Gabriel

3 de agosto de 2008 ·

Ontem à noite vi o filme «Gabriel» e fiquei surpreendido com esta película australiana, feita com um baixo orçamento (220 mil dólares australianos). Percebe-se que é um filme feito com imensa dedicação. Chega a ser uma obra sombria com personagens atormentados num mundo tristonho onde a esperança além de murchar, pode fazer sofrer.

O conceito do filme, é este: As almas, depois da sua passagem pela Terra, têm que passar pelo Purgatório, para então lhes ser dado o destino final. A teologia fala em destinos como Céu e Inferno. Pessoalmente, eu não acredito nisso. Vejo com bons olhos outras possibilidades. O filme não aborda estas questões.

Voltando ao filme, esse lugar conhecido por Purgatório, foi dominado pelos Anjos Caídos e a Luz desapareceu. Sammael [Dwaine Stevenson], com a ajuda de Ahriman, Asmodeus [Michael Piccirilli], Lilith [Erika Heynatz], Balan, Moloch e Belial, quer conquistar o mundo em nome da escuridão. Com a ajuda dos seus cúmplices ele está a transformar tudo em escuridão, vícios, crueldade e violência.

A vitória de Sammael estava garantida até a chegada de Gabriel [Andy Whitfield], o último dos sete arcanjos da Luz (arcs, como são referidos na película), enviados pela Fonte. Ao longo do filme encontraremos Rafael [Jack Campbell], Miguel, Amitiel [Samantha Noble], Uriel [Harry Pavlidis], Ithuriel e Remiel.

Gabriel é jovem, forte e o mais nobre guerreiro já visto desde que Michael, o seu antecessor, desapareceu. Rapidamente a coragem e os atributos de Gabriel ameaçam dizimar o mal de Sammael. Mas este possui uma última carta nas mangas: o segredo do seu próprio passado, um conhecimento que pode destruir Gabriel para sempre. Esta parte final do filme é deveras surpreendente.

Os apreciadores de filmes de acção encontrarão neste filme grand emovimento e cenas de lutas muito bem executadas. Os pouco meios não deve ter permitido ao realizador a costumeira onda de efeitos especiais. Optou por fazer sobressair o lado mais sombrio dos cenários e de aluns diálogos fortíssimos. Claro que a Luz vence.

Site do filme.

7 comentários:

Samsara disse...
3 de agosto de 2008 às 10:45  

Ando mesmo a leste do cinema, ainda não tinha ouvido falar deste filme. Talvez agora com a minha mãe cá em casa, que é a minha grande companheira de filmes, arranje um bocadinho para ir.
Bjs.

António Rosa disse...
3 de agosto de 2008 às 12:59  

A minha relação com o cinema é por fases. Agora é a fase de ver muitos filmes já disponíveis na internet. Emprestaram-se 12 filmes. Este fim-de-semana tenho passado tempo nisso.

Apeteceu-me comentar este, por ser um tema que me interessa.

kiss

Maria Paula disse...
3 de agosto de 2008 às 15:01  

Boa tarde

Fui ver o trailer..À primeira vista fez-me lembrar os cenários do "o corvo"... vou aguardar que chegue a Trancoso nos cinemas.

Boa secção cinematográfica! :)

Para mim ainda não houve um filme que me destronasse "A list de Schindler", não só pelo filme como pelo realizador...

Beijinho

António Rosa disse...
3 de agosto de 2008 às 18:56  

Olá Maria Paula,

Realmente dá ares de "O Corvo". Também dostei da"Lista de Schindler". Já lá vão anos...

kiss

Astrid Annabelle disse...
3 de agosto de 2008 às 20:02  

António,
boa tarde daqui e boa noite aí!
Gostei da sua análise do filme, mas ando sem muita vontade de assistir a filmes... No entanto desejo que se divirtas e tires bom proveito desse seu "momento cinemátografico"!
Um beijo domenical.
Ma Jivan Prabhuta

António Rosa disse...
4 de agosto de 2008 às 07:28  

Olá Astrid,

Foi o que fiz todo o fim-de-semana. Não li, nem vi programas de Tv. Só alguns filmes.

Beijo.

HighLander77 disse...
9 de agosto de 2008 às 12:42  

OI António,

Já cheguei a ver o filme e para um filme de tão baixo orçamento até está bastante bom.
Obviamente que não se podia pedir a profundidade com um budget destes para um assunto tão complexo como o que retrata, porém para o que foi e com os nomes que retrata no filme está bastante bom.
O ambiente é "dark" mas é fundamental no filme pois inserir cenas de luta "a la matrix" com musica celestial e muita luz faria do filme uma actuação dos monges shaolins...
Aconselho vivamente a ir ver o "Cavaleiro das Trevas"... é indubitavelmente um dos melhores filmes que já vi.... Bale, Hedger e Nolan no seu melhor.

Abraço

3 de agosto de 2008

Gabriel

Ontem à noite vi o filme «Gabriel» e fiquei surpreendido com esta película australiana, feita com um baixo orçamento (220 mil dólares australianos). Percebe-se que é um filme feito com imensa dedicação. Chega a ser uma obra sombria com personagens atormentados num mundo tristonho onde a esperança além de murchar, pode fazer sofrer.

O conceito do filme, é este: As almas, depois da sua passagem pela Terra, têm que passar pelo Purgatório, para então lhes ser dado o destino final. A teologia fala em destinos como Céu e Inferno. Pessoalmente, eu não acredito nisso. Vejo com bons olhos outras possibilidades. O filme não aborda estas questões.

Voltando ao filme, esse lugar conhecido por Purgatório, foi dominado pelos Anjos Caídos e a Luz desapareceu. Sammael [Dwaine Stevenson], com a ajuda de Ahriman, Asmodeus [Michael Piccirilli], Lilith [Erika Heynatz], Balan, Moloch e Belial, quer conquistar o mundo em nome da escuridão. Com a ajuda dos seus cúmplices ele está a transformar tudo em escuridão, vícios, crueldade e violência.

A vitória de Sammael estava garantida até a chegada de Gabriel [Andy Whitfield], o último dos sete arcanjos da Luz (arcs, como são referidos na película), enviados pela Fonte. Ao longo do filme encontraremos Rafael [Jack Campbell], Miguel, Amitiel [Samantha Noble], Uriel [Harry Pavlidis], Ithuriel e Remiel.

Gabriel é jovem, forte e o mais nobre guerreiro já visto desde que Michael, o seu antecessor, desapareceu. Rapidamente a coragem e os atributos de Gabriel ameaçam dizimar o mal de Sammael. Mas este possui uma última carta nas mangas: o segredo do seu próprio passado, um conhecimento que pode destruir Gabriel para sempre. Esta parte final do filme é deveras surpreendente.

Os apreciadores de filmes de acção encontrarão neste filme grand emovimento e cenas de lutas muito bem executadas. Os pouco meios não deve ter permitido ao realizador a costumeira onda de efeitos especiais. Optou por fazer sobressair o lado mais sombrio dos cenários e de aluns diálogos fortíssimos. Claro que a Luz vence.

Site do filme.

7 comentários:

Samsara disse...

Ando mesmo a leste do cinema, ainda não tinha ouvido falar deste filme. Talvez agora com a minha mãe cá em casa, que é a minha grande companheira de filmes, arranje um bocadinho para ir.
Bjs.

António Rosa disse...

A minha relação com o cinema é por fases. Agora é a fase de ver muitos filmes já disponíveis na internet. Emprestaram-se 12 filmes. Este fim-de-semana tenho passado tempo nisso.

Apeteceu-me comentar este, por ser um tema que me interessa.

kiss

Maria Paula disse...

Boa tarde

Fui ver o trailer..À primeira vista fez-me lembrar os cenários do "o corvo"... vou aguardar que chegue a Trancoso nos cinemas.

Boa secção cinematográfica! :)

Para mim ainda não houve um filme que me destronasse "A list de Schindler", não só pelo filme como pelo realizador...

Beijinho

António Rosa disse...

Olá Maria Paula,

Realmente dá ares de "O Corvo". Também dostei da"Lista de Schindler". Já lá vão anos...

kiss

Astrid Annabelle disse...

António,
boa tarde daqui e boa noite aí!
Gostei da sua análise do filme, mas ando sem muita vontade de assistir a filmes... No entanto desejo que se divirtas e tires bom proveito desse seu "momento cinemátografico"!
Um beijo domenical.
Ma Jivan Prabhuta

António Rosa disse...

Olá Astrid,

Foi o que fiz todo o fim-de-semana. Não li, nem vi programas de Tv. Só alguns filmes.

Beijo.

HighLander77 disse...

OI António,

Já cheguei a ver o filme e para um filme de tão baixo orçamento até está bastante bom.
Obviamente que não se podia pedir a profundidade com um budget destes para um assunto tão complexo como o que retrata, porém para o que foi e com os nomes que retrata no filme está bastante bom.
O ambiente é "dark" mas é fundamental no filme pois inserir cenas de luta "a la matrix" com musica celestial e muita luz faria do filme uma actuação dos monges shaolins...
Aconselho vivamente a ir ver o "Cavaleiro das Trevas"... é indubitavelmente um dos melhores filmes que já vi.... Bale, Hedger e Nolan no seu melhor.

Abraço

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates