Filmes da minha vida - Inglourious Basterds [Sacanas Sem Lei]

26 de dezembro de 2009 ·

Este foi um dos filmes que vi na noite de Consoada. E ainda bem que assim foi, pois não tivera oportunidade de o ver em sala de cinema, a quando da sua estreia. Gostei imenso de «Inglorious Basterds». Demais. Passado entre nós com o patético título de «Sacanas Sem Lei». Ainda por cima, com uma justificação boba: 'Malandros, Patifes ou Meliantes parece que já estavam registados'. Gente, o problema não está na palavra 'sacanas', mas sim o 'sem lei'. É no que dá, quando a falta de criatividade impera.

É um filme de Quentin Tarantino, o que faz com que assistamos a uma peça montada como só os contadores de histórias o sabem fazer. Com uma valente piscadela de olhos aos espectadores cinéfilos. Encontramos todos os ingredientes que dão prazer aos cinéfilos. Quanto ao grande público, duvido que apreciem as minudências de um filme com assinatura.

Christoph Waltz no papel do Coronel Hans Landa, 'o caçador de judeus'.
Um excelente actor e um grande papel.


Shoshanna Dreyfus [Mélanie Laurent] assiste à execução da sua família, directamente pelas mãos do Coronel nazi Hans Landa, o conhecido 'caçador judeu' [Christoph Waltz]. Mesmo assim, Shoshanna consegue fugir para Paris e começar de novo, com uma identidade falsa, neste caso, enquanto dona de um cinema.

Entretanto, o americano Tenente Aldo Raine [Brad Pitt] organiza um grupo de soldados judeus, orientado para atacar alvos localizados
na França ocupada: os famosos 'Basterds' (sacanas, malditos, patifes). Por favor, não traduzam para 'bastardos', pois nesse caso, a palavra inglesa é outra - bastards. Uma pequena nuance que altera todo o sentido.

Juntamente com uma actriz alemã e agente infiltrada, de seu nome Bridget von Hammersmark [Diane Kruger], eles planeiam derrubar o Terceiro Reich. Os destinos convergem todos para o cinema onde Shoshanna planeia a sua própria vingança, pois todo o estado maior nazi, incluindo Adolf Hitler, estaria presente numa gala de propaganda ao regime, com a exibição do filme germânico
"O Orgulho da Nação", que conta a história de um soldado alemão que em 3 dias matou mais de 300 soldados americanos, tornando-se num herói do regime.

Para essa sala de cinema, havia dois planos distintos com um objectivo comum: a destruição do III Reich. Nenhum dos grupos tinha conhecimento do outro.

A dona do cinema,
Shosanna [Mélanie Laurent] que, anos antes, havia escapado à fúria assassina do 'caçador de judeus', preparou-se meticulosamente para incendiar o seu próprio cinema, fazendo arder 350 filmes guardados em nitrato. Para isso, contava com a colaboração do projeccionista da sala, o seu namorado Marcel [Jacky Ido]. O plano era colocarem atrás do ecrã todas as cópias de filmes altamente inflamáveis, fecharem todas as saídas e esturricarem os presentes. Era a vingança pessoal da judia Shoshanna Dreyfus e do seu namorado de raça negra. Menciono a raça do namorado, apenas para enfatizar a ironia de Tarantino: judeus e negros, duas das raças mais odiadas pelo regime nazi.

O outro plano pertencia aos serviços secretos dos aliados, que contava com a ajuda da actriz alemã, a viver em França e refugiada do nazismo, Bridget von Hammersmark [Diane Kruger], uma famosa actriz alemã que na verdade colabora com a Resistência Francesa. A ideia era conseguirem introduzir os 'basterds' na sala de cinema, para fazerem explodir o recinto com dinamite.

Como compreenderão, estou a simplificar muito. Este é o plot do filme.



Brad Pitt, com 46 anos, feitos no passado dia 18 de Dezembro, chegou àquela fase da sua carreira, em que pode escolher papéis insólitos e marcantes, demonstrando ser um excelente actor, à maneira dos grandes nomes como Robert De Niro e Marlon Brando, que passaram a ser mais apreciados pela sua arte e menos pela sua beleza e bom aspecto. Neste filme, Brad Pitt, chega a parecer irreconhecível, tal foi a quantidade de tiques que ele incorporou à excelente interpretação do seu personagem. Muito bom.


Quentin Tarantino chamou Brad Pitt, Diane Kruger, Daniel Bruhl, Christoph Waltz, Mike Meyers, Michael Fassbender e Mélanie Laurent para participarem num tributo a «Quel Maledetto Treno Blindato», um filme de guerra italiano, de 1978, realizado por Enzo Castellari e que saiu nos EUA com o título "The Inglorious Bastards". Por isso, Tarantino deu ao seu filme, um título muito similar: «Inglorious Basterds».

Um dos teaser do filme.

Este filme não trata especificamente de ser mais uma película sobre a Segunda Guerra Mundial. Nada disso. O 'cenário-ambiente' é esse. Mas o filme é um excelente exercício de história alternativa, de história ficcional, com uma enorme homenagem ao «cinema».

Se não, vejamos: uma sala de cinema, uma dona dessa sala, um projeccionista, uma famosa actriz alemã, as 350 cópias de filmes embebidos em nitrato, a projecção de um filme nazi e dezenas de dezenas de outros pormenores cinematográficos. Se juntarmos a esta homenagem ao «cinema», ao facto de todos sabemos que o Terceiro Reich investiu imenso na propaganda através de filmes e documentários, resta apenas esta ideia genial: fazer com que o Terceiro Reich desapareça numa sala de cinema. Absurdo? Não. Absolutamente cinéfilo. :)))

Só um cineasta de grande arcabouço se atreveria a fazer um filme para o público americano, onde se falam várias línguas: americano, inglês, alemão, francês, italiano, espanhol. Um filme, maduro, sério e ao mesmo tempo muito divertido.


Brad Pitt no papel do 'basterd' Tenente Aldo Raine. Grande papel e grande actor. A sua especialidade neste filme... bom, não posso contar, lamento mesmo.

Um dos teaser do filme.

Site do filme:
www.inglouriousbasterds-movie.com/

Mais sites sobre o filme: 1 - 2 - 3

Quentin Tarantino, ao centro, no set de filmagens.

Um dos teaser do filme.

Diane Kruger no papel da actriz alemã Bridget von Hammersmark.
Um desempenho excelente.


Eli Roth no papel do Sargento Donny Donowitz.
Um verdadeiro 'basterd'.


Mélanie Laurent no papel da judia Shosanna Dreyfus,
dona do cinema onde se desenrolam as cenas principais do filme.

Vídeos

Com legendas em português



Em francês



Oiçam o americano Aldo Raine [Brad Pitt] a tentar dizer
com pronúncia italiana a palavra 'arriverdeci'.
Intencional e delirante. Grande filme. Grande actor.

48 comentários:

marcelo dalla disse...
26 de dezembro de 2009 às 16:27  

Meu querido, este artigo está excelente, digno dos melhores críticos de cinema e poderia ser publicado em jornais!

Assisti a este filme recentemente e também adorei. Mas aprendi com vc, alguns detalhes não tinha conhecimento, ou me passaram despercebido.

Fiquei com vontade de vê-lo de novo. Muito bom, seus posts sobre cinema estão cada vez melhores!

Grande abraço

António Rosa disse...
26 de dezembro de 2009 às 16:34  

Marcelo

Obrigado. É o que dá estar num longo fim-de-semana natalício. Saiu a vontade de o fazer.

Grande abraço.

Cris França disse...
26 de dezembro de 2009 às 17:31  

não podia deixar de comentar, a crítica está otima, e vou apeteceu-me ver o filme, volto para contar o que achei. bjs!

António Rosa disse...
26 de dezembro de 2009 às 17:36  

Cris

Você como cinéfila, vai apreciar a obra de um Mestre Contador de Histórias.

Beijo

Ana Cristina disse...
26 de dezembro de 2009 às 18:50  

também gostei muito do filme :)

António Rosa disse...
26 de dezembro de 2009 às 19:45  

Ana Cristina

:))) É muito maluco, este filme. Mas excelente.

angela disse...
26 de dezembro de 2009 às 20:05  

Vou lhe confessar que passo mal com violencia, mesmo no cinema, quando relatam fatos reais. No inicio do filme achei que sairia antes do termino, até que em determinado momento "caiu a ficha",entendi que era um devaneio, uma fantasia catartica de vingança e aí me diverti a valer.
Adorei o Brad com aquele queixo de Poderoso Chefão, lembrando Marlon Brando e todas as referencias e brincadeiras que Quentim faz com o cinema, cada texto que leio, fico sabendo de um detalhe a mais.
Adorei queimar naquela sala de cinema tantos arrogantes e maldosos.
O que seria de nós sem fantasia para aliviar a dor.
beijos

António Rosa disse...
26 de dezembro de 2009 às 20:29  

Ângela

Sem a fantasia seríamos profundamente infelizes. Obrigado por ter vindo.

Reyel Angel disse...
27 de dezembro de 2009 às 12:31  

Antônio, sou uma negação para filmes de guerra, mas até que já assisti uns que gostei muito, tipo: "A vida é bela", talvez seja só mais um filme, mas me emocionou muito.
Aproveito para lhe desejar um feliz Ano Novo repleto de coisas boas! Muita paz, harmonia e luz no seu coração. Continuarei off até dia primeiro. Bjos na alma!

Lucia Campos virtual disse...
27 de dezembro de 2009 às 21:35  

Olá, António,
Passei pra te deixar um abração de Feliz 2010...e me deparei com sua saborosa crítica do filme do Tarantino! Obrigada por me fazer sorrir, a vc e a ele e a todo o excelente elenco.

Maria Ribeiro disse...
27 de dezembro de 2009 às 23:23  

António Rosa: estes filmes , mesmo que "meio" brincalhões, sobre a realidade da Alemanha nazi, sáo também catarses dos nossos sofrimentos ,ao lembrarmos o que sabemos mesmo que isso seja só "a ponta do icebergue"
BJS DE lusibero

António Rosa disse...
28 de dezembro de 2009 às 10:46  

Reyel,

Também gostei muito do «A Vida é Bela». Infelizmente, a guerra faz parte da natureza do Homem. Temos todos que aprender a viver sem ela.

Beijos

António Rosa disse...
28 de dezembro de 2009 às 10:46  

Cara Lúcia

Também lhe desejo um Feliz Ano Novo.

Muito obrigado.

António Rosa disse...
28 de dezembro de 2009 às 10:48  

Cara Maria

Muito obrigado por ter vindo. Um Bom Ano para si. Antes do ano terminar, passarei pelo seu espaço.

Beijos.

Rui António Santos disse...
28 de dezembro de 2009 às 14:15  

Olá António, filme que não vi mas quando houver oportunidade penso ver.

Nesta quadra vi o filme Agora, que trata de uma Astronoma que existiu antes do nascimento de Cristo, que trabalhava na Biblioteca da Alexandria, que foi destruida. Muito bom o filme.

Essa Astronoma foi condenada ao apredejamento por defender as suas ideias.

A nivel téctivo o filme recria os acontecimentos daquele tempo que leva qum está ver o filme a viver com muita intensidade o filme.

Espero que o seu Natal tenha sido bom, e que 2010 seja um Ano de Grandes realizações , que continue a ensinar e inspirar pessoas.

Eu ultimamnete não tenho ido á Net, sabe miudos em casa avariaram-me já por tres vezes o computador.

Abraço

Graça Pereira disse...
28 de dezembro de 2009 às 19:36  

Este é o convite mais apetecível que li até hoje, para ir ver um filme...
Está uma critíca MAGNOFÌCA!
António, tu és bom em todas as áreas!! O que irá surgir no fim de semana do Reveillon?? Fico curiosa!!
Um bom e feliz 2010!
Um beijo
Graça

Maria José disse...
28 de dezembro de 2009 às 19:48  

Passou o Natal, e com ele, aquela sensação de acomodar num só dia o atraso de bondade e humanidade do ano inteiro.
Façamos diferente. Que possamos destilar um pouco desse espírito natalino em doses diárias no ano que se inicia.
Obrigada pela convivência maravilhosa em 2009. Que esta amizade seja renovada em 2010. Beijos.

António Rosa disse...
28 de dezembro de 2009 às 20:19  

Rui

Esse filme, o 'Agora' parce prometedor. Irei procurá-lo. Bom ano para si. Abraço.

António Rosa disse...
28 de dezembro de 2009 às 20:19  

Graça

Fico satisfeito em saber que gostaste do convite para veres o filme. A intenção era essa: fazer sentir o outro lado da história. Ainda bem.

Ainda não tenho nada preparado para o fim-de-semana. Alguma coisa irá surgir.

Bom ano de 2010 para ti,

Beijos

António Rosa disse...
28 de dezembro de 2009 às 20:19  

Maria José

Muito agradecido por ter vindo até aqui.

Bom ano novo para si e que tudo nos corra pelo melhor.

Beijos

Noé disse...
29 de dezembro de 2009 às 01:29  

Feliz Ano Novo!

António Rosa disse...
29 de dezembro de 2009 às 20:35  

Noé

Bom ano para si.

Astrid Annabelle disse...
29 de dezembro de 2009 às 22:01  

Olá António!
Irresistível o apelo que faz aqui!
Belíssima análise...
uma leitura de encantar os sentidos.
Parabéns!
Passei para matar as saudades...e mais uma vez lhe desejar um Feliz Ano Novo repleto de alegrias.
Um beijo
Astrid Annabelle

Hod disse...
29 de dezembro de 2009 às 22:12  

Olá Antonio,
Chegando para etribuir-lhe as visitas lá por minhas atmosferas.

Se o foi planejado no inicio de 2009 não aconteceu, continuamos com fé colocando a Vida para Rodar. Se aconteceu comemoramos com a sonoridade e muita alegria..
Tim..Tim..
AGora é pular as ondinhas e correr para o abraço em 2010....

Alôha com infinitas bençãos!!!

Forte abraço,

Hod.

Gisa disse...
30 de dezembro de 2009 às 02:03  

Oi ámado urso, estou passando pra agradecer pelos momentos especiais que nos ofereceu deixando sempre textos ótimos... foi um enorme prazer ter te conhecido este ano, você já faz parte dos pedaços da minha vida.

Um feliz Ano Novo, muitas alegrias e muito amor, te desejo de coração.

Bjao

Táxi Pluvioso disse...
30 de dezembro de 2009 às 06:03  

Para onde foram os tempos em que as pessoas viam o "Música no Coração" no Natal?

UM BOM ANO

António Rosa disse...
30 de dezembro de 2009 às 08:45  

Astrid,

Que bom que esteja de volta pois a sua presença é fundamental nesta nossa comunidade.

Muito obrigado pelas palavras dedicadas a este post.

Também lhe desejo um Bom Ano.

Todos precisamos.

Beijo

António Rosa disse...
30 de dezembro de 2009 às 08:45  

Hod,

Que 2010 lhe traga tudo de bom e sobretudo que se sinta feliz e com saúde.

Abraço.

António Rosa disse...
30 de dezembro de 2009 às 08:45  

Gisa


Também foi um praer conviver consigo. Um Feliz Ano 2010 para si e sua Família.

Beijos.

António Rosa disse...
30 de dezembro de 2009 às 08:45  

Taxi Pluvioso

Olhe que andei à procura em que canal passavam o 'Música no Coração' e não consegui saber. De qualquer forma, preveni-me com meia dúzia de filmes.

Bom ano para si.

.Lis disse...
30 de dezembro de 2009 às 18:46  

Oi,Antonio Rosa
Muito bom comentário sobre um excelente filme , apesar da violencia , gostei muito , vi por eses dias.
Passo pra desejar um ano bom e agradecer pelas postagens magnificas que nos presenteia ,sempre.
Estaremos de novo nos encontrando por aqui , no proximo ano, após as férias de janeiro.
meus abraços

Vanderson disse...
30 de dezembro de 2009 às 21:00  

tava doido pra v esse filme, depois desse trabalho formidavel q vc fez aki falando do filme, minha vontade tá multiplicada por 10!!!
abraçoo e ótimo blog!!

Visible Silence disse...
31 de dezembro de 2009 às 01:06  

Já pensava ver este filme... agora sei que tenho mesmo que o ver :)

Desejos de boas saídas e melhores entradas...
Que no ano de 2010 consigas concretizar todos os teus desejos.
FELIZ 2010
Beijinhos

Maria de Fátima disse...
31 de dezembro de 2009 às 10:16  

Olá António, por acaso ainda não vi este filme.Desejo-te um excelente ano de 2010 com saúde, paz, amor e felicidade.Beijocas.

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 10:34  

.Lis

Muito agradecido pelas boas palavras.

Boas férias de Janeiro e bom ano de 2010.

abraço

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 10:34  

Vanderson

Muito agradecido por ter vindo e ter comentado favoravelmente este post. Vou já conhecer o seu blogue. Desejo-lhe um Bom Ano.

Abraço

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 10:34  

Visible Silence

Veja o filme que vai apreciar bastante.

Um bom ano para si, também

Tudo de bom.

Beijo

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 10:34  

Maria de Fátima

Desejo-te um excelente 2010, com tudo de bom para ti e Família.

Beijos.

Anónimo disse...
31 de dezembro de 2009 às 13:53  

Excelente descrição deste filme, a aguçar o apetite de o ver. Também gostei muito do cartão de Feliz Ano Novo, é muito bonito.

Um Ano Novo muito FELIZ!

adriana disse...
31 de dezembro de 2009 às 13:58  

Querido António,

O tempo não conta... nós é que o contamos.
Ainda assim, que você tenho um 2010 iluminado pela Alegria!

Salve!

Magda Moita disse...
31 de dezembro de 2009 às 16:12  

Boas entradas e votos de um belíssimo 2010!

te echo de menos,

te quiero,

Beso,

Magda

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 16:24  

Anónima

Muito obrigado e Feliz Ano.

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 16:24  

Adriana

Muita Alegria para todos nós e para si em especial.

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 16:24  

~~~Magda

Um Feliz Ano para ti.

Saudades tuas.

Beijos

Adelaide Figueiredo disse...
31 de dezembro de 2009 às 16:34  

António,

Fiquei com vontade de ver o filme, não só pelo elenco como pelo argumento.
Como gostei de ler a sua narração! :)
Desejo-lhe um bom ano 2010 com tudo de bom. Tudo o que deseje aconteça.

Abraço

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 17:14  

Adelaide,

Muito agradecido.

Desejo-lhe em excelente ano a si e sua família.

Abraço.

JotaSP disse...
31 de dezembro de 2009 às 18:02  

Caro António:

Agradeço a tua atenção e carinho ao longo de 2009 e desejo tudo de MUITO bom para ti neste Novo Ano________________


Um abraço amigo «««

António Rosa disse...
31 de dezembro de 2009 às 19:25  

Jota

Muito obrigado. Também te desejo o melhor que possas ter e ser no novo ano e forever.

Abraço

26 de dezembro de 2009

Filmes da minha vida - Inglourious Basterds [Sacanas Sem Lei]

Este foi um dos filmes que vi na noite de Consoada. E ainda bem que assim foi, pois não tivera oportunidade de o ver em sala de cinema, a quando da sua estreia. Gostei imenso de «Inglorious Basterds». Demais. Passado entre nós com o patético título de «Sacanas Sem Lei». Ainda por cima, com uma justificação boba: 'Malandros, Patifes ou Meliantes parece que já estavam registados'. Gente, o problema não está na palavra 'sacanas', mas sim o 'sem lei'. É no que dá, quando a falta de criatividade impera.

É um filme de Quentin Tarantino, o que faz com que assistamos a uma peça montada como só os contadores de histórias o sabem fazer. Com uma valente piscadela de olhos aos espectadores cinéfilos. Encontramos todos os ingredientes que dão prazer aos cinéfilos. Quanto ao grande público, duvido que apreciem as minudências de um filme com assinatura.

Christoph Waltz no papel do Coronel Hans Landa, 'o caçador de judeus'.
Um excelente actor e um grande papel.


Shoshanna Dreyfus [Mélanie Laurent] assiste à execução da sua família, directamente pelas mãos do Coronel nazi Hans Landa, o conhecido 'caçador judeu' [Christoph Waltz]. Mesmo assim, Shoshanna consegue fugir para Paris e começar de novo, com uma identidade falsa, neste caso, enquanto dona de um cinema.

Entretanto, o americano Tenente Aldo Raine [Brad Pitt] organiza um grupo de soldados judeus, orientado para atacar alvos localizados
na França ocupada: os famosos 'Basterds' (sacanas, malditos, patifes). Por favor, não traduzam para 'bastardos', pois nesse caso, a palavra inglesa é outra - bastards. Uma pequena nuance que altera todo o sentido.

Juntamente com uma actriz alemã e agente infiltrada, de seu nome Bridget von Hammersmark [Diane Kruger], eles planeiam derrubar o Terceiro Reich. Os destinos convergem todos para o cinema onde Shoshanna planeia a sua própria vingança, pois todo o estado maior nazi, incluindo Adolf Hitler, estaria presente numa gala de propaganda ao regime, com a exibição do filme germânico
"O Orgulho da Nação", que conta a história de um soldado alemão que em 3 dias matou mais de 300 soldados americanos, tornando-se num herói do regime.

Para essa sala de cinema, havia dois planos distintos com um objectivo comum: a destruição do III Reich. Nenhum dos grupos tinha conhecimento do outro.

A dona do cinema,
Shosanna [Mélanie Laurent] que, anos antes, havia escapado à fúria assassina do 'caçador de judeus', preparou-se meticulosamente para incendiar o seu próprio cinema, fazendo arder 350 filmes guardados em nitrato. Para isso, contava com a colaboração do projeccionista da sala, o seu namorado Marcel [Jacky Ido]. O plano era colocarem atrás do ecrã todas as cópias de filmes altamente inflamáveis, fecharem todas as saídas e esturricarem os presentes. Era a vingança pessoal da judia Shoshanna Dreyfus e do seu namorado de raça negra. Menciono a raça do namorado, apenas para enfatizar a ironia de Tarantino: judeus e negros, duas das raças mais odiadas pelo regime nazi.

O outro plano pertencia aos serviços secretos dos aliados, que contava com a ajuda da actriz alemã, a viver em França e refugiada do nazismo, Bridget von Hammersmark [Diane Kruger], uma famosa actriz alemã que na verdade colabora com a Resistência Francesa. A ideia era conseguirem introduzir os 'basterds' na sala de cinema, para fazerem explodir o recinto com dinamite.

Como compreenderão, estou a simplificar muito. Este é o plot do filme.



Brad Pitt, com 46 anos, feitos no passado dia 18 de Dezembro, chegou àquela fase da sua carreira, em que pode escolher papéis insólitos e marcantes, demonstrando ser um excelente actor, à maneira dos grandes nomes como Robert De Niro e Marlon Brando, que passaram a ser mais apreciados pela sua arte e menos pela sua beleza e bom aspecto. Neste filme, Brad Pitt, chega a parecer irreconhecível, tal foi a quantidade de tiques que ele incorporou à excelente interpretação do seu personagem. Muito bom.


Quentin Tarantino chamou Brad Pitt, Diane Kruger, Daniel Bruhl, Christoph Waltz, Mike Meyers, Michael Fassbender e Mélanie Laurent para participarem num tributo a «Quel Maledetto Treno Blindato», um filme de guerra italiano, de 1978, realizado por Enzo Castellari e que saiu nos EUA com o título "The Inglorious Bastards". Por isso, Tarantino deu ao seu filme, um título muito similar: «Inglorious Basterds».

Um dos teaser do filme.

Este filme não trata especificamente de ser mais uma película sobre a Segunda Guerra Mundial. Nada disso. O 'cenário-ambiente' é esse. Mas o filme é um excelente exercício de história alternativa, de história ficcional, com uma enorme homenagem ao «cinema».

Se não, vejamos: uma sala de cinema, uma dona dessa sala, um projeccionista, uma famosa actriz alemã, as 350 cópias de filmes embebidos em nitrato, a projecção de um filme nazi e dezenas de dezenas de outros pormenores cinematográficos. Se juntarmos a esta homenagem ao «cinema», ao facto de todos sabemos que o Terceiro Reich investiu imenso na propaganda através de filmes e documentários, resta apenas esta ideia genial: fazer com que o Terceiro Reich desapareça numa sala de cinema. Absurdo? Não. Absolutamente cinéfilo. :)))

Só um cineasta de grande arcabouço se atreveria a fazer um filme para o público americano, onde se falam várias línguas: americano, inglês, alemão, francês, italiano, espanhol. Um filme, maduro, sério e ao mesmo tempo muito divertido.


Brad Pitt no papel do 'basterd' Tenente Aldo Raine. Grande papel e grande actor. A sua especialidade neste filme... bom, não posso contar, lamento mesmo.

Um dos teaser do filme.

Site do filme:
www.inglouriousbasterds-movie.com/

Mais sites sobre o filme: 1 - 2 - 3

Quentin Tarantino, ao centro, no set de filmagens.

Um dos teaser do filme.

Diane Kruger no papel da actriz alemã Bridget von Hammersmark.
Um desempenho excelente.


Eli Roth no papel do Sargento Donny Donowitz.
Um verdadeiro 'basterd'.


Mélanie Laurent no papel da judia Shosanna Dreyfus,
dona do cinema onde se desenrolam as cenas principais do filme.

Vídeos

Com legendas em português



Em francês



Oiçam o americano Aldo Raine [Brad Pitt] a tentar dizer
com pronúncia italiana a palavra 'arriverdeci'.
Intencional e delirante. Grande filme. Grande actor.

48 comentários:

marcelo dalla disse...

Meu querido, este artigo está excelente, digno dos melhores críticos de cinema e poderia ser publicado em jornais!

Assisti a este filme recentemente e também adorei. Mas aprendi com vc, alguns detalhes não tinha conhecimento, ou me passaram despercebido.

Fiquei com vontade de vê-lo de novo. Muito bom, seus posts sobre cinema estão cada vez melhores!

Grande abraço

António Rosa disse...

Marcelo

Obrigado. É o que dá estar num longo fim-de-semana natalício. Saiu a vontade de o fazer.

Grande abraço.

Cris França disse...

não podia deixar de comentar, a crítica está otima, e vou apeteceu-me ver o filme, volto para contar o que achei. bjs!

António Rosa disse...

Cris

Você como cinéfila, vai apreciar a obra de um Mestre Contador de Histórias.

Beijo

Ana Cristina disse...

também gostei muito do filme :)

António Rosa disse...

Ana Cristina

:))) É muito maluco, este filme. Mas excelente.

angela disse...

Vou lhe confessar que passo mal com violencia, mesmo no cinema, quando relatam fatos reais. No inicio do filme achei que sairia antes do termino, até que em determinado momento "caiu a ficha",entendi que era um devaneio, uma fantasia catartica de vingança e aí me diverti a valer.
Adorei o Brad com aquele queixo de Poderoso Chefão, lembrando Marlon Brando e todas as referencias e brincadeiras que Quentim faz com o cinema, cada texto que leio, fico sabendo de um detalhe a mais.
Adorei queimar naquela sala de cinema tantos arrogantes e maldosos.
O que seria de nós sem fantasia para aliviar a dor.
beijos

António Rosa disse...

Ângela

Sem a fantasia seríamos profundamente infelizes. Obrigado por ter vindo.

Reyel Angel disse...

Antônio, sou uma negação para filmes de guerra, mas até que já assisti uns que gostei muito, tipo: "A vida é bela", talvez seja só mais um filme, mas me emocionou muito.
Aproveito para lhe desejar um feliz Ano Novo repleto de coisas boas! Muita paz, harmonia e luz no seu coração. Continuarei off até dia primeiro. Bjos na alma!

Lucia Campos virtual disse...

Olá, António,
Passei pra te deixar um abração de Feliz 2010...e me deparei com sua saborosa crítica do filme do Tarantino! Obrigada por me fazer sorrir, a vc e a ele e a todo o excelente elenco.

Maria Ribeiro disse...

António Rosa: estes filmes , mesmo que "meio" brincalhões, sobre a realidade da Alemanha nazi, sáo também catarses dos nossos sofrimentos ,ao lembrarmos o que sabemos mesmo que isso seja só "a ponta do icebergue"
BJS DE lusibero

António Rosa disse...

Reyel,

Também gostei muito do «A Vida é Bela». Infelizmente, a guerra faz parte da natureza do Homem. Temos todos que aprender a viver sem ela.

Beijos

António Rosa disse...

Cara Lúcia

Também lhe desejo um Feliz Ano Novo.

Muito obrigado.

António Rosa disse...

Cara Maria

Muito obrigado por ter vindo. Um Bom Ano para si. Antes do ano terminar, passarei pelo seu espaço.

Beijos.

Rui António Santos disse...

Olá António, filme que não vi mas quando houver oportunidade penso ver.

Nesta quadra vi o filme Agora, que trata de uma Astronoma que existiu antes do nascimento de Cristo, que trabalhava na Biblioteca da Alexandria, que foi destruida. Muito bom o filme.

Essa Astronoma foi condenada ao apredejamento por defender as suas ideias.

A nivel téctivo o filme recria os acontecimentos daquele tempo que leva qum está ver o filme a viver com muita intensidade o filme.

Espero que o seu Natal tenha sido bom, e que 2010 seja um Ano de Grandes realizações , que continue a ensinar e inspirar pessoas.

Eu ultimamnete não tenho ido á Net, sabe miudos em casa avariaram-me já por tres vezes o computador.

Abraço

Graça Pereira disse...

Este é o convite mais apetecível que li até hoje, para ir ver um filme...
Está uma critíca MAGNOFÌCA!
António, tu és bom em todas as áreas!! O que irá surgir no fim de semana do Reveillon?? Fico curiosa!!
Um bom e feliz 2010!
Um beijo
Graça

Maria José disse...

Passou o Natal, e com ele, aquela sensação de acomodar num só dia o atraso de bondade e humanidade do ano inteiro.
Façamos diferente. Que possamos destilar um pouco desse espírito natalino em doses diárias no ano que se inicia.
Obrigada pela convivência maravilhosa em 2009. Que esta amizade seja renovada em 2010. Beijos.

António Rosa disse...

Rui

Esse filme, o 'Agora' parce prometedor. Irei procurá-lo. Bom ano para si. Abraço.

António Rosa disse...

Graça

Fico satisfeito em saber que gostaste do convite para veres o filme. A intenção era essa: fazer sentir o outro lado da história. Ainda bem.

Ainda não tenho nada preparado para o fim-de-semana. Alguma coisa irá surgir.

Bom ano de 2010 para ti,

Beijos

António Rosa disse...

Maria José

Muito agradecido por ter vindo até aqui.

Bom ano novo para si e que tudo nos corra pelo melhor.

Beijos

Noé disse...

Feliz Ano Novo!

António Rosa disse...

Noé

Bom ano para si.

Astrid Annabelle disse...

Olá António!
Irresistível o apelo que faz aqui!
Belíssima análise...
uma leitura de encantar os sentidos.
Parabéns!
Passei para matar as saudades...e mais uma vez lhe desejar um Feliz Ano Novo repleto de alegrias.
Um beijo
Astrid Annabelle

Hod disse...

Olá Antonio,
Chegando para etribuir-lhe as visitas lá por minhas atmosferas.

Se o foi planejado no inicio de 2009 não aconteceu, continuamos com fé colocando a Vida para Rodar. Se aconteceu comemoramos com a sonoridade e muita alegria..
Tim..Tim..
AGora é pular as ondinhas e correr para o abraço em 2010....

Alôha com infinitas bençãos!!!

Forte abraço,

Hod.

Gisa disse...

Oi ámado urso, estou passando pra agradecer pelos momentos especiais que nos ofereceu deixando sempre textos ótimos... foi um enorme prazer ter te conhecido este ano, você já faz parte dos pedaços da minha vida.

Um feliz Ano Novo, muitas alegrias e muito amor, te desejo de coração.

Bjao

Táxi Pluvioso disse...

Para onde foram os tempos em que as pessoas viam o "Música no Coração" no Natal?

UM BOM ANO

António Rosa disse...

Astrid,

Que bom que esteja de volta pois a sua presença é fundamental nesta nossa comunidade.

Muito obrigado pelas palavras dedicadas a este post.

Também lhe desejo um Bom Ano.

Todos precisamos.

Beijo

António Rosa disse...

Hod,

Que 2010 lhe traga tudo de bom e sobretudo que se sinta feliz e com saúde.

Abraço.

António Rosa disse...

Gisa


Também foi um praer conviver consigo. Um Feliz Ano 2010 para si e sua Família.

Beijos.

António Rosa disse...

Taxi Pluvioso

Olhe que andei à procura em que canal passavam o 'Música no Coração' e não consegui saber. De qualquer forma, preveni-me com meia dúzia de filmes.

Bom ano para si.

.Lis disse...

Oi,Antonio Rosa
Muito bom comentário sobre um excelente filme , apesar da violencia , gostei muito , vi por eses dias.
Passo pra desejar um ano bom e agradecer pelas postagens magnificas que nos presenteia ,sempre.
Estaremos de novo nos encontrando por aqui , no proximo ano, após as férias de janeiro.
meus abraços

Vanderson disse...

tava doido pra v esse filme, depois desse trabalho formidavel q vc fez aki falando do filme, minha vontade tá multiplicada por 10!!!
abraçoo e ótimo blog!!

Visible Silence disse...

Já pensava ver este filme... agora sei que tenho mesmo que o ver :)

Desejos de boas saídas e melhores entradas...
Que no ano de 2010 consigas concretizar todos os teus desejos.
FELIZ 2010
Beijinhos

Maria de Fátima disse...

Olá António, por acaso ainda não vi este filme.Desejo-te um excelente ano de 2010 com saúde, paz, amor e felicidade.Beijocas.

António Rosa disse...

.Lis

Muito agradecido pelas boas palavras.

Boas férias de Janeiro e bom ano de 2010.

abraço

António Rosa disse...

Vanderson

Muito agradecido por ter vindo e ter comentado favoravelmente este post. Vou já conhecer o seu blogue. Desejo-lhe um Bom Ano.

Abraço

António Rosa disse...

Visible Silence

Veja o filme que vai apreciar bastante.

Um bom ano para si, também

Tudo de bom.

Beijo

António Rosa disse...

Maria de Fátima

Desejo-te um excelente 2010, com tudo de bom para ti e Família.

Beijos.

Anónimo disse...

Excelente descrição deste filme, a aguçar o apetite de o ver. Também gostei muito do cartão de Feliz Ano Novo, é muito bonito.

Um Ano Novo muito FELIZ!

adriana disse...

Querido António,

O tempo não conta... nós é que o contamos.
Ainda assim, que você tenho um 2010 iluminado pela Alegria!

Salve!

Magda Moita disse...

Boas entradas e votos de um belíssimo 2010!

te echo de menos,

te quiero,

Beso,

Magda

António Rosa disse...

Anónima

Muito obrigado e Feliz Ano.

António Rosa disse...

Adriana

Muita Alegria para todos nós e para si em especial.

António Rosa disse...

~~~Magda

Um Feliz Ano para ti.

Saudades tuas.

Beijos

Adelaide Figueiredo disse...

António,

Fiquei com vontade de ver o filme, não só pelo elenco como pelo argumento.
Como gostei de ler a sua narração! :)
Desejo-lhe um bom ano 2010 com tudo de bom. Tudo o que deseje aconteça.

Abraço

António Rosa disse...

Adelaide,

Muito agradecido.

Desejo-lhe em excelente ano a si e sua família.

Abraço.

JotaSP disse...

Caro António:

Agradeço a tua atenção e carinho ao longo de 2009 e desejo tudo de MUITO bom para ti neste Novo Ano________________


Um abraço amigo «««

António Rosa disse...

Jota

Muito obrigado. Também te desejo o melhor que possas ter e ser no novo ano e forever.

Abraço

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates