Filmes da minha vida - Vampiros, lobisomens, humanos, amor e intensos desejos sexuais

15 de março de 2010 ·



Acima: O vampiro Edward Cullen, interpretado por
Robert Pattinson.
A humana Bella Swan, interpretada por Kristen Stewart.

Para saber mais clique nos nomes ao longo das legendas e partes do post.

Filmes:

Os leitores habituais deste blogue sabem que sou um grande apreciador de cinema, e que dedico algum do meu tempo a escrever sobre o que me agrada. Isto para dizer que, por preconceito meu, quando «Twilight» (2008) foi lançado e, posteriormente, quando a saga continuou com «New Moon» (2009), nunca me interessei por estas películas, por pensar que eram meros filmes para adolescentes. Pior que isso, nem sequer me dei ao trabalho de ler críticas ou ver imagens na internet. Estupidamente, fiz disso, 'tábua rasa'. Até que, recentemente, um amigo meu, que até me conhece bem sobre estas coisas das 'fitas', me trouxe 2 dvd's com esta 'ordem': 'Tem que ver isto e escrever sobre o assunto!'. Fui obediente e cumpri. E mais, cumpri de forma organizada: vi os dois filmes seguidos, com um breve intervalo para jantar. Amei. Não ao ponto de os considerar como sendo 'Filmes da minha vida', mas sim numa hipotética lista que nunca organizei aqui no blogue e que poderia chamar de 'filmes de culto'. A seguir a ter visto os dois filmes desta saga, comecei a organizar este post, recheado de links aos filmes, actores e personagens.

Acima: O vampiro Edward, o lobisomem Jacob e a humana Bella,
o eterno trio amoroso. Um amor impossível, diga-se.

Continuando a serem filmes para adolescentes, são também um produto cinematográfico tremendamente adulto. Mais adiante, explicarei porquê. Agora tenho que deixar aqui umas breves pinceladas sobre o enredo da história, para então passar àquilo que verdadeiramente me interessou nestes filmes. O enredo é o suporte ficcional de um estado de ânimo muito especial.

Enredo

Isabella 'Bella' Swan [Kristen Stewart], de 17 anos, é uma jovem responsável, tímida e introspectiva, que decide mudar-se da ensolarada cidade de Phoenix, onde morava com a sua mãe, para a pequena e chuvosa cidade de Forks, onde viveria com o seu pai, Charlie Swan [Billy Burke], o chefe da polícia local. No primeiro dia de aulas na sua nova escola, Bella, como gostava de ser tratada, depara-se no refeitório com cinco jovens de uma beleza impressionante: Edward [Robert Pattinson], Alice [Ashley Greene], Emmet [Kellan Lutz], Rosalie [Nikki Reed] e Jasper [Jackson Rathbone] (todos membros da família Cullen). Mais tarde, numa aula, ela conhece Edward Cullen que, sem razão aparente, parece estar irritado ou zangado com Bella, até com o seu cheiro, não querendo conviver com ela.

Bella, que tinha o hábito de passar férias com o pai em Forks, tinha por lá vários amigos. Em especial, Jacob Black [Taylor Lautner], um índio quileute de uma família amiga do seu pai e seu amigo de infância. Devido ao comportamento estranho de Edward, Bella sente-se cada mais atraída pelo jovem e começa a investigar, lendo livros e pesquisando na internet, além de Jacob lhe ter contado algumas lendas e histórias locais. Bella acaba por descobrir que os Cullen são uma família de vampiros. No entanto, como Edward lhe conta mais tarde, estes não se alimentam de sangue humano, apenas do sangue de animais, sendo considerados "vegetarianos" no seu meio. Edward é um vampiro de 109 anos que aparentará ter 17 para sempre. Ele tem o dom de ler mentes, assim como força e velocidade sobre-humanas.

A partir destas descobertas, Bella entra num mundo totalmente novo para si, pois, ao apaixonar-se por Edward, acaba por enfrentar perigos consideráveis, principalmente quando do aparecimento de James [Cam Gigandet], um vampiro rastreador (não vegetariano), que se alimenta de sangue humano e que se sente profundamente atraído pelo seu odor. James nota como Edward protege Bella, e isso faz deste o mais interessante de todos os jogos, havendo uma sensacional luta de vampiros entre ambos.

Esta cena da luta tem um nível tão excelente, bem coreografado, com uma presença inquietante e efeitos especiais adequados, que a MTV, em 2009, atribuiu o prémio da melhor luta, a estes dois jovens. Além deste, «Twilight» também recebeu da MTV outros prémios: Melhor Filme; Melhor Actuação Feminina para Kristen Stewart; 'Break Through Performance Male' para Robert Pattinson; Melhor Beijo para Kristen Stewart e Robert Pattinson. Veremos como se comporta «New Moon» nos próximos prémios MTV 2010, de pop-culture, a realizar-se a 6 de Junho, em Los Angeles.


Quanto ao enredo, fico-me por aqui, para que não se perca o interesse pelos filmes. Esta é uma das regras do jogo cinematográfico: não revelar tudo sobre os filmes.



Jacob Black [Taylor Lautner] - Um personagem secundário no primeiro filme (e livro), mas que ganha maior destaque nas películas seguintes. A imagem da esquerda é como se apresenta em «Twilight» e na imagem da direita é como aprece nos restantes filmes. É ele quem conta a Bella sobre as lendas quileutes e diz-lhe que este povo índio (do qual ele faz parte) seria descendente de lobos, transformado-se então lobisomens. Também lhe diz que os Cullen seriam vampiros, e diz ainda que lobisomens e vampiros são inimigos. O próprio Jake só passa a acreditar nas lendas quileutes quando ele mesmo se torna um lobisomem, em «New Moon». Embora esteja apaixonado por Bella, ela inicialmente o vê apenas como sempre: o seu melhor amigo. A personagem de Jacob torna-se muito mais importante no segundo filme e adquirirá maior relevo nas terceira e quarta película da série, ainda não estreadas.

Taylor Lautner é muito jovem, tendo nascido a 11 Fevereiro 1992. Iniciou as filmagens desta série com 16 anos. No entanto, começou a sua carreira de actor em 2001, quando tinha apenas 9 anos. A ascendência deste rapaz é múltipla, pois tem nos seus genes antepassados franceses, holandeses, alemães e nativos-americanos (especificamente dos Ottawa e Potawatomi), por isso encaixar-se tão bem no papel de um índio quileute. É campeão de karaté, quando mais jovem e foi por esta via que se iniciou no cinema, tendo primeiro feito publicidade, nomeadamente para a grande cadeia dos Burger King. Os seus pais e irmã, optaram por se mudar de Grand Rapids, Michigan, para Los Angeles, para que o jovem pudesse prosseguir com a sua carreira cinematográfica, permanecendo na casa paterna, onde ainda se encontra. A mãe é expert em desenvolvimento informático e o pai é piloto de uma linha aéra comercial.

A esta altura do post, os leitores já estarão tão cansados de tanta conversa que, eventualmente, já terão desistido de ler. Mas agora é que a coisa começa a aquecer, sob o meu ponto de vista. Muito mais acima escrevi isto: «Continuando a serem filmes para adolescentes, são também um produto cinematográfico tremendamente adulto. Mais adiante, explicarei porquê.» Chegou o momento.

Quando a humana Bella [Kristen Stewart] e o vampiro Edward [Robert Pattinson] se reconhecem como estando apaixonados um pelo outro, colocam-se de imediato duas situações que estão interligadas e que são um tema apaixonante nestes filmes: ele, como vampiro, aparentará sempre ter 17 anos, enquanto que ela, como humana, envelhecerá. Como será possível uma relação amorosa assim, com este condicionamento? Será que ele a vai amar para sempre? Ele garante que sim, que a amará. Ela, também. No entanto, Bella pretende ser transformada para o poder acompanhar pela eternidade. O vampiro recusa-se a transformá-la, pois não pretende danificar a sua alma. É um conceito muito vago, mas que se percebe. Ambos os filmes têm este pressuposto como base da narrativa. Bella não tem medo de se entregar a esse amor, pois não teme o lado animal 'destes' vampiros vegetarianos, que aparentemente não matam humanos, nem se alimentam com o seu sangue.

É a fase «inocente» do amor, dos sentimentos, em que julgam tudo ser possível. Isto, segunda a visão de Bella, porque ele, mais experiente (tem 100 anos), sabe que as coisas não são bem assim. É a fase do amor não corporal, do amor sem sexo. É um amor entregue à dor de não poder ser sexualmente concretizado, por uma razão bem simples: se um leve beijo, um simples beijo em que mal se tocam nos lábios, faz aparecer o instinto predador do vampiro, como seria se fosse consumado pela via sexual? Portanto, tudo leva a crer que é uma história de amor incompatível. Só não o é, pelo imenso e trágico amor que sentem um pelo outro. O amor não se condiciona na vida sexual, apesar do constante tesão existente entre ambos. Espero que me desculpem por usar a palavra 'tesão', pois é a única forma que tenho de descrever o ambiente latente ao longo dos dois filmes.

É uma tensão constante, muito bem explorada em termos cinematográficos, pois remete-nos continuamente para o cerne da narrativa: 'isto' é aquilo que se chama amor incondicional? Nunca saberemos. Como conterem o desejo sexual, se o simples odor da rapariga provoca os mais intensos desejos do homem e do vampiro. Quem vence esta luta? O lado humano ou o vampiro deve ser mais forte? Edward é extremamente protector em relação a Bella, sabendo conter o seu fervor sexual, mas ela quer prosseguir, também quer ser vampira, quer ser transformada, para poder aceder à plenitude do amor.

O que me pareceu muito interessante nestes filmes, é a forma como conseguem apresentar esta dinâmica, sem a manchar uma única vez e, pelo contrário, apresentando-nos imagens muito bonitas e sugestivas destas situações. Sobretudo as cenas passadas no bosque e nas montanhas. Os filmes engrandecem com esta dinâmica. As interpretações destes jovens é notável, pois conseguiram quase o impossível.

Acima: A humana Bella e os vampiros 'bons', os que não bebem sangue humano, nem os matam. Os Cullen: Edward [Robert Pattinson], Dr. Carlisle [Peter Facinelli], Esme [Elizabeth Reaser], Alice [Ashley Greene], Emmet [Kellan Lutz], Jasper [Jackson Rathbone] e Rosalie [Nikki Reed].

«Twilight» [Crepúsculo] produzido em 2008, foi dirigido por Catherine Hardwicke, adaptado do primeiro livro da série homónima de Stephenie Meyer. «New Moon» [Lua Nova] é a sequela, produzida em 2009. Os quatro livros da série são contados sob o ponto de vista de Bella, excepto o epílogo de «Eclipse» e um terço de «Amanhecer», que são narrados por Jacob Black. A série de livros vendeu mais de 100 milhões de exemplares ao redor do mundo.

Acima: Os vampiros 'maus', os que bebem sangue humano e matam: James [Cam Gigandet], Laurent [Edi Gathegi] e Victoria [Rachelle Lefevre].



Já está anunciada a exibição do novo filme da saga: «Eclipse» (2010).


E ainda haverá uma continuação com 'Breaking Dawn' [Amanhecer] (2011).


Twilight - Crepúsculo



New Moon - Lua Nova

23 comentários:

Maria de Fátima disse...
15 de março de 2010 às 20:26  

Olá António, tenho que te agradecer pela excelente descrição pormenorizada destes 2 filmes que eu ainda não vi, mas que estão na minha lista de filmes a ver.Tenho que confessar que adoro todas as rubricas que fazem parte do teu blogue, mas para mim esta é uma das minhas preferidas.Vê-se mesmo que tu és um cinéfilo apaixonado pela arte de representar.Beijocas.

Astrid Annabelle disse...
15 de março de 2010 às 20:44  

Olá António!
Concordo em tudo com o que a Mimi escreveu.
Sim senhor...este post está um espetáculo!
Dá vontade de ver os filmes e depois sentar e conversar a respeito com você.
Parabéns de coração.
Beijo grande
Astrid Annabelle

Meri Pellens disse...
15 de março de 2010 às 21:03  

Já assisti esses dois filmes tbm. Excelentes. Contudo o 1º achei um pouquinho melhor.
Bjos na alma!

Sandra Botelho disse...
15 de março de 2010 às 22:05  

Não quis ver os filmes, preferi ler os livros e li toda a saga.
Eu achei maravilhosos os livros.
Bjos no coração

Maria Izabel Viégas disse...
16 de março de 2010 às 04:13  

Amigo António,
Ouvi de meu filho(jovem) que estes filmes eram de "teenagers", sem maior expressão. interessante que eu, a "senhora" vi e amei! rs
Mas me chamou atenção justo este comentário teu:
"a forma como conseguem apresentar esta dinâmica, sem a manchar uma única vez e, pelo contrário, apresentando-nos imagens muito bonitas e sugestivas destas situações... cenas passadas no bosque e nas montanhas.".
E amigo, gosto muito, há uma honra nesses vampiros, uma expressão de amor , pureza, bem diferente dos similares.

Concordo com a Fátima e a Astrid, venho sempre aqui a ler os seus comentários sobre filmes; és virtuoso nos teus posts sobre Cinema.
Eu, sou uma tragédia! :(( Conto o filme todo errado.
Amigo querido, sinto falta de ti!!! Saudadesssss.
Viste que comemorei 10 000 visitas. Queria tanto que estivesses comigo. 10000 sem tua presença fica muito triste.
Vem na minha Casa!!!
beijos na tua alma.

Gisa disse...
16 de março de 2010 às 09:40  

Vi os dois filmes por indicação das minhas filhas, elas mandaram bem não foi ? que bom que curtiu esse filme... valeu pelo post !! (quem ainda não viu precisa assistir)

.. aguardo o próximo rs

bjs

Adelaide Figueiredo disse...
16 de março de 2010 às 12:21  

António,

Mais uma página extraordinária! A sua descrição, como sempre, é um filme que consegue passar à frente dos meus olhos à medida que vou lendo - a minha imaginação faz o resto :) Conseguem sentir-se os sentimentos através da sua descrição. Fiquei com "água na boca" para ver os filmes. Nem vagar tenho. Isto anda complicado por estes lados. Nem comentários tenho tempo de fazer aos blogues.
Mais uma vez um obrigada por esta sessão.

Abraço

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 13:15  

Maria de Fátima

Muito agradecido pelas tuas palavras tão gentis. Também gosto muito desta minha secção de cinema. É um muito velho prazer que me acompanha.

Beijo.

Anónimo disse...
16 de março de 2010 às 13:15  

Muito bom!
A ideia que tínhamos sobre os vampiros mudou, afinal também há vampiros bons, que amam, protegem...

Grata. Grande abraço.

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 13:16  

Astrid

Também agradeço as belas palavras. O post foi sendo feito... :)) Seria muito bom estarmos reunidos numa tertúlia a falarmos sobre estas e outras coisas.

Beijo.

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 13:43  

Meri

Que bom vê-la por aqui, ainda por cima, já tendo visto os filmes. O primeiro filme parece melhor porque entramos no 'ambiente' e o segundo já não surpreende tanto.

Beijo

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 13:48  

Sandra

Só li o primeiro livro. É enorme, aí com umas 500 páginas.

Beijo.

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 13:49  

Maria Izabel,

É natural que os mais jovens achem que o filme seja para um grupo etário inferior, pois assim passam por mais 'crescidos'. Eu também tinha esse preconceito, como disse no post. Depois de ver os filmes, percebi como estava enganado.

Já deixei o meu testemunho no seu blogue. Amanhã à tarde sairá aqui o seu selinho.

Grande beijo

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 13:49  

Gisa

Sem dúvida que elas mandaram bem. Grato pelas palavras.

Beijo

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 13:51  

Adelaide,

Quanta saudade! Mas a vida é assim e só temos que a aceitar. Muito agradecido pelas palavras gentis sobre estes meus posts cinematográficos.

Abraço

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 14:02  

Anónima das 13:15

Parece que sim, que também há vampiros bons. O muito que ainda temos por descobrir.

Grato.

Pitanga Doce disse...
16 de março de 2010 às 14:09  

Ó Antonio que bom te achar de novo! Olha, não vou lá nessa vampirada toda. hehe

Vim aqui te convidar (com toda a excelência) para ires à árvore. Estás lá, pá! Que saudades daquele tempo! E há gente de quem vais te lembrar também!

beijos da Pitanga

António Rosa disse...
16 de março de 2010 às 15:20  

Pitanga

Que grata surpresa. Já lá fui e deixei o meu comentário. Que saudades!

Terra de Encanto disse...
16 de março de 2010 às 23:01  

Olá António!
Como fã da saga, fiquei muito feliz por ver aquilo que já tinha visto: os adolescentes, por muito encantados que estejam com os filmes, entenderão o alcance adulto da trama? Daminha parte, vi os filmes e li os 4 livros. O Eclipse (livro 3), deixou-me sem fôlego. O Amanhecer (4), é de uma intensidade que só lendo, sentindo, se pode perceber.
Um beijo amigo.

Fiquei tão feliz com este post!!!!!!!!

Likas disse...
16 de março de 2010 às 23:27  

Truz truz!!!
Lembras-te aventalinho vermelho?
Pois é... a Pitanga trouxe de volta todas essas lembranças de um tempo que já lá vai.

O avental anda em grandes mudanças, uma delas é deixar o xxl para se aventurar num L, sei lá... talvez para o fim do ano.
Este início de ano, com a chegada inevitável do 40º aniversário foi tempo de reflexão e de grandes decisões estratégicas, antes que o vermelho desbote e fique rasgado.

De ti, meu urso, jamais esquecerei as palavras sábias.

Um grande abraço,
Aventalinhao

António Rosa disse...
17 de março de 2010 às 07:13  

Terra de Encanto

Ainda bem que concordamos nesse aspecto. Ainda não li a saga completa, mas espero fazê-lo. Gosto muito de obras deste género.

Beijo

António Rosa disse...
17 de março de 2010 às 07:15  

Likas

O ano de 2006 foi de uma boa colheita. Todos passámos por grandes transformações. Ainda bem que estás a tentar passar para o L. Eu deveria fazer o mesmo, mas tenho muita dificuldade em concretizar isso e a minha saúde ressente-se.

Muitos beijos

ઇઉ Pensamentos de Tata ઇઉ disse...
13 de abril de 2010 às 00:21  

Oi ,não sou nenhuma escritora profissional,apenas arrisco algumas linhas, mas isso não impede que eu reconheça um grande escritor, nossa,você é muito detalhista e consegue nos passar exatamente o que viu!Eu já assisti aos filmes citados, e adorei!Parabéns ,vou voltar sempre que puder pois quero ter o privilégio de uma boa leitura!Um abraço!

15 de março de 2010

Filmes da minha vida - Vampiros, lobisomens, humanos, amor e intensos desejos sexuais



Acima: O vampiro Edward Cullen, interpretado por
Robert Pattinson.
A humana Bella Swan, interpretada por Kristen Stewart.

Para saber mais clique nos nomes ao longo das legendas e partes do post.

Filmes:

Os leitores habituais deste blogue sabem que sou um grande apreciador de cinema, e que dedico algum do meu tempo a escrever sobre o que me agrada. Isto para dizer que, por preconceito meu, quando «Twilight» (2008) foi lançado e, posteriormente, quando a saga continuou com «New Moon» (2009), nunca me interessei por estas películas, por pensar que eram meros filmes para adolescentes. Pior que isso, nem sequer me dei ao trabalho de ler críticas ou ver imagens na internet. Estupidamente, fiz disso, 'tábua rasa'. Até que, recentemente, um amigo meu, que até me conhece bem sobre estas coisas das 'fitas', me trouxe 2 dvd's com esta 'ordem': 'Tem que ver isto e escrever sobre o assunto!'. Fui obediente e cumpri. E mais, cumpri de forma organizada: vi os dois filmes seguidos, com um breve intervalo para jantar. Amei. Não ao ponto de os considerar como sendo 'Filmes da minha vida', mas sim numa hipotética lista que nunca organizei aqui no blogue e que poderia chamar de 'filmes de culto'. A seguir a ter visto os dois filmes desta saga, comecei a organizar este post, recheado de links aos filmes, actores e personagens.

Acima: O vampiro Edward, o lobisomem Jacob e a humana Bella,
o eterno trio amoroso. Um amor impossível, diga-se.

Continuando a serem filmes para adolescentes, são também um produto cinematográfico tremendamente adulto. Mais adiante, explicarei porquê. Agora tenho que deixar aqui umas breves pinceladas sobre o enredo da história, para então passar àquilo que verdadeiramente me interessou nestes filmes. O enredo é o suporte ficcional de um estado de ânimo muito especial.

Enredo

Isabella 'Bella' Swan [Kristen Stewart], de 17 anos, é uma jovem responsável, tímida e introspectiva, que decide mudar-se da ensolarada cidade de Phoenix, onde morava com a sua mãe, para a pequena e chuvosa cidade de Forks, onde viveria com o seu pai, Charlie Swan [Billy Burke], o chefe da polícia local. No primeiro dia de aulas na sua nova escola, Bella, como gostava de ser tratada, depara-se no refeitório com cinco jovens de uma beleza impressionante: Edward [Robert Pattinson], Alice [Ashley Greene], Emmet [Kellan Lutz], Rosalie [Nikki Reed] e Jasper [Jackson Rathbone] (todos membros da família Cullen). Mais tarde, numa aula, ela conhece Edward Cullen que, sem razão aparente, parece estar irritado ou zangado com Bella, até com o seu cheiro, não querendo conviver com ela.

Bella, que tinha o hábito de passar férias com o pai em Forks, tinha por lá vários amigos. Em especial, Jacob Black [Taylor Lautner], um índio quileute de uma família amiga do seu pai e seu amigo de infância. Devido ao comportamento estranho de Edward, Bella sente-se cada mais atraída pelo jovem e começa a investigar, lendo livros e pesquisando na internet, além de Jacob lhe ter contado algumas lendas e histórias locais. Bella acaba por descobrir que os Cullen são uma família de vampiros. No entanto, como Edward lhe conta mais tarde, estes não se alimentam de sangue humano, apenas do sangue de animais, sendo considerados "vegetarianos" no seu meio. Edward é um vampiro de 109 anos que aparentará ter 17 para sempre. Ele tem o dom de ler mentes, assim como força e velocidade sobre-humanas.

A partir destas descobertas, Bella entra num mundo totalmente novo para si, pois, ao apaixonar-se por Edward, acaba por enfrentar perigos consideráveis, principalmente quando do aparecimento de James [Cam Gigandet], um vampiro rastreador (não vegetariano), que se alimenta de sangue humano e que se sente profundamente atraído pelo seu odor. James nota como Edward protege Bella, e isso faz deste o mais interessante de todos os jogos, havendo uma sensacional luta de vampiros entre ambos.

Esta cena da luta tem um nível tão excelente, bem coreografado, com uma presença inquietante e efeitos especiais adequados, que a MTV, em 2009, atribuiu o prémio da melhor luta, a estes dois jovens. Além deste, «Twilight» também recebeu da MTV outros prémios: Melhor Filme; Melhor Actuação Feminina para Kristen Stewart; 'Break Through Performance Male' para Robert Pattinson; Melhor Beijo para Kristen Stewart e Robert Pattinson. Veremos como se comporta «New Moon» nos próximos prémios MTV 2010, de pop-culture, a realizar-se a 6 de Junho, em Los Angeles.


Quanto ao enredo, fico-me por aqui, para que não se perca o interesse pelos filmes. Esta é uma das regras do jogo cinematográfico: não revelar tudo sobre os filmes.



Jacob Black [Taylor Lautner] - Um personagem secundário no primeiro filme (e livro), mas que ganha maior destaque nas películas seguintes. A imagem da esquerda é como se apresenta em «Twilight» e na imagem da direita é como aprece nos restantes filmes. É ele quem conta a Bella sobre as lendas quileutes e diz-lhe que este povo índio (do qual ele faz parte) seria descendente de lobos, transformado-se então lobisomens. Também lhe diz que os Cullen seriam vampiros, e diz ainda que lobisomens e vampiros são inimigos. O próprio Jake só passa a acreditar nas lendas quileutes quando ele mesmo se torna um lobisomem, em «New Moon». Embora esteja apaixonado por Bella, ela inicialmente o vê apenas como sempre: o seu melhor amigo. A personagem de Jacob torna-se muito mais importante no segundo filme e adquirirá maior relevo nas terceira e quarta película da série, ainda não estreadas.

Taylor Lautner é muito jovem, tendo nascido a 11 Fevereiro 1992. Iniciou as filmagens desta série com 16 anos. No entanto, começou a sua carreira de actor em 2001, quando tinha apenas 9 anos. A ascendência deste rapaz é múltipla, pois tem nos seus genes antepassados franceses, holandeses, alemães e nativos-americanos (especificamente dos Ottawa e Potawatomi), por isso encaixar-se tão bem no papel de um índio quileute. É campeão de karaté, quando mais jovem e foi por esta via que se iniciou no cinema, tendo primeiro feito publicidade, nomeadamente para a grande cadeia dos Burger King. Os seus pais e irmã, optaram por se mudar de Grand Rapids, Michigan, para Los Angeles, para que o jovem pudesse prosseguir com a sua carreira cinematográfica, permanecendo na casa paterna, onde ainda se encontra. A mãe é expert em desenvolvimento informático e o pai é piloto de uma linha aéra comercial.

A esta altura do post, os leitores já estarão tão cansados de tanta conversa que, eventualmente, já terão desistido de ler. Mas agora é que a coisa começa a aquecer, sob o meu ponto de vista. Muito mais acima escrevi isto: «Continuando a serem filmes para adolescentes, são também um produto cinematográfico tremendamente adulto. Mais adiante, explicarei porquê.» Chegou o momento.

Quando a humana Bella [Kristen Stewart] e o vampiro Edward [Robert Pattinson] se reconhecem como estando apaixonados um pelo outro, colocam-se de imediato duas situações que estão interligadas e que são um tema apaixonante nestes filmes: ele, como vampiro, aparentará sempre ter 17 anos, enquanto que ela, como humana, envelhecerá. Como será possível uma relação amorosa assim, com este condicionamento? Será que ele a vai amar para sempre? Ele garante que sim, que a amará. Ela, também. No entanto, Bella pretende ser transformada para o poder acompanhar pela eternidade. O vampiro recusa-se a transformá-la, pois não pretende danificar a sua alma. É um conceito muito vago, mas que se percebe. Ambos os filmes têm este pressuposto como base da narrativa. Bella não tem medo de se entregar a esse amor, pois não teme o lado animal 'destes' vampiros vegetarianos, que aparentemente não matam humanos, nem se alimentam com o seu sangue.

É a fase «inocente» do amor, dos sentimentos, em que julgam tudo ser possível. Isto, segunda a visão de Bella, porque ele, mais experiente (tem 100 anos), sabe que as coisas não são bem assim. É a fase do amor não corporal, do amor sem sexo. É um amor entregue à dor de não poder ser sexualmente concretizado, por uma razão bem simples: se um leve beijo, um simples beijo em que mal se tocam nos lábios, faz aparecer o instinto predador do vampiro, como seria se fosse consumado pela via sexual? Portanto, tudo leva a crer que é uma história de amor incompatível. Só não o é, pelo imenso e trágico amor que sentem um pelo outro. O amor não se condiciona na vida sexual, apesar do constante tesão existente entre ambos. Espero que me desculpem por usar a palavra 'tesão', pois é a única forma que tenho de descrever o ambiente latente ao longo dos dois filmes.

É uma tensão constante, muito bem explorada em termos cinematográficos, pois remete-nos continuamente para o cerne da narrativa: 'isto' é aquilo que se chama amor incondicional? Nunca saberemos. Como conterem o desejo sexual, se o simples odor da rapariga provoca os mais intensos desejos do homem e do vampiro. Quem vence esta luta? O lado humano ou o vampiro deve ser mais forte? Edward é extremamente protector em relação a Bella, sabendo conter o seu fervor sexual, mas ela quer prosseguir, também quer ser vampira, quer ser transformada, para poder aceder à plenitude do amor.

O que me pareceu muito interessante nestes filmes, é a forma como conseguem apresentar esta dinâmica, sem a manchar uma única vez e, pelo contrário, apresentando-nos imagens muito bonitas e sugestivas destas situações. Sobretudo as cenas passadas no bosque e nas montanhas. Os filmes engrandecem com esta dinâmica. As interpretações destes jovens é notável, pois conseguiram quase o impossível.

Acima: A humana Bella e os vampiros 'bons', os que não bebem sangue humano, nem os matam. Os Cullen: Edward [Robert Pattinson], Dr. Carlisle [Peter Facinelli], Esme [Elizabeth Reaser], Alice [Ashley Greene], Emmet [Kellan Lutz], Jasper [Jackson Rathbone] e Rosalie [Nikki Reed].

«Twilight» [Crepúsculo] produzido em 2008, foi dirigido por Catherine Hardwicke, adaptado do primeiro livro da série homónima de Stephenie Meyer. «New Moon» [Lua Nova] é a sequela, produzida em 2009. Os quatro livros da série são contados sob o ponto de vista de Bella, excepto o epílogo de «Eclipse» e um terço de «Amanhecer», que são narrados por Jacob Black. A série de livros vendeu mais de 100 milhões de exemplares ao redor do mundo.

Acima: Os vampiros 'maus', os que bebem sangue humano e matam: James [Cam Gigandet], Laurent [Edi Gathegi] e Victoria [Rachelle Lefevre].



Já está anunciada a exibição do novo filme da saga: «Eclipse» (2010).


E ainda haverá uma continuação com 'Breaking Dawn' [Amanhecer] (2011).


Twilight - Crepúsculo



New Moon - Lua Nova

23 comentários:

Maria de Fátima disse...

Olá António, tenho que te agradecer pela excelente descrição pormenorizada destes 2 filmes que eu ainda não vi, mas que estão na minha lista de filmes a ver.Tenho que confessar que adoro todas as rubricas que fazem parte do teu blogue, mas para mim esta é uma das minhas preferidas.Vê-se mesmo que tu és um cinéfilo apaixonado pela arte de representar.Beijocas.

Astrid Annabelle disse...

Olá António!
Concordo em tudo com o que a Mimi escreveu.
Sim senhor...este post está um espetáculo!
Dá vontade de ver os filmes e depois sentar e conversar a respeito com você.
Parabéns de coração.
Beijo grande
Astrid Annabelle

Meri Pellens disse...

Já assisti esses dois filmes tbm. Excelentes. Contudo o 1º achei um pouquinho melhor.
Bjos na alma!

Sandra Botelho disse...

Não quis ver os filmes, preferi ler os livros e li toda a saga.
Eu achei maravilhosos os livros.
Bjos no coração

Maria Izabel Viégas disse...

Amigo António,
Ouvi de meu filho(jovem) que estes filmes eram de "teenagers", sem maior expressão. interessante que eu, a "senhora" vi e amei! rs
Mas me chamou atenção justo este comentário teu:
"a forma como conseguem apresentar esta dinâmica, sem a manchar uma única vez e, pelo contrário, apresentando-nos imagens muito bonitas e sugestivas destas situações... cenas passadas no bosque e nas montanhas.".
E amigo, gosto muito, há uma honra nesses vampiros, uma expressão de amor , pureza, bem diferente dos similares.

Concordo com a Fátima e a Astrid, venho sempre aqui a ler os seus comentários sobre filmes; és virtuoso nos teus posts sobre Cinema.
Eu, sou uma tragédia! :(( Conto o filme todo errado.
Amigo querido, sinto falta de ti!!! Saudadesssss.
Viste que comemorei 10 000 visitas. Queria tanto que estivesses comigo. 10000 sem tua presença fica muito triste.
Vem na minha Casa!!!
beijos na tua alma.

Gisa disse...

Vi os dois filmes por indicação das minhas filhas, elas mandaram bem não foi ? que bom que curtiu esse filme... valeu pelo post !! (quem ainda não viu precisa assistir)

.. aguardo o próximo rs

bjs

Adelaide Figueiredo disse...

António,

Mais uma página extraordinária! A sua descrição, como sempre, é um filme que consegue passar à frente dos meus olhos à medida que vou lendo - a minha imaginação faz o resto :) Conseguem sentir-se os sentimentos através da sua descrição. Fiquei com "água na boca" para ver os filmes. Nem vagar tenho. Isto anda complicado por estes lados. Nem comentários tenho tempo de fazer aos blogues.
Mais uma vez um obrigada por esta sessão.

Abraço

António Rosa disse...

Maria de Fátima

Muito agradecido pelas tuas palavras tão gentis. Também gosto muito desta minha secção de cinema. É um muito velho prazer que me acompanha.

Beijo.

Anónimo disse...

Muito bom!
A ideia que tínhamos sobre os vampiros mudou, afinal também há vampiros bons, que amam, protegem...

Grata. Grande abraço.

António Rosa disse...

Astrid

Também agradeço as belas palavras. O post foi sendo feito... :)) Seria muito bom estarmos reunidos numa tertúlia a falarmos sobre estas e outras coisas.

Beijo.

António Rosa disse...

Meri

Que bom vê-la por aqui, ainda por cima, já tendo visto os filmes. O primeiro filme parece melhor porque entramos no 'ambiente' e o segundo já não surpreende tanto.

Beijo

António Rosa disse...

Sandra

Só li o primeiro livro. É enorme, aí com umas 500 páginas.

Beijo.

António Rosa disse...

Maria Izabel,

É natural que os mais jovens achem que o filme seja para um grupo etário inferior, pois assim passam por mais 'crescidos'. Eu também tinha esse preconceito, como disse no post. Depois de ver os filmes, percebi como estava enganado.

Já deixei o meu testemunho no seu blogue. Amanhã à tarde sairá aqui o seu selinho.

Grande beijo

António Rosa disse...

Gisa

Sem dúvida que elas mandaram bem. Grato pelas palavras.

Beijo

António Rosa disse...

Adelaide,

Quanta saudade! Mas a vida é assim e só temos que a aceitar. Muito agradecido pelas palavras gentis sobre estes meus posts cinematográficos.

Abraço

António Rosa disse...

Anónima das 13:15

Parece que sim, que também há vampiros bons. O muito que ainda temos por descobrir.

Grato.

Pitanga Doce disse...

Ó Antonio que bom te achar de novo! Olha, não vou lá nessa vampirada toda. hehe

Vim aqui te convidar (com toda a excelência) para ires à árvore. Estás lá, pá! Que saudades daquele tempo! E há gente de quem vais te lembrar também!

beijos da Pitanga

António Rosa disse...

Pitanga

Que grata surpresa. Já lá fui e deixei o meu comentário. Que saudades!

Terra de Encanto disse...

Olá António!
Como fã da saga, fiquei muito feliz por ver aquilo que já tinha visto: os adolescentes, por muito encantados que estejam com os filmes, entenderão o alcance adulto da trama? Daminha parte, vi os filmes e li os 4 livros. O Eclipse (livro 3), deixou-me sem fôlego. O Amanhecer (4), é de uma intensidade que só lendo, sentindo, se pode perceber.
Um beijo amigo.

Fiquei tão feliz com este post!!!!!!!!

Likas disse...

Truz truz!!!
Lembras-te aventalinho vermelho?
Pois é... a Pitanga trouxe de volta todas essas lembranças de um tempo que já lá vai.

O avental anda em grandes mudanças, uma delas é deixar o xxl para se aventurar num L, sei lá... talvez para o fim do ano.
Este início de ano, com a chegada inevitável do 40º aniversário foi tempo de reflexão e de grandes decisões estratégicas, antes que o vermelho desbote e fique rasgado.

De ti, meu urso, jamais esquecerei as palavras sábias.

Um grande abraço,
Aventalinhao

António Rosa disse...

Terra de Encanto

Ainda bem que concordamos nesse aspecto. Ainda não li a saga completa, mas espero fazê-lo. Gosto muito de obras deste género.

Beijo

António Rosa disse...

Likas

O ano de 2006 foi de uma boa colheita. Todos passámos por grandes transformações. Ainda bem que estás a tentar passar para o L. Eu deveria fazer o mesmo, mas tenho muita dificuldade em concretizar isso e a minha saúde ressente-se.

Muitos beijos

ઇઉ Pensamentos de Tata ઇઉ disse...

Oi ,não sou nenhuma escritora profissional,apenas arrisco algumas linhas, mas isso não impede que eu reconheça um grande escritor, nossa,você é muito detalhista e consegue nos passar exatamente o que viu!Eu já assisti aos filmes citados, e adorei!Parabéns ,vou voltar sempre que puder pois quero ter o privilégio de uma boa leitura!Um abraço!

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates