A Nova Astrologia para os próximos séculos: Do Eu humano, ao Eu espiritual - Parte 2

7 de janeiro de 2013 ·


Parte 2

Se quiser ler a ‘Parte 1’ desta série, clique aqui.

Terminei o texto anterior afirmando isto: Os astros continuam a girar enquanto a consciência do ser humano se amplia e adquire maior capacidade para entender outras realidades do universo, de quem captamos informações. Este é um período de transição, de ponte, entre uma civilização que finaliza e uma nova que se está a iniciar sobre bases absolutamente diferentes às anteriores.

Se é um período de transição e de pontes, podemos afirmar que há espaço para todas as «astrologias». Porque o ser humano não avança no seu processo de igual forma, pois somos seres únicos e irrepetíveis. A humanidade, enquanto tal, dá enormes saltos quânticos, mas o ser humano individual faz o seu percurso, por vezes com muita lentidão.

É neste sentido que todas as «astrologias» serão necessárias durante muito tempo. Mas isto não invalida que surjam novas maneiras de se pensar aquilo que chamamos futuro.

Uma grande amiga comentava comigo, recentemente: «Como poderemos ficar interpretando através de modelos antigos o novo ‘modus vivendi’... Os astros evoluíram, as mentes evoluíram, o cosmos evoluiu... então nada do que havia antes terá continuidade da mesma forma...»

Por uma razão muito simples, querida amiga, porque cada pessoa tem o seu próprio momento. E a todos chegará aquele instante sagrado em que já não nos fixaremos tanto no passado e no futuro, ma sim, no aqui e agora. Porque a mudança não é total nem repentina. É gradual. E indo, de passo em passo, a humanidade chegará à Era de Aquário.

Os «novos astrólogos», quando chegarem irão provocar muita estranheza e serão os astrólogos que já estão a funcionar há vários anos, quem se encarregarão de os denegrir. Foi sempre assim. Ainda hoje é assim entre as diferentes correntes astrológicas. Porque é que seria diferente com a «Nova Astrologia»?

Os «novos astrólogos» terão que utilizar os meios de divulgação existentes: pela escrita, pelo som ou pelo vídeo. É a única maneira de se fazerem conhecer e de anunciarem que estará aí uma «Nova Astrologia». Não vale a pena sentirmos dentro de nós que faremos parte dessa elite astrológica que irá surgir, se não nos damos a conhecer. Será fundamental para os «novos astrólogos» difundirem o seu pensamento, pelos meios que existirem na altura à disposição da maioria. Não há outra forma, por enquanto, pois a telepatia ainda não funciona com multidões.

Tal como hoje em dia ainda se pratica a Astrologia helénica a Astrologia Indiana, a Astrologia Chinesa, a Astrologia Medieval, lado a lado com a Astrologia Karmica, a Astrologia Psicológica, a Astrologia Transpessoal e a Astrologia Contemporânea, assim vai acontecer com a «Nova Astrologia».

Não é por ter havido um salto quântico entre a Idade Média e os Dias de Hoje, que as pessoas acompanharam de IGUAL modo a evolução. Como muito bem se sabe, há lugar para tudo, pois são necessárias todas as ferramentas para os diferentes estádios de evolução em que a humanidade se encontra.

A «continuidade» arrasta-se... sempre, dando lugar a coisas novas, coexistindo tudo. O universo é assim, também. É movimento. Há não sei quantos biliões de anos que o nosso planeta e o nosso Sol não existiam. Mas lá se formaram, coexistindo com o que então havia. E, também, a seu tempo, desaparecerão, pois tudo no universo é acção e movimento, que se transforma.

Temos a enorme obrigação de percebermos que esta humanidade tem quase 8 biliões de pessoas e que o desnivelamento evolutivo é muito acentuado e, infelizmente, é por baixo que as coisas são avaliadas.

A astrologia nas suas múltiplas formas soube falar para o corpo biológico, depois para a mente e psique, mais tarde para a alma, faltando agora encontrar a ponte para falar para o Eu Energético, ou seja, o nosso Espírito, para podermos dizer que a Astrologia, no seu todo, atende ao ser humano em plenitude.

A astrologia é a «ferramenta» [uns chamarão de ciência, outros, de arte, e outros ainda de linguagem] que estuda e interpreta a relação entre os seres humanos e o cosmos. Sempre que há uma grande mudança na humanidade, há também uma mudança na maneira de ver e interpretar a vida e, assim, descobre-se um mundo novo para explorar. A Astrologia, como ciência, procura acompanhar todos os novos conhecimentos para ajudar a compreender a vida do cosmos. É de lá que viemos. É para lá que iremos. É por isso que aqui em baixo, na superfície do planeta, já se começou a receber uma nova forma de interpretar a relação entre os seres humanos e seu mapa natal. É a isto que chamo de saltos quânticos. A leitura de um mapa natal, hoje em dia, não se faz da mesma maneira que há 50 anos, ou 500 ou 2.000. Tudo muda, tudo se movimenta.

Em outras palavras, neste momento cósmico, quando um ser humano, ao nascer, tem o seu primeiro sopro de ar [vem a vida], absorve todas as energias cósmicas que dizem respeito a esse dia em concreto, essa hora especial e essa localidade. Esse momento cósmico torna-se o mapa natal daquele que nasce e dá-nos informações preciosas sobre o caminho cósmico da sua evolução pessoal, o que vem aprender, como vem interagir e, para o futuro, como se «entenderá» com o planeta onde nasceu.

Sabemos que actualmente estamos profundamente ligados às energias tremendamente subtis e distantes do centro da nossa galáxia. Eu intuo que essas energias sejam processadas pelas constelações e transmitidas daí ao nosso sistema solar. É com estes impulsos vibracionais que se reestruturam as pesadas couraças do ego que estão continuamente a caírem fazendo desaparecer crenças de outros tempos.

Se falamos em constelações temos que mencionar as «estrelas fixas». Será que os «novos astrólogos» irão apresentar-nos uma leitura mais dinâmica que a actual, que já é muito antiga? Mais uma vez afirmo que não faço ideia do que vos espera o futuro. Sim, escrevi 'vos espera' porque estou a fazer planos para, em vez de 'seguir viagem' como está combinado, retorne como «novo astrólogo». Garanto-vos que esta ideia, para mim, tem imensa piada. O melhor mesmo é nem co-criar esta situação.

Voltando a falar de constelações e estrelas fixas, deixo um «case study»: sabemos que o comportamento da mega-estrela Betelgeuse, justo a mais vermelha do cinturão de Orión, e após 20 anos de observação, indica-nos que estamos a presenciar a sua explosão e que esta ocorreu há mais de 590 anos. O assunto não é comparável à questão do planeta-anão Plutão. É muito mais delicado e cientificamente preciso. Levanto um mapa com as «estrelas fixas» e vou à procura do grau 28 de Gémeos, e onde deveria estar Betelgeuse, só há uns gases que são radiação pura, que se vai tornar ainda mais brilhante e a seguir desaparecerá. Que fique claro, sou um astrólogo tão antigo que nem sei explicar isto. Espero que no futuro surjam astrólogos que nos ponham em dia com estas questões. Porque não são só um símbolo, como muito bem gostamos de definir para não arranjarmos uns valentes sarilhos.

Neste salto quântico da consciência creio que as mesmas constelações conhecidas irão fornecer novas informações para o próximo caminho da evolução planetária, para o encaminhamento da «nova astrologia».

Isto já vai grande e prometi conter-me nestes artigos. Fico-me por aqui, desejando a todos um Bom Ano de 2013 e que os Novos Astrólogos apareçam com rapidez e conhecimentos sólidos. E que os que existimos, saibamos acarinhá-los e apoiá-los no seu desbravamento humano.

Na próxima Parte, a terceira, tenciono tratar de um assunto muito delicado e que eu próprio ainda estou a tentar compreender bem: creio que a nossa galáxia é «governada» por 13 grandes seres que na nossa linguagem chamamos de «signos». Na verdade, parecem ser 12 grandes seres que convergem para o centro, em que está o 13º deles.

Abraço-vos,

AR, 7 Janeiro 2013

Até ao próximo texto, na Parte 3.


.

11 comentários:

Vera Braz Mendes disse...
7 de janeiro de 2013 às 18:41  

Olá António! Gostei muito. Fico à espera da terceira parte. O Universo é movimento... É mesmo. E decerto tudo terá possibilidade de coexistir.

Bj

Dunyazade disse...
7 de janeiro de 2013 às 18:43  

Fui ver Betelguese:

"War and carnage are presaged by Betelgeuse. The star is indicative of great fortune, martial honors and "kingly" attributes."

Talvez signifique ou antecipe o fim da Importância da guerra (para ter honrarias, por exemplo) no seio da raça humana. Talvez signifique que este tipo de violência, na nossa raça, deixe de ser necessário ou relevante (não que desapareça). Não sei como interpretar, na verdade, estou mais ou menos a inventar.

Ah, o meu Saturno a 0º Caranguejo está mais ou menos perto desta estrela. Segundo o site (http://www.constellationsofwords.com/stars/Betelgeuse.html) isso significa:

"With Saturn: Shrewd, cunning, craftily dishonest, treacherous to friends, eventful life with many ups and downs, eventual wealth but little comfort, unfavorable for domestic matters."

Huuuu, sou mááááá, hehehehe. Ou melhor: Fui! Porque este Saturno está perto do meu N. Sul - portanto se tive estas características espero que as tenha tido no passado!

Um abraço!

Astrid Annabelle disse...
7 de janeiro de 2013 às 20:13  

Meu querido António...
Eu sei que cada pessoa tem o seu tempo...e que a mudança se processa de maneira gradual...e é assim mesmo que deve ser e continuará a ser...

Sei também que adorei o seu texto mais uma vez...
...e, que nunca serei uma nova astróloga... prefiro ser uma eterna aprendiz!!!

Parabéns...sempre excelente!!!

Beijo grande
Astrid Annabelle

Filomena Nunes disse...
7 de janeiro de 2013 às 22:51  

OHH MEU DEUS!!!

Certamente que vim dessas Estrelas ou Constelações longínquas... ou, pelo menos, já por lá andei. É que mesmo que não tenha ainda chegado a essas questões e conclusões de que fala, basta-me lêr uma vez e é como se já soubesse isso tudo.. sou incrível até para mim.. :)

Estou a adorar estas reflexões e fico à espera da próxima.

Um abraço emocionada (mais uma vez)

Filomena

Luma Rosa disse...
8 de janeiro de 2013 às 15:36  

Noutro dia estava lendo sobre o nascimento de uma estrela bebê que está em observação. Ela emite gases que formam planetas e desses planetas, a estrela se alimenta. Estão em simbiose. Daí penso que nós humanos estando ou não no mesmo grau de humanidade, também fazemos uma troca - o meu eu energético e os outros eus, formando uma grande massa energética. É como se precisássemos dessa energia para nos animar a mover, a pensar, a evoluir... enquanto que todas as criações divinas também possuem o seus "eus energéticos". Estou falando besteira? (rs*)
Vou esperar pela terceira parte. Depois se tiver tempo, dá uma olhadinha no meu post Do Ponto de Vista da Perspectiva, que mudei o título de última hora, ao qual anteriormente seria entitulado "Do ponto de vista das estrelas".
Se não puder ir, adianto o final, onde escrevi: As pessoas precisam se abrir. Almas fechadas são marionetes - O que vem de encontro ao que escreveu::

"Os «novos astrólogos» terão que utilizar os meios de divulgação existentes: pela escrita, pelo som ou pelo vídeo. É a única maneira de se fazerem conhecer e de anunciarem que estará aí uma «Nova Astrologia». Não vale a pena sentirmos dentro de nós que faremos parte dessa elite astrológica que irá surgir, se não nos damos a conhecer. Será fundamental para os «novos astrólogos» difundirem o seu pensamento, pelos meios que existirem na altura à disposição da maioria. Não há outra forma, por enquanto, pois a telepatia ainda não funciona com multidões".

Boa semana!!
Beijus,

António Rosa disse...
9 de janeiro de 2013 às 12:22  

Vera,

Muito agradecido. gora terei que descansar uns dias deste tema, pois desde o início do ano tem sido bastante obsessivo.

Beijo agradecido

Antóio

António Rosa disse...
9 de janeiro de 2013 às 12:23  

Dunyazade

E agora? Vai fazer de conta que ainda existe esta estrela? :))) Claro que não.

Agradecido por ter vindo

António

António Rosa disse...
9 de janeiro de 2013 às 12:23  

Querida e semprepresente amiga Astrid.

Hoje sinto-me especialmente 'distante' de tudo... Não sei explicar. Não é falta d einteresse. É como se visse as coisaspor telescópio, dái a distância.

Beijinho

António

António Rosa disse...
9 de janeiro de 2013 às 12:25  

Filomena,

Também me sinto fascinado pelas minhas origens estelares. Pergunto-me muitas vezes, como será a vida no sistema de Canaopus?

Beijinho

António

António Rosa disse...
9 de janeiro de 2013 às 12:26  


Muito agradecido por ter vindo. Fui ve ro seu blogue e adorei o artigo, tendo deixado um comentário.

Muitos beijinhos

António

MARCELO DALLA disse...
17 de janeiro de 2013 às 06:35  

Olá querido!
Suas colocações são muito inteligentes e sensatas. :) Sim, tudo muda, vamos ver o que vem por aí. Não sei nada sobre as estrelas fixas... está na lista de assuntos que quero estudar. Tanta coisa pra aprender!!!!!!
Astrologia é um estudo pra muitas vidas!!!!
abraço

7 de janeiro de 2013

A Nova Astrologia para os próximos séculos: Do Eu humano, ao Eu espiritual - Parte 2


Parte 2

Se quiser ler a ‘Parte 1’ desta série, clique aqui.

Terminei o texto anterior afirmando isto: Os astros continuam a girar enquanto a consciência do ser humano se amplia e adquire maior capacidade para entender outras realidades do universo, de quem captamos informações. Este é um período de transição, de ponte, entre uma civilização que finaliza e uma nova que se está a iniciar sobre bases absolutamente diferentes às anteriores.

Se é um período de transição e de pontes, podemos afirmar que há espaço para todas as «astrologias». Porque o ser humano não avança no seu processo de igual forma, pois somos seres únicos e irrepetíveis. A humanidade, enquanto tal, dá enormes saltos quânticos, mas o ser humano individual faz o seu percurso, por vezes com muita lentidão.

É neste sentido que todas as «astrologias» serão necessárias durante muito tempo. Mas isto não invalida que surjam novas maneiras de se pensar aquilo que chamamos futuro.

Uma grande amiga comentava comigo, recentemente: «Como poderemos ficar interpretando através de modelos antigos o novo ‘modus vivendi’... Os astros evoluíram, as mentes evoluíram, o cosmos evoluiu... então nada do que havia antes terá continuidade da mesma forma...»

Por uma razão muito simples, querida amiga, porque cada pessoa tem o seu próprio momento. E a todos chegará aquele instante sagrado em que já não nos fixaremos tanto no passado e no futuro, ma sim, no aqui e agora. Porque a mudança não é total nem repentina. É gradual. E indo, de passo em passo, a humanidade chegará à Era de Aquário.

Os «novos astrólogos», quando chegarem irão provocar muita estranheza e serão os astrólogos que já estão a funcionar há vários anos, quem se encarregarão de os denegrir. Foi sempre assim. Ainda hoje é assim entre as diferentes correntes astrológicas. Porque é que seria diferente com a «Nova Astrologia»?

Os «novos astrólogos» terão que utilizar os meios de divulgação existentes: pela escrita, pelo som ou pelo vídeo. É a única maneira de se fazerem conhecer e de anunciarem que estará aí uma «Nova Astrologia». Não vale a pena sentirmos dentro de nós que faremos parte dessa elite astrológica que irá surgir, se não nos damos a conhecer. Será fundamental para os «novos astrólogos» difundirem o seu pensamento, pelos meios que existirem na altura à disposição da maioria. Não há outra forma, por enquanto, pois a telepatia ainda não funciona com multidões.

Tal como hoje em dia ainda se pratica a Astrologia helénica a Astrologia Indiana, a Astrologia Chinesa, a Astrologia Medieval, lado a lado com a Astrologia Karmica, a Astrologia Psicológica, a Astrologia Transpessoal e a Astrologia Contemporânea, assim vai acontecer com a «Nova Astrologia».

Não é por ter havido um salto quântico entre a Idade Média e os Dias de Hoje, que as pessoas acompanharam de IGUAL modo a evolução. Como muito bem se sabe, há lugar para tudo, pois são necessárias todas as ferramentas para os diferentes estádios de evolução em que a humanidade se encontra.

A «continuidade» arrasta-se... sempre, dando lugar a coisas novas, coexistindo tudo. O universo é assim, também. É movimento. Há não sei quantos biliões de anos que o nosso planeta e o nosso Sol não existiam. Mas lá se formaram, coexistindo com o que então havia. E, também, a seu tempo, desaparecerão, pois tudo no universo é acção e movimento, que se transforma.

Temos a enorme obrigação de percebermos que esta humanidade tem quase 8 biliões de pessoas e que o desnivelamento evolutivo é muito acentuado e, infelizmente, é por baixo que as coisas são avaliadas.

A astrologia nas suas múltiplas formas soube falar para o corpo biológico, depois para a mente e psique, mais tarde para a alma, faltando agora encontrar a ponte para falar para o Eu Energético, ou seja, o nosso Espírito, para podermos dizer que a Astrologia, no seu todo, atende ao ser humano em plenitude.

A astrologia é a «ferramenta» [uns chamarão de ciência, outros, de arte, e outros ainda de linguagem] que estuda e interpreta a relação entre os seres humanos e o cosmos. Sempre que há uma grande mudança na humanidade, há também uma mudança na maneira de ver e interpretar a vida e, assim, descobre-se um mundo novo para explorar. A Astrologia, como ciência, procura acompanhar todos os novos conhecimentos para ajudar a compreender a vida do cosmos. É de lá que viemos. É para lá que iremos. É por isso que aqui em baixo, na superfície do planeta, já se começou a receber uma nova forma de interpretar a relação entre os seres humanos e seu mapa natal. É a isto que chamo de saltos quânticos. A leitura de um mapa natal, hoje em dia, não se faz da mesma maneira que há 50 anos, ou 500 ou 2.000. Tudo muda, tudo se movimenta.

Em outras palavras, neste momento cósmico, quando um ser humano, ao nascer, tem o seu primeiro sopro de ar [vem a vida], absorve todas as energias cósmicas que dizem respeito a esse dia em concreto, essa hora especial e essa localidade. Esse momento cósmico torna-se o mapa natal daquele que nasce e dá-nos informações preciosas sobre o caminho cósmico da sua evolução pessoal, o que vem aprender, como vem interagir e, para o futuro, como se «entenderá» com o planeta onde nasceu.

Sabemos que actualmente estamos profundamente ligados às energias tremendamente subtis e distantes do centro da nossa galáxia. Eu intuo que essas energias sejam processadas pelas constelações e transmitidas daí ao nosso sistema solar. É com estes impulsos vibracionais que se reestruturam as pesadas couraças do ego que estão continuamente a caírem fazendo desaparecer crenças de outros tempos.

Se falamos em constelações temos que mencionar as «estrelas fixas». Será que os «novos astrólogos» irão apresentar-nos uma leitura mais dinâmica que a actual, que já é muito antiga? Mais uma vez afirmo que não faço ideia do que vos espera o futuro. Sim, escrevi 'vos espera' porque estou a fazer planos para, em vez de 'seguir viagem' como está combinado, retorne como «novo astrólogo». Garanto-vos que esta ideia, para mim, tem imensa piada. O melhor mesmo é nem co-criar esta situação.

Voltando a falar de constelações e estrelas fixas, deixo um «case study»: sabemos que o comportamento da mega-estrela Betelgeuse, justo a mais vermelha do cinturão de Orión, e após 20 anos de observação, indica-nos que estamos a presenciar a sua explosão e que esta ocorreu há mais de 590 anos. O assunto não é comparável à questão do planeta-anão Plutão. É muito mais delicado e cientificamente preciso. Levanto um mapa com as «estrelas fixas» e vou à procura do grau 28 de Gémeos, e onde deveria estar Betelgeuse, só há uns gases que são radiação pura, que se vai tornar ainda mais brilhante e a seguir desaparecerá. Que fique claro, sou um astrólogo tão antigo que nem sei explicar isto. Espero que no futuro surjam astrólogos que nos ponham em dia com estas questões. Porque não são só um símbolo, como muito bem gostamos de definir para não arranjarmos uns valentes sarilhos.

Neste salto quântico da consciência creio que as mesmas constelações conhecidas irão fornecer novas informações para o próximo caminho da evolução planetária, para o encaminhamento da «nova astrologia».

Isto já vai grande e prometi conter-me nestes artigos. Fico-me por aqui, desejando a todos um Bom Ano de 2013 e que os Novos Astrólogos apareçam com rapidez e conhecimentos sólidos. E que os que existimos, saibamos acarinhá-los e apoiá-los no seu desbravamento humano.

Na próxima Parte, a terceira, tenciono tratar de um assunto muito delicado e que eu próprio ainda estou a tentar compreender bem: creio que a nossa galáxia é «governada» por 13 grandes seres que na nossa linguagem chamamos de «signos». Na verdade, parecem ser 12 grandes seres que convergem para o centro, em que está o 13º deles.

Abraço-vos,

AR, 7 Janeiro 2013

Até ao próximo texto, na Parte 3.


.

11 comentários:

Vera Braz Mendes disse...

Olá António! Gostei muito. Fico à espera da terceira parte. O Universo é movimento... É mesmo. E decerto tudo terá possibilidade de coexistir.

Bj

Dunyazade disse...

Fui ver Betelguese:

"War and carnage are presaged by Betelgeuse. The star is indicative of great fortune, martial honors and "kingly" attributes."

Talvez signifique ou antecipe o fim da Importância da guerra (para ter honrarias, por exemplo) no seio da raça humana. Talvez signifique que este tipo de violência, na nossa raça, deixe de ser necessário ou relevante (não que desapareça). Não sei como interpretar, na verdade, estou mais ou menos a inventar.

Ah, o meu Saturno a 0º Caranguejo está mais ou menos perto desta estrela. Segundo o site (http://www.constellationsofwords.com/stars/Betelgeuse.html) isso significa:

"With Saturn: Shrewd, cunning, craftily dishonest, treacherous to friends, eventful life with many ups and downs, eventual wealth but little comfort, unfavorable for domestic matters."

Huuuu, sou mááááá, hehehehe. Ou melhor: Fui! Porque este Saturno está perto do meu N. Sul - portanto se tive estas características espero que as tenha tido no passado!

Um abraço!

Astrid Annabelle disse...

Meu querido António...
Eu sei que cada pessoa tem o seu tempo...e que a mudança se processa de maneira gradual...e é assim mesmo que deve ser e continuará a ser...

Sei também que adorei o seu texto mais uma vez...
...e, que nunca serei uma nova astróloga... prefiro ser uma eterna aprendiz!!!

Parabéns...sempre excelente!!!

Beijo grande
Astrid Annabelle

Filomena Nunes disse...

OHH MEU DEUS!!!

Certamente que vim dessas Estrelas ou Constelações longínquas... ou, pelo menos, já por lá andei. É que mesmo que não tenha ainda chegado a essas questões e conclusões de que fala, basta-me lêr uma vez e é como se já soubesse isso tudo.. sou incrível até para mim.. :)

Estou a adorar estas reflexões e fico à espera da próxima.

Um abraço emocionada (mais uma vez)

Filomena

Luma Rosa disse...

Noutro dia estava lendo sobre o nascimento de uma estrela bebê que está em observação. Ela emite gases que formam planetas e desses planetas, a estrela se alimenta. Estão em simbiose. Daí penso que nós humanos estando ou não no mesmo grau de humanidade, também fazemos uma troca - o meu eu energético e os outros eus, formando uma grande massa energética. É como se precisássemos dessa energia para nos animar a mover, a pensar, a evoluir... enquanto que todas as criações divinas também possuem o seus "eus energéticos". Estou falando besteira? (rs*)
Vou esperar pela terceira parte. Depois se tiver tempo, dá uma olhadinha no meu post Do Ponto de Vista da Perspectiva, que mudei o título de última hora, ao qual anteriormente seria entitulado "Do ponto de vista das estrelas".
Se não puder ir, adianto o final, onde escrevi: As pessoas precisam se abrir. Almas fechadas são marionetes - O que vem de encontro ao que escreveu::

"Os «novos astrólogos» terão que utilizar os meios de divulgação existentes: pela escrita, pelo som ou pelo vídeo. É a única maneira de se fazerem conhecer e de anunciarem que estará aí uma «Nova Astrologia». Não vale a pena sentirmos dentro de nós que faremos parte dessa elite astrológica que irá surgir, se não nos damos a conhecer. Será fundamental para os «novos astrólogos» difundirem o seu pensamento, pelos meios que existirem na altura à disposição da maioria. Não há outra forma, por enquanto, pois a telepatia ainda não funciona com multidões".

Boa semana!!
Beijus,

António Rosa disse...

Vera,

Muito agradecido. gora terei que descansar uns dias deste tema, pois desde o início do ano tem sido bastante obsessivo.

Beijo agradecido

Antóio

António Rosa disse...

Dunyazade

E agora? Vai fazer de conta que ainda existe esta estrela? :))) Claro que não.

Agradecido por ter vindo

António

António Rosa disse...

Querida e semprepresente amiga Astrid.

Hoje sinto-me especialmente 'distante' de tudo... Não sei explicar. Não é falta d einteresse. É como se visse as coisaspor telescópio, dái a distância.

Beijinho

António

António Rosa disse...

Filomena,

Também me sinto fascinado pelas minhas origens estelares. Pergunto-me muitas vezes, como será a vida no sistema de Canaopus?

Beijinho

António

António Rosa disse...


Muito agradecido por ter vindo. Fui ve ro seu blogue e adorei o artigo, tendo deixado um comentário.

Muitos beijinhos

António

MARCELO DALLA disse...

Olá querido!
Suas colocações são muito inteligentes e sensatas. :) Sim, tudo muda, vamos ver o que vem por aí. Não sei nada sobre as estrelas fixas... está na lista de assuntos que quero estudar. Tanta coisa pra aprender!!!!!!
Astrologia é um estudo pra muitas vidas!!!!
abraço

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates