disse...
4 de janeiro de 2012 às 23:14  

Antônio e Jorge

Excelente. Realmente para se refletir. Se realmente acreditássemos que o mundo fosse acabar o que faríamos?
Muito bom. Obrigada por compartilhar.
Grande beijo.

Christiane

3 de janeiro de 2012

«2012 - O Horizonte» por Jorge Lancinha


Texto daqui.

Conheça o site

Seu Facebook, aqui.

O ano de 2012 está envolto em grande misticismo. As profecias acerca do fim do mundo, baseadas no calendário Maia, apontam para 21 de Dezembro de 2012 como o momento derradeiro.

Independentemente do facto de esta data estar ou não correta, como sendo o fim de um grande ciclo na contabilidade das antigas civilizações mesoamericanas, para quem está atento às leis universais do cosmos, um fim indica sempre um novo começo. Portanto, aqui é uma questão de perspetiva: perante o fechar de um ciclo podemos desesperar por tudo aquilo que inevitavelmente encontra o seu fim; ou podemos focar a nossa atenção naquilo que está prestes a começar. É como olhar para a imagem que escolhi para ilustrar estas palavras e optar por ver o pôr-do-sol ou o seu nascer…

É claro que o que nos aterroriza é a ideia da destruição, da catástrofe global. Mas mais uma vez é uma questão de perspetiva: podemos optar por viver no receio de coisas que não temos como prever ou evitar, avançadas por especulações, profecias e teorias conspirativas; ou podemos aceitar largar o controlo do que não temos como controlar e viver as nossas vidas no presente, aproveitando cada instante.

Se de facto soubéssemos que inevitavelmente a espécie humana sofreria uma hecatombe massiva daqui a um ano, como viveríamos estes meses até lá? Em que é que essa informação nos seria útil e benéfica? Desesperaríamos em absoluto, perdendo a sanidade? Sentiríamos cada momento até lá como uma tortura insuportável? Ou viveríamos mais verdadeiramente? Mais amorosamente, mais Humanamente? Passaríamos mais tempo com aqueles que amamos? Diríamos o que adiamos constantemente dizer? Despiríamos as nossas máscaras e proteções, olhando-nos como semelhantes em essência? Reconheceríamos então a maravilha única que é a natureza, da qual fazemos parte, respeitando e celebrando cada manifestação de vida?

Parece-me que estas questões, que internamente nos surgem perante a ideia do cataclismo, são de facto importantes e podem contribuir para uma real transformação na nossa maneira de viver, se aceitarmos endereça-las honestamente. E neste sentido senti que valeria a pena abordar este assunto.

Assim, neste ano de 2012, o meu desejo é que possamos todos encontrar caminhos mais pacíficos, construtivos, criativos, Humanos em suma, para lidar com as experiências e desafios que esta existência nos coloca.

E a 21 de Dezembro de 2012, fazendo honras à extraordinária sabedoria cosmológica que os Maias codificaram no seu calendário, proponho que celebremos o início de um novo ciclo. Porque se é de facto o Fim do Mundo, então, segundo os princípios universais, será também o começo de um Novo Mundo…

FELIZ 2012!

Jorge Lancinha

Biografia


Jorge Lancinha nasceu em 1975 na cidade de Évora. É formado em Pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa (1993/2000). Desenvolveu uma abrangente carreira em torno das Artes Plásticas e em 2008 dedicou-se também ao ensino.


Estuda Astrologia e Esoterismo desde 2000, tendo frequentado o Quiron (Centro Português de Astrologia) e o CEIA (Centro de Estudos e Inovação em Astrologia) no qual completou o 5º nível de formação com João Medeiros.

No presente dedica-se profissionalmente à Astrologia na vertente de consultoria de desenvolvimento pessoal e à investigação na área da simbologia astrológica e da psicologia analítica.

Para saber sobre as suas consultas, clique aqui.

.

2 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Adorei...parabéns aos dois...ao Jorge pelo excelente texto e para você António, por compartilhar.
A respeito da pergunta feita se soubesse que o mundo iria acabar, o que faria? Nada...continuaria vivendo...simples assim!
Beijo grande e agradecido.
Astrid Annabelle

Christiane disse...

Antônio e Jorge

Excelente. Realmente para se refletir. Se realmente acreditássemos que o mundo fosse acabar o que faríamos?
Muito bom. Obrigada por compartilhar.
Grande beijo.

Christiane

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates