Ilha de Moçambique - A nossa Casa e a tipografia do meu Pai

17 de novembro de 2014 ·



Esta é uma sequência de 5 fotografias com a fachada da Tipografia e da nossa própria casa
na Ilha de Moçambique, tiradas pelo amigo e conterrâneo Carlos Cruz, que está de férias neste exacto momento na ilha [17-11-204]. Recebi-as esta mesma manhã, gentilmente enviadas pelo próprio.

Nem sabes quanto te agradeço, Carlos. Muito obrigado.

Resolvi aproveitar a oportunidade e fazer uma pequena viagem no tempo com fotografias da família e amigos, lado-a-lado com as da fachada do edifício.

O interior está completamente degradado, com tectos e paredes caídas, uma completa ruína.

A par dos edifícios do Luso, do Sporting, do Desportivo, do Cinema Imperial, a Escola de Artes e Ofícios, Palácio, de alguns Templos, e outros similares que não me lembro agora, este edifício da Gráfica e da nossa Casa, em área coberta e zona não coberta, era um dos maiores da ilha.

Na foto de cima, vemos 3 portas, mas só as duas primeiras estavam abertas ao público. A 3ª porta e o resto das janelas, pertenciam ao salão destinado às máquinas de imprimir e essa porta nunca se abria.


Meus Pais, minha irmã Rosa Maria e a mais nova, a Rosarinha, ainda não era nascida.
Eu devia andar na 2ª classe, teria portanto, uns 6 a 7 anos. O meu Pai, faleceu muito cedo,
em 1970, aos 48 anos de idade.


Voltamos a ver apenas as duas portas principais de entrada 
para a Gráfica do meu Pai.


Aqui já estamos com a família ao completo



Aqui, já com 19 anos, ano em que morreu o meu Pai,
numa das pontas da ilha, vendo-se ao fundo o Fortim de São Lourenço.



A tal terceira porta que nunca se abria. Aqui era o início da Rua da Liberdade.
Em frente ficava a Câmara Municipal da Ilha.
Continuando por essa rua, encontrávamos vários estabelecimentos comerciais,
um deles era o Gordhandas e o outr era a loja da Família Rodrigues, e em frente ficava o Bazar Municipal, e numa das ruas laterais, encontrávamos o Templo Hindú. Se continuássemos, iríamos
parar a um jardim, que num dos lados estava a Rua das Flores, onde a Ema e muitos outros moraram.


Família ainda mais completa, pois estava o Virgilio Borges, sobrinho de minha Mãe e meu primo,
além da sua Mulher, à esquerda, a Lili e ao colo dele o filho do casal, o César João.


Já fizemos uma certa viagem de saudade, indo para a direita da foto, agora iremos para a esquerda.
Neste ponto, dava-se uma bifurcação: uma rua para a direita e nesse sentido encontramos o Escondidinho, que ainda funciona. A dividir as duas ruas estava o cinema Imperial. Se continuássemos pela rua da direita, iríamos dar à estátua do Luiz de Camões e a Casa Branca da Flora. E passaríamos pelas casas de muitas famílias conhecidas. Lembro-me da Família Lobato, por exemplo. Se seguíssemos pela rua do lado esquerdo do cinema, teríamos a casa da Gége, passaríamos depois pela casa da Família Mota [Isabel Sequeira, Carmo Mota, Eduardo Mota e outros irmãos], Na continuação passaríamos pela Capitania do Mar, Guarda Fiscal e a Polícia, antes de chegarmos à Rua dos Arcos.


A Família, quando eu tinha 8 anos e pouco depois teríamos a Rosarinha.


Na continuação da fachada da Gráfica, viríamos dar a este portão,
que fica mesmo em frente à escadaria da Câmara Municipal.

A nossa casa tinha a característica de rodear o edifício da Gráfica pela traseiras, por
isso era toda virada para o interior, com dois quintais enormes e um parrot, mandado fazer pelo meu Pai, em que nos dias dias quentes [a maioria], nos servia de sala de jantar. Eu adorava estaca casa.

Mais abaixo, dois momentos de socialização com amigos. 






.

4 comentários:

voyance gratuite en ligne disse...
2 de novembro de 2015 às 10:44  

Ótimo artigo, e direto ao ponto. Eu não sei se este é de fato o melhor lugar para perguntar, mas você as pessoas têm qualquer ideea onde a empregar alguns escritores profissionais? obrigado

voyance gratuite par telephone disse...
26 de janeiro de 2016 às 15:43  

Mi hermano me sugirió que puede gustarte este blog. Era toda la razón. Este post realmente me alegró el día. Usted cann't imaginar cuánto tiempo había pasado por esta información! ¡Gracias!

voyance gratuite par mail disse...
3 de maio de 2016 às 13:39  

Siempre tan emocionante y así diversificar, estoy feliz de que yo soy discapacitado que me da la felicidad. Sigue así!

voyance gratuitement par mail disse...
17 de fevereiro de 2017 às 11:03  

Gracias por darnos tanta felicidad!

17 de novembro de 2014

Ilha de Moçambique - A nossa Casa e a tipografia do meu Pai



Esta é uma sequência de 5 fotografias com a fachada da Tipografia e da nossa própria casa
na Ilha de Moçambique, tiradas pelo amigo e conterrâneo Carlos Cruz, que está de férias neste exacto momento na ilha [17-11-204]. Recebi-as esta mesma manhã, gentilmente enviadas pelo próprio.

Nem sabes quanto te agradeço, Carlos. Muito obrigado.

Resolvi aproveitar a oportunidade e fazer uma pequena viagem no tempo com fotografias da família e amigos, lado-a-lado com as da fachada do edifício.

O interior está completamente degradado, com tectos e paredes caídas, uma completa ruína.

A par dos edifícios do Luso, do Sporting, do Desportivo, do Cinema Imperial, a Escola de Artes e Ofícios, Palácio, de alguns Templos, e outros similares que não me lembro agora, este edifício da Gráfica e da nossa Casa, em área coberta e zona não coberta, era um dos maiores da ilha.

Na foto de cima, vemos 3 portas, mas só as duas primeiras estavam abertas ao público. A 3ª porta e o resto das janelas, pertenciam ao salão destinado às máquinas de imprimir e essa porta nunca se abria.


Meus Pais, minha irmã Rosa Maria e a mais nova, a Rosarinha, ainda não era nascida.
Eu devia andar na 2ª classe, teria portanto, uns 6 a 7 anos. O meu Pai, faleceu muito cedo,
em 1970, aos 48 anos de idade.


Voltamos a ver apenas as duas portas principais de entrada 
para a Gráfica do meu Pai.


Aqui já estamos com a família ao completo



Aqui, já com 19 anos, ano em que morreu o meu Pai,
numa das pontas da ilha, vendo-se ao fundo o Fortim de São Lourenço.



A tal terceira porta que nunca se abria. Aqui era o início da Rua da Liberdade.
Em frente ficava a Câmara Municipal da Ilha.
Continuando por essa rua, encontrávamos vários estabelecimentos comerciais,
um deles era o Gordhandas e o outr era a loja da Família Rodrigues, e em frente ficava o Bazar Municipal, e numa das ruas laterais, encontrávamos o Templo Hindú. Se continuássemos, iríamos
parar a um jardim, que num dos lados estava a Rua das Flores, onde a Ema e muitos outros moraram.


Família ainda mais completa, pois estava o Virgilio Borges, sobrinho de minha Mãe e meu primo,
além da sua Mulher, à esquerda, a Lili e ao colo dele o filho do casal, o César João.


Já fizemos uma certa viagem de saudade, indo para a direita da foto, agora iremos para a esquerda.
Neste ponto, dava-se uma bifurcação: uma rua para a direita e nesse sentido encontramos o Escondidinho, que ainda funciona. A dividir as duas ruas estava o cinema Imperial. Se continuássemos pela rua da direita, iríamos dar à estátua do Luiz de Camões e a Casa Branca da Flora. E passaríamos pelas casas de muitas famílias conhecidas. Lembro-me da Família Lobato, por exemplo. Se seguíssemos pela rua do lado esquerdo do cinema, teríamos a casa da Gége, passaríamos depois pela casa da Família Mota [Isabel Sequeira, Carmo Mota, Eduardo Mota e outros irmãos], Na continuação passaríamos pela Capitania do Mar, Guarda Fiscal e a Polícia, antes de chegarmos à Rua dos Arcos.


A Família, quando eu tinha 8 anos e pouco depois teríamos a Rosarinha.


Na continuação da fachada da Gráfica, viríamos dar a este portão,
que fica mesmo em frente à escadaria da Câmara Municipal.

A nossa casa tinha a característica de rodear o edifício da Gráfica pela traseiras, por
isso era toda virada para o interior, com dois quintais enormes e um parrot, mandado fazer pelo meu Pai, em que nos dias dias quentes [a maioria], nos servia de sala de jantar. Eu adorava estaca casa.

Mais abaixo, dois momentos de socialização com amigos. 






.

4 comentários:

voyance gratuite en ligne disse...

Ótimo artigo, e direto ao ponto. Eu não sei se este é de fato o melhor lugar para perguntar, mas você as pessoas têm qualquer ideea onde a empregar alguns escritores profissionais? obrigado

voyance gratuite par telephone disse...

Mi hermano me sugirió que puede gustarte este blog. Era toda la razón. Este post realmente me alegró el día. Usted cann't imaginar cuánto tiempo había pasado por esta información! ¡Gracias!

voyance gratuite par mail disse...

Siempre tan emocionante y así diversificar, estoy feliz de que yo soy discapacitado que me da la felicidad. Sigue así!

voyance gratuitement par mail disse...

Gracias por darnos tanta felicidad!

linkwithin cova

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
«A vida é o que te vai sucedendo, enquanto te empenhas a fazer outros planos.»
Professor Agostinho da Silva

Visitas ao blogue

Receba os artigos por email

Para si, leitor

Caro leitor, tem muito por onde escolher. Sinta-se bem neste blogue. Pode copiar os textos que entender para seu uso pessoal, para estudar, para crescer interiormente e para ser feliz. Considere-me como estando do seu lado. No entanto, se é para reproduzir em outro blogue ou website, no mínimo, tenha a delicadeza de indicar que o texto é do «Cova do Urso» e, como tal, usar o respectivo link, este: http://cova-do-urso.blogspot.pt/ - São as regras da mais elementar cortesia na internet. E não é porque eu esteja apegado aos textos, pois no momento em que são publicados, vão para o universo. Mas, porque o meu blogue, o «Cova do Urso» merece ser divulgado. Porquê? Porque é um dos melhores do género, em língua portuguesa (no mínimo) e merece essa atenção.


Love Cova do Urso

Image and video hosting by TinyPic

Lista de Blogue que aprecio

O Cova do Urso no 'NetworkedBlogs' dentro do Facebook

.

Mapa natal do 'Cova do Urso'


Get your own free Blogoversary button!

O «Cova do Urso» nasceu a 22-11-2007, às 21:34, em Queluz, Portugal.

1º post do blogue, clicar aqui.

Blog Archive

Patagónia, Argentina

Textos de António Rosa. Com tecnologia do Blogger.

Copyright do blogue

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License
Os textos daqui são (maioritariamente) do autor do blogue. Caso haja uso indevido de imagens, promoverei as correcções, se disso for informado, bastando escrever-me para o meu email: covadourso@gmail.com -
Copyright © António Rosa, 2007-2014
 
Blogger Templates