Os gatos, a sua vida secreta e metafísica e, claro, nós, seres humanos pouco atentos

28 de maio de 2011 ·


Estas lindas imagens foram-me enviadas pela amiga e 
conterrânea Ema Cheong Dinis [clicar]. Obrigado e um beijinho.

 Pode clicar nas imagens para as ampliar e poder ver melhor.


Dedicado ao Preto, que vive comigo e aos já ausentes da minha vida terrena:
Lola, Maria Fofa e Gabriel. Muito amor.














Desconheço o autor destas ilustrações e legendas.

Bom fim-de-semana a todos.

UPDATE

Deixado no meu Facebook por Lúcia Helena Tuccori.

ODE AO GATO 

Por Artur da Távola 

«Nada é mais incômodo para a arrogância humana que o silencioso bastar-se dos gatos. O só pedir a quem amam. O só amar a quem os merece. O homem quer o bicho espojado, submisso, cheio de súplica, temor, reverência, obediência. O gato não satisfaz as necessidades doentias de amor. Só as saudáveis. 

Já viu gato amestrado, de chapeuzinho ridículo, obedecendo às ordens de um pilantra que vive às custas dele? Não! Até o bondoso elefante veste saiote e dança valsa no circo. O leal cachorro no fundo compreende as agruras do dono e faz a gentileza de ganhar a vida por ele. O leão e o tigre se amesquinham na jaula. Gato não. Só aceita relação de independência e afeto. E como não cede ao homem, mesmo quando dele dependente, é chamado de traiçoeiro, egoísta, safado, espertalhão ou falso.

“Falso”, porque não aceita a nossa falsidade e só admite afeto com troca e respeito pela individualidade. O gato não gosta de alguém porque precisa gostar para se sentir melhor. Ele gosta pelo amor que lhe é próprio, que é dele e o dá se quiser.

O gato devolve ao homem a exata medida da relação que dele parte. Sábio, é esperto. O gato é zen. O gato é Tao. Conhece o segredo da não-ação que não é inação. Nada pede a quem não o quer. Exigente com quem o ama, mas só depois de muito se certificar. Não pede amor, mas se lhe dá, então o exige.

O gato não pede amor. Nem dele depende. Mas, quando o sente, é capaz de amar muito. Discretamente, porém, sem derramar-se. O gato é um italiano educado na Inglaterra. Sente como um italiano, mas se comporta como um lorde inglês.

Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não transa o gato. Ele aparece, então, como ameaça, porque representa a relação sempre precária do homem com o (próprio) mistério. O gato não se relaciona com a aparência do homem. Vê além, por dentro e avesso. Relaciona-se com a essência.

Se o gesto de carinho é medroso ou substitui inaceitáveis (mas existentes) impulsos secretos de agressão, o gato sabe. E se defende ao afago. A relação dele é com o que está oculto, guardado e nem nós queremos, sabemos ou podemos ver. Por isso, quando esboça um gesto de entrega, de subida no colo ou manifestação de afeto, é muito verdadeiro, impulso que não pode ser desdenhado. É um gesto de confiança que honra quem o recebe; significa um julgamento.

O homem não sabe ver o gato, mas o gato sabe ver o homem. Se há desarmonia real ou latente, o gato sente. Se há solidão, ele sabe e atenua como pode (enfrenta a própria solidão de maneira muito mais valente que nós).

Se há pessoas agressivas em torno ou carregadas de maus fluidos, eles se afastam. Nada dizem, não reclamam. Afastam-se. Quem não os sabe “ler” pensa que “eles não estão ali”, “saíram” ou “sei lá onde o gato se meteu”. Não é isso! É preciso compreender porque o gato não está ali. Presente ou ausente, ensina e manifesta algo. Perto ou longe, olhando ou fingindo não ver, está comunicando códigos que nem sempre (ou quase nunca) sabemos traduzir.

O gato vê mais, vê dentro e além de nós. Relaciona-se com fluidos, auras, fantasmas amigos e opressores. O gato é médium, bruxo, alquimista e parapsicólogo. É uma chance de meditação permanente ao nosso lado, a ensinar paciência, atenção, silêncio e mistério.

Monge, sim, refinado, silencioso, meditativo e sábio, a nos devolver as perguntas medrosas esperando que encontremos o caminho na sua busca, em vez de o querer preparado, já conhecido e trilhado. O gato sempre responde com uma nova questão, remetendo-nos à pesquisa permanente do real, à busca incessante, à certeza de que cada segundo contém a possibilidade de criatividade e novas inter-relações, infinitas, entre as coisas.

O gato é uma lição diária de afeto verdadeiro e fiel. Suas manifestações são íntimas e profundas. Exigem recolhimento, entrega, atenção. Desatentos não agradam os gatos. Bulhosos os irritam. Tudo o que precisa de promoção ou explicação os assusta. Ingratos os desgostam. Falastrões os entediam. O gato não quer explicação, quer afirmação. Vive do verdadeiro e não se ilude com aparências. Ninguém em toda a natureza, aprendeu a bastar-se (até na higiene) a si mesmo como o gato.

Lição de sono e de musculação, o gato nos ensina todas as posições de respiração e yoga. Ensina a dormir com entrega total e diluição no Cosmos. Ensina a espreguiçar-se com a massagem mais completa em todos os músculos, preparando-os para a ação imediata. Se os preparadores físicos aprendessem o aquecimento do gato, os jogadores reservas não levariam tanto tempo (quase quinze minutos) se aquecendo para entrar em campo. O gato sai do sono para o máximo de ação, tensão e elasticidade num segundo. Conhece o desempenho preciso e milimétrico de cada parte do seu corpo, ao qual ama e preserva como a um templo.

Lições de saúde sexual e sensualidade. Lição de envolvimento amoroso com dedicação integral de vários dias. Lição de organização familiar e de definição de espaço próprio e território pessoal. Lição de anatomia, equilíbrio, desempenho muscular. Lição de salto. Lição de silêncio. Lição de descanso. Lição de introversão. Lição de contato com o mistério, o escuro e a sombra. Lição de religiosidade sem ícones.

Lição de alimentação e requinte. Lição de bom gesto e senso de oportunidade. Lição de vida e elegância, a mais completa, diária, silenciosa, educada, sem cobranças, sem veemências ou exageros e incontinências.

O gato é um monge portátil sempre à disposição de quem o saiba perceber.»

.


17 comentários:

angela disse...
28 de maio de 2011 às 12:21  

Adoro os gatos, tenho um preto que está em casa a 15 anos e é muito querido.
ACHO-OS ESPECIAIS.
beijos

Filomena Nunes disse...
28 de maio de 2011 às 12:27  

Viva, bom dia :))

Nunca é demais esta divulgação. Na perspectiva "económica" do Universo, nada está a mais dentro do que a natureza cria. Nós é que ignoramos, na maior parte dos casos, a sua utilidade.

Adorei o post!!

Beijinhos e um alegre fim-de-semana.

Filomena

Maria Paula Ribeiro disse...
28 de maio de 2011 às 12:36  

;))) António!!

Em cheio!! E mais ainda ficou por dizer! ;))))
Um dia farei isso! :PPPP

Beijo bem grande e bem-hajas!!

Vou buscar a Astrid a casa que fica de "castigo" em repouso! ;)))
Tem sido uma presença maravilhosa!!

Fábio Paulos disse...
28 de maio de 2011 às 13:04  

gostei bastante deste post, eu tenho uma gata agora já sei melhor os seus comportamentos :D abraço e bom fim de semana

Ricardo Nuno disse...
28 de maio de 2011 às 15:00  

Óptimo post António, dentro da qualidade a que nos tens habituado. Aprendi coisas interessantes sobre o meu Mecre e a minha Vitória, o meu casal de siameses...

Bom fds!

Serginho Tavares disse...
28 de maio de 2011 às 16:23  

Eu tenho uma história interessante com gatos... em cada casa que fui morar sempre teve um lá a me esperar

Beijos querido... gostaria de ter um gato em casa, mas tenho que convencer mãe e marido

Joana disse...
28 de maio de 2011 às 17:04  

A minha gata é uma curadora. Quando percebe que alguém cá de casa não está bem vai para o colo dessa pessoa.
Adora meditar comigo e que lhe faça Reiki.
Diz-me sempre quando há entidades cá em casa. Eu quando percebo isso, começo mentalmente a dizer para a entidade olhar para cima e ir para a luz, pois é lá o seu lugar. Não sei se vai para a luz, mas sei que daquele espaço ela sai, pois a gata fica tranquila passado uns 5 segundos.

beijinhos

Nilce disse...
28 de maio de 2011 às 23:17  

Amo gatos Antônio.
Tenho dois, mas o macho escolheu ser dono da minha filha.
Em compensação minha protetora passa o dia comigo.

Bjs no coração!

Nilce

arKana disse...
28 de maio de 2011 às 23:33  

Olá! imagens liiinnndasss ;)
de vez em quando faço reiki à minha mana Maia... para ajudar a libertar essa energia.
beijos

(ainda não tive oportunidade de ouvir a entrevista, mas vou fazê-lo)

Ana disse...
29 de maio de 2011 às 15:11  

Nossa Antonio, adorei...Que linda postagem...
Tenho 2 gatos, eles falam comigo por telepatia, por sinais, eu entendo tudo que desejam...Parece gente!
Obrigada pela postagem...
Gostaria em compartilhar no semeadora, vc permite?
Um lindo domingo amigo de luz!

MARCELO DALLA disse...
29 de maio de 2011 às 17:03  

Amei!!!!
Estou na casa de uma amiga que tem 8 gatos, ela leu comigo e adorou. E confirmou tudo isso tb!!!!
Vou adotar um gato.
abraço querido

Maria de Fátima disse...
30 de maio de 2011 às 12:09  

Olá querido António, aprendi mais um pouco sobre o assunto.Adorei as fotos dos gatos, todos tão fofos e lindos.Vou partilhar no Facebook.Beijocas.

Astrid Annabelle disse...
2 de junho de 2011 às 14:42  

Amei saber de tudo isso. Estou a ter intensas experiências com felinos...Preto, Anúbis e Mascote...
Somente hoje que vi este post...magnífico!!!!
Beijão António!
Astrid Annabelle

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...
2 de junho de 2011 às 16:35  

que interessante esse post dos gatos. não sabia desses poderes. apesar que, aqui no Japão, gatos são simbolo de sorte, de proteção e prosperidade. muitos templos são dedicados ao gato, como gratidão pelo bem que eles fazem (e agora entendi melhor que bem é esse)

abraços!

Ana disse...
2 de junho de 2011 às 18:39  

A questão é: tenho um gato que não larga de mim...aonde eu vou ele vai, ele pode estar dormindo profundamente, se eu sair do local e na mesma hora acorda, e me segue!
Será que estou precisando tanto de proteção...???
Ele é a minha sombra....
hehehehe
beijos

Brigitt disse...
9 de agosto de 2013 às 00:13  

Este artigo é maravilhoso, e expressa muito bem o que tenho aprendido com os meus queridos 30 gatos. Aprendi muito com eles, a qual sou muito grata. Qualquer gato é sensível às energias, por isso adoram Reiki. Obrigado António.

audrey lefour disse...
28 de março de 2017 às 14:23  

Your site is wonderful! I wish you a very good continuation.

voyance gratuite en ligne par mail

28 de maio de 2011

Os gatos, a sua vida secreta e metafísica e, claro, nós, seres humanos pouco atentos


Estas lindas imagens foram-me enviadas pela amiga e 
conterrânea Ema Cheong Dinis [clicar]. Obrigado e um beijinho.

 Pode clicar nas imagens para as ampliar e poder ver melhor.


Dedicado ao Preto, que vive comigo e aos já ausentes da minha vida terrena:
Lola, Maria Fofa e Gabriel. Muito amor.














Desconheço o autor destas ilustrações e legendas.

Bom fim-de-semana a todos.

UPDATE

Deixado no meu Facebook por Lúcia Helena Tuccori.

ODE AO GATO 

Por Artur da Távola 

«Nada é mais incômodo para a arrogância humana que o silencioso bastar-se dos gatos. O só pedir a quem amam. O só amar a quem os merece. O homem quer o bicho espojado, submisso, cheio de súplica, temor, reverência, obediência. O gato não satisfaz as necessidades doentias de amor. Só as saudáveis. 

Já viu gato amestrado, de chapeuzinho ridículo, obedecendo às ordens de um pilantra que vive às custas dele? Não! Até o bondoso elefante veste saiote e dança valsa no circo. O leal cachorro no fundo compreende as agruras do dono e faz a gentileza de ganhar a vida por ele. O leão e o tigre se amesquinham na jaula. Gato não. Só aceita relação de independência e afeto. E como não cede ao homem, mesmo quando dele dependente, é chamado de traiçoeiro, egoísta, safado, espertalhão ou falso.

“Falso”, porque não aceita a nossa falsidade e só admite afeto com troca e respeito pela individualidade. O gato não gosta de alguém porque precisa gostar para se sentir melhor. Ele gosta pelo amor que lhe é próprio, que é dele e o dá se quiser.

O gato devolve ao homem a exata medida da relação que dele parte. Sábio, é esperto. O gato é zen. O gato é Tao. Conhece o segredo da não-ação que não é inação. Nada pede a quem não o quer. Exigente com quem o ama, mas só depois de muito se certificar. Não pede amor, mas se lhe dá, então o exige.

O gato não pede amor. Nem dele depende. Mas, quando o sente, é capaz de amar muito. Discretamente, porém, sem derramar-se. O gato é um italiano educado na Inglaterra. Sente como um italiano, mas se comporta como um lorde inglês.

Quem não se relaciona bem com o próprio inconsciente não transa o gato. Ele aparece, então, como ameaça, porque representa a relação sempre precária do homem com o (próprio) mistério. O gato não se relaciona com a aparência do homem. Vê além, por dentro e avesso. Relaciona-se com a essência.

Se o gesto de carinho é medroso ou substitui inaceitáveis (mas existentes) impulsos secretos de agressão, o gato sabe. E se defende ao afago. A relação dele é com o que está oculto, guardado e nem nós queremos, sabemos ou podemos ver. Por isso, quando esboça um gesto de entrega, de subida no colo ou manifestação de afeto, é muito verdadeiro, impulso que não pode ser desdenhado. É um gesto de confiança que honra quem o recebe; significa um julgamento.

O homem não sabe ver o gato, mas o gato sabe ver o homem. Se há desarmonia real ou latente, o gato sente. Se há solidão, ele sabe e atenua como pode (enfrenta a própria solidão de maneira muito mais valente que nós).

Se há pessoas agressivas em torno ou carregadas de maus fluidos, eles se afastam. Nada dizem, não reclamam. Afastam-se. Quem não os sabe “ler” pensa que “eles não estão ali”, “saíram” ou “sei lá onde o gato se meteu”. Não é isso! É preciso compreender porque o gato não está ali. Presente ou ausente, ensina e manifesta algo. Perto ou longe, olhando ou fingindo não ver, está comunicando códigos que nem sempre (ou quase nunca) sabemos traduzir.

O gato vê mais, vê dentro e além de nós. Relaciona-se com fluidos, auras, fantasmas amigos e opressores. O gato é médium, bruxo, alquimista e parapsicólogo. É uma chance de meditação permanente ao nosso lado, a ensinar paciência, atenção, silêncio e mistério.

Monge, sim, refinado, silencioso, meditativo e sábio, a nos devolver as perguntas medrosas esperando que encontremos o caminho na sua busca, em vez de o querer preparado, já conhecido e trilhado. O gato sempre responde com uma nova questão, remetendo-nos à pesquisa permanente do real, à busca incessante, à certeza de que cada segundo contém a possibilidade de criatividade e novas inter-relações, infinitas, entre as coisas.

O gato é uma lição diária de afeto verdadeiro e fiel. Suas manifestações são íntimas e profundas. Exigem recolhimento, entrega, atenção. Desatentos não agradam os gatos. Bulhosos os irritam. Tudo o que precisa de promoção ou explicação os assusta. Ingratos os desgostam. Falastrões os entediam. O gato não quer explicação, quer afirmação. Vive do verdadeiro e não se ilude com aparências. Ninguém em toda a natureza, aprendeu a bastar-se (até na higiene) a si mesmo como o gato.

Lição de sono e de musculação, o gato nos ensina todas as posições de respiração e yoga. Ensina a dormir com entrega total e diluição no Cosmos. Ensina a espreguiçar-se com a massagem mais completa em todos os músculos, preparando-os para a ação imediata. Se os preparadores físicos aprendessem o aquecimento do gato, os jogadores reservas não levariam tanto tempo (quase quinze minutos) se aquecendo para entrar em campo. O gato sai do sono para o máximo de ação, tensão e elasticidade num segundo. Conhece o desempenho preciso e milimétrico de cada parte do seu corpo, ao qual ama e preserva como a um templo.

Lições de saúde sexual e sensualidade. Lição de envolvimento amoroso com dedicação integral de vários dias. Lição de organização familiar e de definição de espaço próprio e território pessoal. Lição de anatomia, equilíbrio, desempenho muscular. Lição de salto. Lição de silêncio. Lição de descanso. Lição de introversão. Lição de contato com o mistério, o escuro e a sombra. Lição de religiosidade sem ícones.

Lição de alimentação e requinte. Lição de bom gesto e senso de oportunidade. Lição de vida e elegância, a mais completa, diária, silenciosa, educada, sem cobranças, sem veemências ou exageros e incontinências.

O gato é um monge portátil sempre à disposição de quem o saiba perceber.»

.


17 comentários:

angela disse...

Adoro os gatos, tenho um preto que está em casa a 15 anos e é muito querido.
ACHO-OS ESPECIAIS.
beijos

Filomena Nunes disse...

Viva, bom dia :))

Nunca é demais esta divulgação. Na perspectiva "económica" do Universo, nada está a mais dentro do que a natureza cria. Nós é que ignoramos, na maior parte dos casos, a sua utilidade.

Adorei o post!!

Beijinhos e um alegre fim-de-semana.

Filomena

Maria Paula Ribeiro disse...

;))) António!!

Em cheio!! E mais ainda ficou por dizer! ;))))
Um dia farei isso! :PPPP

Beijo bem grande e bem-hajas!!

Vou buscar a Astrid a casa que fica de "castigo" em repouso! ;)))
Tem sido uma presença maravilhosa!!

Fábio Paulos disse...

gostei bastante deste post, eu tenho uma gata agora já sei melhor os seus comportamentos :D abraço e bom fim de semana

Ricardo Nuno disse...

Óptimo post António, dentro da qualidade a que nos tens habituado. Aprendi coisas interessantes sobre o meu Mecre e a minha Vitória, o meu casal de siameses...

Bom fds!

Serginho Tavares disse...

Eu tenho uma história interessante com gatos... em cada casa que fui morar sempre teve um lá a me esperar

Beijos querido... gostaria de ter um gato em casa, mas tenho que convencer mãe e marido

Joana disse...

A minha gata é uma curadora. Quando percebe que alguém cá de casa não está bem vai para o colo dessa pessoa.
Adora meditar comigo e que lhe faça Reiki.
Diz-me sempre quando há entidades cá em casa. Eu quando percebo isso, começo mentalmente a dizer para a entidade olhar para cima e ir para a luz, pois é lá o seu lugar. Não sei se vai para a luz, mas sei que daquele espaço ela sai, pois a gata fica tranquila passado uns 5 segundos.

beijinhos

Nilce disse...

Amo gatos Antônio.
Tenho dois, mas o macho escolheu ser dono da minha filha.
Em compensação minha protetora passa o dia comigo.

Bjs no coração!

Nilce

arKana disse...

Olá! imagens liiinnndasss ;)
de vez em quando faço reiki à minha mana Maia... para ajudar a libertar essa energia.
beijos

(ainda não tive oportunidade de ouvir a entrevista, mas vou fazê-lo)

Ana disse...

Nossa Antonio, adorei...Que linda postagem...
Tenho 2 gatos, eles falam comigo por telepatia, por sinais, eu entendo tudo que desejam...Parece gente!
Obrigada pela postagem...
Gostaria em compartilhar no semeadora, vc permite?
Um lindo domingo amigo de luz!

MARCELO DALLA disse...

Amei!!!!
Estou na casa de uma amiga que tem 8 gatos, ela leu comigo e adorou. E confirmou tudo isso tb!!!!
Vou adotar um gato.
abraço querido

Maria de Fátima disse...

Olá querido António, aprendi mais um pouco sobre o assunto.Adorei as fotos dos gatos, todos tão fofos e lindos.Vou partilhar no Facebook.Beijocas.

Astrid Annabelle disse...

Amei saber de tudo isso. Estou a ter intensas experiências com felinos...Preto, Anúbis e Mascote...
Somente hoje que vi este post...magnífico!!!!
Beijão António!
Astrid Annabelle

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

que interessante esse post dos gatos. não sabia desses poderes. apesar que, aqui no Japão, gatos são simbolo de sorte, de proteção e prosperidade. muitos templos são dedicados ao gato, como gratidão pelo bem que eles fazem (e agora entendi melhor que bem é esse)

abraços!

Ana disse...

A questão é: tenho um gato que não larga de mim...aonde eu vou ele vai, ele pode estar dormindo profundamente, se eu sair do local e na mesma hora acorda, e me segue!
Será que estou precisando tanto de proteção...???
Ele é a minha sombra....
hehehehe
beijos

Brigitt disse...

Este artigo é maravilhoso, e expressa muito bem o que tenho aprendido com os meus queridos 30 gatos. Aprendi muito com eles, a qual sou muito grata. Qualquer gato é sensível às energias, por isso adoram Reiki. Obrigado António.

audrey lefour disse...

Your site is wonderful! I wish you a very good continuation.

voyance gratuite en ligne par mail

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates